Busca no Blog

Carregando...

24 de maio de 2016

Ordenações Sacerdotais e Diaconais do Instituto do Bom Pastor

Para mais informações, favor clicar na imagem acima.

Casamento e Família - Dom Tihamer Toth.

Conferência XIII


Parte 4/11


C - Veio, porém, o mundo egoísta atual e transformou radicalmente esta nobre maneira de ver.
a - O mundo não quer ouvir falar senão de comodidades e prazeres, mas não deseja conhecer os sacrifícios que os acompanham. Para o mundo a criança não é mais um "dom de Deus", e sim, "uma catástrofe", um peso do qual se deve libertar por todos os meios, a fim de que não se perturbem os prazeres de duas pessoas grandes.
b - Eis, porém, a Igreja Católica, que não teme afirmar aberta e formalmente que é um pecado contra Deus impedir, de qualquer maneira, o nascimento do filho, aconteça isto por uma intervenção humana ou de qualquer outro modo. É uma profanação e um aviltamento da vida conjugal, uma grave ofensa às leis naturais e aos mandamentos divinos, que o mundo frívolo chama de precaução e "sabedoria", mas a que a Igreja não pode senão aplicar estas palavras de São Tiago: "Uma semelhante sabedoria não vem do alto, é terrestre, é carnal, diabólica" (Tgo 3, 15). Sim, uma sabedoria diabólica, pois Nosso Senhor chama o demônio "homicida desde o princípio" (Jo 8, 44). Se o profeta Isaías vivesse atualmente, ele diria que esses esposos fizeram um pacto com a morte, e uma aliança com o inferno (Is 28, 15). E se o salmista escrevesse hoje, faria ouvir a estes esposos estas terríveis palavras: "Amou a maldição e ela cairá sobre ele; não quis a benção, e ela dele se afastará. Cobriu-se de maldição como de uma veste, e ela entrou como água dentro dele, e como óleo em seus ossos. Seja ela para ele como a veste que o cobre, e como a cintura que o cinge sempre" (Sl 108, 18 - 19).
Quem não conhece famílias sem filhos, onde tudo isto se realizou de maneira terrível? Espíritos vingadores e mudos os terrificam, assim como as doenças do corpo e do espírito, falta de coragem, abatimento, e todos os flagelos de uma consciência inquieta, pois afastar o filho por meios pecaminosos é um pecado contra a ordem formal do próprio Deus Criador.



23 de maio de 2016

V Congresso São Pio V


Tesouro de Exemplos - Parte 116

UM DUELO E UMA CONVERSÃO

O professor Parrini, homem de grande talento, era infelizmente maçon, havia muitos anos. Comprometera-se por escrito a não receber o padre mesmo em caso de grave enfermidade; e no seu testamento ordenara que se lhe fizessem funerais civis exclusivamente.
Ora, sucedeu que Parrini, durante um duelo, recebeu vários ferimentos. Quando percebeu a gravidade de seu estado, imediatamente mandou chamar o pároco, pois queria reconciliar-se com Deus.
Em presença das testemunhas renunciou à maçonaria e retratou seus escritos contra a religião e a Igreja.
Recebeu, depois, os sacramentos com uma piedade que edificou a todos. Tendo osculado afetuosamente o Crucifixo, declarou que reconhecia a Jesus Cristo como seu único consolador e sua única esperança, e expirou.
A explicação desta inesperada conversão é a seguinte:
Parrini nunca passava um dia sem rezar, ao menos o “De profundis” pelas almas do Purgatório.

22 de maio de 2016

Casamento e Família - Dom Tihamer Toth.

