Busca no Blog

1 de dezembro de 2021

Comunicado do Superior do Distrito - IBP - América Latina

Comunicado do Superior do Distrito

29 Novembro 2021

Comunicado do Superior do Distrito da América Latina do Instituto Bom Pastor, Pe. Daniel Pinheiro 

Brasília, 28 de novembro de 2021 

O Instituto Bom Pastor é uma Sociedade de Vida Apostólica de direito pontifício. Na sua organização interna, ele pode ser dividido em Distritos. Atualmente, temos o Distrito da Europa e o Distrito da América Latina. 

No Distrito da América Latina, falam, em nome do Instituto Bom Pastor, o Superior Geral, o Superior do Distrito e, nos respectivos apostolados, os superiores locais. Portanto, aqui no Brasil, as iniciativas do Instituto Bom Pastor dizem respeito ao Superior Geral, ao Superior do Distrito e aos superiores locais com os seus colaboradores. Como dizem nossos Estatutos: “o Superior do Distrito é o responsável, diante do Superior Geral, pelo bem comum do seu Distrito; ele vela pela unidade doutrinal e litúrgica, e preside à caridade entre os confrades.” 

Portanto, as ações oficiais do Instituto no Brasil são estabelecidas tão somente por esses eclesiásticos, tendo em vista o bem comum do Instituto e dos fiéis que nos são confiados e que, por disposição da Providência, crescem dia após dia, vindos de todos os horizontes: são católicos que não conhecem a Missa Tridentina, são protestantes que se convertem à Igreja Católica e não batizados que se tornam filhos de Deus. O Instituto no Brasil, longe de se fechar sobre si mesmo, vai em busca das ovelhas na medida de suas possibilidades. 

Com efeito, procuramos trabalhar arduamente, dentro de nossas fraquezas, pela difusão da doutrina, da liturgia, da moral e da espiritualidade católicas dentro do que é a natureza do Instituto e dentro do que é a sua missão, dada pela própria Santa Sé. 

De modo particular, não favorecemos erros para evitar erros maiores nem favorecemos erros para alcançar bens. O erro não tem direitos. O erro pode ser tolerado quando dessa tolerância vierem bens maiores, mas o erro jamais pode ser favorecido e promovido como um bem, ainda que seja considerado um bem intermediário ou um passo intermediário. 

Na prática, o Instituto Bom Pastor no Brasil não apoia grupos, movimentos, associações, centros, fóruns, congressos, centros de estudos específicos, ou ainda congregações de leigos, confrarias ou comunidades de vida, etc. O Instituto apoia as iniciativas que estão em relação direta com o seu apostolado em cada localidade e, quando isso ocorre, é de conhecimento dos fiéis. 

Achamos por bem fazer tal comunicado para evitar qualquer confusão nesse âmbito e para não vermos o nome do Instituto ligado a iniciativas que lhe são alheias, de uma maneira ou de outra. 

http://ibpamericalatina.org/pt-br/noticias/item/366-comunicado-do-superior-do-distrito?fbclid=IwAR35SUXAhtpoZNVN-7l2eRMScMvNJB7J7-zYJuz5mGx37dl8Y0iagoclHwg
 

29 de novembro de 2021

Transmissão dos Horários de missas no Apostolado do IBP em Curitiba

Na Capela São José de Chambéry:

⛪️ Domingo, 28/11
I Domingo do Advento
08h30, Missa Rezada
10h00, Missa Cantada

Na Capela Militar Nossa Senhora das Vitórias

⛪️ Domingo, 28/11
I Domingo do Advento
19h00, Missa Rezada
————————————————-

Na Casa do Padre: Olavo Bilac, 76

⛪️ 2ª feira, 29/11
07h30, Missa Rezada

⛪️ 3ª feira, 30/11
NÃO HAVERÁ MISSA

⛪️ 4ª feira, 01/12
NÃO HAVERÁ MISSA
——————————————————

Na Capela São José de Chambéry

⛪️ 5ª feira, 02/12
18h30, Exposição do Santíssimo
19h30, Missa Rezada

⛪️ 6ª feira, 03/12
Primeira Sexta-feira do mês
18h30, Hora Santa Reparadora
19h30, Missa Rezada

⛪️ Sábado, 04/12
08h30, Atendimento de Confissões
09h00, Missa Rezada

⛪️ Domingo, 05/12
II Domingo do Advento
08h30, Missa Rezada
10h00, Missa Cantada

Na Capela Militar Nossa Sra das Vitórias

⛪️ Domingo, 05/12
II Domingo do Advento
19h00, Missa Rezada

Deus abençoe!
Pe. Thiago, IBP

21 de novembro de 2021

Transmissão dos Horários de missa do Apostolado do IBP Curitiba

Na Capela São José de Chambéry:

⛪️ Domingo, 21/11
Ultimo Domingo pós Pentecostes

08h30, Missa Rezada
10h00, Missa Cantada

Na Capela Militar Nossa Senhora das Vitórias

⛪️ Domingo, 21/11
Ultimo Domingo pós Pentecostes
19h00, Missa Rezada
————————————————-

