4 de setembro de 2014

Martinho Lutero, homicida e suicida

Martinho Lutero, homicida e suicida


Eis alguns dados históricos da triste vida do fundador do protestantismo, e de seu fim trágico, depois de uma de suas muitas bebedeiras serestais com príncipes amigos.


Martinho Lutero nasceu em Eisleben, na Saxônia (Alemanha) em 1483, e pôs fim à próprio vida em 1546, cerca de 25 anos após a sua revolta contra a Igreja de Nosso Senhor. Sua mãe Margarida foi muito religiosa, porém, muito supersticiosa e dada a bruxarias e encantamentos, o que influiu muito no comportamento do filho. O jovem Lutero, depois de seus estudos de humanidades nas escolas locais de Mansfeld, foi estudar filosofia e direito na Universidade de Erfurt, onde se formou, no ano de 1505. Em junho deste ano entrou para o Convento dos Agostinianos, "não por vocação, mas por medo da morte". Ele mesmo falou várias vezes desse "medo da morte" que determinou a sua entrada na religião, como o veremos.


LUTERO HOMICIDA


O Dr. Dietrich Emme, em seu livro: "Martinho Lutero - sua juventude e os seus anos de estudos, entre 1483 e 1505", Bonn, 1983, afirma que Lutero entrou no Convento só para não ser submetido à justiça criminal, cujo resultado teria sido, provavelmente, a pena de morte, por ter matado em duelo um seu colega de estudos chamado Jerônimo Buntz. Daí o seu "medo da morte" ao qual se referia freqüentemente. Então um amigo o aconselhou a se refugiar no Convento dos Eremitas de Santo Agostinho, que então gozava do direito civil de asilo, que o colocava ao abrigo da justiça. Foi aí que se tornou monge e padre agostiniano.


Lutero parecia ter-se convertido. Mas não. Sempre perturbado e contraditório, ele se declara réu confesso em uma prédica em 1529: "Eu fui monge, eu queria seriamente ser piedoso. Ao invés, eu me afundava sempre mais: eu era um grande trapaceiro e homicida" (WAW, 29, 50, 18). E um discurso transcrito por Veit Dietrich, afirma: "Eu me tornei monge por um desígnio especial de Deus, a fim de que não me prendessem; o que teria sido muito fácil. Mas não puderam porque a Ordem se ocupava de mim" (isto é, os superiores do Convento o protegiam) (WA Tr 1, 134, 32). Portanto, Lutero foi réu de um homicídio que cometeu quando era estudante em Erfurt. E segundo os seus biógrafos, o motivo teria sido despeito por ter o seu colega obtido melhor nota nos exames.


LUTERO ÉBRIO E ÍMPIO


Ele o confessa: "Eu aqui me encontro insensato, e endurecido, ocioso e bêbado de manhã à noite... Em suma, eu que devia ter fervor de espírito, tenho fervor da carne, da lascívia, da preguiça e da sonolência". No entanto, chamava o Papa de "asno".


Sobre a oração dizia: "Eu não posso rezar, mas posso amaldiçoar. Em lugar de dizer 'santificado seja o vosso nome', direi: 'maldito e injuriado seja o nome dos papistas..., que o papado seja maldito, condenado e exterminado'. Na verdade é assim que rezo todos os dias sem descanso".


Sobre os mandamentos, dizia: "Todo o Decálogo deve ser apagado de nossos olhos, de nossa alma e de nos outros tão perseguidos pelo diabo... Deves beber com mais abundância, e cometer algum pecado por ódio e para molestar ao demônio...". Lutero não só afirmava que as boas obras nada valem para a salvação como as amaldiçoava.


Mas sobre o pecado, ele dizia: "Sê pecador e peca fortemente, mas crê com mais força e alegra-te com Cristo vencedor do pecado e da morte... Durante a vida devemos pecar".


Sobre a castidade, Lutero incentivou os monges, sacerdotes e religiosas a saírem de seus Conventos e se casarem. "O celibato - dizia - é uma invenção maldita" - "Do mesmo modo que não posso deixar de ser homem, assim não posso viver sem mulher".


Sobre a Virgem Maria, "a caneta" recusa a escrever as blasfêmias que proferiu contra a sua pureza (originalmente este texto foi publicado em forma de folheto, Nota do Editor).


Sobre Jesus Cristo, afirma que "cometeu adultério com a samaritana no poço de Jacó, com a mulher adúltera que perdoou..., e com Madalena...".


Sobre Deus: "Certamente Deus é muito grande e poderoso, bom e misericordioso..., mas é muito estúpido; é um tirano".


Seu último sermão em Wittenberg, em maio de 1546, foi um furioso ataque contra o Papa, o sacrifício da Missa e o culto a Nossa Senhora.


LUTERO SUICIDA


Lutero tinha um temperamento extremamente mórbido e neurótico. Depois de sua revolta contra a Igreja, a sua neurose atingiu os limites extremos. Estudos especializados lhe atribuem uma "neurose de angústia gravíssima", do tipo que leva ao suicídio (Roland Dalbies, em "Angústia de Lutero").


O suicídio de Lutero é afirmado tanto por católicos como por protestantes. Eis o depoimento do seu criado, Ambrósio Kudtfeld, que mais tarde se tornou médico:


"Martinho Lutero, na noite que antecedeu a sua morte, se deixou vencer por sua habitual intemperança, e com tal excesso, que fomos obrigados a carregá-lo totalmente embriagado, e colocá-lo em seu leito. Depois nos retiramos ao nosso aposento sem pressentir nada de desagradável. Pela manhã voltamos ao nosso patrão para ajudá-lo a vestir-se, como de costume. Mas, que dor! Vimos o nosso patrão Martinho pendurado de seu leito e estrangulado miseramente.


"Tinha a boca torta e a parte direita do rosto escura; o pescoço roxo e deformado. Diante de tão horrendo espetáculo, fomos tomados de grande terror. Corremos sem demora aos príncipes, seus convidados da véspera, para anunciar-lhes aquele execrável fim de Lutero. Eles ficaram aterrorizados como nós. E logo se empenharam com mil promessas e juramentos, que observássemos, sobre aquele acontecimento, eterno silêncio, e que colocássemos o cadáver de Lutero no seu leito, e anunciássemos ao povo que o 'Mestre Lutero' tinha improvisamente abandonado esta vida".


Este relato do suicídio de Lutero foi publicado em Anversa, no ano de 1606, pelo sensato Sedúlius. Dois médicos comprovaram os sintomas de suicídio relatados pelo seu doméstico Kudtfeld. Foram eles Cester e Lucas Fortnagel. As informações desse último foram publicadas pelo escritor J. Maritain, em seu livro: "Os Três Reformadores". Nesse livro o autor oferece ainda uma impressionante lista de amigos e companheiros de Lutero que se suicidaram.


Portanto, irmãos separados da Igreja Católica por esse falso e ébrio reformador, abram os olhos, e voltem à verdadeira Igreja de Jesus Cristo. É fácil de reconhecê-la. Está claro nos Santos Evangelhos que a verdadeira Igreja de Cristo é uma só (Mt. 16, 16). E o que aí lemos: "Tu és Pedro, e sobre esta Pedra edificarei a minha Igreja". (Cf "Folhetos Católicos" - nº 1).


Inútil imaginar que Cristo apontava para Si quando falava a Pedro. Sabemos que Cristo é a "Pedra Angular" principal da sua Igreja. Mas Ele tornou a Pedro participante dessa sua condição. Suas palavras "são palavras de vida e de verdade". Só Ele, como único Mediador "de Redenção" (1 Tim 2, 5-6), pôde fundar, e realmente fundou a sua única e verdadeira Igreja tendo também por fundamento visível, neste mundo, a Pedro e seus sucessores, os Papas. Como há um só Senhor, uma só Fé, um só batismo (E.F. 4, 5), também uma só tem que ser a Igreja desse único Senhor. É a Igreja dos primeiros cristãos, é a Igreja dos mártires, é a Igreja católica de sempre, a única que é Apostólica, porque é a única que vem desde os Apóstolos.


É a única que existiu desde Cristo e dos Apóstolos até Lutero, e até hoje, e que existirá "até o fim dos séculos" (Mt 28, 28-30). Ao passo que as dos protestantes são "uma legião". Elas começaram a partir desse falso reformador, no ano 1521, que foi o primeiro a se atrever a fazer o que só Deus pode fazer: fundar uma religião. A 1ª das religiões dessa "legião" de igrejas chamou-se igreja luterana. Mas, já no tempo de Lutero, alguns luteranos imitaram o seu mau exemplo.


Assim, Calvino fundou o calvinismo em Genebra. Logo surgiram os anabatistas, os anglicanos, os batistas, os metodistas, etc.etc. (Cf. "Folhetos Católicos", nº 14). Calcula-se hoje em vários milheiros o número de seitas oriundas dos erros luteranos. E hoje a sua nova versão, com as suas "Lojas da bênção", praticando um verdadeiro curandeirismo de Bíblias na mão. A má semente semeada pelo ébrio e neurótico monge continua a produzir seus maus frutos.


Mas a tentação de se pretender reformar a irreformável obra de Nosso Senhor Jesus Cristo, a sua Igreja, continua. E até nos meios católicos ditos progressistas, se está pretendendo reformar, não os homens da Igreja, mas a própria Igreja. Eles se assemelham hoje aos "católicos reformados" dos tempos de Lutero, com a sua falsa reforma. No entanto, a Bíblia afirma que a única Igreja de Cristo, em si mesma, "é... santa e imaculada" (Ef. 5, 27).


Nota: Os dados desse folheto são de "Martinho Lutero, homicida e suicida", Pe. Luigi Villa, rev. "Chiesa Viva", nº 258, Brescia, Itália; e de "Lutero", Pe. Pedro de I. Muños, rev. "Tradicion Católica", nº 137, Barcelona, Espanha.

Dom Licínio Rangel

Campos/RJ

Publicado neste blogue pela primeira vez em novembro/2009.

