1 de agosto de 2014

Orientação aos Católicos sobre o dito "Templo de Salomão" do herege Edir Macedo - Dom Henrique Soares da Costa, bispo de Palmares

ESCLARECIMENTO AOS CATÓLICOS SOBRE O DITO "TEMPLO DE SALOMÃO"

DOM HENRIQUE SOARES DA COSTA
PELA GRAÇA DE DEUS E DA SANTA SÉ APOSTÓLICA
BISPO DE PALMARES


Só para esclarecer aos católicos, a respeito desse "templo de Salomão" inaugurado em São Paulo, mais uma farsa religiosa do nosso tempo e mais uma punhalada no cristianismo, já tão deturpado pelas seitas...

1. Não existe nem poderá existir "Templo de Salomão" algum desde 587 aC, quando o Templo do Senhor, construído pelo Rei Salomão, foi incendiado pelos babilônios. Este era o chamado Primeiro Templo dos judeus.

2. Nem mesmo no tempo de Jesus havia um "Templo de Salomão". Havia sim, o Segundo Templo, construído pelos judeus que voltaram do Exílio de Babilônia entre 537-515 aC. Foi nesse Templo, reformado, ampliado e embelezado por Herodes Magno, que Jesus nosso Senhor pregou. Foi sobre esse Templo que Ele afirmou tratar-se de uma imagem Dele próprio, morto e ressuscitado: "Destruí este Templo e em três dias Eu o edificarei!".

3. O Templo de Salomão em si não tem significado algum para o cristianismo. Também não pode ser reconstruído, pois já não seria o Templo "de Salomão", mas de outra qualquer pessoa! O que se construiu em São Paulo foi um "Edifício do Edir Macedo", nem mais nem menos...

4. Quanto ao Templo dos judeus, somente pode ser construído sobre o Monte do Templo, chamado Monte Moriá, em Jerusalém. Os judeus nunca reconstruíram o seu Templo por isso: porque ali já estão erguidas duas mesquitas muçulmanas...

5. Os cristãos jamais poderão ou deverão reconstruir Templo judaico algum! Isto é negar Nosso Senhor Jesus Cristo, é voltar ao Antigo Testamento! O Segundo Templo era imagem do Corpo do Senhor. Ele mesmo o declarou. Aqui coloco de modo explicado o que Jesus quis dizer: "Vós estais destruindo este Templo! Podeis destruí-lo; ele já cumpriu sua função de figura, de lugar de encontro de Deus com os homens! O verdadeiro Templo é Meu corpo imolado e ressuscitado! Vós destruireis o Meu corpo como estais destruindo este Templo! Mas, dentro de três dias Eu o ressuscitarei, edificando o verdadeiro Templo, lugar de encontro entre Deus e o homem: o Meu corpo, que é a Igreja!"

6. Arca, sacrifícios antigos, utensílios do antigo Templo, já não têm sentido algum no cristianismo. Mais ainda: não passam de pura e vazia falsificação que ofendem a resta consciência cristã e desrespeitam os judeus, imitando de modo grosseiro e falseando de modo superficial o real significado dos seus símbolos religiosos.

Conclusão: É uma pena ver como o charlatanismo, a ignorância, o grotesco prosperam em certas expressões heterodoxas de cristianismo... E tudo por conta do tripudio sobre a ignorância e falta de bom senso de toda uma população insensata. Só isto.

Fonte.

A hediondez espírita - Dom Corrêa (5/22)

A HEDIONDEZ ESPÍRITA

Dom José Eugênio Corrêa
Bispo de Caratinga
(1957-1978)

5. O DEMÔNIO NO ESPIRITISMO

Será mesmo tudo fraude e jogo de forças naturais no Espiritismo? Não haverá, de fato, intervento preter ou sobrenatural em alguns casos? Normalmente não se deve admitir nada além da natureza do Espiritismo.

É possível a intervenção do demônio no Espiritismo. A coisa ali está para o demônio. E, se forem verdadeiros certos fatos, só podem ser atribuídos ao demônio.

Fatos contados pelos espíritas como estes: um ser vivo que se forma instantaneamente, e que respira e fala, e logo desaparece... espíritos que baixam e se atiram uns contra os outros como cães... torneiras invisíveis que jorram água sobre a cabeça dos presentes... um barulho misterioso debaixo do banco, e uma senhora atirou-lhe água benta, e um ser invisível mordeu-lhe a mão...

Se tais fatos existirem (é preciso que se provem, não podemos conceder de graça), só podem ser explicados por intervenção do demônio.

Não pode ser Deus, nem Anjo bom, nem alma.. As almas dos fiéis defuntos estarão no inferno, no purgatório ou no céu. Estão sob o domínio de Deus, como os Anjos bons. Elas e os Anjos só poderiam aparecer ou intervir com permissão especial ou desígnio de Deus. Ora, Deus não poderá manifestar-se ou permitir que os Anjos bons ou almas se manifestem de algum modo em sessão espírita.

Allan Kardec diz que muitas mensagens recebidas nas sessões espíritas são «ignóbeis, obscenas, insolentes, arrogantes, malévolas e mesmo ímpias». E ali não se pode discernir a verdade da mentira, espíritos bons dos maus, como ensina Kardec.

Se Deus se manifestasse, ou permitisse seus Anjos bons ou almas se imiscuírem nas sessões espíritas, Deus estaria favorecendo a mentira e a trapaça. É indigno de Deus! No meio da trapaça não pode estar Deus; aquilo é mais próprio para o demônio!

São Paulo escreve umas coisas na Bíblia que parecem estar se dando no Espiritismo: «Aparecerá aquele tal na virtude de Satanás, com toda sorte de portentos e prodígios, procurando a todo transe levar à iniqüidade os que se perdem por não abraçarem o amor à verdade, que os poderia salvar. É por isso que Deus lhes manda o poder da sedução, para darem fé à mentira e serem entregues ao juízo todos os que não deram crédito à verdade, mas antes se comprazeram na iniqüidade» (I Tess. 2, 9 ss.).

Poderiam os espíritas dizer: nem tudo é demônio, mas há mensagens boas, de amor e fraternidade... Respondemos: nem tudo pode ser demônio, é sobretudo o médium que se engana e engana os outros. E mesmo o demônio, como diz a Bíblia, «se transforma era anjo de luz» (2 Cor. 11, 14), para melhor enganar.

30 de julho de 2014

A hediondez espírita - Dom Corrêa (4/22)

A HEDIONDEZ ESPÍRITA

Dom José Eugênio Corrêa
Bispo de Caratinga
(1957-1978)

4. QUE PENSAR DOS FENÔMENOS ESPÍRITAS

Ao estudar os fenômenos espíritas, devemos antes de mais nada firmar uma regra sensata: nunca devemos atribuir à ordem sobrenatural ou preternatural o que pode ser explicado pela ordem natural. Nada sem razão de ser. A Igreja só aceita como milagre propriamente um fato extraordinário, que está acima das forças naturais e não pode ser explicado pela ordem natural.

Pois bem, como é que em nossa época, em pleno século vinte, ainda se tenha coragem de explicar levitação, televisão, telepatia, hipnotismo, sugestão, fenômenos de ordem natural, por intervenção de espíritos desencarnados? O que há no Espiritismo é isso: quando não é truque, é mentira. Vejam bem como são as coisas: uma sessão espírita é às escuras ou meia-luz: geralmente com músicas e «passes»; o médium colocado à distância; tudo cercado de mistério... E porque não se pode iluminar a sala, ou averiguar o que se passa com o médium? Tudo próprio para sugestionar, hipnotizar, iludir...

A «Scientific American» oferecia um prêmio de quinze mil dólares a qualquer médium ou personagem do mundo espírita para apresentar um fenômeno espírita que resistisse a uma análise científica, e que, por conseguinte, não envolvesse fraude. E o prêmio não foi ganho.
Semelhantes prêmios já foram oferecidos por Gustavo de Bon, e no Brasil, pelo Dr. Xavier de Oliveira...

Como é possível acreditar em fenômenos que se não provam? Principalmente quando Allan Kardec diz que ali há fraude, há espíritos enganadores, há médiuns embusteiros e nada se presta melhor à trapaça. É preciso ser crédulo, ingênuo e estar disposto a ser enganado...

Flammarion, fiel companheiro de Kardec, depois de muita experiência disse desalentadoramente: «Posso dizer que nestes quarenta anos quase todos os médiuns célebres passaram pelo meu salão... e a quase todos surpreendi mais ou menos em fraude».

Entre nós, o célebre educador Everardo Backheuser, Professor da Politécnica, e de cuja probidade científica ninguém poderá duvidar, depois de ter estudado bem o Espiritismo e depois de ter assistido a umas cem sessões, chegou à melancólica conclusão de que «se tratava de grosseiras ou de ingênuas mistificações».

28 de julho de 2014

A hediondez espírita - Dom Corrêa (3/22)

A HEDIONDEZ ESPÍRITA

Dom José Eugênio Corrêa
Bispo de Caratinga
(1957-1978)

3. O ESPIRITISMO É UMA TRAPAÇA

Margarida Fox havia declarado a 21 de outubro de 1888 na Academia de Música de Nova York que o Espiritismo «é pura falsidade, do princípio ao fim, a mais frívola das superstições e a mais perversa blasfêmia que o mundo já conheceu...»

E o próprio Allan Kardec disse no livro dos Médiuns que: «Encheríamos um volume dos mais curiosos, se tivéssemos de repetir todas as mistificações de que temos tido conhecimento (no Espiritismo)». E ainda: «nada se presta melhor ao charlatanismo e à trapaça» (Livro dos Médiuns).
O Espiritismo é uma trapaça nas suas práticas fundamentais, que são as comunicações com espíritos, «A nossa base é o ensino dos Espíritos, daí o nome — Espiritismo» (À Margem do Espiritismo, C. Imbassahy). Essa comunicação com os espíritos é truque e sugestão, como ainda veremos. Vamos, porém, conceder de graça, por ora, que se comunique com os espíritos. Neste caso não há jeito de discernir a mentira da verdade.