Na Casa do Padre: Olavo Bilac, 76

⛪️ 2ª feira, 22/11
07h30, Missa Rezada

⛪️ 3ª feira, 23/11
07h30, Missa Rezada

⛪️ 4ª feira, 24/11
07h30, Missa Rezada
——————————————————

Na Capela São José de Chambéry

⛪️ 5ª feira, 25/11
18h30, Exposição do Santíssimo
19h30, Missa Rezada

⛪️ 6ª feira, 26/11
19h00, Recitação Publica do terço
19h30, Missa Rezada

⛪️ Sábado, 27/11
Nossa Sra Da Medalha Milagrosa
08h30, Atendimento de Confissões
09h00, Missa Rezada

⛪️ Domingo, 28/11
I Domingo do Advento

08h30, Missa Rezada
10h00, Missa Cantada

Na Capela Militar Nossa Sra das Vitórias

⛪️ Domingo, 28/11
I Domingo do Advento
19h00, Missa Rezada

Deus abençoe!
Pe. Thiago, IBP

20 de novembro de 2021

A Humilde Santa Bernadette - Colette Yver

RAZÃO PORQUE A AUTORA ESCREVEU ESTA OBRA

É, aparentemente, simples loucura de minha parte querer nela ser teu guia, quando existem tantos, tão notáveis e incomparáveis livros sobre Bernadette.
Cite-se só os autores : Henrique Lasserre, Estrade, o Dr. Dozous, Barbet, o P. Cros, o P. Duboé, o Sr. Bertrin, e em primeiro plano a Madre de Nevers que escreveu: A Confidente da Imaculada; mais recentemente: o Cônego Belleney, Caetano Bernoville, Fernando Laudet deram-nos sucessivamente imortais retratos daquela enigmática aldeã: uns com os olhos no modelo ainda vivo; os demais à custa de escrupulosas investigações, com o fito numa critica impiedosa ou iluminados pela fina ciência psicológica.
Por mais vã, todavia, que seja a tentativa de escrever hoje um livro sobre a nova Santa francesa, pela Igreja recentemente indigitada à nossa veneração, ponho-me a caminho, humildemente, ignorando que o escritor tem sempre razões irresistíveis, às quais obedece quando lhe cumpre retratar ao vivo um ser humano, se a ele fictício num romance, ou real numa biografia.

19 de novembro de 2021

A Humilde Santa Bernadette - Colette Yver

O MILAGRE ESPIRITUAL DE LOURDES

Por isso também é que o sobrenatural tem outros meios para nos convencer além da manifestação sensível do prodígio, e eis porque o milagre espiritual permanente em Lourdes ilumina secretamente mais inteligências humanas que o milagre físico. É condão de fé mas pura o contentar-se para prova com a experiência metafísica.
Dizia Huysmans: "Não sou propenso a ver milagres; sei muito bem que a Virgem os pode fazer em Lourdes e alhures; não se baseia minha fé nem na razão, nem nas percepções mais ou menos certas de meus sentidos; depende de um sentimento interno, de certeza adquirida com provas internas".
Pode sempre o crente pesquisar diretamente a ordem divina, com o ouvido cosido à fonte inefável do Espírito. Se o portento sobrevém, fulminante, o crente atira-se de joelhos, sacudido por visão mais deslumbrante, mais sensível. Entretanto, feliz daquele que não viu e creu.
" Eu vim ao mundo para um juízo, a fim de que os que não veem vejam e os que veem fiquem cegos " .
Acautelemo-nos para não sermos do número destes e para não deixarmos de lançar mão deste andaime, que Deus nos quer dar qual esteio da nossa fé no sobrenatural, durante o largo caminhar desta nossa peregrinação.