255 comentários:

  1. Eu acho que deveria se preocupar mas com os demandos da igreja hipocrita que 'e a catolica, que vivem escondendo verdade para continuar tampando os olhos dos ignorantes da palavra, vcs nao seguem o evangelhos e sim a ditadura imposta desde muitos anos, mas nao se preocupem pois vcs podem enganam a todos menos a Deus.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fredison! Meu caro, quem engana quem? ...outro dia, vi um pastor dizendo que o Martinho Lutero, era um monge insatisfeito, um monge disciplinado...estudioso! só que é bem fácil contar a história por esta ótica ... Mas, me diga, quem engana quem? É uma questão de lógica: Somos a Igreja Universal. Primitiva! Com acertos e muitos erros, mas, ainda sim,AINDA QUE MUITOS NÃO ENTENDAM E SE DEBANDEM ...seguirá! Temos Jesus Eucarístico! Temos os 10 milagres Eucarísticos!!! Isso para mim, e para muitos é BASE DE TUDO!!!

      Excluir
    2. o q adianta ser a igreja primitiva ter jesus eucarístico e adorar outros deuses contradizendo a própria bíblia.

      Excluir
    3. acho melhor se informar mais, do que ficar inventando mentiras da vida de Martinho Lutero!

      Excluir
    4. Para mim, a Igreja Protestante e Católica cometem muitas falhas (acertos também, é claro!)...
      Percebo uma espécie de lavagem cerebral. Nesse momento não estou discutindo a fé em Deus, em Jesus, etc. Estou discutindo as atitudes humanas dos ditos representantes de Deus. Acredito que muitos vivem de ilusões, e fazem com que pobres coitados fieis acreditem. Vejo uma busca de poder, querendo ser o milagroso "rezem pelo Papa, que serão gratificados", "orem pelo pastor, que os milagres acontecerão". Pra mim, os fanáticos são os mais perigosos, eles produzem um monopólio de ideologias... Pregam o amor e a justiça, mas são os que mais condenam! Julgam Deus e todo mundo de pecador, se esquecendo de nossa condição humana e que ir todos os domingos à missa ou ao culto não vai te tornar mais ou menos salvo. Acho que como Lutero defendeu, os céus dependem de nossas boas ações!

      Excluir
    5. Na Igreja Católica não há falhas, poie Ela é o Corpo Místico de Nosso Senhor Jesus Cristo. A Igreja é assistida pelo Espírito Santo no que diz respeito a Fé e Moral.
      Você confunde os atos de católicos com a Igreja, que é um erro grosseiro. Seria o mesmo que dizer: "o médico tal é péssimo, então a medicina é péssima"
      A verdadeira fé nos ensinamentos de Cristo está contida na doutrina católica e ensinada pela mesma Igreja.
      Lavagem cerebral: Não me consta em nenhum lugar da doutrina católica que as mesmas são obrigadas a ser católicas. A adesão ao catolicismo acontece pela graça e conhecimento, pois você não pode amar o que não conhece.
      Desde quando aceitar a cruz e seguir Cristo é sinal de fanatismo.
      A Igreja condena os erros e não as pessoas. As pessoas se condenam sozinhas.
      A Igreja não julga Deus de pecador, pois Deus não peca, que ideia absurda.
      Ir a missa todos os domingos possibilita aos católicos receber as graças necessárias para obter a salvação.
      Quanto a lutero, ele pregava diferente do que você fala: lutero ensinava aos seus seguidores crer em Cristo e pecar muitas vezes, pois apenas crer era suficiente para obter a salvação. Ele desprezava as boas ações, pois as mesmas eram desnecessárias para sua salvação.

      Excluir
  2. Caro Fredison,
    Salve Maria, "Mãe do meu Senhor" (Lc. I, 43)

    Tirando, obviamente, os seus argumentos ad hominem, quer dizer, então, que, segundo o seu "pensamento" Deus abandonou sua Igreja por 1483 anos, para depois um assassino e suicida trazê-la de volta? Ou, então, que Deus a abandonou e esse mesmo assassino e suicida precisou reformá-la? E, se Deus não a abandonou, porque teria necessitado de reforma, por acaso o Divino Espírito Santo precisou de reforma?

    Ainda, se Deus abandonou a igreja, então a promessa de Nosso Senhor falhou, quando disse que "as portas do inferno não prevalecerão contra ela" (Mt. XVI, 18). Precisaria, pois, também Nosso Senhor de reforma?

    Afinal, tudo o que você afirmou implica, fatalmente, em uma dessas hipóteses.

    Mas, veja, não se preocupe, pois você pode voltar para a única Igreja de Deus, que, como prometeu Nosso Senhor e Redentor, conforme Mt. XXVIII, 20, "Eis que estarei convosco, todos os dias, até o fim do mundo", nunca seria, como, de fato, não o foi, abandonada, a Santa Igreja Católica Apostólica Romana.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. MARIA, serva do Senhor, foi agraciada a virgem escolhida por Deus, para que Cristo nascesses, o VERBO SE TORNANDO CARNE, E morreu na cruz para a salvação da humanidade.
      A CASA DE DEUS NUNCA FOI OU SERA A (IGREJA TEMPLO), A IGREJA SÃO PESSOAS QUE RECEBEM A CRISTO E ANDA NO SEU CAMINHO.
      A PALAVRA NOS FALA QUE CASA A GENTE PODE CONSTRUÍ PARA DEUS?
      OUTRO TEXTO AFIRMA QUE A TERRA É A ONDE ELE POEM O SEUS PÉS, EX UM HOMEM PISANDO NO JARDIM, AGORA ANALISA DEUS PISANDO NA TERRA.

      Excluir
    2. É lamentável que pessoas (seres humanos?) que se dizem e se consideram cristãos (e ainda mais que isto, líderes e ministros de uma igreja)tentem denegrir a imagem de outras pessoas, sejam elas mundialmente conhecidas ou não, com argumentos e fatos amplamente questionáveis, escritos em épocas de obscurantismo e de mínima liberdade pessoal, de educação precária (ou inexistente) para a ampla maioria da população, e de cultura imposta por organizações políticas e religiosas que brigavam entre si não para beneficiar ou evangelizar o povo, mas para aumentar seu poder e sua riqueza.
      Deus abandonou a sua Igreja? Ou a "Igreja" abandonou a Deus? Lutero nunca "fundou" uma igreja, nem foi esta a sua intenção. Ele apresentou 95 teses propondo um debate no seio da Igreja Católica sobre o que ele identificava como desvios do ensino de Jesus Cristo. Em lugar de reconhecer a possibilidade destes desvios terem ocorrido ao longo da história da Igreja Católica, e abrir uma discussão na igreja, o papa exigiu sua retratação e, posteriormente, o excomungou (excluiu) da Igreja Católica.
      A Santa Igreja Cristã é a Comunhão dos Santos (aqueles que Deus torna santos pela fé em Jesus Cristo).
      A paz de Cristo para todos,
      Raul Thomé.

      Excluir
    3. Põrque, as pessoas, respondem sempre no anõnimato?QUERO DIZER QUE, TANTO PADRES E PASTORES, SABEM TUDO AQUILO O QUE ACONTECEU NA ÉPOCA, E PORQUE AINDA, OS MESMOS PRATICAM AS MESMAS COISAS? ISTO ESTÁ CERTO OU OS MESMO, SERAO COBRADOS EM DEUS DIANTE DE TODAS ESTAS SITUAÇOES,VCS SÁBIOS SABEM O QUE ESTOU FALANDO. MAS VOU LEMBRA´LOS, "EZEQUIEL" 34 OK FIQUEM NA PAZ DO SENHOR. AMÉM.

      Excluir
    4. Prezado Andre Zeli,
      Quando nós do blog respondemos os comentários sempre nos identificamos. Existem pessoas que fazem comentários no blog, inclusive respondendo questões apresentadas, sem a devida identificação. O anonimato é uma questão pessoal, paciência!
      Não entendi sua pergunta, portanto não posso responder.
      Quanto a ser cobrado por Deus, todos seremos julgados no dia de nossa morte, os justos recebendo a felicidade eterna no céu e os maus recebendo o castigo eterno no inferno.
      Nós não somos sábios, apenas católicos combatendo o bom combate e rezando para obter a graça da salvação eterna.

      Excluir
  3. A propósito do assunto, recomendo que leia os seguintes artigos aqui publicados:

    http://www.saopiov.org/2009/01/catolicismo-e-protestantismo-i.html

    http://www.saopiov.org/2009/02/catolicismo-e-protestantismo-ii.html

    http://www.saopiov.org/2009/05/catolicismo-e-protestantismo-iii.html

    http://www.saopiov.org/2009/08/catolicismo-e-protestantismo-iv.html

    ResponderExcluir
  4. "Eu acho que deveria se preocupar mas com os demandos da igreja hipocrita que 'e a catolica".

    Isso é uma refutação do artigo publicado acima? Tem certeza? Na verdade, o que você escreveu é um legítimo sofisma: querer desmerecer os argumentos, baseados em pesquisas e investigações históricas, só porque quem acusa é a Igreja. Lutero não deixará de ser suicida só porque um clérigo quis denunciá-lo. A Igreja não cria os fatos, eles já estão aí, bastando que você estude e chegue às mesmas conclusões.
    Repito: desmerecer a Igreja, acusá-la, desclassificá-la não tira o mérito da afirmação, não torna um evento histórico questionável. Independente de quem diz, o que importa é o que se diz; e a menos que você tenha feito uma investigação digna de nota, o seu comentário em nada fere a legitimidade das acusações do artigo acima.

    ResponderExcluir
  5. "vivem escondendo verdade para continuar tampando os olhos dos ignorantes da palavra, vcs nao seguem o evangelhos e sim a ditadura imposta desde muitos anos, mas nao se preocupem pois vcs podem enganam a todos menos a Deus"

    Supondo que a sua afirmação esteja certa, o que dizer da Reforma empreendida por Lutero? Ela resolveu as "contradições" impostas pela Igreja? O artigo é justamente a refutação da confiança cega que os protestantes têm em Lutero. Ele não salvou a humanidade, não trouxe à tona uma "verdade sufocada", não ensinou uma doutrina impoluta. Qualquer estudioso sério tem consciência das raízes e das implicações nada cristãs do pensamento teológico e filosófico de Lutero. Mas para alguns protestantes, é mais fácil se esparramar num sofá e assistir preguiçosamente um filme sobre Lutero que foi patrocinado pela própria Igreja Luterana, ou seja, é uma cartilha propagandista descarada.