Conferência XIII


Parte 3/11

B - Chega, porém, o cristianismo, e cresce ainda mais a grandeza deste nobre sentimento.
a - Com uma gravidade sem exemplo, fala do papel dos pais na transmissão da vida, porque sabe que o homem recebeu da confiança divina aquela faculdade de dar a vida, e por isso os pais participam da obra criadora de Deus. A vida conjugal e o exercício do dever conjugal não são, pois, nem uma humilhação, nem um pecado aos olhos do cristianismo. Mostram, porém, neles, traços divinos, traços que enobrecem os colaboradores do Criador.
b - Dar a vida! Nunca, em parte alguma o homem o pode fazer, senão aqui neste instante. O homem pode tomar a vida de mil maneiras. O homem pode destruir a vida de mil formas. Mas dar a vida, ele não o pode, salvo neste instante. Sem dúvida, mesmo aqui, não faz senão dar o corpo, instrumento da alma, que Deus criou no momento da formação de um novo corpo humano. Ele mesmo a criou imediatamente e a depôs neste corpo humano, menor que um ponto.
Ah! Se os esposos vivessem sempre com a ideia de que o Criador se encontra entre eles; se sentissem, por assim dizer, o ruflar das asas do anjo que o Deus Criador envia neste instante ao pequenino corpo humano!

21 de maio de 2016

Tesouro de Exemplos - Parte 113 a 115

OS SACERDOTES DO ALTÍSSIMO

1. Achando-se de passagem em Quito (Equador), um humilde frade foi visitar o célebre Presidente Garcia Moreno, grande estadista e fervoroso católico. Estando ainda à entrada do palácio, logo que viu o Presidente descobriu-se e conservou o chapéu na mão.
— Cubra-se, Padre, disse García Moreno.
— Um pobre frade, respondeu o outro, não pode cobrir-se em presença do sr. Presidente.
— Padre, — replicou Garcia Moreno, pondo-lhe o chapéu na cabeça — que é um Presidente do Equador em comparação de um sacerdote do Altíssimo?

2. A mãe do célebre cardeal Vaughan era uma convertida do protestantismo. Durante 20 anos, sem interrupção, consagrava uma hora do dia a visitar o Santíssimo Sacramento. Que é que pedia ela a Jesus nessas visitas? Sabendo muito bem que a vocação ao sacerdócio é um dom especial de Deus, e querendo para seus filhos tamanha graça, oferecia a Jesus suas visitas e os desejos ardentes de seu coração maternal. Jesus na Eucaristia ouviu as suas preces.
Dos oito filhos homens, que recebera de Deus, seis se tornaram padres e um deles chegou a ser cardeal com grande aplauso e venerado de todos os católicos e ingleses.

3. S. Clemente Maria, apóstolo e patrono de Viena, de família humilde e órfão de pai, sentia imensos desejos de ser padre. Precisando ganhar o sustento para sua mãe e irmãos, aos dezesseis anos empregou-se numa panificação. Quando saía pelas ruas com a cesta de pão nos braços e o filhinho de seu patrão no ombro, ouvia dizer: “Olhem o São Cristovão!”
— Oxalá eu o fosse mesmo e tivesse a felicidade de tomar o Salvador em minhas mãos!
Trabalhava e estudava, porque havia de ser padre.
Indo a Roma com um amigo, bem cedinho entraram numa igreja. Ali perguntou Clemente a um menino:
— Que Padres são esses?
— São Redentoristas; e o sr. será um deles.
E assim foi. Em 1785 celebrava Clemente a sua primeira santa Missa, e foi sempre um padre segundo o coração de Deus. Faleceu em Viena em 1820 e foi canonizado pelo Papa São Pio X.

20 de maio de 2016

Casamento e Família - Dom Tihamer Toth.

Conferência XIII


1 - UM PECADO CONTRA DEUS.