18 de novembro de 2021

A Humilde Santa Bernadette - Colette Yver

O JUÍZO DE JESUS

Disse então Jesus: Eu vim a este mundo para um juízo, a fim de que os que não veem vejam, e os que veem fiquem cegos " (Jo. IX, 39) .
Não posso abster-me de relembrar aqui esta sentença do Salvador pronunciada após o caso do cego de nascença e cujo sentido enigmático é tão triste. Nele ressumbra o desalento ao realizar prodígios, ao dignar-se transtornar as leis eternas em prol do homem, ao dar-lhe provas com a igual, para, em troca, esbarrar nessa razão humana tergiversada, inimiga da evidência que a contraria, exigindo a apalpação do mistério para o crer, e, depois de o apalpar, dizendo displicente:  "Isso não é o mistério".
Repete-se a história perpetuamente.
Aquela, é em Jerusalém que sucedeu, no sábado após a festa dos Tabernáculos. Trouxeram a Jesus um cego de nascimento que esmolava pelas ruas. Cuspiu no chão o Salvador, fez: com a saliva lodo que pôs sobre os olhos do cego, dizendo-lhe: "Vai e lava-te na fonte de Siloé "- Obedeceu incontinente o cego, e ao voltar, enxergou muito bem.
Todos o conheciam em Jerusalém, por terem-no visto esmolar em seus bairros. Entretanto o povo, ao vê-lo não podia acreditar que fosse ele, diz S. João.
"É alguém parecido com ele ", comentavam. Mas ele acudia: "Não, sou eu mesmo". Então a curiosidade os assaltou. Quiseram saber como fora curado. Sem mais, ele dizia: "Um homem chamado Jesus fez lodo, botou-mo sobre os olhos e disse-me: Vai à fonte de Siloé e lava-te. Fui, lavei-me, recobrei a vista. - Onde está aquele homem? Perguntaram os circunstantes. - Não sei, respondeu ele". (S. João, Cap. IX, vs. 11-12).
Que juízo fazer deste caso extraordinário? Cumpria levá-lo ao conhecimento dos fariseus. Conduziram-lhes, pois, o bom homem. Eles, antes de tudo, repararam em que a cura fora feita num sábado, dia de descanso. Novo interrogatório do milagrado:
Como é que se deu aquilo? - Pôs-me lodo sobre os olhos, fui lavar-me e enxerguei". Nisto os fariseus entraram a deliberar (vs. 16-17). "Esse homem não é enviado de Deus, pois não guarda o descanso do sábado. - Sim, mas como é que um pecador poderia fazer semelhantes prodígios? " - E iam discutindo com aspereza. Quiseram fazer passar por novo interrogatório o que fora cego, saber que conceito, na sua simpleza, fazia do taumaturgo.
Lisonjeado sem dúvida por se ver feito árbitro, o mendigo afirmou: "É um profeta!"
Os judeus, prossegue S. João, não quiseram crer que aquele homem fora cego e que recuperara a vista. Por isso mandaram chamar o pai e a mãe dele. Perguntaram-lhes: "É este vosso filho que dizeis ter nascido cego? Como é que agora vê? "
Responderam os pais: "Nós sabemos que ele é realmente nosso filho e que nasceu cego; mas como é que agora enxerga, isso nós ignoramos; quem lhe abriu os olhos não o sabemos. Interrogai-o vós mesmos: Tem idade. Responda acerca do que lhe concerne".
Assim falaram os pais, acrescenta o Evangelista, porque tinham medo dos judeus.
Estes mandam outra vez procurar o mendigo, para dirigir-lhe novas perguntas. Mas ele responde sempre da mesma forma: "Só sei isto, que eu era cego e agora vejo. Já vo-lo disse. Por que quereis ouvi-lo mais vezes? Acaso quereis tornar-vos discípulos daquele homem? "Esta frase fez com que os fariseus o cobrissem de impropérios. Eles eram discípulos de Moisés. Esse aí não sabiam donde era. - "É estranho que não saibais donde ele é. Entretanto abriu-me os olhos. Nunca se ouviu dizer que alguém tenha aberto os olhos de um cego de nascença".
Os fariseus mandaram-no calar.
- " Tu nasceste todo no pecado e nos queres ensinar?"
E expulsaram-no. (Idem, v. 34) .
. . ..
Não mudou a humanidade. Continua dizendo como os escribas e fariseus: "Mestre, queremos ver um prodígio vosso. (Mt. XII, 32). E quanto mais ela estremece de afã e curiosidade perante o sobrenatural, tanto menos este, quando lhe roça os sentidos, parece mover-lhe a alma. Dir-se-ia que o milagre é uma concessão feita a contragosto dos homens por Deus cansado da leviandade deles e muito inteirado de que esses negadores pertinazes sempre reclamarão a prova da prova.
Por isso é que Jesus dizia aos judeus: "Se fôsseis cegos, não terieis pecado; mas agora que dizeis: Nós vemos, vosso pecado fica". (João, IX, 42).

17 de novembro de 2021

A Humilde Santa Bernadette - Colette Yver

A HIPNOSE MÍSTICA DAS TURBAS

Mas, dirá alguém, então não conhecem a hipnose mística das multidões?
Respondemos: meditem-se os seguintes casos.
O conhecidíssimo belga, De Rudder, de quem se fala ainda Europa a fora, cuja perna esmagada pela queda de uma árvore desajeitadamente derribada sobre ele, guardara durante oito anos dupla fratura da tíbia e do perônio, com falta de parte do osso que fora extrair, mais uma chaga constantemente ulcerada - ficou num segundo, "como de um tiro de espingarda" (a expressão é dele) curado, sem ficar vestígio algum do seu coxear, não em Lourdes, mas sim em Ovstackers, perto de Gand, diante de uma imitação da Gruta de Lourdes, onde vinham romeiros. Foi curado enquanto sossegadamente rogava a Deus lhe perdoasse os pecados e lhe desse jeito ao menos para ganhar o sustento.
Vion Dury, cego, havia já sete anos, pelo deslocamento das duas retinas, sarou em 1890, aplicando-lhe água de Lourdes no hospital do Confort, junto de Bellegarde (Ain).
Catarina Lapeyre acometida de horroroso câncer na língua que lhe pendia da boca, ficou boa, radicalmente
e sem recaída, após uma novena de preces a Nossa Senhora de Lourdes, rezada em seu quarto, na rua Sant'Ana, n. 2, em Tolosa, no ano 1889.
E tantos outros prodígios operados por Lourdes, mas em lugares afastados e que não posso citar embora
sejam às vezes dos mais deslumbrantes.