    Nós, da Associação S. Pio V, não publicamos arbitrariamente, mas pautados em critérios. Não sei quais são as suas leituras, fontes e estudos, mas o seu comentário nos soa uma mera manifestação de indignação, que em nada prova ou refuta a falsidade das idéias do artigo acima.

    Seu comentário nos parece uma tentativa desesperada de salvar o legado monstruoso e diabólico de Lutero, enquanto a História o desmente. Não é à Igreja que você deve exigir retratação, mas aos historiadores. São eles que revelaram todo o passado negro de Lutero. O artigo acima SÓ reproduz um fato dado, consumado.

    Esqueça o resentimento, abandone o ódio, pense calma e tranquilamente. Estude a diferença entre Catolicismo e Protestantismo, inclusive em textos publicados neste blog, cujo link estão em comentário acima. A verdade católica transparecerá naqueles que buscam sinceramente a resposta para as suas indagações, desde que tenham humildade e honestidade intelectual, coisa que lhe falta.

    ResponderExcluir
  6. Olá,

    fiquei um bocado assustado com o que li aqui. Sou luterano e, assim como acredito que acontece com a maioria aterradora dos luteranos, não adoramos a Lutero e nem o consideramos um ser humano sem pecado. Ele foi santo sim, mas tão santo quanto eu e qualquer cristão que crê e foi batizado.

    Respeito a diferença entre o que católicos e luteranos pregam - nasci e cresci dentro da Igreja Católica, e creio que conheço um pouco do que o apostolado romano defende - e tenho que dizer que não concordo com alguns posicionamentos de minha antiga denominação. No entanto, não creio que denegrir a imagem de alguém é, no mínimo, covardia. Várias fontes contam que Lutero não se matou, e sim morreu de um ataque cardíaco (confira em http://en.wikipedia.org/wiki/Martin_Luther para informações de uma fonte neutra, ou mesmo tu podes procurar a Catholic Encyclopedia, se achares mais apropriado).

    Se falamos sobre alguém, creio que temos que procurar todas as fontes possíveis. Não estou citando fontes que 'penderiam' para o lado luterano, e sim uma fonte neutra e uma outra da própria Igreja Católica (que, aliás, não cita diretamente a forma da morte de Lutero, mas deixa bastante claro que ele não se matou). Se isso não bastar, é fácil procurar sobre 'death of Martin Luther' no Google. Da mesma forma, de onde vem o fato que Martinho Lutero matou alguém?

    Estou disposto a conversarmos para esclarecer estes fatos, se tu quiseres. Só não gosto de falta de respeito.

    Uma abençoada quarta-feira.

    Eduardo Farias

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ola Eduardo! estou fazendo uma monografia sobre a vida de Lutero estou pesquisando muito sobre ele e gostaria de sua ajuda pois achei seu pensamento sensato e com uma disposição a uma conversa amistosa. sem querer impor ou embasar o foco em questão!

      oscar_rodrigues_neto@hotmail.com

      Excluir
  7. Prezado Eduardo, Salve Maria!
    Notei que você não conhece realmente Lutero, desta forma vamos citar fontes ligadas a lutero (anotações de seus admiradores, as quais foram editadas em forma de livro) e anotações em um caderno pessoal de Lutero.
    Lutero disse muitas blasfêmias sobre Cristo. Em suas "Conversas à Mesa" [Tischreden, em alemão] que eram anotadas por seus admiradores e que foram editadas em forma de livro, Lutero dizia as piores coisas sobre Deus e Cristo. Passo-lhe o texto de Lutero tal qual foi publicado no livro dele "Conversas à Mesa" (perdoe-me citar essa blasfêmia, mas é para você conheça quem foi Lutero):
    "Cristo Adúltero. Cristo cometeu adultério pela primeira vez com a mulher da fonte [do poço de Jacó] de que nos fala São João. Não se murmurava em torno dele: "Que fez, então, com ela? " Depois, com Madalena, depois, com a mulher adútera, que ele absolveu tão levianamente. Assim, Cristo, tão piedoso, também teve que fornicar, antes de morrer" (Lutero, Tischredden, Conversas à Mesa, N* 1472, edição de Weimar, Vol. II, p. 107, apud Franz Funck Brentano, Martim Lutero, Ed Vecchi Rio de Janeiro 1956, p. 15).
    Noutra ocasião, Lutero balsfemou contra Deus, ao dizer que Deus age como louco ou como muito tolo: "Deus est stultissimus" (Lutero, Conversas à Mesa, ed Weimar, N* 963, Vol. I , p. 487. Apud Franz Funck Brentano op. cit. p. 147).
    Doutra vez, ao falar Lutero do destino, ele culpava Deus por todos os crimes , e dizia que Judas não podia deixar de trair Cristo, nem Adão tinha liberdade para não pecar. Considerando que era Deus que determinava os pecadores a pecar, Lutero concluia dizendo "Deus age sempre como um louco" (Franz Funck Brentano, Martim Lutero, p. 111).
    Recentemente foram descobertos os cadernos pessoais de Lutero. Eles foram estudados pelo Padre Theobald Beer que publicou um livro sobre eles. Nesse cadernos, Lutero afirma que Cristo é, ao mesmo tempo, Deus e o diabo, o bem e o mal. Ora, isso caracteriza Lutero tipicamente como dualista gnóstico, e explica todas as suas doutrinas mais delirantes.
    Pergunto, Como os luteranos e demais protestantes seguem Lutero, apesar dessas loucuras e balsfêmias?
    Respondo, Em geral, os protestantes comuns desconhecem os escritos de Lutero. Os poucos (pseudos) Pastores que se dão ao trabalho de ler os escritos do heresiarca fundador do protestantismo procuram ocultar tais frases do seu primeiro mestre.
    Por isso, quando conheço algum protestante, procuro sempre recomendar que ele leia o que escreveu Lutero. Isso muitas vezes faz com que eles abram os olhos sobre a maldade do fundador do protestantismo.
    Informo que em nosso blog você não encontrará falso ecumenismo, assim como não costumamos medir palavras, apenas repetimos as verdades que a Santa Madre Igreja Cátolica nos ensina nos últimos 2.000 anos.

    ResponderExcluir
  8. Achei muito boa sua pesquisa histórica...
    acho que deveria continuar pesquisando e dizendo essas verdades...

    Sugiro na próxima que nos conte sobre a venda de insurgências

    "Durante o Pontificado do Papa Leão X (1513 – 1521), essa prática atingiu o seu auge.

    Seque aqui, uma lista, isso mesmo, uma lista com alguns dos perdões previstos e seus respectivos valores ou pagamentos.

    1. O eclesiástico que incorrer em pecado carnal, seja com freiras, primas, sobrinhas, afilhadas ou, enfim, com outra mulher qualquer, será absolvido mediante o pagamento de 67 libras e 12 soldos.

    2. Se o Eclesiástico, além do pecado de fornicação, pedir para ser absolvido do pecado contra a natureza ou bestialidade, deverá pagar 219 libras e 15 soldos. Mas tiver cometido pecado contra a natureza com crianças ou animais, e não com uma mulher, pagará apenas 131 libras e 15 soldos.

    3. O Sacerdote que deflorar uma virgem pagará 2 libras e 8 soldos.

    4. A Religiosa que quiser ser abadessa após ter se entregado a um ou mais homens simultaneamente ou sucessivamente, dentro ou fora do convento, pagará 131 libras e 15 soldos.

    5. Os sacerdotes que quiserem viver em concubinato com seus parentes pagarão 76 libras e 1 soldo.

    6. Para cada pecado de luxúria cometido por um leigo, a absolvição custará 27 libras e 1 soldo.

    7. A mulher adúltera que pedir a absolvição para se ver livre de qualquer processo e ser dispensada para continuar com a relação ilícita pagará ao Papa 87 libras e e 3 soldos. Em um caso análogo, o marido pagará o mesmo montante; se tiverem cometido incesto com o próprio filho, acrescentar-se-ão 6 libras pela consciência.

    8. A absolvição e a certeza de não ser perseguido por crime de roubo, furto ou incêndio custarão ao culpado 131 libras e 7 soldos.

    9. A absolvição de homicídio simples cometido contra a pessoa de um leigo custará 15 libras, 4 soldos e 3 denários.

    10. Se o assassino tiver matado dois ou mais homens em um único dia, pagará como se tivesse assassinado um só.

    A lista da “safadeza” é longa, segue com pelos menos 35 condições de pagamento.