Diz Kardec que há «espíritos importunos e enganadores...» que gostam de «induzir em erro, por meio de mistificações e espertezas...» que «metem-se em tudo, e tudo respondem sem se incomodarem com a verdade...»

Por outro lado, diz Kardec que nem se deve pedir ao espírito sua identidade: «Semelhante pedido o magoa, pelo que deve ser evitado», e seria inútil e pueril pedir identificação a um espírito que pode induzir os homens em erro à vontade! A prova apresentada poderia ser um embuste maior!
Logo, nunca se pode discernir a verdade da mentira nessa comunicação com os espíritos. É uma fonte de enganos... E é coisa fundamental no Espiritismo...

O Espiritismo é uma trapaça na sua doutrina, pois se apresenta como cristão, diz que «nada ensina ao contrário do que ensina Cristo» (Kardec), e que «o Cristianismo e o Espiritismo ensinam a mesma coisa» (idem)... funda centros com os nomes dos santos... e é uma congérie de heresias, e mesmo de fato é uma negação radical do cristianismo, como veremos. O próprio Kardec disse que o Espiritismo «instituirá a verdadeira religião, a religião natural...» Logo nada de cristianismo que já existe e nada de religião sobrenatural e revelada, como é o cristianismo.

O Espiritismo é uma trapaça nos seus métodos de propaganda e na sua apresentação. Disse Allan Kardec: «Se alguém tem alguma convicção bem firme sobre alguma doutrina... necessário é lhe tiremos essa convicção, mas pouco a pouco. Por isto, é que muitas vezes nos servimos de seus termos e aparentamos abundar nas suas idéias: é para que não fique de súbito ofuscado e não deixe de se instruir conosco». Por isto, colocam nome de santos em seus centros... falam de caridade... dizem que se pode ser católico e espírita... para enganar ou trouxas! «Nada se prestaria melhor ao charlatanismo e à trapaça!» — disse Kardec, com razão.

Há um conselho sensato de Allan Kardec: «S Não admitais, portanto, senão o que seja, aos ossos olhos, de manifesta evidência. Desde que uma opinião nova venha a ser expendida, por pouco que vos pareça duvidosa, fazei-a passar pelo crisol da razão e da lógica, e rejeitai desassombradamente o que a razão e o bom senso reprovarem». O espírita sincero que seguir esse conselho de Allan Kardec rejeitará certamente o Espiritismo.

26 de julho de 2014

A hediondez espírita - Dom Corrêa (2/22)

A HEDIONDEZ ESPÍRITA

Dom José Eugênio Corrêa
Bispo de Caratinga
(1957-1978)

2. O ESPIRITISMO NASCEU DE UMA TRAPAÇA
Sob o título de um grande acontecimento na história do Espiritismo», «La Revue Spirite», uma das principais e mais antigas do Espiritismo, fundada pelo próprio Allan Kardec em 1858, resume uma solenidade de quatro dias em Hydesville, por motivo da inauguração de um monumento comemorativo das primeiras manifestações espíritas, que ali se deram em 1848. A idéia do monumento veio do Congresso Espírita de Paris, realizado em 1925.

Entre as «cerimônias oficiais» realizadas em Hydesville, conta-se uma peregrinação espírita que ali foi colocar uma lápide de granito onde se lê:

«Aqui nasceu o movimento espírita moderno.
Neste lugar,
Estava, em Hydesville, a casa de habitação
das irmãs Fox,
cuja comunicação mediúnica com o mundo espírita foi estabelecida a 31 de março de 1848»

A família Fox compunha-se de Dr. João, Margarida sua esposa, e as filhas Margarida e Catarina. Os filhos, David e Ana Lah, moravam fora. A casa dos Fox era tida por mal assombrada.

A mãe começa a ouvir ruídos estranhos, que pareciam vir do quarto das meninas, com a particularidade de só se produzirem, quando elas estavam acordadas. A mãe ia ficando muito alarmada, enquanto que as meninas não se incomodavam.

A 31 de março de 1848, dia célebre para o Espiritismo, a mais moça das meninas teve a idéia de dizer estas palavras: «Ouve tu, pés de cabra, como eu faço». E batia com os dedos da mão. E golpes misteriosos repetiam o que ela fazia. Isto na presença da mãe, enquanto que as meninas estavam na cama, cuja cabeceira e pés eram de tábuas de madeira. Note-se, ainda, que a mãe era supersticiosa e medrosa. E as meninas brincalhonas.

Depois a própria mãe pergunta: «Serás um espírito? Se assim és, dá dois golpes». E os dois golpes se fizeram ouvir. E as experiências se repetiram de diversos modos. E a notícia dos acontecimentos ia-se espalhando.

As irmãs Fox mudaram-se para Rochester e o espírito as acompanha. Veio juntar-se a elas a irmã Lah, espírito prático e interesseiro. Foi ela que se lembrou de atribuir as pancadas aos espíritos do outro mundo.

Depois de quatro meses, mudam-se para Nova Iorque e de lá o incipiente Espiritismo alastrou-se pelo mundo.

Seria mesmo espírito do outro mundo? Nenhuma prova. Ao contrário, os sinais de trapaça são evidentes.

Em fevereiro de 1851, uma comissão de médicos e professores de Buffalo inspeciona tudo, examina as meninas e se pronuncia contra a autenticidade dos fatos.

Em 1888 Margarida revelou ao New York Herald que ela e sua irmã Catarina haviam sido, desde o início, vítimas de Lah. O que faziam eram imitar pancadas com os dedos e responderem elas mesmas para enganar a mãe. Depois, por sugestão de Lah e outras pessoas interessadas, acharam bom o «negócio» e assim mantiveram e alimentaram a mentira. Disse textualmente: «Nossa irmã servia-se de nós nas suas exibições, e nós ganhávamos dinheiro para ela...» (N. Y. Herald, de 24 de dezembro de 1888).

Pouco depois, a 9 de outubro, sua irmã Catarina chegava da Europa e fazia idênticas declarações ao New York Herald.

Não contentes, as irmãs Fox fizeram retratação pública e solene, no grandioso salão da Academia de Música de Nova York, diante de uma multidão de pessoas, entre as quais numerosos espíritas.
Dizem os espíritas que dois meses depois houve uma contra-retratação. Mas, a portas fechadas, perante espíritas, e nenhuma prova. Eles dizem e é só...

Devemos notar que a retratação foi pública, solene e livre, com todas as características da sinceridade. E da contra-retratação nada consta de claro.

Catarina morreu em 1893, vítima do excesso de álcool. Margarida fez-se católica (eram antes de família protestante).

Estava desfeita a trapaça. Acontece, porém, que em França, Léon Hippolyte Denizart Rivail (Allan Kardec), havia-se feito codificador e doutrinador do espiritismo. Foi ele propriamente o fundador do Espiritismo como Religião.

Uma idéia em marcha, por muito absurda e ilusória que seja, não volta mais atrás e encontrará sempre adeptos. É «infinito o número dos estultos...».

25 de julho de 2014

O rito de benção de uma igreja - Pe. Daniel Pinheiro, IBP


[Sermão] O rito de benção de uma igreja

Sermão para a Benção da Capela Nossa Senhora das Dores
13 de julho de 2014 - Padre Daniel Pinheiro

