Busca no Blog

9 de março de 2014

Pensamentos Consoladores de São Francisco de Sales.

11/25 -  Amor de Jesus Cristo para com os pecadores.

Nosso Senhor, grande e excelente médico de todas as nossas  enfermidades, antes de vir ao mundo, fez anunciar toda a parte não só a sua chegada, mas também as enfermidades que curava; umas vezes pelos profetas; "Eu consolidarei o que esta quebrado e fortalecerei o que esta fraco; eles serão limpos de toda a mácula. Vós salvareis os humildes". Outras vezes, por sua própria boca: "Vinde a mim todos os que estão fatigados". Mas sobretudo quando se intitula Jesus; porque os médicos não curam sempre e por isso não basta só chamar-lhe Cristo mas também Salvador, porque os seus remédios são infalíveis. Que admira pois que no Evangelho o vejam sempre cercado de doentes, pecadores e publicanos? Oh! vã e louca murmuração dos judeus quando diziam: "Este recebe os pecadores!" E quem quereis vós que recebesse? Não é uma honra para um médico ser procurado pelos doentes e muito mais quando as suas doenças são incuráveis? Nosso Senhor, não tanto para repelir a temeridade deste fariseu, como para nos dar coragem de nos aproximar-nos d"Ele, lança para longe, por meio de parábolas, esta consideração farisaica. Concluam os pois com razão de todas as suas palavras que o seu gosto é conduzir à misericórdia. A alma afasta-se de Deus fugindo das suas graças e dos meios que nos dá para a salvação, assim como se diz que qualquer um foge dos médicos; não porque os odeie, mas porque tem ódio ao remédio. Quanto os pecadores mais se afastam de Deus, tanto mais se afastam de sua misericórdia! Que dores! Que pesares! Porque o que diz Santo Agostinho é verdade: "Senhor, vós nos fizestes para vós e o nosso coração estará inquieto enquanto em vós não repousar". Oh! que divisão do homem em relação a si e ao seu Deus! Mas nesta grande tristeza há uma consolação, é que, embora o homem esteja afastado de Deus pode voltar-se para Ele e ser bem recebido. "Deixe pois o impio o seu caminho e o homem iníquo as suas iniquidades e pensamentos; volte-se para o Senhor, que terá dele piedade, porque a sua misericórdia é abundante para perdoar". Assim o faminto pródigo, e o infeliz Absalão foram recebidos por seus pais; e sem isso que nos aconteceria? Todos somos mentirosos, isto é, pecadores, e se dizermos que não temos pecados, enganamo-nos a nós mesmos: Voltai-vos para o Senhor e deixai a vossa iniquidade porque a sua misericórdia é grande para com os que se convertem a Ele. Porque se chama Ele Salvador senão para nos salvar? Os pecadores e os publicanos aproximavam-se-lhe para ouvirem a sua palavra. Pode dizer-se que nada há mais conforme à inclinação de Jesus do que socorrer os miseráveis e perdoar aos que lhe pedem perdão das suas ofensas. Ninguém tema pois implorar a sua misericórdia e saibam a distinção que São Bernardo faz entre os eleitos e os réprobos; diz ele que estes não pensam em se erguer depois da sua queda, e aqueles, logo que caem se levantam e imediatamente correm nas vias do Senhor. Conta-se de Davi, no capítulo XXII do 1º livro dos Reis, que estando na caverna de Osola, os necessitados e aflitos vieram para ele e se tornou em Rei; era isto para significar o segundo Davi que devia deixar aproximar de si os pobres e necessitados, os aflitos e miseráveis; os que gemiam sob o duro fardo das necessidades e enfermidades corporais e muito mais os que estavam oprimidos debaixo do duro fardo do pecado. Os fariseus murmuram porque Ele recebe os pecadores; mas vejamos como os recebe e veremos grandes coisas. O pecador pode-se afastar de Deus e de si mesmo; é e coisa certa: "O Espírito vai e não volta. A tua perdição vem de ti. Israel; mas de Mim só vem o teu socorro".  