    Para ler mais, consultar: O LIVRO NEGRO DO CRISTIANISMO – Dois Mil Anos de Crimes em Nome de Deus.
    Autores: Jacopo Fo., Sergio Tomat e Laura Malucelli "


    E depois sugiro um breve estudo sobre a atualidade sobre os padres acusados e abusos sexuais.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  9. - Obrigado! Eu também gostei do conteúdo do meu comentário e vou continuar usando a mesma fonte em outros comentários. Quanto a pesquisa, não tenho mérito nenhum, apenas utilizei o conteúdo apresentado no site www.montfort.org.br (Ótimo site!). A pesquisa apresentada é boa, pois ela é honesta e fiel. A pesquisa apresenta fontes verdadeiras e inquestionáveis, pois quem a escreveu foram os próprios seguidores do péssimo lutero.
    - Sinceramente, não entendi o que é venda de insurgências (significa capacidade ou estado de insurgente). No dicionário insurgente quer dizer: revoltoso, amotinado, insurrecto, sedicioso e revel. Talvez você queira dizer venda de indulgências.
    - Desconheço qualquer documento assinado pelo Papa Leão X que apresente a lista de valores cobrados pelos pecados cometidos. Você poderia provar a existência do mesmo?
    - Antes de efetuar acusações infundadas, você deveria entender o que significa indulgência e como ela é ensinada pela Igreja Católica. Eu não vou explicar para você.
    - Entretanto, eu conheço uma Bula chamada Exsurge Domine do Papa Leão X, a qual condena os erros de lutero. Desta forma, entendo a razão do ódio contra o Papa Leão X, o qual inapelavelmente condenou o homicida lutero.
    - Para satisfazer o seu desejo, consultei o tal livro negro do cristianismo e não fiquei impressionado com o seu conteúdo, pois o livro repete as mesmas baboseiras e mentiras ensinadas por lutero e já condenadas pela Santa Madre Igreja. Para odiar a Igreja Católica e Cristo as suas fontes de argumentação são de baixo nível!
    - Quanto ao estudo sobre padres acusados por cometerem abusos sexuais, eu não vou perder o meu tempo, deixo para a polícia. Caso fique caracterizado a culpa dos mesmos, espero que sejam punidos pelo poder devidamente constituído. Espero também, que sejam punidos os pastores evangélicos, médicos, advogados, políticos, treinadores, rabinos, professores, entre outros, os quais já cometeram crimes de abusos sexuais.
    - Para você meditar: “Os atos de uma pessoa não maculam a instituição a que elas pertencem”. O ato abominável dos padres e religiosos, eles devem responder, mas não a Igreja. Será que o crime cometido por um médico condena a medicina, a associação médica ou o hospital. O crime cometido pelo advogado condena a advocacia, a OAB ou a empresa onde trabalha. Da mesma forma para o padre ou religioso, o crime é dele, não devendo as pessoas condenar o Catolicismo ou a Igreja Católica.
    Conclusão: O seu comentário é mentiroso, insensato e grosseiro. Por favor, arrependa-se, retrate-se e converta-se a Santa Igreja Católica Apostólica Romana, onde fora não há possibilidade de salvação e de agradar à Deus.

    ResponderExcluir
  10. O "Valente" Jonas se esconde por trás de um perfil anônimo, não disponível para visualização. Algo bem típico de acusadores insensatos, que não fundamentam suas acusações. Ou seja, mentirosos.

    ALÉM DE HEREGE, É COVARDE.

    Salve Maria,

    Visite: www.leite.eng.br

    ResponderExcluir
  11. Agora entendo perfeitamente o motivo que faz os protestantes negarem que são herdeiros de lutero...

    ResponderExcluir
  12. provou com as suas 95 teses que nada que a igreja católica tenta sustentar como dogma existe base biblica, ele foi o cisnei profetizado por Huss (ganso) que vcs não matariam, e que combaliu a igreja que se diz a única igreja que salva

    ResponderExcluir
  13. e eim q livro do dr lutero aparce q ele se matou????

    ResponderExcluir
  14. Sr. Santos/Cazk/etc.

    O fato de que todos os protestantes que deixam comentários nesta postagem desaparecem vergonhosamente após expostos os seus erros nos desanimaria de responder tais comentários, ainda mais tão esdrúxulos quanto o seu.

    Só me dou o trabalho de prestar-lhe atenção porque escrever "CISNEI" (sic!!!), "EIM", etc., refletem uma ignorância tremenda, raramente encontrada mesmo entre os mais rudes, e só comparável a "insurgências" e outras pérolas que apareceram nos comentários anteriores. Isso me faz suspeitar que na verdade é a mesma pessoa, que aparece com nomes diferentes por covardia. E se assim não for, fica-nos mais claro que os hereges o são por falta de inteligência.

    Primeiramente, sr. Santos, o seu comentário faz-nos deduzir que o sr. nem leu as 95 teses luteranas. Teses, no caso, são assuntos a serem discutidos, e não tentativas de demonstrar alguma coisa.

    Então, lhe desafio a:
    1 - apontar UM dogma católico que foi PROVADO COMO ERRADO por Lutero;
    2 - apontar UMA tese luterana que esteja na Bíblia, OU
    3 - apontar UM dogma católico incompatível com alguma parte da Escritura.

    Responda a uma e estou satisfeito.

    Quanto à pergunta do "sr. Cazk", as fontes das informações já foram apresentadas. É óbvio que o próprio Lutero não poderia ter escrito um livro póstumo narrando o próprio suicídio.

    Espero que não fuja desta vez, sr. Emerson!

    Giulio C. Gequelim

    ResponderExcluir
  15. Isso naum eh ecumemico... a igreja naum é ecumemica?

    ResponderExcluir
  16. Como poderia ser homicida e suicida um homem que preferiu arriscar a sua vida (correndo o risco de ser queimado pela Igreja) para lutar contra a corrupção do clero, e cobrança de indulgências, e dedicar-se ao árduo trabalho de levar a Palavra ao povo, traduzindo-a do latim, e criando hinos, e indo contra o assassinado em nome da fé,e sendo fiel á sua única esposa (como Adão recebeu de Deus, Eva)? A gigantesca e riquíssima Basílica foi construída milagrosamente, ou com a cobrança de indulgências dos pobres? Somente na Bíblia Lutero se baseou, e notou que a Igreja (de Roma), estava misturada ás heranças do Império Romano, e temeu, e foi testado, mas ele queria reformar, livrando-a dessas heranças. É lógico que essa história de que ele orava desejando o mal é invenção da Contra-Reforma, pois mesmo que pensasse errado, Lutero não poderia ser louco, a ponto de "guiar-se pela Bíblia e acabar indo contra ela". Defendam o seu amor por Roma sem destruir, manchar a imagem do outro. Olhem para si mesmos, e vejam se a Palavra de Deus é a mesma palavra do papa, que assenta no trono dos antigos romanos.

    ResponderExcluir
  17. Respondendo á outros comentários:
    A Igreja de Cristo Jesus não pertence á Roma, mas a Deus.
    Jesus era humilde pescador; o papa mora em palácio gigante.
    A Palavra não fala de um papa; não fala que para se chegar á grande comunhão deve-se obrigatoriamente ser casto; Tiago era irmão de Jesus; a Bíblia pouco menciona Maria, tanto é que no começo do Novo Testamento, (se não me engano, quando Jesus vai transformar água em vinho), Maria interfere, mas Jesus (como chegou a hora do Salvador exercer seu poder), ele lhe diz para deixar que ele realize aquilo que deve fazer, pois ele é o Filho de Deus. Também, por lógica, Deus é eterno e não é filho de Maria, a não ser que o paganismo romano tenha mesmo introduzido o culto à milenar "deusa mãe" (com origens no paleolítico) na imagem de Maria, a qual toma o lugar de Jesus, sendo a Salvadora, e não o Salvador. Leiam a Bíblia e vejam como a Bíblia apresenta Maria. O catoliscismo foi importante na época em que surgiu, como modo de converter os romanos á fé cristã, mas desde a Reforma sabemos que é somente a Palavra, e não a tradição, que nos revela Deus. Como rebateriam esse argumento? Detalhe: a Igreja edificada a partir de Pedro não pertence à Roma, pertence a Cristo, logo, toda igreja que se guia pela palavra DE Cristo, é da Igreja do Senhor. Gostaria que meu comentário não fosse recusado, mas estudado e que refletissem melhor. Salve Cristo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A igreja de Cristo é a q segue Seus ensinamentos contidos na bíblia não nessa igreja que segue a um papa como se fosse Cristo. Desde quando a bíblia mostra Pedro sem mulher, bebês sendo batizados( sendo que o próprio Jesus era um rapaz qnd foi), e quando q Jesus mandou matar em nome da fé qnd aconteceu Sta inquisição. Tem muita sujeira embaixo dos tapetes dessa falsa cristã( pagã na verdad). Mas chegará o dia em q Deus vai desmascarar e julgar com justiça essa enganadora das nações. E outra, Jesus não menciona o nome da igreja d Pedro ou outro...

      Excluir
    2. Caro Anônimo, Salve Maria!
      Faça um estudo honesto da doutrina Católica e do evangelho, tenho certeza que você converte-se para a verdadeira religião (Católica).
      Saliento que a única religião que segue verdadeiramente o evangelho é a Católica.
      Para sua informação Pedro teve esposa, uma vez que no evangelho cita a sogra de Pedro.
      Seguindo o seu raciocínio, não batizar uma criança seria condenar a mesma, caso ela morra ainda na infância, pois Nosso Senhor diz que aquele que não for batizado não entra no Reino dos Céus.
      As velha acusações sobre a Santa Inquisição. A Inquisição Católica foi santa, no entanto a inquisição protestante era sanguinária.
      O protestantismo e que será julgado e condenado por levar milhares de almas para sua condenação eterna.
      Claro que Jesus fala qual é a Igreja Verdadeira, o problema está que os protestantes não sabem ler e entender as sagradas escrituras.

      Excluir
  18. Não¹.

    Referências bibliográficas:

    [1]: http://www.vatican.va/holy_father/pius_xi/encyclicals/documents/hf_p-xi_enc_19280106_mortalium-animos_po.html

    ResponderExcluir
  19. Respondendo à série de falácias que um luterano tirou da sua cabeça iluminada pelo Espírito Santo quando ele lê a bíblia.

    Ninguém disse que a Igreja de Cristo pertence a Roma e não a Deus. Você deveria corrigir São João Evangelista quando ele escreve: "Ao anjo da igreja de Éfeso..." (Ap. 2, 1, e assim por diante), dizendo que a Igreja de Cristo não pertence a Éfeso. Obviamente a palavra "de", aqui, tem sentido de local e relação, e não de posse.

    O Papa é pescador de almas; Jesus não era pescador, mas carpinteiro; Jesus mora no Empíreo, um lugar muito mais rico do que o Vaticano. Se o Papa morasse num lugar miserável isso daria lugar a heresias, como as dos que dizem que os bens materiais são males, além do erro de se pensar que o poder da Igreja é apenas espiritual e não temporal. Por isso, pois, na sede da Igreja há as pompas próprias do poder temporal.