Parte 2/11


Primeiramente preciso mostrar, categoricamente, que o cristianismo sempre designou o filho como fim primeiro do matrimônio, e hoje ainda com bastante coragem, levanta sua voz contra certas ideias que se espalham pelo mundo, contra um modo de agir incrivelmente frívolo, que cada vez mais perigosamente contagia os esposos, mina a felicidade familiar e ao mesmo tempo a força da nação. Esta palavra de ordem terrível, essas ideias, este modo frívolo, é o receio de filhos.
A - Precisamos constatar dolorosamente que sobre esta questão se tinha mais bela e mais nobre já antes do cristianismo, quer entre os pagãos, quer entre os povos anteriores a Nosso Senhor Jesus Cristo.
a - É muito conhecido o caso da pagã Cornélia, a quem suas amigas, visitando-a ornadas de ricas jóias, perguntavam-lhe num tom afetado: "E vós mostrai-nos vossas jóias". E esta pagã apresentou-lhes seus filhos dizendo: "Eis minhas preciosas jóias".
b - Não mais preciso lembrar particularmente o magnifico amor aos filhos, manifestado pelo povo do Antigo Testamento,  onde a ausência do filho passava por uma vergonha. Mesmo hoje não se pode ler sem emoção nos Santos Livros as fervorosas orações que as mulheres sem filhos dirigiam a Deus, pedindo a maternidade.

19 de maio de 2016

Tesouro de Exemplos - Parte 112

O PECADOR PRECISA VOLTAR A DEUS

Um taverneiro, havia anos, andava com a consciência sobrecarregada de vários pecados. Tocado pela graça divina, pensou em sair desse triste estado, recorrendo ao P. Hofreuter, sacerdote experimentado na arte de reconduzir a Deus os pecadores. Não quis perder tempo. Selou o cavalo, montou e partiu. Estando já á porta da casa paroquial sentiu-se tomado de vergonha e faltava-lhe coragem para bater. Mas, eis que, por disposição de Deus, naquele momento apareceu o padre, que em tom afetuoso disse ao taverneiro: “O sr. vem para confessar-se, não é mesmo? Entre, que estou aqui para atendê-lo”..
Depois de ter feito uma boa confissão, o taverneiro monta a cavalo e, com o coração aliviado, dirige-se ao animal: “Agora, a galope, meu cavalinho, que levas cem quilos de menos”.
Seis anos depois, acabando de receber os últimos sacramentos em seu leito de dores, dirigiu-se ao novo vigário, dizendo: “Peço-lhe ainda um favor: Depois da minha morte mande dizer ao P. Hofréuter que, depois daquela confissão que fiz com ele, nunca mais cometi pecado mortal ou venial voluntário”.
Cem quilos de menos sobre a consciência!
Sim; após uma confissão bem feita, que alivio!

18 de maio de 2016

Constituição da Associação Civil São Pio V

Júbilo

Com grande júbilo, comunicamos que no dia 26/02/2016, na Capela da Polícia Militar em Curitiba, foi realizada e aprovada em Assembleia Geral a constituição da Associação Civil São Pio V.

A constituição da mesma era um desejo antigo do Grupo São Pio V, mas apenas agora foi possível realizar o mesmo.


Agradecimento

Antes de apresentar mais informações sobre a Associação Civil São Pio V, seria impossível deixar de fazer uma homenagem ao Coronel Roberto Monteiro de Oliveira (1925 - 2010), que tanto lutou pela restauração da Missa Tridentina em Curitiba. O Coronel Roberto era o responsável pelas missas na Capela do Hospital Militar, rezadas na época pelo Padre Jonas dos Santos Lisboa da Administração Apostólica Pessoal São João Maria Vianney. Como curiosidade a minuta composta pelo Coronel Roberto serviu de base para o nosso estatuto. Uma das marcas do Coronel, consistia em auxiliar as pessoas que assistiam a Missa Tridentina pela primeira vez, orientando como seguir o missal. Também sempre foi um exemplar catequista na preparação das crianças para receber a Santa Comunhão. Acreditamos que uma das passagens do evangelho que pode caracterizar o Coronel Roberto é  ”Combati o bom combate, terminei a minha carreira, guardei a fé”. Que Deus o tenha em sua infinita misericórdia.  