Em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo. Amém. Ave-Maria…
***
Alguns avisos:
Gostaria de agradecer a Deus pela bênção dessa Capela de Nossa Senhora das Dores. Gostaria, também, de agradecer a Dom José Aparecido, pela bondade em realizar essa cerimônia e em toda a ajuda que nos presta com muita caridade. Agradecer igualmente a Dom Sérgio da Rocha, nosso Arcebispo, pela grande benevolência, desde o primeiro momento, e ao Cardeal Dom José Falcão pelo apoio e amizade. Agradeço ao Padre Godwin, administrador paroquial da Paróquia Santa Clara e São Francisco, e responsável do setor pela solicitude. E também ao Padre João Batista, da Diocese de Anápolis pela presença e amizade. Mais uma vez, não podemos também deixar de agradecer as Irmãs de Santa Marcelina, pela grande generosidade em nos ceder a Capela durante quase dois anos.
Lembro a todos que hoje, por feliz disposição da providência, é também o primeiro aniversário de episcopado de Dom José. Gostaria de lhe assegurar, Excelência, das orações de todos nós pelo seu episcopado.
Para festejar esse aniversário e a bênção da Capela, teremos uma confraternização após a Santa Missa.
 ***
Caros irmãos, a bênção de uma Igreja, embora não seja tão exaustiva quanto a dedicação e consagração de uma Igreja, é uma cerimônia profunda, e que separa o edifício inteiramente do uso profano e faz dele verdadeiramente a Casa de Deus e Porta do Céu. É uma edificação voltada, após a Bênção, para a glória de Deus e para o bem daqueles que nela ingressarem com a intenção de louvar a Santíssima Trindade e de se voltarem para o Altíssimo.
É o Pontífice quem procede à cerimônia de Bênção da Igreja. O Pontífice representa Cristo, que orna a Igreja, sua esposa, e que a prepara para que os frutos dela sejam imaculados, para que sejam frutos de santidade. Queremos que dessa Capela saiam verdadeiramente frutos de santidade, famílias santas, vocações santas.
Consideremos um pouco, caros católicos, as cerimônias desse rito de bênção de uma igreja.
São recorrentes, na cerimônia, sobretudo nos riquíssimos Salmos, os termos de “casa do Senhor”, de “Jerusalém”, de “átrio”, de “Templo de Deus”. Esses termos fazem referência, em primeiro lugar, ao Templo que se encontrava em Jerusalém, cidade santa. Em segundo lugar, eles fazem também referência à Igreja Católica, nova Jerusalém, ao mesmo tempo em que fazem referência aos templos da religião fundada por Cristo. Finalmente, em terceiro lugar, esses termos fazem referência à Jerusalém celeste, ao céu, à nossa pátria celestial. Portanto, “casa do Senhor”, “Jerusalém”, “Templo de Deus”, e outros termos semelhantes fazem referência ao Templo da antiga aliança, à Igreja Católica e ao céu. Fica claro que à religião judaica se sucede a católica e que, para chegar ao céu, é preciso passar pela Igreja Católica. E dentro da Igreja Católica, é no templo, na edificação sagrada, que podemos mais apropriadamente adorar, agradecer, pedir perdão e impetrar as graças de que precisamos. Assim, a Jerusalém na Terra Santa é substituída pela nova Jerusalém, que é a Igreja Católica. E, a partir dessa nova Jerusalém, é possível chegar à Jerusalém celeste.
(Aspersão exterior da Igreja)
A cerimônia começou, no exterior da edificação, pela invocação do auxílio do Senhor. Tudo o que se fará neste templo será feito em nome do dEle. É preciso, então, começar invocando-O. Em seguida, o Bispo circundou a Igreja exteriormente, aspergindo suas paredes com água benta, enquanto a Schola Cantorum entoou o Salmo 86. Esse movimento de circundar algo significa, desde a antiguidade, separar essa coisa para um uso específico. Na Missa com incenso, por exemplo, o sacerdote faz três círculos nas oblatas, a fim de separá-las para a consagração. Aqui, o Pontífice circunda a igreja para que ela seja usada somente para o culto a Deus, para que seja usada para as veneráveis cerimônias da Santa Igreja. Em seguida, na oração, o Bispo reconheceu que Deus é o fundador dessa edificação e seu protetor, e suplicou ao Altíssimo que nada haja do inimigo nessa edificação, mas que nela se faça o serviço puro e devoto para Deus.
(Entrada na Igreja)
O Pontífice entrou, depois, na Igreja enquanto a Schola Cantorum entoa a Ladainha dos Santos. Os membros da Igreja militante – que somos nós, que combatemos contra o demônio, o pecado e o mundo para nos salvar – recorrem aos membros da Igreja triunfante, para que eles se dignem interceder por nós e fazer desse lugar um templo agradável ao Altíssimo. Repetiu-se três vezes a invocação a Nossa Senhora, a quem a igreja é dedicada, suplicando a tão boa Mãe que se digne apresentar diante de seu filho nossas pobres orações e obras. O Bispo cantou, depois, pessoalmente três invocações particulares durante a Ladainha, pedindo que Deus visite esse lugar, pedindo para que o proteja por meio do ministério de seus anjos e pedindo que o abençoe também em honra do santo padroeiro. Sim, a igreja abençoada será o lugar que Deus visita e onde Ele permanece de modo particular. Os anjos o protegerão e circundarão o altar para dirigir nossas orações a Deus. E, como a igreja é abençoada em honra de Nossa Senhora, também ela estará aqui de modo peculiar, a nos ajudar e a interceder por nós com sua caridade sem medida.
(Aspersão interior da Igreja)
Depois da Ladainha de todos os santos, o Bispo circundou internamente a igreja e aspergiu os muros dela, enquanto a Schola Cantorum entoava o Salmo 121. Terminada a aspersão das paredes, o Pontífice aspergiu a nave da igreja em forma de cruz: do altar à porta principal e do lado do evangelho ao lado da epístola diante da mesa de comunhão. A igreja abençoada terá como principal função litúrgica em seu interior a Missa, que é a renovação do sacrifício do Calvário. É pela Cruz que nos vem a salvação e a ressurreição. Esta capela deverá carregar e anunciar a Cruz gloriosa de Cristo, marcada em seu solo pela água benta. Durante esse rito a Schola entoava o Salmo 83. O Bispo fez, então, a última oração, reconhecendo que Deus santifica os locais dedicados ao nome dEle e pedindo a benevolência divina para todos os que O invocarem nesse lugar santo.
(Preparação para a Missa)
Terminado o rito da bênção, começou a ser preparado o altar para a Missa, enquanto a a Schola Cantorum cantava o Salmo 95, que nos exorta, de modo, particular, a tributar ao Senhor a glória e a honra que lhe é devida, bem como a lhe oferecer um sacrifício (oferenda) agradável. É isso o que devemos fazer na igreja: reconhecer a glória de Deus, nos submeter a Ele e nos unir ao sacrifício de Cristo, renovado sobre os altares.
(Conclusão)
Assim, caros irmãos, com a bênção da igreja e sua entrega total a Deus, ela se torna a casa de Deus, o átrio do Senhor. Ela se torna verdadeiramente símbolo da Jerusalém celeste, e a liturgia que nela se realiza é participação na liturgia dos anjos e santos no céu. A igreja assim dedicada a Deus torna-se realmente a porta do céu, a porta de passagem para o céu. É pela visita frequente à Igreja para rezar confiadamente à Santíssima Trindade, a Nosso Senhor Jesus Cristo, a Senhora, aos anjos e aos santos que os fiéis alcançarão o céu. É pela participação na venerável liturgia da Igreja Católica que os fiéis poderão se purificar das suas faltas e crescer no amor a Deus. É pelos sacramentos realizados na igreja – batismo, Eucaristia e Missa, confissões – que os fiéis receberão graças abundantes. Uma igreja abençoada é um lugar agradável a Deus, que nos facilita a vida de devoção e de oração.
Devemos rezar a Nossa Senhora das Dores pedindo a ela que nos dê um verdadeiro amor por esse templo de Deus, pela casa do Altíssimo, para que possamos preferir um dia na igreja a mil dias fora dela, como diz o Salmo 83 cantado há pouco durante a bênção. Peçamos a graça de amar e frequentar assiduamente esta igreja dedicada a Deus em honra de Maria das Dores. Peçamos a ela a graça de nos assemelhar a ela. Nossa Senhora, pelas suas dores, pelos seus sofrimentos, suportados por amor a Deus, cooperou de modo extraordinário na obra da redenção. Ela suportou a morte de seu Filho perfeitamente inocente, homem e Deus, para o nosso bem, para a nossa salvação. Pela sua caridade, pela sua conformidade com a vontade de Deus, ela soube transformar o mal do sofrimento em grande bem para a glória de Deus e para a salvação das almas. Peçamos à Virgem das Dores que nos dê a graça de nos associar à cruz de Cristo, imitando-a, a fim de podermos alcançar a glória do céu.
Deus nos concede hoje uma graça extraordinária com a bênção desta capela e nos dando como padroeira a sua própria Mãe, e Mãe das Dores.
Em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo. Amém.

24 de julho de 2014

A Paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo - 33ª Parte

CAPÍTULO III

Reflexões sobre a flagelação, a coroação de espinhos e crucifixão de Jesus Cristo

Sobre a flagelação.

1. Escreve S. Paulo a respeito de Jesus Cristo: “Aniquilou-se a si mesmo, tomando a forma de escravo” (Fl 2,7). S. Bernardo acrescenta o seguinte a esse texto: “Não só a tomou a forma e escravo, para viver sujeito, mas a de mau escravo para ser açoitado”. É certo que a flagelação foi o tormento mais cruel que abreviou a vida de nosso Redentor, porque a grande efusão de sangue (já por ele predita, quando disse: Este é o meu sangue do Novo Testamento, que será derramado por muitos (Mt 26,2), foi a causa principal de sua morte. É verdade que esse sangue foi derramado primeiramente no horto, na coroação de espinhos, na crucifixão, em maior abundância, porém, na flagelação. Ela foi para Jesus Cristo sumamente vergonhosa e oprobriosa, pois era o castigo reservado aos escravos, como se deduz do L. Servorum f. f. de Poenis. Os tiranos, depois de haver condenado à morte os santos mártires, mandavam que fossem antes flagelados e depois trucidados. Nosso Senhor, porém, foi flagelado antes de ser condenado à morte. Ele mesmo havia anunciado a seus discípulos de modo particular essa flagelação: “Será entregue aos gentios, encarnecido e açoitado” (Lc 18,32), querendo significar-lhe as grandes dores que lhe traria esse tormento.

2. Foi revelado a S. Brígida que um dos algozes mandou que Jesus se despojasse por si mesmo de suas vestes; ele obedeceu e abraçou em seguida a coluna à qual foi amarrado e então flagelado tão cruelmente que seu corpo ficou todo dilacerado. Diz a revelação que os açoites não só feriam como também rasgavam suas carnes sacrossantas (Revel. 1.4 c. 70). E foi de tal maneira dilacerado, que se viam no peito as costelas descobertas. Quadra com isso o que escreve S. Jerônimo: “Os açoites retalharam o sacratíssimo corpo de Deus” (In Mt) e S. Pedro Damião, afirmando que os algozes tanto se fatigaram na flagelação que chegaram a perder as forças. Tudo isso há havia predito Isaías, quando dizia: “Ele foi quebrantado por nossos crimes” (53,5). Quebrantado significa o mesmo que moído, pisado. Ó meu Jesus, sou eu um dos vossos mais cruéis carrascos, que vos flagelei com os meus pecados; tende, porém, piedade de mim. Ó meu amável Salvador, é muito pouco um coração para vos amar. Não quero viver mais para mim mesmo, mas viver só para vós, meu amor, meu tudo. Digo-vos, pois, com S. Catarina de Gênova: “Ó amor, ó amor, não mais pecados”. Basta quanto vos ofendi; espero agora ser vosso e com vossa graça quero ser sempre vosso por toda a eternidade.

Sobre a coroação de espinhos.