    A "Palavra" fala frequentemente de Sumo Pontífice, já na Antiga Aliança. Ora, como essa era figura da vindoura, deveria haver, na Nova, um verdadeiro Vigário de Cristo. E a "Palavra" descreve com detalhe a instituição desse Vigário: "Tu és Petro etc.", "Eu te dou as chaves etc.", "Apascenta as minhas ovelhas etc.". O primado de Pedro pode ser vislumbrado em Lucas 24: 34, nos Atos dos Apóstolos, Gálatas 1: 18 etc. Sobre a castidade: Êxodo 20: Não cometerás adultério; não cobiçarás a mulher do teu próximo; e Nosso Senhor disse: se teu olho te escandaliza, arranca-o etc. Mas, se você se refere ao celibato, São Paulo diz: Aos solteiros e às viúvas, digo que lhes é bom se permanecerem assim, como eu; Não estás casado, não procures mulher. E você não pode dizer que a Igreja não tem autoridade para obrigar a cumprir esse preceito paulino, se a Ela foi dado o poder das chaves. A questão do emprego da palavra "irmão" na bíblia já é bem conhecida até pelos analfabetos, de modo que eu não vou entrar no mérito. Que Nossa Senhora se tenha conservado sempre Virgem é óbvio, haja vista Sua resposta ao Anjo ("Como acontecerá isso etc."), tendo em vista que então Ela já era casada com o Glorioso São José. Quanto ao fato de a bíblia mencionar pouco Maria, é óbvio que isso não é um argumento válido. Além disso, a bíblia não menciona muito nenhum outro personagem além de Jesus Cristo, e os que menciona do Antigo Testamento, só os menciona porque são figuras de Cristo. E, quanto a isso, há dois livros inteiros, a saber, Ester e Judite, que prefiguram Nossa Senhora. Muitas passagens do livro da Sabedoria, o Salmo 45, Cântico dos Cânticos, Eclesiástico capítulo 24 ("... e Aquele Que me criou descansou no meu tabernáculo..."), e muitos outros salmos e passagens podem ser aplicados a Ela, e, mais ainda, o Apocalipse: Apareceu no Céu um grande sinal etc., que confirma a Assunção e a realeza de Nossa Senhora.
    (continua)

    ResponderExcluir
  20. Dizendo: "por lógica, Deus é eterno e não é filho de Maria", você, de duas uma: ou parte do princípio que Jesus é Deus e NÃO homem; ou que são duas pessoas, uma divina e outra humana, monstruosamente ajuntadas. E não preciso dizer mais nada. Jesus Cristo é, pois, consubstancial ao Pai quanto à divindade, e saído da substância da Mãe (mas não consubstancial a Ela) quanto à humanidade.

    Como rebateríamos o "argumento" do sola scriptura? (ora, você dá a entender que é a mesma pessoa dos outros posts. Apesar de ter pedido para alguém corrigir seus erros de ortografia, demonstra que ainda não sabe o que é um "argumento"). Rebatemo-lo dizendo que, se fosse verdade que todas as verdades de fé devem estar contidas na Escritura, então a Escritura deveria conter essa verdade. Um segundo argumento é que a própria Escritura fala da insuficiência da Escritura em relação à Tradição. E o terceiro é de ordem lógica, pois a Escritura terminou de ser escrita no século I d.C., com verdades que, até então, só eram ensinadas oralmente.

    Onde você leu (já que vocês ignoram que a letra mata) que toda Igreja que se guia pela "palavra DE Cristo" é "da" Igreja do Senhor? Se é assim, por que as seitas protestantes discordam nos pontos mais fundamentais para a salvação, como a Santíssima Trindade, os Sacramentos, a Redenção e a Graça, etc.? Por que Cristo esconde a Verdade (única) às "suas" "igrejas"?

    Talvez se você pensasse em seguir o conselho que você mesmo nos dá, e "refletisse melhor", essa discussão deixaria de ser tão ridícula.

    Todos esses argumentos, e ainda outros que provavelmente teremos que usar, estão extensivamente desenvolvidos em obras de Apologética católica, inclusive em muitos sites da internet, e no Manual de Apologética que você pode baixar no nosso site. Aconselhamos-lhe a estudar essa disciplina, para não dar esses vexames que são as suas postagens, tão grandes que o obrigam a escrever sob anonimato.

    Giulio C. Gequelim

    ResponderExcluir
  21. Caríssimo, aqui ninguém está discutindo se Lutero "poderia" ser homicida e suicida. De fato ele o era, e o que se sabe da sua vida, seu temperamento e seus vícios facilmente explica esse fato. O próprio sola Scriptura vai contra a Escritura, a despeito do que você disse. Nada prova que Lutero não poderia ser louco. Veja a contradição da sua última frase. Pois temos que ter algum critério para aceitar algo como Palavra de Deus. Ora, se aceitamos que o critério é o Papa, então a resposta é óbvia. Se o critério for a bíblia, o que prova que a bíblia contém íntegra e completa a Palavra de Deus? Se o critério for nossa intuição interior, como preconizado por vocês, piorou. A verdade, mais do que demonstrada, é que vocês não acreditam numa Verdade objetivamente existente, e absoluta, que permanece a mesma mesmo que me pareça o contrário.

    Giulio Gequelim

    ResponderExcluir
  22. Obviamente cada um dos meus três comentários se referem aos três anteriores, na ordem.

    Giulio Gequelim

    ResponderExcluir
  23. Eu sou luterano, mas realmente fiz a pesquiza e realmente comprovou tudo isso que você falou,

    Parabenizo você que pesquisou e escreveu sobre
    esse fato.

    ResponderExcluir
  24. Vergonha! Passados mais de 2000 anos do "nascimento" de Nosso Senhor Jesus, povos ditos cristãos devoram-se uns aos outros como os leões devoravam os cristõs nas arenas. Naquela época era compreensível, porque eram ateus politeístas perseguindo critãos. Hoje são cristãos contra cristãos, cada um tentando defender sua religião. Desde quando religião deve estar acima de Deus? Nós cristãos não devemos ser somente seguidores de religiões na terra, mas seguidores de Deus. Sou evangélica católica (prego e me esforço pra viver o evangelho), mas sou amiga de evangélicos protestantes. Vivo a harmonia com eles, pois juntos aprendemos e juntos ensinamos. Não trazemos em nossos corações nossas religiões em primeiro lugar, mas Deus e é Seu Espírito Santo que nos une. A paz de Cristo a todos.

    ResponderExcluir
  25. Prezada D.ª Iluska.

    Eu poderia escrever uma resposta ridicularizando as suas colocações insanas, mas ao invés disso vou tentar colocar luz na situação, esperando que você e os demais leitores aprendam com isso.
    Em primeiro lugar, você nos critica por defender a Verdade católica contra os erros, comparando-nos aos leões que devoravam os cristãos nas arenas. Fazendo isso, você faz exatamente aquilo que critica em nós, combatendo-nos. Segundo você, todas as opiniões devem ser respeitadas, inclusive as mais heréticas e hediondas, para preservar a "harmonia"; mas a nossa opinião, em defesa da Verdade católica, deve ser combatida. E, fazendo isso, você crê estar defendendo o "evangelho". Nosso Senhor avisou que chegaria um tempo em que todos aqueles que combatessem os seus seguidores creriam estar prestando culto a Deus.
    Isso posto, notemos a diabólica hipocrisia do seu comentário: você em momento algum diz que é mentira o que nós escrevemos (e nem poderia, porque contra fatos não há argumentos); você reconhece, tacitamente, que esses fatos são verdadeiros, mas diz que eles não deveriam ser divulgados, para não perturbar a sua "harmonia"! Você, portanto, coloca o bem-estar acima da Verdade (você que diz que nada deve estar acima de Deus, que é a Verdade absoluta). Se você, que vem nos repreender do alto da sua sabedoria, permitir-nos ensinar-te uma coisa, fique sabendo que foi pela Verdade que Nosso Senhor não teve senão inimigos e detratores na terra, porque o testemunho da Verdade é aquele "sinal de contradição", que "revela os pensamentos de muitos corações em Israel", uma vez que, diante da Verdade, os homens devem inevitavelmente se dividir: uns para combatê-la, e outros para defendê-la. E os homens que amam a Verdade sobre todas as coisas não aceitam sacrificá-la em nome de qualquer outro bem (nem mesmo a amizade e harmonia com os hereges, de que você tanto se orgulha), porque a Verdade é Deus, que deve ser amado sobre todas as coisas. E foi por isso que Nosso Senhor disse: "Vós julgais que eu vim trazer paz à terra. Porém eu não vim trazer paz, mas a espada: porque doravante haverá numa mesma casa cinco pessoas divididas, três contra duas, e duas contra três; estarão divididos: o pai contra o filho, e o filho contra o pai; a mãe contra a filha, e a filha contra a mãe; a sogra contra a nora, e a nora contra a sogra." (Lc 12, 51-53) Eis aí uma matéria para você meditar.
    Naquele dia terrível, em que Cristo virá julgar os vivos e os mortos, serão glorificados os Católicos, que morreram por denunciar a falsidade dos ídolos pagãos; aqueles que foram massacrados pelos hereges arianos (que haviam dominado a opinião pública do mundo inteiro, e chegaram a propor uma doutrina "conciliatória" entre o catolicismo e o arianismo, de modo que todos os homens vistos pelo mundo como "de bem" condenavam a "intolerância" dos católicos, que continuavam combatendo a heresia); aqueles que não se dobraram perante o islã (ora, mas o islã adora o mesmo Deus que nós, e até venera Jesus Cristo, e não abroga o Evangelho - pensariam pessoas "harmônicas" como você, esquecidas de que os verdadeiros cristãos vivem contra o mundo inteiro por causa da verdade); aqueles que salvaram a cristandade pela espada, contra os turcos e os albigenses, porque, se não fosse por eles, não haveria nem católicos nem luteranos (nem civilização ocidental) para viver a sua falsa harmonia; os religiosos que os primeiros luteranos mataram, estupraram, raptaram e venderam, por ordem de Lutero, para que fossem libertados da observância radical, e passassem a viver na "harmonia" daquilo que protestantes como você chamam, blasfemando, de "evangelho"; aqueles ingleses que foram crudelissimamente torturados e mortos para não se separarem do Papa, e ainda foram vistos como traidores por suas famílias e amigos, dobrados aos deuses estrangeiros do cisma e da heresia.