16 de novembro de 2021

A Humilde Santa Bernadette - Colette Yver

MODO DE PENSAR DO DR. BERNHEIM

Além disto, saibam essas pessoas que não é tão fácil quanto se julga curar pelo hipnotismo e pela sugestão. A psicoterapia é uma ciência. Conhece e demarca ela própria seus limites. Determinou-se pela pena de um dos seus maiores professores, o Dr. Bernheim, chefe da célebre Escola de Nancy. Eu aqui o cito, servindo-me do livro que todos deveriam conhecer: "História Crítica de Lourdes", de Jorge Bertrin, doutor em Direito, agregado à Universidade (de Bruxelas 1931).
Eis uns trechos por ele tomados de empréstimo ao mestre da psicoterapia: "A sugestão é uma terapêutica quase exclusivamente funcional. Se consegue restabelecer as funções perturbadas, que chega a curar os órgãos doentes . . . A sugestão não pode recolocar um membro deslocado, descongestionar uma articulação inchada pelo reumatismo, nem refazer a substância cerebral destruída. Não se sugestiona tampouco aos tubérculos que desaparecem. A sugestão não pode restaurar o que está destruído".
E se, deixando de parte o organismo, nos limitarmos à função: "É forçoso confessá-lo, os resultados obtidos pela sugestão são transitórios. Pode a sugestão restabelecer a função enquanto esta não tiver sido suprimida de todo pela lesão, enquanto a perturbação daquela for só dinâmica; pois a sugestão não suspende a evolução orgânica da doença". (Bernheim, Hipnotismo, Sugestão, Psicoterapia, Paris 1903, págs. 320-350).

15 de novembro de 2021

Transmissão dos Horários de missas no Apostolado IBP Curitiba

Na Capela São José de Chambéry:

⛪️ 2ª feira, 15/11
Nossa Sra do Rocio
08h30, Confissões
09h00, Missa Rezada
————————————————
Na Casa do Padre: Olavo Bilac, 76

⛪️ 3ª feira, 16/11
07h30, Missa Rezada

⛪️ 4ª feira, 17/11
NÃO HAVERÁ MISSA NESTE DIA
——————————————————
Na Capela São José de Chambéry

⛪️ 5ª feira, 18/11
18h30, Exposição do Santíssimo
19h30, Missa Rezada

⛪️ 6ª feira, 19/11
19h00, Recitação Publica do terço
19h30, Missa Rezada

⛪️ Sábado, 20/11
08h30, Atendimento de Confissões
09h00, Missa Rezada

⛪️ Domingo, 21/11
Ultimo Domingo pós Pentecostes
08h30, Missa Rezada
10h00, Missa Cantada

Na Capela Militar Nossa Sra das Vitórias

⛪️ Domingo, 21/11
Ultimo Domingo pós Pentecostes
19h00, Missa Rezada

Deus abençoe!
Pe. Thiago, IBP

14 de novembro de 2021

A Humilde Santa Bernadette - Colette Yver

AS CURAS

Que o sobrenatural, no caso de Bernadette, tem sua garantia na multiplicidade daquelas curas que, faz já mais de três quartos de século, trazem à medicina desnorteada e autenticam a manifestação da Virgem; isto não se diga aos obstinados materialistas, que continuam asseverando que "tudo é sempre natural".
Verdade é que em outras religiões diversas do catolicismo se dão fatos que parecem maravilhosos, e também curandeiros e médicos curam por meio da psicoterapia. Mas de que modo esses fatos, suposto que sejam reais e ultrapassem deveras as forças naturais, provam que as curas de Lourdes não são devidas à bondade da Mãe de Cristo?
Não pretende a religião católica proibir a Deus o querer bem àqueles que o procuram em outras confissões diferentes da nossa, nem o manifestar-se a eles por curas insólitas, recompensas da fé sincera.
Ainda bem para os materialistas: acharam o segredo das misteriosas curas de Lourdes.
Esse segredo é a sugestão.
Os doentes em Lourdes vão sendo curados por sugestão. É a palavra em voga. Todos os incrédulos a repetem a boca cheia, a tal ponto que, para muitas pessoas só as paralisias de origem nervosa e não orgânica obedecem ao poder das águas de Lourdes ou do que vem chamado hipnose mística. A dar-lhes crédito, não haveria outros milagres fora dos dessa categoria.
Para tais pessoas seria desejável que se pudessem informar lendo alguns documentos positivos acerca dos fatos que elas julgam com tanta desenvoltura; ler por exemplo os autos do "Bureau des Constatations Médicales " de Lourdes, onde se encontram não menos médicos incrédulos que crentes.
Ali se lhes deparariam, entre outros casos de curas, centenas de tuberculose pulmonar com cavidades (devidamente averiguadas pela radiografia), de tuberculose óssea com cárie das vértebras ( mal de Pott), de colxagia tuberculosa, de lúpus tuberculoso, etc.
Centenas outrossim de casos de câncer: cânceres de superfície ou orgânicas; lúpus cancerosos, úlceras dos membros, etc. Centenas de curas de surdez, de meia surdez, de cegueira. Em geral, cicatrização instantânea das chagas, restauração imediata dos tecidos da célula orgânica, dos ossos.