1. A Santíssima Virgem revelou a S. Brígida que a coroa de espinhos cingia toda a sagrada cabeça de seu Filho até ao meio da fronte e que os espinhos foram enterrados com tanta violência que o sangue escorria em torrentes pela face, de modo que o rosto de Jesus parecia todo coberto de sangue (Revel. c. 70). Escreve Orígenes que essa coroa de espinhos não foi retirada da cabeça do Senhor senão depois de haver ele expirado na cruz. Sendo a veste interior de Jesus não costurada, mas tecida por inteiro, não foi dividida entre soldados, como as outras vestes exteriores, mas posta a sorte, segundo S. João (19,20 e 24). Ora, devendo tirar-se essa veste pela cabeça ao ser Jesus dela despojado, segundo a opinião de vários autores, foi-lhe tirada a coroa e novamente reposta antes de ser cravado na cruz.

2. Está escrito no Gênesis: “Amaldiçoada será a terra na tua obra... ela te produzirá espinhos e abrolhos” (Gn 3,17-18). Esta maldição foi fulminada por Deus contra Adão e contra toda a sua descendência. Sob a expressão terra entende-se aí não somente a terra material, mas também a carne humana que, infeccionada pelo pecado de Adão, não gera senão espinhos de culpas. Para remediar justamente esta infecção, diz Tertuliano (Lb. cont. Hebr.), era necessário que Jesus Cristo oferecesse a Deus em sacrifício esse grande tormento da coroação de espinhos. Esse tormento de espinhos, além de ser extremamente doloroso, foi acompanhado de bofetadas, de escarros e dos sarcasmos dos soldados, como escrevem S. Mateus e S. João. “E tecendo uma coroa de espinhos, puseram-lha sobre a cabeça e uma cana em sua direita e ajoelhando-se perante ele o escarneciam dizendo: Ave, rei dos judeus, e cuspindo-lhe no rosto tomavam-lhe a cana e batiam-lhe na sua cabeça” (Mt 27,29 e 30). E o envolveram com uma veste purpúrea e chegando-se a ele diziam-lhe: Ave, rei dos judeus, e davam-lhe bofetadas (Jo 19,2). Ah, meu Jesus, quantos espinhos eu ajuntei a essa coroa com meus pensamentos a que dei consentimento! Desejaria morrer de dor; perdoai-me pelos méritos daquelas dores que suportastes justamente para me perdoardes. Ah, meu Senhor tão dilacerado e vilipendiado, vós vos sobrecarregais com tantas dores e desprezos para mover-me e compadecer-me de vós e para que vos ame ao menos por compaixão e não vos cause mais desgosto: Basta, meu Jesus, não insistais em padecer mais: já estou persuadido do amor que me tendes e eu vos amo com toda a minha alma. Vejo, porém, que para vós não é bastante, não estais saciado de penas, o que se dará só depois de vos ver morto de dores na cruz. Ó bondade, ó caridade infinita, infeliz o coração que vos não ama.

Sobre a crucifixão.

1. A cruz começou a atormentar a Jesus Cristo antes mesmo de ser nela pregado, já que depois da condenação de Pilatos teve de levar até ao Calvário a cruz em que devia morrer e ele, sem oposição, tomou-a sobre seus ombros. “E levando sua cruz às costas, saiu para aquele lugar que se chama Calvário” (Jo 19,17). Falando desse acontecimento, escreve S. Agostinho: “Se se atender à crueldade, que usou com Jesus Cristo, fazendo-o carregar pessoalmente seu patíbulo, foi isso um grande opróbrio; mas se se olhar para o amor com que Jesus Cristo abraçou a cruz, foi um grande mistério (In Jo. trat. 117). Levando a cruz, quis o nosso capitão desfraldar a bandeira sob a qual deveriam arrolar-se e militar os seus sequazes nesta terra, para assim se tornarem depois seus companheiros no reino dos céus. S. Basílio, falando deste passo de Isaías: Nasceu-nos um menino e foi-nos dado um filho e sobre seus ombros foi posto o principado (Is 9,6), diz que os tiranos da terra agravam seus súditos com encargos injustos, para aumentar o seu poder: Jesus Cristo, pelo contrário, quer aliviar-nos o peso da cruz e levá-la morrendo nela para obter-nos a salvação. É também certo que os reis da terra colocam seu poder na força das armas e no acervo de riquezas. Jesus Cristo, porém, fundou seu principado no ludíbrio da cruz, humilhando-se e padecendo, e de boa vontade se sujeitou a levá-la nessa viagem dolorosa para, com seu exemplo, dar-nos coragem de abraçar com resignação a sua cruz e assim segui-lo. Fala a todos os seus discípulos: “Se alguém quer vir após mim, abnegue-se a si mesmo, tome sua cruz e siga-me” (Mt 16,24).

2. Vem a pêlo notar aqui as belas expressões com que S. João Crisóstomo saúda a cruz. Ele a chama: “Esperança dos desprezados”.
Que esperança de salvar-se teriam os pecadores, se não fosse a cruz em que Jesus Cristo morreu para remi-los? “Guia dos navegantes”. A humilhação que nos vem da cruz (isto é, da tribulação) é a causa de obtermos nesta vida como num mar cheio de perigos, a graça de observar a lei divina e, se a transgredimos, a de nos emendar, segundo afirma o Profeta: “Para mim foi bom que me humilhaste, para que eu aprenda as tuas justificações”. (Sl 118,17). “Conselheira dos justos”. Os justos tiram da adversidade motivo e razão para unirem-se mais com Deus. “Alívio dos atribulados”. Donde tiram os aflitos maior lenitivo senão do aspecto da cruz, na qual morreu, cheio de dores por seu amor, seu Redentor e seu Deus? “Glória dos mártires”. Foi esta a glória dos santos mártires, poder unir suas penas e morte às que Jesus Cristo suportou na cruz, como diz S. Paulo: “Para mim, não há outra glória do que a cruz de Nosso Senhor Jesus Cristo” (Gl 6,14). “Médico dos doentes”. Oh! que grande remédio é a cruz para muitos que estão enfermos de espírito! As tribulações os esclarece e os desprendem do mundo. “Fonte para os que têm sede”. A cruz, isto é, sofrer por Jesus Cristo, é o desejo dos santos. S. Teresa dizia: Ou padecer ou morrer, e S. Maria Madalena
de Pazzi ia adiante e dizia: Padecer e não morrer, como se recusasse morrer e ir gozar no céu para ficar nesta terra a padecer. Afinal, falando em geral dos justos e dos pecadores, a cada um toca a sua cruz. Os justos, apesar de gozarem da paz de consciência, têm as suas vicissitudes: ora são consolados pelas visitas de Deus, ora afligidos pelas contrariedades e enfermidades corporais e em especial pelas desolações, pelas trevas e tédio de espírito, pelos escrúpulos, pelas tentações, pelos temores da própria salvação. Muito mais pesada, porém, é a cruz dos pecadores, os remorsos de consciência que os atormentam, os temores dos castigos eternos que de quando em quando se apoderam deles, e as angústias que sofrem nas adversidades. Os santos nas contrariedades se resignam com a vontade divina e sofrem em paz. Mas como poderá resignar-se o pecador com a vontade de Deus, se ele vive em sua inimizade? As penas dos inimigos de Deus são só penas sem nenhum conforto. Por isso dizia S. Teresa que quem ama a Deus abraça a cruz e com isso
não a sente, mas quem não ama a Deus abraça a cruz e com isso não a sente, mas quem não ama a Deus, arrasta a força a cruz e assim não pode deixar de sentir-lhe o peso.

Chegamos à crucifixão.

1. Foi revelado a S. Brígida que quando o Salvador se viu estendido na cruz, colocou por si mesmo a mão direita no lugar em que devia ser cravada (Revel. 1. 7, c. 15). Em seguida cravaram-lhe a outra mão e depois os sagrados pés e deixou-se Jesus Cristo morrer nesse leito de dor. Diz S. Agostinho que o suplício da cruz era um tomento acerbíssimo, porque na cruz, “se protraía a morte para que a dor não tivesse logo termo” (In Jo. trat. 36). Ó Deus, que assombro havia de causar ao céu ver o Filho do eterno Padre crucificado entre dois ladrões. Já Isaías o havia profetizado: “E ele foi posto no número dos malfeitores” (Is 53,12). S. João Crisóstomo, considerando Jesus na cruz, exclama cheio de admiração e amor: Vejo-o como médio no céu entre o Pai e o Espírito Santo; vejo-o no monte Tabor entre dois santos, Moisés e Elias, e como pois vê-lo crucificado no Calvário entre dois ladrões? Mas assim devia ser, porque, segundo o decreto divino, ele devia morrer para satisfazer com sua morte os pecados dos homens e salvá-los, conforme o predissera Isaías: “E foi reputado como malfeitor e carregou com os pecados de muitos” (53,12). Pergunta o mesmo profeta: “Quem é este que vem de Edom, de Bosra, cm as vestes tintas?” (Is 63,1) este formoso em seu traje que caminha na multidão de sua fortaleza? (Is 63,1). Quem é este homem tão belo e forte que vem de Edom com as vestes tintas de sangue? Edom significa a cor vermelha, algum tanto escura como se depreende do Gênesis (25,30). E lhe responde: “Eu sou o que falo a justiça e que combato para salvar” (Is 63,1). Quem assim responde, como explicam os intérpretes, é Jesus Cristo, que diz: Eu sou o Messias prometido, que vim para salvar os homens, triunfando de seus inimigos.