    ResponderExcluir
  26. As pessoas podem ser divididas dessa forma: o Pastor, as suas ovelhas, as ovelhas perdidas, e os lobos. No nosso blog, nós não combatemos as ovelhas perdidas, mas, por amor delas, combatemos os lobos, porque assim exige a caridade. Se você conhecesse o catecismo católico, a moral católica e a espiritualidade católica tradicional, daria valor para isso, porque não é opinião de homens, mas verdade sobrenatural revelada por Deus, e fora da Veradde de Deus não pode haver outra verdade. Você sentiria pesar pelo fato de os seus amigos hereges estarem privados desses bens espirituais por engano do diabo e seus lobos, que espalham heresias para tirar as pessoas da Verdade. E tomaria da espada para combater o mundo pelo exemplo e pelo apostolado.
    Porém, não! Você valoriza um "cristianismo" indiferenciado e comum a todas as religiões, que nunca existiu. Ou Maria Santíssima é necessária para a salvação, ou é desnecessária. Se é necessária, os hereges não se salvam, e você faz mal não combater esse erro, porque assim você deixa avançar a praga que está matando todos os seus amigos protestantes. Se é desnecessária, então saia de cima do muro e vire protestante de uma vez, em vez de, sob o nome de "evangélica católica", blasfemar contra Nossa Senhora. Ou, como diz a Igreja católica, Deus ajuda os homens pela graça para que eles façam atos sobrenaturalmente meritórios, e assim, os que quiserem trabalhar junto com Deus serão salvos; ou, como dizem os protestantes, Deus pré-definiu os que se salvarão (pela predestinação), e eles se salvarão de qualquer jeito, enquanto os demais se perderão de qualquer jeitos, porque, como disseram os heresiarcas Lutero e Calvino, Deus é cruel e age sempre como um louco: decida, pois, qual doutrina você seguirá. A Verdade está com os Pastores da Igreja, como Nosso Senhor prometeu, e os hereges são os pseudo-profetas e pseudo-cristos, que parecem muito bons exteriormente, para seduzir os cristãos.

    ResponderExcluir
  27. Para concluir, o seu comentário demonstra uma ignorância total da doutrina cristã (que o clero tem-se abstido de ensinar), e uma adesão às ideias politicamente corretas e mundanas de tolerância e harmonia, que nunca foram pregadas por Nosso Senhor Jesus Cristo.
    Espero que você reconheça o seu erro, e estude humildemente (e não com senso crítico) o Catecismo de São Pio X, um bom livro (antigo) de Teologia Moral, e livros tradicionais de espiritualidade, como Filoteia, de São Francisco de Sales, a Imitação de Cristo, etc (pode baixar todos em nosso site).
    E espero que você siga o conselho de São Tomás de Aquino, e não se misture com os hereges.
    Leia os posts:
    - A única verdadeira Igreja...
    - A Igreja ou a Bíblia?
    - Nosso Senhora Jesus Cristo sobre os hereges

    Rezarei por você,
    Giulio C. Gequelim

    ResponderExcluir
  28. Três coisas:
    1.Assistam o filme lutero
    2.Leiam melhor a obra de Lutero (com um olhar neutro)
    3.Onde estão as referências Bibliográficas?
    4. Dom Licínio Rangel Questiono Dom Licínio Rangel sobre sua seriedade técnica e imparcialidade historiografica para escrever um artigo deste.

    Me poupem!

    ResponderExcluir
  29. O protestantismo acabou. Esfacelou-se. Reino algum pode permanecer dividido contra si mesmo. E por isso que o protestantismo não fica de pé. Alicerçado na mentira e blasfêmicas do filho de Lúcifer conhecido por Lutero, tudo que faz é dividir, dividir e fragamentar a mensagem do evangelho. Por isso tantas seitas da perdição como previu o apóstolo Pedro. Todos diferentes entre si e todos dizendo-se portadores da verdade e inspirados pelo Espírito Santo. Todos certos e errados ao mesmo tempo. Quem é pelo aborto se diz irmão em cristo de quem é contra. Todos são irmãos em Cristo e todos lutam contra o catolicismo. Aliás, o único tema em que um protestante concorda com o outro é ódio contra o catolicismo. O ódio e rancor são as mercas dos filhos de Lutero. Por não suportarem correção de qualquer tipo, quando contrariados mudam de denominações quando não fundam uma nova "igrejola" onde o "novo ungido" de DEUS irá interpretar a Bíblia por conta própria e ensinará toda sorte de heresias a novos seguidores. Os filhos de Lutero são assim mesmo. Não permaneceram nem mesmo com o seu pai Lutero, razão pela qual a maioria não é Luterana. Permaneçam os filhos da luz fazendo as obras da luz e permaneçãm os filhos de Lutero fazendo as obras de seu pai que são divisões, contendas, blasfêmicas, rancor, ódio e perseguição ao catolicismo. Nem mesmo no ódio contra o catolicismo são unânimes. Uns dizem que a Igreja Católica mudou a doutrina e outros a acusam de nunca mudar e não adpatar-se aos novos tempos. Uns a chamam de dogmática e ultrapassada e outros a chamam de modernista. Tudo que um protestante não consegue fazer é deixar de blasfemar, mentir e usurpar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vcs católicos, são ridículos com suas crenças pagãs intituladas "cristã".

      Excluir
    2. Prezado Anônimo, Salve Maria!
      Obrigado por sua ofensa.
      Vou rezar uma ave-maria por sua alma, pois fora da Igreja Católica não há nenhuma possibilidade salvação e nem verdadeira santidade.
      Vou rezar mais uma ave-maria por minha alma, pois devemos combater o bom combate até o último momento de nossa vida.
      Você acabou de demonstrar a grande diferença do ensinamento católico em relação as fantasias protestantes, uma vez que eu aprendi rezar pelos meu inimigos e você aprendeu a ofender os seus inimigos.

      Excluir
  30. Vejam a que ponto se chega quando o objetivo é o de não perder “clientela”, pois, da maneira em que o assunto religião está sendo tratado ultimamente, ela está tendo o tratamento de um produto comercial como outro qualquer. Parece até como se fosse um anúncio comparativo entre um produto e outro; e o afã de conseguir os objetivos marqueteiros é tamanho que o anunciante se esquece de que está cometendo um erro de base; o leitor há de perguntar: mas que erro é esse?
    Respondo: o de dizer que Lutero cometeu um assassinato ao abater um desafeto em um duelo (fato comum na época) e, ainda, no mesmo parágrafo, informar que Lutero se refugiou em um “Convento dos Eremitas de Santo Agostinho, que então gozava do direito civil de asilo, que o colocava ao abrigo da Justiça.” Desse trecho me chama a atenção a parte negritada de “direito civil de asilo”. Será que foi para justificar o acoitamento a um assassino? Ora, como uma entidade religiosa vai dar guarida a um homicida, fugindo ao mandamento do “não matarás”?
    Não é ser muito cara-de-pau a pessoa que escreveu esse artigo? Ou será que ele foi escrito por outra pessoa e o pobre do “Dom” só assinou sem ler? Se assim foi, um erro não justifica o outro...
    Abraços. Frazão

    ResponderExcluir
  31. Caro sr. Frazão

    Sua forma de pensar é muito obscura. Parece que você teve dificuldade em entendeu os fatos que o texto coloca, a saber: que Lutero cometeu um homicídio e que entrou no convento para fugir da pena devida por ele. Lutero, de fato, cometeu um homicídio, que, além de ser o que a legislação brasileira atual considera um homicídio qualificado por motivo fútil, o fez em duelo, estando, com isso, automaticamente excomungado da Igreja Católica.
    Quanto ao fato de o convento (que o sr. modernamente chama de "entidade religiosa") admiti-lo após o homicídio, faço três considerações:
    1 - Um convento não pode pecar; só uma pessoa livre e consciente pode ser sujeito do pecado. Assim, se admiti-lo ao convento fosse pecado, seria pecado do prior do convento, que o admitiu, e não do convento, e nada impede que o prior peque. Parece que você considera o seguinte: se uma "entidade religiosa" admitiu Lutero, então ele nunca cometeu homicídio, pois haveria alguma lei suprema que impediria que ele fosse admitido, mesmo que o prior do convento quisesse.
    2 - Não se sabe se o prior do convento sabia desse fato.
    3 - Ao contrário do que você supõe, quem "dá guarida" a alguém que cometeu um certo pecado, não se torna culpado daquele pecado, a não ser que isso vá ajudá-lo a continuar pecando. As duas formas por que uma pessoa se torna culpado dos pecados de outrem são: o escândalo e a cooperação.
    Talvez só o sr. não perceba, mas aquilo mesmo que o sr. falou nas duas primeiras frases são exatamente a descrição das seitas protestantes. As seitas protestantes existem numa variedade diabolicamente ilimitada, existindo uma para cada (mau) gosto, e os próprios protestantes migram de uma para outra agremiação herética, dando mostras claras de que não têm nem mesmo uma falsa "fé" na sua heresia: se a igreja triangular diz que existe sacramentos, e a quadrangular diz que não, e o protestante muda de uma para outra, não o faz porque parou de acreditar nos sacramentos, e sim porque o descarrego na outra é mais descarregado, o dízimo é mais em conta, entre outras coisas heréticas... O protestante nunca faz adesão a uma determinada verdade revelada, ou, no caso da sua falsa religião, nunca faz adesão a um erro de forma coerente com o erro, porque para ele quando a igreja triangular diz que existem sacramentos ela é inspirada pelo Espírito Santo, e quando a quadrangular diz que não ela também é. Ora, qualquer um percebe que essas contradições, que implicam necessariamente numa mentira, não podem ser inspiradas pelo Espírito Santo, e sim por um espírito Mentiroso...
    GG