Aprovação

Na mesma data citada anteriormente foram aprovados o Estatuto da Associação e ocorreram a eleição e posse da Diretoria Executiva, do Conselho Deliberativo e do Conselho Fiscal. O Estatuto foi aprovado de forma unânime pelos presentes. A Diretoria Executiva, Conselho Deliberativo e Conselho Fiscal foram eleitas para o mandato entre 01/03/2016 e 28/02/2019. 

Na data de 15/03/2016 o nosso estatuto e ata da assembleia de constituição foram registrados no 2º Registro Civil de Pessoas Jurídicas.


Finalidades da Associação

I - A difusão da doutrina da Igreja Católica Apostólica Romana;

II – Fomentar e dar suporte aos sacramentos católicos, exclusivamente segundo a liturgia tradicional da Santa Igreja Católica Apostólica Romana, conforme previsto pela bula Quo primum tempore de São Pio V e o motu próprio Summorum Pontificum do Papa Bento XVI;

III – Fomentar os sacramentos católicos, exclusivamente segundo o ritual tridentino, e outros exercícios de piedade tradicionais, por meio de sacerdotes católicos que atendam a Associação;

IV – Fomentar o catecismo, conforme a doutrina católica fiel à Tradição da Igreja, bem como a preparação para os sacramentos;

V – Manter e divulgar sites, blogs e outras ferramentas de divulgação digital que sejam condizentes com os fins sociais desta Associação;

VI – Divulgar matérias, mensagens, publicações na imprensa escrita, falada e televisiva que sejam condizentes com os fins sociais desta Associação;

VII – Promover a assistência social a famílias carentes e outras práticas de misericórdia corporal, conforme programa estabelecido pela Diretoria e segundo suas possibilidades;

VIII – Instituir e administrar escola com os diversos níveis de ensino, fomentando o desenvolvimento de uma sociedade com base na doutrina católica;

IX – Acolher, em suas dependências, qualquer sacerdote católico para oferecer o Santo Sacrifício da Missa, os Sacramentos e o Ofício Divino, segundo o rito tridentino;

X – Promover orações e outras celebrações pela santificação do Papa, dos bispos, prelados e de toda a hierarquia católica, para que governem bem o rebanho que lhes foi confiado;

XI – Auxiliar na propagação da cultura católica, fomentando o amplo uso do Canto Gregoriano e da Polifonia Sacra, o estudo e a difusão de todas as demais formas de arte cristã, assim como a história da Igreja; e

XII - Instituir e administrar casas de apoio e creches.


Atuação da Associação

I - Difundir a doutrina católica através de catequese, cursos, congressos, seminários e outros eventos similares, os diversos meios de comunicação, sempre tendo como base os documentos oficiais da Igreja e os escritos dos Santos Doutores;

II - Difundir a cultura católica, divulgando o estudo e o uso da língua latina, do canto gregoriano, da polifonia sacra, e das demais formas de arte cristãs, através de meios de comunicação e palestras;

III - Difundir e fomentar o uso litúrgico da Santa Missa, auxiliando nas próprias celebrações e prestando assistência a outros grupos católicos com interesses afins;

IV - Buscar, junto ao Ordinário local, a instalação de uma paróquia pessoal para as celebrações segundo a forma extraordinária do Rito Romano;

V – Utilizar capelas ou igrejas cedidas pelos párocos, com o devido assentimento dos bispos titulares para a realização de todas as atividades religiosas segundo a liturgia tradicional da Santa Igreja Católica Apostólica Romana;

VI - Obter, por compra ou em comodato, uma capela específica para a realização de todas as atividades religiosas segundo a liturgia tradicional da Santa Igreja Católica Apostólica Romana;

VII - Celebrar contratos e convênios com pessoas jurídicas públicas e privadas, nacionais e internacionais;

VIII – Obter junto as autoridades competentes do Ministério das Comunicações a concessão de um canal de radiodifusão; e

IX – Manter regularmente cursos para formação e aperfeiçoamento de acólitos para emprego nas Santas Missas tridentinas.


Contribuições

Os leitores que desejarem contribuir com o apostolado da Associação Civil São Pio V, favor observar os dados da imagem a seguir.