13 de novembro de 2021

A Humilde Santa Bernadette - Colette Yver

EPISÓDIO COMPROVADOR

A evidente integridade mental de Bernadette unida à sua sinceridade, bem como a misteriosa perspicácia e harmonia com que se realizam as aparições, põem o cunho do sobrenatural nos fatos de Lourdes.
Um rico romano, Rafael Gennasi, sobrinho do Papa, viera no ano das aparições e, cético, lhe armava ciladas nos seus interrogatórios: " Eu lhe digo que não viu a Virgem. Aliás, como podia vê-la? "
Mas a menina, que naquela quadra mal começava a falar francês, lançou-lhe de repente, espontânea e direta como sempre, e não sem impaciência, esta réplica:
- Eu a vi com estes meus olhos.
Narra-nos este episódio uma testemunha ocular, o Dr. Dozous, médico do lugar, na sua obra: A Gente de Lourdes. A ele dirigira-se o Sr. Rafael Gennasi, ao chegar, para travar relações com Bernadette.
Pinta-nos seguidamente o clínico de que modo aquele senhor granfino, vindo para desvendar possíveis artimanhas, ficou estatelado pela menina.
***
Esse colóquio entre a camponesinha e o nobre estrangeiro encerra, num como medalhão empolgante, as duas compreensões eternamente antagonistas, a do racional e a do sobrenatural. E é porque ambas se defrontam aqui, embora quase num relâmpago, que eu as coloco no limiar deste livro.
É também por causa daquela nota de verdade segura, lançada nesta ocasião por Bernadette.
Seu eco vibra ainda em nossos preitos, e é fiador neste bradozinho de criança que o leitor e eu havemos de dar começo a nosso peregrinar.
No decorrer desta peregrinação, que encetamos, teremos que estar sempre em leve contato com o mundo invisível.
Mas depararemos com muitas provas da sua existência. Amiúdo o inexplicável que nos sobressaltar será uma confirmação para nós, tanto a inexplicável moral quanto o inexplicável físico. Entretanto ambos são realidades.
Assim para exemplificarmos, impossível era para a ignorante Bernadette imaginar as palavras de todo inesperadas que a Visão pronunciou; o que ela, entretanto, teria que fazer se a Visão fosse um fenômeno
subjetivo, uma ilusão criada pelos sentidos da menina.
Outro fato maravilhoso também inexplicável é o seguinte: Bernadette era de índole fraquíssima, incapaz de esconder coisa alguma à mãe; na tarde da primeira aparição tinha jurado consigo que nada lhe diria; todavia ainda não chegara a noite que já toda a gente em torno da menina sabia o que ela vira. No entanto, durante vinte e um anos, soube a mesma Bernadette guardar o mais absoluto sigilo acerca dos três segredos a ela confiados pela Senhora. E de certo não foi porque faltaram os indiscretos a rodeá-la, nem as armadilhas para obrigá-la a falar deles. Nossa própria curiosidade, passados já setenta e cinco anos, ainda se alvoroça e nos tenta. Mas ninguém pôde sequer conjeturar a natureza do assunto a que aquelas confidências se relacionavam. Bernadette as sepultou consigo. Há nisto uma experiência psicológica que não é só aspecto de um temperamento excepcional. É o que me pareceu humanamente, menos explicável em Bernadette.
Como pode ser? Nem alusão que ponha na pista dos três segredos? nem alguma expressão reticente? nem alguma palavra velada? Não; antes, só mutismo de estadista, de profeta poderoso, naquela menina brincalhona e travêssa.
E, se não sairmos do plano terrestre e humano, inexplicável também será aquela sombria miséria em que voluntariamente se confinou a família Soubirous no pardieiro da rua das Valetas (PetitsFossés), depois das aparições; pois então cada dia havia visitantes que lhe ofereciam bolsas pejadas de ouro, como era em voga naquela época, bolsas sempre repelidas pelo pai, pela mãe, pelos filhos com dignidade de reis; sistematicamente com misteriosa obstinação, sem que jamais se lhes pegasse aos dedos alguma daquelas moedas de ouro.
Quem poderá dar uma explicação natural de tal procedimento?
* *
Fenômenos físicos sem explicação natural: a fonte da Gruta. Chegaremos em seu tempo àquele episódio, no qual os dedinhos de uma menina mirrada foram vistos esgaravatar a terra penosamente uns centímetros e permitirem assim o forte olho d'água, torrente subterrânea, que talvez desde milênios se diluía no solo em múltiplas direções, jorrar quase repentinamente, por um só orifício, canalizar-se por si própria, domesticar-se de certo modo para dar doravante, já faz setenta e cinco anos, sua prodigiosa vazão regular de mais de cento e vinte mil litros diários.
E quem era naturalmente mais forte? O peso dessas águas descidas dos Pireneus e que jamais até aquela hora puderam fazer saltar seu tampo de rochedos e pedras, ou os dez dedos de Bernadette a cavarem um buraquinho - o termo é do Dr. Dozous, vindo para visitar a Gruta imediatamente após a aparição daquele dia, à qual estivera assistindo estupefato - buraquinho por onde as águas, dóceis, ajuntando-se jorraram logo num só jacto! . . .
Nunca, desde então, houve quem desse uma explicação natural daquele fato, mesmo lançando mão das "forças ainda desconhecidas ", às quais se recorre para atribuir a causa científica - em vez de causa sobrenatural - as curas de Lourdes.