2. Em seguida vem de novo a mesma interrogação: “Por que é vermelha a tua veste e as tuas roupas como as dos que pisam num lagar?” (Is 63,2); e responde-se: “Eu sozinho calquei o lagar e das gentes não há um só homem comigo” (63,3).Tertuliano, S. Cipriano e S. Agostinho tomam o lagar pela paixão de Jesus Cristo, na qual as suas vestes (i. é, suas carnes sacrossantas) ficaram ensangüentadas, como escreve S. João: “E estava vestido com uma veste tingida de sangue e seu nome é Verbo de Deus” (Ap 19,13). S. Gregório, explicando esta palavra “Eu sozinho calquei o lagar”, escreve: O lagar em que foi pisado e calcou ao mesmo tempo (Hom. 13 in Eseq.).
Diz calcou, porque Jesus Cristo com sua paixão venceu os demônios. diz-se foi pisado, porque na paixão seu corpo foi esmagado e pisado como se faz com as uvas no lagar, conforme um outro testemunho de Isaías, que diz: “E o Senhor quis esmagá-lo em sua enfermidade” (Is 53,10).

Sem beleza nem forma.

1. E eis que o Senhor, que era o mais formoso dos homens (Sl 44,3), aparece no Calvário tão disforme pelos tormentos que causa horror a quem o vê. Essa deformidade, porém, o faz aparecer mais belo ainda aos olhos das almas que o amam, já que aquelas chagas, aquelas pisaduras, aquelas carnes dilaceradas são provas e sinais do amor que ele nos tem, coo delicadamente cantou Petrucci: “Por nós como réu e flagelado apareceis e aspecto tão disforme e feio ofereceis; tanto mais belo, porém, e doce vos aclamam os corações
amantes que por vós clamam”. Ajunta S. Agostinho: “Ele pendia disforme, na cruz, mas a sua deformidade constituía a nossa beleza (Serm. 22 de verb. Ap.). Sim, porque aquela deformidade de Jesus crucificado foi a causa da beleza de nossas almas que, até então disformes, lavadas no seu precioso sangue, tornaram-se graciosas e belas, segundo o que escreve S. João: “Esses que estão revestidos de estolas brancas, quem são e donde vieram? São os que vieram de uma g r ande tribulação e lavaram as suas vestes e as embranqueceram no sangue do Cordeiro” (Ap 7,13). Todos os santos como filhos de Adão (exceto a Santíssima Virgem) estiveram por algum tempo recobertos com uma veste sórdida, mas lavadas com o sangue do Cordeiro tornaram-se cândidas e agradáveis a Deus.

2. Ó meu Jesus, vós dissestes que, quando exaltado na cruz, haveríeis de atrair tudo a vós (Jo 12,32 e 33).Vós, realmente, nunca deixastes de conquistar o afetos de todos os corações: E já muitíssimas almas felizes, vendo-vos crucificado e morto por seu amor, abandonaram tudo, posses, dignidades, pátria e parentes, chegando até a abraçar os tormentos e a morte, para se entregarem inteiramente a vós. Infelizes daqueles que resistem à vossa graça, que lhes obtivestes com tantas fadigas e dores. Ó Deus, será esse seu maior tormento no inferno, pensar que tiveram um Deus que para ganhar seu amor deu sua vida por eles na cruz e que eles quiseram perder-se de livre vontade e que não haverá mais remédio para eles por toda a eternidade. Ah, meu Redentor, eu já mereci cair nessa desgraça pelas ofensas que vos fiz. Quantas vezes eu resisti à vossa graça que procurava atrair-me a vós e para seguir as minhas inclinações desprezei o vosso amor e voltei-vos as costas. Oh! tivesse morrido antes de ofender-vos. Oh! se sempre vos tivesse amado! Agradeço-vos, meu amor, que me suportastes com tanta paciência e que em vez de abandonar-me, como eu merecia, duplicastes os convites e me cumulastes de luzes e impulsos amorosos. “Eternamente cantarei as misericórdias do Senhor”. Não deixeis, meu Salvador e minha esperança, de continuar a atrair-me e a cumular-me de vossas graças, para que no céu eu possa vos amar com mais fervor, pensando em tantas misericórdias de que fui objeto depois de tantos desgostos que vos causei: Tudo espero daquele sangue precioso que derramastes por mim e daquela morte tão dolorosa que por mim sofrestes. Ó Santíssima Virgem Maria, protegei-me e rogai a Jesus por mim.

Jesus na cruz.

1. Jesus na cruz foi um espetáculo que encheu de admiração o céu e a terra: ver um Deus onipotente, senhor de tudo, morrer num patíbulo infame, condenado como um celerado entre dois malfeitores.
Foi esse um espetáculo da justiça, vendo o Padre eterno, que para satisfazer a sua justiça pune os pecados dos homens na pessoa de seu Filho unigênito, que lhe era tão caro como sua própria pessoa.
Foi um espetáculo principalmente de amor ver um Deus que oferece e dá a vida para remir da morte os escravos seus inimigos. Esse espetáculo foi e será sempre o objeto mais caro da contemplação dos santos, pelo qual desprezaram a se despojaram de todos os bens e prazeres da terra e abraçaram com afã a alegria as penas e a morte, para mostrar de algum modo sua gratidão a um Deus que morreu por seu amor.
Confortados com a vista de Jesus desprezado na cruz, os santos amaram os desprezos mais do que os mundanos prezam todas as honras do mundo. Vendo Jesus morrer nu na cruz, procuraram abandonar todos os bens da terra. Vendo-o todo coberto de chagas sobre a cruz, escorrendo sangue de todos os seus membros, abominaram todos os prazeres sensuais e procuraram o mais possível crucificar a sua carne para acompanhar com suas dores as dores do Crucifixo.
Vendo a obediência e a uniformidade da vontade de Jesus com a de seu Pai, esforçaram-se por vencer todos os apetites que não eram conformes à vontade divina e muitos, ainda que ocupados em obras de piedade, sabendo que o privar-se da própria vontade é o sacrifício mais grato ao coração de Deus, procuraram entrar em determinada Ordem Religiosa, para levar uma vida de obediência e submeter a vontade própria à dos outros. Vendo a paciência de Jesus Cristo em querer sofrer tantas penas e opróbrios por nosso amor, aceitaram em paz e com alegria as injúrias, as enfermidades, as perseguições e os tormentos dos tiranos. Vendo, finalmente, o amor que Jesus Cristo lhes demonstrou, sacrificando por nós sua vida sobre a cruz, sacrificaram a Jesus tudo quanto possuíam, bens, prazeres, honras e vida.

2. Como é então possível que tantos outros cristãos, ainda que saibam pela fé que Jesus Cristo morreu por seu amor, em vez de dedicar-se a seu serviço e amor, se empenham em ofendê-lo e desprezá-lo por prazeres breves e miseráveis? Donde nasce tão grande ingratidão? Provém do esquecimento da paixão e morte de Jesus Cristo. Mas, ó Deus, qual será o seu remorso e vergonha no dia do juízo, quando o Senhor lhes lançar em face quanto fez e padeceu por eles? Não deixemos nós de ter sempre diante dos olhos, almas piedosas, a Jesus crucificado que morre entre tantas dores e ignomínias por nosso amor. Todos os santos receberam da paixão de Jesus Cristo aquelas chamas de caridade, que os levaram a despojar-se de todos os bens deste mundo e até de si mesmos, para se entregar exclusivamente ao amor e serviço desse divino Salvador, que, enamorado dos homens, não podia fazer mais do que fez para ser amado por eles. A cruz, isto é, a paixão de Jesus Cristo, é que obterá a vitória sobre todas as nossas paixões e sobre todas as tentações que nos suscitará o inferno para nos separar de Deus. A cruz é o caminho, a escada para subir ao céu. Bem-aventurado quem a abraçar em vida e não a deixar senão na morte. Quem morre abraçando a cruz tem um penhor seguro da vida eterna, a qual já foi prometida a todos os que com ela seguem a Jesus crucificado.
Meu Jesus crucificado, vós, para vos fazer amar dos homens, nada poupastes, chegando até a dar a vossa vida com uma morte tão dolorosa. Como então esses homens que amam seus parentes, seus amigos e até os animais, dos quais recebem qualquer sinal de afeição, são tão ingratos convosco, que por bens miseráveis e vãos desprezam a vossa graça e o vosso amor? Ah, infeliz de mim, eu sou um desses ingratos, que por uma ninharia renunciei à vossa amizade e vos dei as costas. Mereceria ser lançado de vossa face, como eu vos expulsei da minha. Mas eu percebo que continuais a pedir-me o meu amor. “Amarás o Senhor teu Deus”. Sim, meu Jesus, desde que desejais que eu vos ame e me ofereceis o perdão, eu renuncio a todas as criaturas e de hoje em diante não quero amar senão a vós só, meu Criador e meu Redentor. Vós sereis o único amor de minha alma. Ó Maria, Mãe de Deus, e refúgio dos pecadores, rogai por mim, obtende-me a graça de amar a Deus e nada mais vos suplico. 

Páginas de Vida Cristã - Pe. Gaspar Bertoni

5/26  -   O DESESPERO DE CONVERTER-SE

1. - Pela graça do salvador nenhuma doença da alma é incurável

Lendo no Santo Evangelho sobre um leproso que reza: "Senhor, se queres podes curar-me (Mt 8, 2), e tocado por Cristo imediatamente é limpo; sobre um Centurião que se achega dizendo: "Basta, senhor, uma só palavra para curar meu servo que está em casa paralítico" (Mt 8, 6); e de acordo com sua fé naquele mesmo momento o servo sara; os dois milagres me fizeram acreditar que não existe doença em nosso espírito nem incurável nem desesperada que um fácil e fiel recurso à
graça benigna do nosso Salvador não possa imediata e prodigiosamente curar.
Porém se não nos sai de cima a fétida lepra dos nossos vícios, nem ressuscita o nosso coração do mórbido leito dos seis terrenos prazeres, sobre o qual jaz apodrecendo por tantos anos abandonado por suas forças; a causa não é outra senão a nossa imbecilidade, preguiça ou desconfiança.
Ó quanto mais é deplorável ver tantos pecadores, que embora ressintam do seu mísero estado, todavia não resolvem eficazmente sair dele! Sua própria miséria em vez de levá-los a livrar-se deles, desespera-lhes seus ânimos, levando-os a agravarem-se sempre mais.
Introduzir a confiança nestes ânimos tão abatidos é na verdade muito difícil.
Eu gostaria de conseguir reaver ao menos um se aqui se encontrasse; mas se convém proceder bem diferente que com razões. Com a mente perturbada pelos prejuízos da sua grave apreensão ou o atingem a força dos argumentos, ou os julgam insuficientes para seu mal. Só a autoridade pode neste caso agir melhor. E
se esta falta a mim, virá no seu lugar a autoridade do S. Padre e Doutor, João Crisóstomo, do qual a minha palavra tira gravíssimos sentidos.