    ResponderExcluir
  32. Meu caro GG
    Se você não sabe o que estou pensando (a não ser que você seja um telepata) como pode dizer que a minha forma de pensar é obscura? Se você estivesse se referindo a minha forma de expor o meu pensamento, até poderia ser viável a sua afirmativa.
    Entretanto, o que eu disse, acho que qualquer pessoa de desenvolvimento intelectual mediano entendeu que me referi ao fato de Lutero ter matado um desafeto em um duelo, sem opinar sobre o aspecto de ter ou não praticado um assassinato, que o “Dom” considerou como sendo um assassinato e, em seguida informa que Lutero se refugiou em um convento agostiniano.
    Agora você me vem com esse sofisma de que o convento não pode pecar?! Qualquer um de intelecto mediano sabe muito bem que quem pecou foi a pessoa física que administrava o convento, coisa que até você entendeu; tanto assim, que me veio com esse sofisma infantil, tentando demonstrar a pretensa fraqueza do meu argumento, mas que, ao contrário, está demonstrando é a do seu, já que veio com esse sofisma barato.
    Agora, meu caro, pergunto: o que uma morte acontecida em um duelo, em inícios do século XVI, na Alemanha, tem a ver com a legislação brasileira atual?! Arranje outra para justificar o seu argumento, pois da forma que você o apresenta está menosprezando a capacidade de discernimento dos leitores deste site.
    Com relação à tua consideração de nº 1, em que você diz que o pecado não foi do convento, mas, sim, do seu prior, querendo justificar o asilo dado pela entidade igreja a Lutero, pergunto: quando falamos mal dos componentes de um Governo o que nós dizemos? Não é justamente que o Governo não presta? Isso porque os componentes são seus representantes; da mesma forma acontece quando um representante da igreja toma uma atitude em nome dela; simples, não?!
    Já com relação à de nº 2, em que você aventa a hipótese do prior do convento não saber do duelo, estou começando a desconfiar que você está pensando que os leitores deste site são ingênuos, a ponto de aceitar essa sua justificativa; a não ser que ela só foi feita como mera tentativa de demonstrar que o meu comentário não ficou sem resposta.
    Já quanto à 3ª consideração, em que você afirma que “As duas formas por que uma pessoa se torna culpada dos pecados de outrem são: o escândalo e a cooperação”, pergunto: quando o convento, o prior, ou qualquer elemento da igreja deu guarida ao “assassino” Lutero, cometeu um escândalo ou cooperou com um assassino?!
    Portanto, meu caro GG, apresente outros argumentos, pois os aqui trazidos não foram suficientes.
    Finalmente, quanto à parte final das suas considerações, reservo-me o direito de expender qualquer comentário, já que não estou aqui para analisar a fé de quem quer que seja, pois respeito a liberdade de culto de todo cidadão, desde que não sejam cometidos ataques infundados, ou haja demonstração de atitudes hipócritas.
    Abraços. Frazão

    ResponderExcluir
  33. Respondendo parte por parte:

    Meu caro GG
    Se você não sabe o que estou pensando (a não ser que você seja um telepata) como pode dizer que a minha forma de pensar é obscura? Se você estivesse se referindo a minha forma de expor o meu pensamento, até poderia ser viável a sua afirmativa.
    Resp: Óóó! Nossa, que relevante! Como foi inviável a minha afirmativa! Isso com certeza desmonta toda a minha "argumentação"!

    Entretanto, o que eu disse, acho que qualquer pessoa de desenvolvimento intelectual mediano entendeu que me referi ao fato de Lutero ter matado um desafeto em um duelo, sem opinar sobre o aspecto de ter ou não praticado um assassinato, que o “Dom” considerou como sendo um assassinato e, em seguida informa que Lutero se refugiou em um convento agostiniano.
    Resp: Caríssimo, o texto chama lutero de homicida. Para sua informação, qualquer pessoa que mate um homem é um homicida (homo = homem; cidere = matar). Não há discussão com quem não conhece o significado das palavras. (Além disso, quem comete homicídio em duelo é pior do que um homicida qualquer, pois além do crime de assassinato, cometeu o crime de arriscar a própria vida, condenado pela lei de Deus, o de dar mau exemplo, e o de desejar desordenadamente a vingança.)

    Agora você me vem com esse sofisma de que o convento não pode pecar?! Qualquer um de intelecto mediano sabe muito bem que quem pecou foi a pessoa física que administrava o convento, coisa que até você entendeu; tanto assim, que me veio com esse sofisma infantil, tentando demonstrar a pretensa fraqueza do meu argumento, mas que, ao contrário, está demonstrando é a do seu, já que veio com esse sofisma barato.
    Resp: Você conhece o significado da palavra sofisma? Dizer que o convento não pode pecar não é um sofisma.

    Agora, meu caro, pergunto: o que uma morte acontecida em um duelo, em inícios do século XVI, na Alemanha, tem a ver com a legislação brasileira atual?! Arranje outra para justificar o seu argumento, pois da forma que você o apresenta está menosprezando a capacidade de discernimento dos leitores deste site.
    Resp: O que eu disse sobre a legislação brasileira não é um argumento. Tirando essa parte, nada aumenta nem diminui no conteúdo do que eu disse. Foi apenas para perceber que o homicídio de Lutero demonstra muito mais crueldade do que um homicídio "qualquer", pois ele matou um homem por pura vaidade. Qualquer ser cerebrado percebe que essa informação veio num aposto, não faz parte da cadeia de argumentação.

    ResponderExcluir
  34. Com relação à tua consideração de nº 1, em que você diz que o pecado não foi do convento, mas, sim, do seu prior, querendo justificar o asilo dado pela entidade igreja a Lutero, pergunto: quando falamos mal dos componentes de um Governo o que nós dizemos? Não é justamente que o Governo não presta? Isso porque os componentes são seus representantes; da mesma forma acontece quando um representante da igreja toma uma atitude em nome dela; simples, não?!
    Resp: Se o Governo é corrupto, o país não é corrupto. Se o prior é corrupto, o convento não é corrupto.

    Já com relação à de nº 2, em que você aventa a hipótese do prior do convento não saber do duelo, estou começando a desconfiar que você está pensando que os leitores deste site são ingênuos, a ponto de aceitar essa sua justificativa; a não ser que ela só foi feita como mera tentativa de demonstrar que o meu comentário não ficou sem resposta.
    Resp: Me dê um motivo pelo qual eu não poderia ter aventado essa hipótese. O pensador racional aventa todas as hipóteses possíveis.

    Já quanto à 3ª consideração, em que você afirma que “As duas formas por que uma pessoa se torna culpada dos pecados de outrem são: o escândalo e a cooperação”, pergunto: quando o convento, o prior, ou qualquer elemento da igreja deu guarida ao “assassino” Lutero, cometeu um escândalo ou cooperou com um assassino?!
    Resp: Tenho que escrever tudo nos mííínimos detalhes. Você se torna culpado dos pecados de outrem cooperando COM OS PECADOS de outrem, e não cooperando COM OUTREM. Assim, se você cooperar com um assassino ajudando-o a desatolar a sua vaca do banhado, você não se torna culpado do assassinato que ele cometeu. A hipótese de o convento cooperar com o escândalo nem pode ser aventada, pois O ASSASSINATO JÁ TINHA ACONTECIDO!!! Como é que você vai cooperar no futuro com alguma coisa que aconteceu no passado???

    Portanto, meu caro GG, apresente outros argumentos, pois os aqui trazidos não foram suficientes.
    Finalmente, quanto à parte final das suas considerações, reservo-me o direito de expender qualquer comentário, já que não estou aqui para analisar a fé de quem quer que seja, pois respeito a liberdade de culto de todo cidadão, desde que não sejam cometidos ataques infundados, ou haja demonstração de atitudes hipócritas.
    Abraços. Frazão

    Contra fatos não há argumentos, sr. Frazão. Toda pessoa que mata um homem é, por definição, um homicida, esse é o significado da palavra, não há discussão quanto a isso. Lutero matou um homem, logo é homicida. Parece-me que você quer dizer que matar uma pessoa em duelo não é pecado. Uma consciência moral dessas não é para qualquer um. É bem de acordo com a de Lutero, diga-se de passagem...

    ResponderExcluir
  35. Meu caro anônimo.
    Se você ler com atenção o meu primeiro comentário você vai verificar que o ponto principal levantado por mim foi o fato do Dom Licínio Rangel ter chamado Lutero de assassino e, no mesmo parágrafo, ter dito que ele, Lutero, asilou-se no convento dos Eremitas de Santo Agostinho. Foi em virtude desse fato que eu estranhei a postura de chamar Lutero de assassino e, ao mesmo tempo, mostrar que uma dependência da igreja (um convento) homiziou um homem por ela mesma considerado criminoso; nada mais do que isso. Ou o Dom Licínio, como o convento, não é um representante da igreja?
    Foi somente sobre esse fato que eu me pronunciei e você e senhor GG, fizeram um cavalo de batalha, tentando dispersar o assunto, abordando outros aspectos, tentando desviar a minha abordagem inicial, que foi dar asilo a uma pessoa, formando-a (mas não transformando-a em) padre e só quinhentos anos depois passou a chamá-la de criminoso, só porque a célula original do protestantismo agora está multiplicando-se como um câncer no corpo de fiéis de uma entidade religiosa de estrutura hierarquizada arcaica, apegada a dogmas, sem atender aos anseios dos, ainda, seus fiéis, em busca do divino, sem que encontrem uma mensagem razoável para confortá-los espiritualmente, cuja lacuna está sendo preenchida pelas igrejas denominadas de neopentecostais, que são os primeiros degraus para a escalada do ateísmo, face a mensagem materialista de que elas são portadoras.
    Só isso que eu tinha a dizer.
    Portanto, a qualquer questionamento fora desse enfoque não darei resposta.
    Ah! Quase que me esquecia; não fique no anonimato; identifique-se que fica mais elegante; pelo menos isso...
    Abraços. Frazão

    ResponderExcluir
  36. Referente à mensagem de 19 de outubro de 2011 22:15.
    Anônimo disse...
    Respondendo parte por parte:

    Meu caro GG
    Se você não sabe o que estou pensando (a não ser que você seja um telepata) como pode dizer que a minha forma de pensar é obscura? Se você estivesse se referindo a minha forma de expor o meu pensamento, até poderia ser viável a sua afirmativa.