Associados

Em breve estaremos divulgando os procedimentos para cadastramento de sócios.

Associação Civil São Pio V

Casamento e Família - Dom Tihamer Toth.

Conferência XIII


CASAL SEM FILHOS


Parte 1/11


No lugar onde se encontrava a casa da bem-aventurada Virgem Maria, no quarto em que se deu a aparição do arcanjo Gabriel, onde lhe deu a extraordinária mensagem de Deus, e no qual o Filho de Deus, no instante mesmo da humilde aceitação da Virgem, se encarnou em seu puríssimo seio, em Nazaré, cidade bendita, levanta-se hoje uma Igreja cujo altar-mor tem em seu frortispicio esta inscrição: "Verbum caro hic factum est - Aqui o Verbo se fêz carne". O Filho de Deus, querendo vir entre nós, começou aqui sua existência humana, sob a forma humana.
Palavras sublimes! Cada vez que as pronunciamos, recitando o "Angelus", ajoelhamo-nos. Mas o sacerdote também, na missa, genuflete quando na recitação do "Credo" chega a estas palavras: "Et incarnatus est de Spiritu Sancto ex Maria Virgine, et homo factus est". Ele se fez homem. O Filho de Deus se fez homem,  para começar sua carreira terrestre, sob o aspecto de uma criancinha incapaz de falar, toda pequena vida humana que começa, resplandece, diante de nós com uma beleza maravilhosa: a criança é para nós uma coisa santa. E depois que a SS. Virgem trouxe em seus braços o Menino-Deus, uma espécie de auréola sobrenatural circunda a fronte de toda mãe de família.É também santa a dignidade de mãe.
Todos acharão, pois, natural que, nesta série de instruções sobre a família cristã e o casamento ideal, eu deva chegar a este ponto e queira consagrar-lhe vários sermões: O berço é um móvel indispensável na família. A criança faz parte integrante da família. Se o casamento não se expressasse em latim senão pela palavra "coniugium": "jugo comum", bastariam para realizá-lo plenamente e torná-lo feliz, as duas peças do mobiliário de que já falamos anteriormente, e que auxiliam a levar alegremente este jugo comum: a mesa de família e o crucifixo.
Mas o casamento se diz também em latim " matrimonium", e isto indica um círculo inteiramente novo de obrigações: a criança precisa de um outro móvel: o berço. Dizei-me, vistes já a pequena ave fazer o seu ninho para que permaneça vazio? Ou apenas para que aí chilreie um passarinho? Não. Não há pássaro, não há só um animal que assim faça, mas só o homem. Unicamente o homem descobriu essa coisa insensata: a família sem filhos.
Sim, é preciso falar disso, e bem alto, desta cátedra cristã, por delicado e difícil que seja o assunto. Consternados ouvimos jovens combinar antes de seu casamento e declararem: "Nós não teremos filhos, isto é natural, ou quando muito, um só". São por ventura muito severas as palavras de Santo Agostinho, quando chama tal existência, não um matrimônio, mas sim relações pecaminosas, sancionadas pelas formas legais?
Não trememos quando ouvimos as mães e mesmo as avós dizerem à sua filha, ou à sua neta ao se casarem, e repetirem com insistência: "Minha filha, cuidado, nada de filhos. Compreendeste? Nada de filhos".
Olhemos de frente esta maneira perniciosa de ver as coisas. É preciso mostrar que a família voluntariamente estéril é como a árvore seca condenada a ser cortada. É preciso demonstrar que o filho pertence à ideia de família, não um, nem dois, mas vários. Naturalmente é preciso examinar as objeções e os pretextos que se apresentam no mundo moderno contra o filho.
Estas objeções formarão o objeto da instrução próxima. Nesta mostrarei que a exclusão do filho em uma família é um pecado. Um pecado: I- Contra Deus;
                                                               II - Contra o filho;
                                                               III - Mesmo contra os interesses bem compreendidos dos 
                                                               próprios esposos.