2. - A conversão da alma é fruto da confiança em Deus
Pecadores, meus irmãos, como podeis desesperar de ressurgir dos vossos pecados? Antes de subir ainda mais alto de onde haveis caído, de se tornarem perfeitos cristãos, mesmo santos? Não sabeis que a Deus nada é impossível, nada é difícil? "Ele levanta do pó o indigente, e tira o pobre do monturo, para, entre os príncipes, fazê-lo sentar, junto aos grandes de seu povo" (Sl 112, 7 -8).
Se o demônio pôde fazer-vos cair e precipitar-se em tanta miséria, não poderá Deus fazer-vos ressuscitar e reparar vossa ruína com maior ressarcimento?
Atendei ao que fazeis desconfiando. Porque fazeis maior ofensa a Ele desconfiando, que não fazeis pecando. De fato não é a multidão ou a gravidade dos pecados que leva o homem ao desespero, mas sim um ânimo já cheio de impiedade. E por isto já Salomão disse advertindo: "o ímpio quando atinge o fundo despreza" (Pr 18, 3).
Quem caiu mesmo em culpas muito torpes, e as multiplicou quanto queira, mas não chegou à impiedade de renegar a Deus, negando seus atributos de onipotência e misericórdia, jamais se desespera, antes tem voltado os olhos ao seu piedoso Senhor até que tenha misericórdia. "Olhai-me e tende piedade de mim - vai gritando com Davi - ó Senhor, porque estou só e na miséria. Mas nem por isso deixarei de voltar-me a ti" (Sl 24, 16), nem jamais deixarei de pedir, até que tenha
certeza de que tua bondade me ouviu.
Eis, irmãos, onde levam todas as artes do demônio: tolher esta feliz esperança do vosso ânimo, pois esta vos pode salvar por mais que estejais perdidos. "Porque fomos salvos pela esperança" (Rm 8, 24): é a sentença do Apóstolo. O demônio, porém vos coloca aqueles pensamentos de aviltação, de
desconfiança, de desespero para que deixeis escapar da mão esta âncora tão firme, para que agitados pela procela, afogueis no fosso da malícia. 

3. - A conversão da nossa alma é querida por Deus
Nós cremos, dizeis, que Deus possa; mas o ponto está em que queira voltar para nós o seu rosto sereno e pacífico, já cheio de ira e inspirando vingança pelas nossas culpas.
Entendi. Vós medis o desdém de Deus pelo dos homens. E assim fazeis um erro de grande dano a vós, e de suma injúria a Deus, se o enfado de Deus fosse paixão como o dos homens, teríeis motivo para desesperar de poder extinguir um incêndio de ira tão vasto excitado pela vossa iniqüidade. Mas como aquela bem aventurada Essência é vazia de toda perturbação, e embora puna, não o faz movido pela ira, mas sempre mantém um cuidado amoroso por nós; devemos criar ânimo e confiar no valor da Penitência.
Persuadamo-nos que Deus nos ama mesmo quando se mostra irado, e então mais nos quer atrair a si quando tendo nós saído fora, mais nos ameaça.
Ah! irmãos! Pensemos melhor de Deus depois de termos visto que ele não poupou nem mesmo seu Unigênito Filho por nosso amor; mas o entregou aos mais cruéis tormentos e a uma morte ignominiosa para redimir-nos de nossas iniqüidades.
E se por trinta e três anos o Verbo feito homem correu atrás dos pecadores fugitivos Dele; e se Ele continua ainda a mandar seus embaixadores e legados, chamando, exortando, oferecendo seu nome de misericórdia; como - agora que voltamos a Ele com o desejo embora fraco de convertermo-nos, - nos repelirá? Não, não é possível.

4. - A divina Benignidade jamais rejeita uma penitência sincera
Deus jamais rejeita uma penitência sincera, mesmo se o homem tenha caído no fundo de todos os males; mas o acolhe, o abraça, o ajuda a levantar-se, e a recuperar sua primeira dignidade. Antes - o que é indício de maior benignidade - os primeiros passos que dá no caminho da penitência, embora poucos, embora imperfeitos embora sós, nem mesmo estes recusa, mas os recompensa com ricos prêmios. Eis como Ele mesmo fala, pela boca de Isaías ao seu povo: "Pelo crime do meu povo me irritei um momento, feri-o dando-lhe as costas na minha indignação, enquanto o rebelde agia segundo sua fantasia. Vi sua conduta, diz o Senhor, e o curarei. Vou guiá-lo e consolá-lo" (Is 57, 17-18).
Acab havia chegado ao sumo da impiedade, e o sangue inocente de Nabot, traído enquanto subia para tomar posse de sua vinha, fumegava ainda sobre a terra. Deus, profundamente indignado, mandou seu Profeta ao encontro do pérfido rei, dizendo: "Mataste e agora usurpais. E depois disto estais para fazer ainda pior.
Agora te diz o Senhor: No mesmo lugar em que os cães lamberam o sangue de Nabot, lamberão também o teu. Farei cair o mal sobre ti, varrer-te-ei, arruinarei tua casa e exterminarei todos os teus, porque me irritaste muito" (3º dos Reis 21, 19-20).
E acrescenta a Escritura que não houve quem ultrapassasse Acab na iniqüidade, tanto que "parecia vendido para fazer todo mal e era objeto de abominação de
Deus" (Id, 25-26). Porém tendo este ímpio ouvido as ameaças do Profeta, cheio de terror, deu alguns sinais de arrependimento e humilhação, e "caminha triste e com a cabeça baixa" (Id, 27- 28). Quereis mais? Deus não pôde conter seu coração, se não procura logo o Profeta, dizendo com afeto de compaixão: "Tu não viste Acab humilhado diante de mim? Porque, pois, se humilhou por minha causa, suspenderei em sua vida aqueles males com que o ameacei" (Id, 28-29). Ó piedosas vísceras de misericórdia!

5. - Urgência da conversão
Somente isto bastaria, ó pecadores, para mover-vos imediatamente à penitência, seguros da benignidade de Deus em vos acolher convertidos, e do seu poder para restabelecer-vos caídos. Porém para fazer-vos resolver de fato convém que eu bata em outro ponto de não menor necessidade.
O tempo passa, e logo desaparece a aparência deste mundo. Será preciso pois deixar aqueles prazeres que agora não abandonais por eleição. Não vistes tantos que viveram entre delícias, prazeres, satisfações mais apetecíveis dos seus apetites, que agora estão mortos? Onde está agora o seu prazer? Onde estão aqueles amigos? Onde aquelas riquezas? Onde está seu corpo tão acariciado?
Abramos um sepulcro; eis cinzas, ossos descamados, vermes, horror, mau cheiro. E a alma onde está? Sepultada no Inferno, em um fogo inextinguível, em trevas eternas, em aflição, em angústias perpétuas. Que adianta gozar um pouco aqui, divertir-se, enriquecer, e depois sofrer, chorar, angustiar-se eternamente do outro lado?
A vossa vida presente é semelhante a um belo sonho que dormindo se alegra de ter muitas riquezas e de encontrar-se entre delícias. Passa depressa a noite, e de manhã dolorosamente se encontra com as mãos vazias. E quisesse Deus que vos encontrásseis somente com as mãos vazias. O pior é que vos encontrareis entre tormentos inexplicáveis, sem esperança de sair jamais. 
Ora, quanto tempo quereis para gozar vossos prazeres? Quantos anos quereis que vos sobrem ainda de vida? Trinta, quarenta, cinqüenta? Antes como podeis prometer-vos, se não podeis assegurar nem mesmo chegar até a tarde? E antes ainda que terminem estes anos pode terminar o vosso prazer por aquela grande mudança que ocorre nas coisas humanas, pela qual os acontecimentos mais agradáveis e mais queridos são também os mais rápidos em chegar ao fim e
extraviar-se totalmente.
Mas dado que consigais gozar todos estes anos que vos prometeis, que são trinta, quarenta, cinqüenta anos diante da Eternidade? Aqui o bem e mal termina logo; lá tanto o tempo como o mal é eterno. E nesta vida gozamos quase em imagem e em sonho, e lá penaremos de fato e de verdade. É tendo podido nesse brevíssimo tempo e com pouquíssimas fadigas fugir daquelas penas acerbas acima de todo pensamento e irremediáveis, e ganha um Paraíso de eternas e verdadeiras
delícias; o outro lado será para nós um tormento pior que o fogo.
Pensai um pouco, ó pecadores, naquela bem-aventurada felicidade que Deus tem preparado também para vós; e como o amoroso e bom Senhor espera com ansiedade que vos convertais, para poder dá-la em perpétua posse. Lá não haverá mais dor, nem gemidos, nem tristezas, nem pobreza, nem doenças. Tudo paz, alegria e prazer; tudo tranqüilo, tudo sereno. Um dia perpétuo. Uma vida sem fim.
Uma doce conversa com os Anjos. Uma suave concórdia com todo o coro dos Santos. Uma alegre convivência com Cristo, uma feliz visão e fruição do nosso Primeiro Princípio e Último fim que é Deus.