12 de novembro de 2021

A Humilde Santa Bernadette - Colette Yver

OS SUBTERFÚGIOS DOS DESCRENTES

Todos os incapazes de suspeitarem a existência daquele mundo celeste, obrigados, julgam eles, pela sua razão a negá-lo, têm por isso que procurar causas meramente naturais às quais possam atribuir os fenômenos donde Lourdes, mediante Bemadette, veio a ser o que é hoje.
As primeiras dessas causas aventadas foram impostura e simulação por parte de Bernadette.
Delas não falarei: eram coisa ridícula em se tratando de uma menina tão singela, e por isso ninguém ligou importância a tal explicação.
Outra causa muito mais verossímil à primeira vista (e confesso ter-me ela, durante largo tempo, trazido o espírito como que obsedado, enquanto não estudei os fatos) era ilusão, da qual teria sido vítima a Vidente, por estar influenciada com alucinações sensoriais. É aliás a única de que podem lançar mão os que não crêem que a Mãe de Cristo se tenha mostrado sensivelmente a Bernadette (e entre eles pode haver muitos católicos, visto que o fato das aparições não constitui um dogma. Prensados entre suas duas convicções, isto é, que por uma parte Bernadette julgou ver, e por outra, que ela não podia ver, não lhes fica outra saída senão a de se valerem daquele estado mórbido bem conhecido dos neurólogos.
Vêem e ouvem os alucinados distintamente imagens e sons inexistentes. Tenho assistido e velado uma amiga alucinada. Afirmou-me ela que os vizinhos do andar superior lhe filmavam de contínuo a vida mediante luz especial capaz de atravessar corpos opacos e cujo clarão, à noite, ela via nitidamente segui-la de um quarto para outro do seu apartamento.
Percebia juntamente o ruído dos passos deles que, de lá de cima, lhe acompanhavam as idas e vindas de alvoroçada. Estava eu junto dela. Não havia, já se entende, nem luz nem sonido: silêncio total, escuridão completa.
A especialidade das sensações nessas pessoas é o absurdo. Minha doente, esquecendo acaso que os indiscretos moravam no andar superior, alojava-os no andar correspondente ao dela, do outro lado do pátio, donde, a dar-lhe crédito, a tramoia deles era a mesma.
Na casa de saúde em que depois a trataram, apontou-me esta ou aquela pessoa que ela ouvira claramente afirmar às escâncaras, fatos infamantes da vida passada dela, vida que fora a mesma pureza.
Garanto que aquelas pessoas eram incapazes de tais calúnias. Mas o Dr. F. neurologista muito conhecido que dela cuidava, capacitou-me de que esses ditos tinham sido percebidos pela doente tão nitidamente como se foram realmente proferidos.
Um ano mais tarde, minha infeliz amiga, que durante vinte anos me mostrara o mais terno afeto, morria persuadida e sentida de que eu, durante a sua permanência naquele estabelecimento lhe havia arrombado e saqueado o apartamento.
Não falo senão de um caso de alucinação do qual fui testemunha. Mas sei que a incoerência, desordem
e insânia, que nele notei, são constantes em todos os fenômenos desse estado, que não é a loucura, a ela porém, as mais das vezes leva.
•  •
Acabo de viver intensamente, através dos lugares e dos livros, os trinta e cinco anos que Bernadette passou na terra. Não havia cérebro mais sadio, nem existiu nunca bom senso de camponês mais forte que o dela. É uma amostra típica daquela sabedoria de mulher lídima e segura, que em algumas jamais desacerta. Sua vida breve, que iremos acompanhando, é um edifício perfeito quanto à harmonia e ao equilíbrio. Será nisto que se manifestam as nevrosadas?

11 de novembro de 2021

A Humilde Santa Bernadette - Colette Yver

ABRINDO CAMINHO

Se tais fossem as obras de Deus que facilmente coubessem nos conceitos do homem, por que então chamá-las de maravilhosas de inefáveis? (Imitação L. IV, cap. 18) .
Prezado leitor, ao tomares este livro, não te fies na profissão de romancista que a Autora vive, não esperes encontrar nele uma fantasia literária e subjetiva sobre o caso realmente encantador da pastorinha dos Pireneus bigortenses; na sua leitura não prelibarás uma história romanceada, exploração agradável de lenda sem base, na qual se forceja meramente por tirar da ilusão alguma tesezinha de filosofia humana.
Quem procurar isso, não vá além destas páginas preliminares. Se não admites haver uma ordem superior aos nossos sentidos e que avassala o curso natural de nossa existência terrena; se não reconheces que os conhecimentos humanos são limitados, não se te pode contar a história autêntica de Bernadette. Excluído o sobrenatural, aquela vida não tem interesse algum, nem sequer patológico; pois os achaques de que sofria a menina, isto é, a asma e a tuberculose, não explicam suas visões.
Cumpre, portanto, admitir o sobrenatural, se quisermos compreender o papel, naturalmente inexplicável, desempenhado por aquela camponesinha.
Não sei o que haja em nossas pastorinhas da França, nem que eco o Infinito depara em suas almas puras e sadias; mas se, como a Joana d'Arc, sua irmã na história e a ela muito parecida em sua fisionomia moral, também a Bernadette se sonegar o milagre a ambas concedido, esta escapará à compreensão.
Esse milagre é aquela comunicação sensível que uma e outra teve com o mundo, ao qual nós, com nossa impotência em defini-lo, chamamos de celestial.
Esta tradução feita por alguém que quer ficar anônimo, foi revista, analisada e anotada pelo P. E. F. S. I. (Nota dos Editores)