e São Paulo diz: "Nós não somos capazes por nós mesmos de  ter algum bom pensamento; podemos destruir, mas não recompor".  Nosso Senhor previne o pecador, o vai buscar; chama-o e convida-o a voltar, doutra forma ele não pensaria em tal. Reconheço que a minha força vem de vós, oh! Deus meu, porque vós sois o meu socorro. A misericórdia do meu Deus me prevenira. É Deus que produz em nós os bons desejos e as vontades santas, é Ele que as aperfeiçoa e termina. Impeli-nos para Vós e nós corremos. "O que vai com o vento para o seu país, não volta senão com o vento contrário". Nunca Absalão voltaria para Davi seu pai se Tecuita sua mulher não o pedisse; nunca o pecador voltaria se a misericórdia o não tomasse. Oh! bondade infinita; Nosso Senhor vai procurando a ovelha desgarrada; doutra forma não voltaria à casa. Esta misericórdia vai procurando a dracma perdida; oh! se aqueles murmuravam, louvemo-lá nós porque recebe os pecadores e os procura. Jesus estando no templo no dia da grande solenidade, exclamava deste modo: "Se alguém tem sede venha a Mim e beba". O Filho do Eterno veio procurar e salvar o que tinha perecido. Quantas vezes os quis  jantar, como a galinha os seus pintinhos! 
Mas, como nós somos miseráveis! muitas vezes somos chamados e fazêmo-nos surdos: "Chamei e vós não me ouvistes", diz Deus. Somos atraídos e dírigimo-nos contra Ele. Jesus queixa-se dizendo: "Todo o dia estendi as mãos no meu povo incrédulo e rebelde".
Ó santa, ó bem aventurada e feliz multidão de pecadores e publicanos, que se aproximam de Nosso Senhor! Não fazem como os convidados para o grande banquete, que se desculpam; eles aproximam-se e são bem vindos. Ó meu salvador, como se chegaram a Vós os pecadores sendo Vós justo? Porque Davi diz absolutamente do justo que o mal se não aproximara dele. "Retirai-vos de mim malvado. Ninguém pode vir a Mim se meu Pai o não atrai e o que de Mim se aproximar será repelido". Já que assim é, o meu Salvador, meu Redentor, meu Deus, posso dizer à este povo da Vossa parte: "Aproximai-vos de Deus, e sereis alumiados, e não serão confundidas as vossas forças, porque Ele recebe os pecadores". Mas vede de que maneira devemos aproximar-nos de Deus; é abandonando o pecado: "Retirai-vos do mal; sai da Babilônia; fuja dos Caldeus: a paz não mora com os ímpios", diz o Senhor. Pecastes pelo coração, pela boca, pelas obras; é preciso empregar as três coisas opostas; confissão, contrição e satisfação. Nosso Senhor é como o sol, que a toda parte chega. É do alto do céu que dimana. Vai dardejando os raios sobre os justos e injustos e dos lamaçais mais imundos extrai vapores, que, chegados a uma certa altura, se convertem em orvalho ou doce chuva, que, descendo, dá vida e faz germinar os frutos. Extrai dos maiores pecadores santas exalações, que são as considerações das suas faltas, até certo grau de temor e apreensão, até a região média do ar; considerando que estão entre o paraíso e o inferno, entre condenação e a salvação. "O seu espírito assoprará e fará correr as águas". São as águas da contrição que fazem germinar esta terra e produzir frutos da salvação. Convém pois deixar-nos levar e convencermo-nos do nosso estado miserável. Saíamos, saíamos deste Egito, aproximemo-nos de Nosso Senhor, façamos provisão de boas obras, estejam nus os pés dos nossos afetos; revistemo-nos de inocência, que nos contentemos de pedir misericórdia, saiamos do Egito, não esperemos mais. Chegou a hora de nos levantarmos do sono, pois sabemos que recebe os pecadores; os anjos esperam a nossa penitência e os santos oram por ela.                                           

Nenhum comentário:

Postar um comentário