6. - Facilidade da conversão e suas vantagens
Ah! irmãos! Se S. Paulo julgava de pouca importância toda tribulação que ele sofria, em confronto com o peso imenso da glória (Cor 4, 17), como não será coisa muito mais fácil acalmar as nossas paixões? Nós não vos exortamos àqueles perigos, àquelas mortes diárias, àquelas pancadas, àquelas prisões, àquelas dificuldades; mas somente para libertar-vos da escravidão do pecado, e para voltar-vos ao primeiro estado.
Porque quereis vós abater o ânimo e desconfiar? Aqueles mercadores que procurem do outro lado do oceano suas riquezas muitas vezes sofrem naufrágios; porém recomeçam animados desde o início e continuam sua viagem incerta e perigosa. Nós, certos de um êxito feliz, porque não retomaremos o curso?
Permaneceremos deitados de costas com as mãos juntas a considerar inutilmente
nossas perdas sem repará-las com toda solicitude?
Caíram também muitos santos; e caíram também muito grave. Caiu Davi, caiu S. Pedro e tantos outros. Permaneceram eles abatidos e prostrados? Não; antes levantaram com maior fôlego e se tornaram também mais santos do que eram antes.
Nas doenças do corpo nós jamais perdemos a esperança, como então a perderemos nas da alma que sempre têm remédio, o que nem sempre acontece om as do corpo? Se não fosse assim, que quem pecou gravemente não pudesse pés no Paraíso. Mas ao contrário se vê que os Santos mais ilustres foram aqueles que antes caíram, como, além de S. Pedro, foi Madalena, foi São Paulo. Porque aquele ardor que antes os levaram a fazer o mal depois os levaram a fazer o bem. E por isso o Demônio põe todo o esforço para impedir-lhes as conversões; pois sabe que se iniciam a empresa e a penitência, não podem mais ser contidos, e se empenham com tanto fervor a servir Cristo, conscientes das suas dívidas, que se tornam eles mesmos inocentes e imaculados. "E os últimos serão os primeiros (Mt 19, 30)".

7. - Não é difícil perseverar na penitência
Não, não, meus queridos, não é difícil perseverar na penitência como quem no momento de deliberar a conversão gostaria o demônio de o fazer temer. Toda a dificuldade está somente em iniciar e em vencer a primeira vez o inimigo que com todo ardor e esforço se opõe. Pois ele também se enfraquece logo, primeiro porque foi superado uma vez, segundo porque foi batido naquela parte na qual mais forte. E tão glorioso.
Eis pois, saí a campo. Não temas vossos inimigos; não olheis vossa fraqueza. Deus combaterá convosco. Ele vem em vossa defesa atraído pelo amor que vos consagra. Vem comovido pela causa tão honesta e tão interessante da virtude, da vossa salvação, da sua glória. Vem impelido pelo ódio que tem essencialmente ao pecado, para destruí-lo.
Vem obrigado pela sua própria palavra, pela qual prometeu circundar com o auxílio de sua misericórdia o pecador que a Ele volta suas esperanças; "Quem espera no Senhor, sua misericórdia o envolve" (Sl 31, 10). Esse Deus combate convosco e por vós, de que temeis? A Ele é fácil vencer tanto a poucos como a muitos inimigos. Tanto aos velhos e astutos como os novos e inexperientes. Tantoos fortes como os fracos. Caminhai pois com ânimo, combatei com energia, desde já
seguros do triunfo.
Eis que, ao odor das vossas resoluções, a trepidação, se espalha no peito dos vossos infernais adversários, que temem não só perder para sempre a posse de vossa alma, por tantos anos usurpada, mas temem ainda de vós aquelas derrotas que tiveram tantas vezes de outros penitentes tão generosos.
Eis que o Céu começa a se engalanar, e afinam os Anjos suas cítaras de ouro para celebrar com alegria vossa desejada vitória. Todos nós temos os olhos voltados para vós para sermos espectadores da vossa coragem, e para congratularmo-nos e exultar ao mesmo tempo no desejo que temos de ver-vos livres da escravidão, sair cheios de honra e de espólios inimigos, restituídos ao vosso posto de altivez e de glória, que convém a filhos de Deus, a irmãos de Jesus Cristo,
a cidadãos do céu.
Levantai os olhos. Vede quanto é belo o Paraíso. Se hoje vos resolverdes, vós o reconquistareis, vos recuperareis o direito perdido. Olhai lá o Cristo que vos mostra a nobre coroa que ele mesmo vos quer colocar sobre a cabeça.
Inclinai o olhar para baixo de vós. Vede o inferno aberto e debaixo de vossos pés, que já esperava um só instante para engolir-vos em uma noite eterna.
Considerai de que lugar vos convém absolutamente fugir. Qualquer penitência que empreendais, será sempre menor, e muito, que o inferno que merecestes e no qual infalivelmente teríeis caídos para lá permanecer por toda a eternidade; se agora não tivésseis proposto converter-vos.
Eu me lanço aos vossos pés, e abraçando-vos com afeto, não me soltarei mais, nem pararei de chorar, nem desistirei de implorar-vos até que não tenhais misericórdia de vossa alma deliberando salvá-la a todo custo; até que não tenhais piedade de tantas almas que escandalizastes com os vossos maus costumes, reformando-os logo para edificação; até que não tenhais satisfeito o amor de Deus que deseja o vosso bem como a filhos; para glória de Cristo que derramou todo o seu Sangue para merecer-vos esta vitória; e aos nossos anseios que desejam ardentemente serem satisfeitos.

A hediondez espírita - Dom Corrêa (1/22)

A HEDIONDEZ ESPÍRITA

Dom José Eugênio Corrêa
Bispo de Caratinga
(1957-1978)

O ESPIRITISMO

Esclarecimentos oportunos aos católicos e não católicos.
Premunir contra os erros é obra de misericórdia e aqui, no caso, eminentemente patriótica.

1ª. Edição — 20º milheiro
Janeiro de 1959
____________________
Editora «O LUTADOR»
Manhumirim - Minas

1 - Introdução e explicação
2 - O Espiritismo nasceu de uma trapaça
3 - O Espiritismo é uma trapaça
4 - Que pensar dos fenômenos espíritas
5 - O demônio no Espiritismo
6 - Macumba e demonolatria
7 - Espiritismo é a negação de todo Cristianismo
8 - O Espiritismo é condenado pela Bíblia
9 - O Espiritismo é condenado pela Igreja
10 - Quem é espírita fica excomungado
11 - A reencarnação é mentira
12 – O Espiritismo é anti-científico
13 - O Espiritismo faz os loucos
14 - Os loucos fazem o Espiritismo
15 - Existe o inferno?
16 - Ninguém pode assistir às sessões espíritas
17 - Ninguém pode ler livros espíritas
18 - No Espiritismo não há caridade
19 - Ninguém pode favorecer o Espiritismo
20 - Só a Igreja Católica é a Igreja de Cristo
21 - Fora da Igreja não há salvação
22 - Que fazer pelos que erram?

Isto é uma simples e despretensiosa divulgação. Por isto, tudo muito simples, papel barato e bem aproveitado, para que a verdade pudesse ser divulgada ao máximo.

Quem quiser estudar melhor o problema Espiritismo poderá ler ótimos livros, como: «As Fraudes Espíritas e os Fenômenos Metapsíquicos» do P. Herédia. S. J.; «Material para Instrução sobre o Espiritismo» do Frei Boaventura, O. F. M. (diversos livrinhos fáceis e interessantes); «O que é Espiritismo» do Pe. Negromonte; «Metapsíquica e Espiritismo» do V. Palmés, S. J um livro que satisfaz plenamente a qualquer inteligência. Também se recomenda a leitura de «Segredos do Espiritismo» e «Orientação sobre o Espiritismo».

Esses e outros livros do gênero podem ser adquiridos nas livrarias católicas, sobretudo em:

Editora Vozes Ltda — Cx. Postal, 23
Petrópolis — Estado do Rio
e Editora «O Lutador» — Manhumirim,
onde se encontra à venda este folheto

AVISO IMPORTANTE
Estamos tratando do Espiritismo, para esclarecer e acautelar os católicos sobre os erros tão grosseiros e tão perigosos, e ao mesmo tempo para ajudar sinceramente aos que estão errados de boa fé.

Ensinar a verdade é para nós um direito e um dever. E a verdade não pode prejudicar a ninguém. E com a verdade não estaremos fazendo injúria a ninguém.

Se alguém ainda ficar com dúvidas, poderá consultar outros livros, ou dirigir-se a um sacerdote ou ao próprio Bispo Diocesano.

1. INTRODUÇÃO E EXPLICAÇÃO

Vamos tratar do Espiritismo, que vai grassando por toda a parte, devido à ignorância de nosso povo, à sede de religião e à deficiência de uma religiosidade autêntica e intensamente vivida.
É preciso esclarecer. A luz não faz mal. Mas, não basta esclarecer: é preciso formar e proporcionar ao nosso povo oportunidade de viver a sua religião, para que empregue suas qualidades religiosas e fique satisfeito.
Combatemos o Espiritismo, porque é um perigo real para a saúde física e mental de nossa gente. Combatemos o Espiritismo, então, porque amamos nossa gente, amamos nossa Pátria, amamos os espíritas, amamos a verdade. Combatemos o erro, amando os que erram. Queremos o seu bem e a sua salvação.
Não vamos maltratar ninguém, nem fazer afirmações gratuitas, mas mostrar a verdade para quem tem olhos de ver. Se um espírita sincero seguir os nossos escritos, no fim estará conosco e dará graças a Deus.
E, depois, se alguém quiser continuar errado, será por conta própria, e não terá desculpas perante Deus. Errar é humano, mas ficar errado é diabólico.