10 de novembro de 2021

A Humilde Santa Bernadette - Colette Yver

PREFÁCIO

Há pouco, no dia 8 de dezembro de 1954, na Cidade Eterna, na Roma imortal, o Sumo Pontífice Pio XII encerrava solenemente o Ano Marial, que ele anunciara e proclamara a 8 de setembro de 1953, pela memorável encíclica Fulgens corona.
Era a comemoração que se fazia em todo o mundo católico do primeiro centenário da definição do dogma da Imaculada Conceição de Maria Santíssima, que Pio IX assim proclamava: Definimos que é revelada por Deus e deve ser crida firme e constantemente pelos fiéis a doutrina que afirma ter sido a Beatíssima Virgem Maria imune de toda a mancha de pecado original, desde o primeiro instante de sua conceição, por singular privilégio de Deus onipotente, em vista dos méritos de Cristo Salvador do gênero humano. Foi o ano de 1954 um ano de bênçãos, de graças abundantíssimas e foi também de imensa consolação para a inumerável multidão de sofredores, desta mísera geração, surgida entre duas guerras cruéis de extermínio.
Dentro de poucos anos se aprestará a Igreja para outra comemoração centenária, intimamente vinculada à que nos referimos acima - o centenário das aparições de Nossa Senhora de Lourdes, na última das quais a Santíssima Virgem a si mesma se identificou, declarando: Eu sou a Imaculada Conceição.
Camponesa pobre e humilde, cândida, mas inamolgável, de fé simples, mas ardente e firme, foi Bernadette a escolhida pela Virgem Maria para as confidências do seu materno coração e para confirmar a verdade poucos anos antes solenemente definida pela suprema autoridade na Igreja - a Sua
Imaculada Conceição.
A ilimitada confiança de Bernadette na Mãe de Deus evidencia-se nestas palavras que ao Santo Padre Pio IX escrevia, pouco depois: " Quando rezo pelas intenções de Vossa Santidade, tenho a impressão de que a Santíssima Virgem deve muitas vezes lançar seu olhar materno para a pessoa de Vossa Santidade, que a proclamou Imaculada. Quero crer que é Vossa Santidade particularmente querido desta boa Mãe, porque, quatro anos depois, Ela mesma veio à Terra para declarar: Eu sou a Imaculada Conceição. Eu não sabia então o que significavam tais palavras. Depois, refletindo, muitas vezes eu me disse a mim mesma : " Quanto é boa a Santíssima Virgem! Dir-se-ia que veio Ela confirmar a palavra do Santo Padre! "
É porque se quer tributar filial homenagem à Mãe de Deus e honrar à sua privilegiada vidente - Santa Bernadette - que se publicam estas páginas em vernáculo, visando a que se torne mais conhecida entre o nosso bom povo.
Mira também a estimular a generosidade dos fiéis em beneficio do templo votivo construído em honra da Vidente de Lourdes, na periferia da Capital e cujas obras estão chegando a bom termo.
Tem sua história a igreja de Santa Bernadette da Vila I. V. G. Quem traça estas linhas estava certo dia no início do ano de 1951 em seu gabinete de trabalho na Cúria Metropolitana de São Paulo, quando foi visitado pelo sr. Geraldo Marcondes, naquela data diretor-gerente da Imobiliária Vaz Guimarães, o qual, tendo conhecimento da existência da Obra Arquidiocesana das Novas Paróquias, cujo fim é traçar o planejamento e elaborar estudos para a construção de novas matrizes, igrejas e capelas nos bairros da Capital, vinha doar à Mitra Arquidiocesana uma espaçosa área de cerca de 1.500 metros quadrados para a igreja e a escola da nova povoação que se estava então formando.
Desejava saber qual seria o orago ou titular do novo templo que seria ali construído. Ora, poucos dias antes dessa visita, uma devota de Santa Bernadette, a veneranda Irmã Maria Inácia, da Congregação das Irmãs de São Vicente de Paulo, tinha oferecido à Cúria uma bela imagem de Santa Bernadette para uma das projetadas novas igrejas. Foi então sugerido ao generoso doador do mencionado terreno que poderia ser Santa Bernadette o titular da nova igreja, o que foi logo aceito pelo referido senhor.
Foram as obras postas em andamento com entusiasmo e auxiliadas pelo generoso óbolo do bom povo daquela vila, confiante e esperançoso de possuir dentro de pouco tempo a sua igreja, onde pudesse cumprir facilmente os seus deveres religiosos e receber de Deus as graças e bênçãos para um viver digno e cristão.
Em 14 de novembro de 1951, teve o signatário destas linhas a consolação de benzer e entregar ao culto público o novo templo, a primeira igreja que em honra de Santa Bernadette se erguia em São Paulo e quiçá em todo o Brasil. Bendito seja Deus!
Antes de terminar, queremos consignar aqui o nosso agradecimento ao benévolo tradutor, sr. Deodato Ferreira Leite, e às Revdas. Irmãs Paulinas que se prontificaram a imprimir e distribuir esta biografia de Santa Bernadette. Digne-se a Imaculada Virgem Maria abençoar a todos os que lerem e propagarem este opúsculo, destinado a tornar mais conhecida e venerada Santa Bernadette.