Arquitetura sacra católica tradicional - Pe. Daniel Pinheiro, IBP

[Sermão] Arquitetura sacra católica tradicional

Sermão para o VI Domingo depois de Pentecostes
20 de julho de 2014 - Padre Daniel Pinheiro

Em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo. Amém. Ave-Maria…
“Se morrermos com Cristo, cremos que viveremos também juntamente com Cristo.”
A Epístola de São Paulo de hoje nos mostra, caros católicos, mais uma vez como Cristo é o centro de tudo. É somente com ele que podemos e devemos morrer para o pecado. É somente com Ele que podemos viver para a vida eterna. No centro de tudo, está Cristo. Nós saímos de Deus, a partir do nada, pela criação. E voltamos para Deus por Jesus Cristo (se cooperamos com a sua graça) que nos alcançou o perdão de nossos pecados pela sua vida na terra, em particular por sua morte de Cruz. Nossa vida nada mais é do que uma saída de Deus pela criação e um afastamento dEle pelo pecado original e por nossos pecados atuais,  e uma volta a Deus por Cristo, pela cruz de Cristo. Só podemos chegar ao céu, por Cristo. E tudo na Igreja sempre demonstrou claramente e sem ambiguidades essa centralidade e essa necessidade de Cristo crucificado na sua doutrina perene e na sua liturgia tradicional. Todavia, a expressão límpida dessa centralidade não se restringia a isso. Essa centralidade transbordava para todos os aspectos da vida cristã. Um desses aspectos é o da arquitetura sacra. A arquitetura sacra tradicional da Igreja Católica demonstra a centralidade e a necessidade de Cristo, bem como mostra a centralidade e a necessidade da própria Igreja para a salvação. Aproveitando que ainda estamos sob a graça da bênção da Capela, gostaria de considerar alguns poucos aspectos relevantes da arquitetura sacra católica tradicional, para nossa edificação, para podermos melhor rezar e aderir ao que a Igreja ensina de maneira tão sublime e suave, mas também com precisão e firmeza.
Antes de tudo, é preciso que conheçamos alguns termos de arquitetura sacra.Comecemos pelo exterior. Antes de entrar na Igreja propriamente dita, nós temos aquela parte coberta, chamada de galilé ou de nártex. Entrando na Igreja ou ainda fora dela, nós temos o batistério com uma pia batismal. Em seguida, temos essa parte retangular e comprida da igreja, onde fica a maior parte dos fiéis. Essa parte da igreja se chama nave. Os braços que se abrem no final da nave se chamam transeptos. Temos o transepto sul e o transepto norte. Ao final da nave, e marcando claramente uma divisão, nós temos a mesa de comunhão, que, como diz o nome, é onde os fiéis recebem a sagrada comunhão, de joelhos e na boca. Depois da mesa de comunhão, há o presbitério, onde fica o presbítero, o clero em geral, e aqueles que se associam ao clero durante a cerimônia – os coroinhas, sempre do sexo masculino, como requer a proximidade com o ofício sacerdotal. O presbitério é, às vezes, chamado também de santuário, pois é o local onde ocorre o que há de mais santo na terra, o local onde Cristo se faz realmente presente na Eucaristia e onde se renova o sacrifício da Cruz. São esses os elementos, então, que nos interessam hoje para compreender um pouco a arquitetura de uma igreja: galilé, batistério, nave, transepto, mesa da comunhão, presbitério.
Na arquitetura católica de uma igreja, a forma mais comum e mais própria para o edifício é a forma de cruz. Aqui nós temos essa forma de cruz. Os transeptos formam os braços da cruz. A nave e o presbitério formam a parte vertical da cruz. A arquitetura é em forma de cruz, pois é pela cruz que nos vem a salvação. Mas não se trata, simplesmente, de uma cruz. A igreja em cruz representa, na verdade, Cristo crucificado. Assim, na nave e nos transeptos temos o corpo de Cristo com seus braços. No presbitério, temos a cabeça de Cristo crucificado. Os fiéis ficam na nave e nos transeptos. O sacerdote fica no presbitério. Os fiéis ficam na nave porque formam os membros do Corpo Místico de Cristo.  O sacerdote, que age na pessoa de Cristo e que é outro Cristo em virtude de sua ordenação, fica no presbitério, pois exerce a função de Cristo, cabeça do Corpo Místico. A correta arquitetura da Igreja demonstra a verdade de que a Igreja é hierárquica. Cada um deve ocupar seu devido lugar na Igreja, tanto no edifício físico quanto no edifício espiritual.  Além disso, essa arquitetura coloca Cristo no centro. O principal é a cabeça e não o corpo. O principal é Cristo e não nós. É da cabeça que vem todas as ordens para o corpo. É do presbitério, é da Santa Missa que vêm todas as graças para nós.
A arquitetura tradicional de uma Igreja representa também a vida de Cristo. Para entender melhor isso, precisamos lembrar um pouco de geografia. Na medida em que as circunstâncias o permitirem, convém muitíssimo que a entrada da Igreja se faça pelo ocidente, enquanto o presbitério aponta para o oriente. Convém, então, que uma igreja seja, na medida do possível, orientada, isto é, que o presbitério esteja voltado para o oriente. Aqui, nessa Capela, a providência ajudou. O presbitério aponta quase milimetricamente para o leste, enquanto a entrada está voltada para o ocidente. Convém que a entrada da igreja esteja no oeste porque no oeste o sol se põe, ele desce. A entrada da Igreja, é a entrada de Cristo no mundo, é a descida dele do seio do Pai para nos salvar, é a descida do Sol de justiça para nos redimir. Cristo veio ao mundo e foi batizado por São João Batista. Temos, então, depois da entrada da igreja, o batistério. Em seguida, Cristo viveu entre os homens, ele passou pelo mundo, dissipando as trevas, expulsando os demônios, pregando o Evangelho, convertendo as almas a Deus, até chegar ao Calvário. Essa vida de Cristo entre os homens, essa passagem de Cristo da encarnação à crucificação está representada pela nave, onde estão os fiéis. A palavra nave nada mais é do que navio. Portanto, um meio de transporte na água, água que simboliza o pecado, a instabilidade do mundo entregue às coisas passageiras. Cristo passou pelo mundo fazendo verdadeiramente o bem, chegando à Cruz. A Cruz, o Calvário, o sacrifício de Cristo estão no altar, no presbitério. Após a sua morte na Cruz, Nosso Senhor Jesus Cristo ressuscita, ele sobe ao céu. A Ressurreição e a Ascensão estão representadas pelo oriente, que é o nascer do sol, é o sol que se levanta. Além disso, é do oriente que Cristo voltará no final dos tempos para julgar os vivos e os mortos, como Ele mesmo diz (Mt 24, 27): “como o relâmpago parte do oriente e ilumina até o ocidente, assim será a volta do Filho do Homem.” Devemos, então, ter nossos olhos voltados para Cristo, para o oriente.  A igreja nos mostra, assim, do poente ao oriente, a vida de Cristo.
Finalmente, nessa nossa breve meditação sobre a arquitetura sacra, é preciso afirmar que ela representa a vida do próprio católico. O poente significa que a luz está prestes a desaparecer, que as trevas dominam. Esse é o exterior da Igreja. Fora da Igreja, estão as trevas do mundo hostil à verdadeira religião. Fora da Igreja, estão as trevas do pecado. Ao entrar na Igreja pelo batismo, deixamos as trevas do pecado. Portanto, o batistério está logo no início ou por vezes até fora do templo sagrado, porque é pelo batismo que entramos na Igreja Católica, pelo batismo pertencemos ao Corpo Místico de Cristo. Pelo batismo, nos encontramos na nave, no navio, na barca de Pedro, que é a Igreja Católica. Para chegar ao oriente, à ressurreição, devemos ir dentro da barca de Pedro, se não permaneceremos nas trevas do pecado. Às vezes, porém, podemos ter a tentação de pular da barca e voltar para as águas do mundo e do pecado. Temos, então, os botes salva-vidas, que são os confessionários, para nos trazer de volta à vida da graça. Nessa barca, fundada e edificada por Cristo, e dirigida visivelmente por Pedro, encontramos todo o necessário para essa árdua travessia que é nossa vida. São os sete sacramentos, as práticas piedosas, etc… Todos os tesouros da Igreja.
Na arquitetura sacra tradicional, três coisas estão no centro, não no centro geográfico, mas realmente destacadas das outras, como foco: a cruz, o altar e a eucaristia. Na igreja, não se trata de todos verem a todos. Trata-se de todos, inclusive o padre, se dirigirem à Cruz, à Missa ou ao altar e à Eucaristia. Esse é o foco de uma igreja. Tudo deve levar nosso olhar, de algum modo, para essas três coisas. O altar deve, realmente, estar em local elevado, como o Calvário. Ele deve estar elevado e com degraus em número ímpar, sempre permitindo que sobre um , o que significa a unidade de Deus. O altar está em lugar alto, indicando que, para encontrar Deus, devemos nos desapegar das coisas desse mundo e elevar a nossa alma. Foi no alto do Monte Sinai que Moisés encontrou Deus, por exemplo. Em geral, entre os elementos da arquitetura sagrada está também o púlpito, como esse de onde lhes dirijo a palavra. O púlpito é elevado, para significar de onde vêm as palavras nele proferidas: elas vêm do alto e não da terra, e elas vêm de alguém que tem autoridade. Cristo, com frequência, pregava de um lugar elevado, como no Sermão da Montanha.
Eis aqui, caros católicos, algumas lições que nos são dadas pela arquitetura sacra tradicional da igreja. Arquitetura que corresponde à doutrina católica e que conduz o homem a elevar a sua alma às coisas do alto.
Em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo. Amém.