São Paulo, 11 de fevereiro de 1955, festivo aniversário da Aparição de Nossa Senhora de Lourdes.
Paulo Rolim Loureiro.
Bispo Auxiliar

9 de novembro de 2021

Teresa de Los Andes - Deus, Alegria Infinita - Diário e Cartas

GLÓRIA PÓSTUMA

Os periódicos de Santiago - coisa insólita para uma carmelita - publicaram a notícia da morte de Ir. Teresa e fizeram o elogio de sua heroicas virtudes.
Tanto os familiares como a comunidade receberam numerosas cartas, não de condolência, mas de congratulação por contar com uma santa no céu.
Na realidade, por santa a tiveram dentro e fora do convento.
Já nos disse uma das religiosas - Irmã Maria dos Anjos: "Ir. Teresa, sem dúvida, já entrou santa no convento". E acrescenta: "Jesus vivia nela e todo o seu ser irradiava Jesus. Bastava olhá-la para compreender que sua alma estava como que imersa em Deus.
Tal era o seu aspecto, tal sua expressão meiga e recolhida com algo tão sobre-humano que se acreditava estar na presença de um anjo".
O Pe. Julião Cea, que a havia conhecido e tratado no ano anterior durante uma missão apenas, escreveu poucos dias depois de sua morte que não oferecia sufrágios por ela porque seria "fazer-lhe injúria". "Rogo a ela todos os dias como a uma santa que está no céu. Eu confio que logo começará a fazer milagres . . . Sua santidade tinha a propriedade de ser atraente, amável, comunicativa.
Que sorriso angelical acompanhava sempre sua conversa".
O Pe. Cea acertou. Logo os fiéis começarão a pôr Ir. Teresa como intercessora junto ao Senhor. E nos anos que nos separam de sua morte, Deus vem dando provas irrecusáveis de que seu plano é glorificar sua serva, pois por seus rogos outorga a mancheias favores de toda espécie, principalmente graças de conversão de cristãos afastados - inclusive famílias inteiras - que voltam à casa paterna. Por isso acodem diariamente ao seu túmulo numerosos fiéis de toda condição social e das mais afastadas regiões do país, a dar graças ao Senhor pelos benefícios obtidos.
Os restos mortais de Ir. Teresa foram trasladados no dia 17 de outubro de 1940 para um mausoléu construído sob o coro do novo convento das Carmelitas de Los Andes.
No dia 20 de março de 1947 iniciou-se seu processo de beatificação que prossegue atualmente seu curso com as melhores esperanças.

ELA DESAPARECE E FICA DEUS

Quantos recorrem a Deus colocando Ir. Teresa por intercessora, sem dúvida, estão animados pela melhor boa vontade e a mais reta intenção. E certo que não faltarão extremistas, que chamam de infantilismo a sua devoção. E é possível que em alguns casos seja preciso purificá-la. Porém Nosso Senhor, que tem medidas tão distintas das dos homens, quantas vezes, ainda nestes casos em que por ignorância ou infantilismo nem tudo esteja em regra, descobrirá no fundo do coração dessas pessoas simples uma disponibilidade nada comum. E, uma vez mais, por linhas tortas escreverá direito, atraindo para si a tantos despreocupados e afastados por meio de Ir. Teresa.
Emocionou-me a confidência de certa senhora que não faz muito chegou com seu esposo a Los Andes para render comovidas graças.
Viviam esquecidos de seus deveres cristãos. Até que um belo dia se interpôs Ir. Teresa em seu caminho e voltaram a levar a sério seu compromisso de batizados. A boa mulher, relatando agradecida esta experiência, terminava dizendo: "No fim, Ir. Teresa desaparece, e fica Deus".

8 de novembro de 2021

Transmissão dos Horários de missas do Apostolado IBP Curitiba

Na Capela São José de Chambéry:

⛪️ Domingo, 07/11
Solenidade de Todos os Santos
08h30, Missa Rezada
10h00, Missa Cantada

Na Capela Militar Nossa Senhora das Vitórias

⛪️ Domingo, 07/11
Solenidade de Todos os Santos
19h00, Missa Rezada

————————————————-
Na Casa do Padre: Olavo Bilac, 76

⛪️ 2ª feira, 08/11
07h30, Missa Rezada

⛪️ 3ª feira, 09/11
07h30, Missa Rezada

⛪️ 4ª feira, 10/11
07h30, Missa Rezada

——————————————————
Na Capela São José de Chambéry

⛪️ 5ª feira, 11/11
18h30, Exposição do Santíssimo
19h30, Missa Rezada

⛪️ 6ª feira, 12/11
19h00, Recitação Publica do terço
19h30, Missa Rezada

⛪️ Sábado, 13/11
08h30, Atendimento de Confissões
09h00, Missa Rezada

⛪️ Domingo, 14/11
V Domingo remanescente da Epifania
08h30, Missa Rezada
10h00, Missa Cantada

__________________________________
Na Capela Militar Nossa Sra das Vitórias

⛪️ Domingo, 14/11
V Domingo remanescente da Epifania
19h00, Missa Rezada

Deus abençoe!
Pe. Thiago, IBP