    Resp: Óóó! Nossa, que relevante! Como foi inviável a minha afirmativa! Isso com certeza desmonta toda a minha "argumentação"!

    Frazão: Então por que aventou essa hipótese? Será que foi só para encher lingüiça? Poupe-me!...

    Entretanto, o que eu disse, acho que qualquer pessoa de desenvolvimento intelectual mediano entendeu que me referi ao fato de Lutero ter matado um desafeto em um duelo, sem opinar sobre o aspecto de ter ou não praticado um assassinato, que o “Dom” considerou como sendo um assassinato e, em seguida informa que Lutero se refugiou em um convento agostiniano.

    Resp: Caríssimo, o texto chama lutero de homicida. Para sua informação, qualquer pessoa que mate um homem é um homicida (homo = homem; cidere = matar). Não há discussão com quem não conhece o significado das palavras. (Além disso, quem comete homicídio em duelo é pior do que um homicida qualquer, pois além do crime de assassinato, cometeu o crime de arriscar a própria vida, condenado pela lei de Deus, o de dar mau exemplo, e o de desejar desordenadamente a vingança.)

    Frazão: Como é duro tratar com gente prepotente que se acha dono da verdade e do conhecimento sobre as coisas...
    Meu caro, não é preciso decompor etimologicamente as palavras para tentar demonstrar que se tem conhecimento linguístico, pretendendo esconder uma eventual falta de argumento sobre um assunto específico, como o caso presente.
    Isso porque, hoje, qualquer pessoa tem meios de saber o significado das palavras, independentemente da sua etimologia, principalmente dessa palavra (homicídio), tão em voga nos dias de hoje; não é, meu caro?!

    Agora você me vem com esse sofisma de que o convento não pode pecar?! Qualquer um de intelecto mediano sabe muito bem que quem pecou foi a pessoa física que administrava o convento, coisa que até você entendeu; tanto assim, que me veio com esse sofisma infantil, tentando demonstrar a pretensa fraqueza do meu argumento, mas que, ao contrário, está demonstrando é a do seu, já que veio com esse sofisma barato.

    Resp: Você conhece o significado da palavra sofisma? Dizer que o convento não pode pecar não é um sofisma.

    Frazão: Será que o teu argumento original, que denominei de sofisma se enquadra no sentido dado pelo dicionário Houaiss a seguir transcrito?: “sofisma Datação sXIV cf. FichIVPM, substantivo masculino 1 Rubrica: lógica. Argumento ou raciocínio concebido com o objetivo de produzir a ilusão da verdade, que, embora simule um acordo com as regras da lógica, apresenta, na realidade, uma estrutura interna inconsistente, incorreta e deliberadamente enganosa.”
    Veja, meu caro, que empreguei a palavra sofisma para demonstrar que, pela lógica, o teu argumento é enganoso, pois todo mundo sabe que nenhum convento ou qualquer figura jurídica que o homem crie, como uma empresa, uma igreja etc., pode praticar uma ação, senão através de uma pessoa física; no caso do convento, o seu prior; concorda? Ou vai dizer que eu é que estou sofismando?
    Ademais, posso não ter os conhecimentos lingüísticos que você demonstra ter, mas, em termos de sentido das palavras, eu me viro, inclusive recorrendo ao “pai dos burros”, como fiz em relação à palavra “sofisma”, para poder empregá-la no seu sentido correto, sem deixar dúvidas ao leitor, inclusive a você. Ou você é um daqueles que têm olhos mas não quer enxergar? Se assim for, aconselho-te a tirar os antolhos da tua mente, sem nenhuma intenção de te ofender, já que sei que você não quer enxergar, apenas por pura teimosia.
    Continua...

    ResponderExcluir
  37. Referente à mensagem de 19 de outubro de 2011 22:15.
    ...continuação

    Agora, meu caro, pergunto: o que uma morte acontecida em um duelo, em inícios do século XVI, na Alemanha, tem a ver com a legislação brasileira atual?! Arranje outra para justificar o seu argumento, pois da forma que você o apresenta está menosprezando a capacidade de discernimento dos leitores deste site.

    Resp: O que eu disse sobre a legislação brasileira não é um argumento. Tirando essa parte, nada aumenta nem diminui no conteúdo do que eu disse. Foi apenas para perceber que o homicídio de Lutero demonstra muito mais crueldade do que um homicídio "qualquer", pois ele matou um homem por pura vaidade. Qualquer ser cerebrado percebe que essa informação veio num aposto, não faz parte da cadeia de argumentação.

    Frazão: Se a tua colocação de que a legislação não é um argumento por que ela foi mencionada? Ou será que foi mais como uma tentativa de dispersão do assunto que não “colou” e você veio com essa de que, por ser aposto, não é argumento?
    Apenas para facilitar a compreensão do que afirmei aqui, transcrevo o que você disse: “Lutero, de fato, cometeu um homicídio, que, além de ser o que a legislação brasileira atual considera um homicídio qualificado por motivo fútil, o fez em duelo, estando, com isso, automaticamente excomungado da Igreja Católica.”
    Tendo, ou não, a função de aposto, a explicação (“além de ser o que a legislação brasileira atual considera um homicídio qualificado por motivo fútil”), dada a respeito do homicídio cometido por Lutero, está ligada à palavra homicídio, que foi o crime praticado por ele, Lutero. Logo, esse aposto tem a nítida intenção de sugerir ao leitor que, mesmo sendo decorrente de um duelo, realmente é um crime, e qualificado, nos termos do que se pode entender hoje a respeito do homicídio resultante de duelo. Veja o que diz o dicionário Houaiss: “Aposto Datação 1619 cf. MGram substantivo masculino Rubrica: gramática. substantivo ou locução substantiva que, colocados ao lado de outro ou de um pronome e sem auxílio de preposição, explicam, precisam ou qualificam o antecedente (São Paulo, a capital econômica do país; Pedro I, o tsar de todas as Rússias) [Na língua falada, é separado por uma pausa e, na escrita, ger. por uma vírgula; não tem função sintática por si mesmo e adquire o valor do termo a que se refere (aposto do sujeito, do predicativo, do objeto direto etc.).]”
    Assim, meu caro anônimo, pergunto: será que esse aposto não tem nada a ver com o homicídio a que você se refere? Ah... Aposto que tem!
    Abraços. Frazão

    ResponderExcluir
  38. Referente à mensagem de 19 de outubro de 2011 22:16
    Com relação à tua consideração de nº 1, em que você diz que o pecado não foi do convento, mas, sim, do seu prior, querendo justificar o asilo dado pela entidade igreja a Lutero, pergunto: quando falamos mal dos componentes de um Governo o que nós dizemos? Não é justamente que o Governo não presta? Isso porque os componentes são seus representantes; da mesma forma acontece quando um representante da igreja toma uma atitude em nome dela; simples, não?!
    Resp: Se o Governo é corrupto, o país não é corrupto. Se o prior é corrupto, o convento não é corrupto.
    Frazão: Como as decisões do País são tomadas pelo Governo, já que este é quem manda no País, o País passa a ser considerado como corrupto, embora o cidadão não o seja; o mesmo se dá com qualquer instituição, no caso a igreja, em que um seu representante, no caso em foco, acoitou Lutero em nome da igreja (ou não foi?) ao lhe dar asilo, embora contrariando os seus fiéis da época, e até os dos dias de hoje com atitudes desse tipo.
    Ou não será por isso que os “fiéis” estão debandando das “fileiras” do “exército” de Deus, por ser a prédica da igreja é uma coisa e a prática é outra? Ou seja, faça o que mando, mas não faça o que faço?!

    Já com relação à de nº 2, em que você aventa a hipótese do prior do convento não saber do duelo, estou começando a desconfiar que você está pensando que os leitores deste site são ingênuos, a ponto de aceitar essa sua justificativa; a não ser que ela só foi feita como mera tentativa de demonstrar que o meu comentário não ficou sem resposta.

    Resp: Me dê um motivo pelo qual eu não poderia ter aventado essa hipótese. O pensador racional aventa todas as hipóteses possíveis.

    Frazão: Simples, meu caro anônimo; todos nós sabemos, inclusive você (ou não?) que, naquela época, principalmente, tudo o que acontecia no mundo a igreja sabia; às vezes até fazendo com que as coisas acontecessem como ela desejava; é só ler alguns livros de história, ou, mais fácil ainda, acessar alguns sites de pesquisas na internet, embora alguns não sejam muito confiáveis.

    Já quanto à 3ª consideração, em que você afirma que “As duas formas por que uma pessoa se torna culpada dos pecados de outrem são: o escândalo e a cooperação”, pergunto: quando o convento, o prior, ou qualquer elemento da igreja deu guarida ao “assassino” Lutero, cometeu um escândalo ou cooperou com um assassino?!

    Resp: Tenho que escrever tudo nos mííínimos detalhes. Você se torna culpado dos pecados de outrem cooperando COM OS PECADOS de outrem, e não cooperando COM OUTREM. Assim, se você cooperar com um assassino ajudando-o a desatolar a sua vaca do banhado, você não se torna culpado do assassinato que ele cometeu. A hipótese de o convento cooperar com o escândalo nem pode ser aventada, pois O ASSASSINATO JÁ TINHA ACONTECIDO!!! Como é que você vai cooperar no futuro com alguma coisa que aconteceu no passado???

    Aqui você quis dar uma daquele personagem do programa humorístico, com o mííínimos detalhes, tentando disfarçar o sofisma, ao pretender estabelecer uma diferença entre cooperar “com os pecados” de outrem, e cooperar “com outrem”. Só que há uma grande diferença entre o que eu disse no meu primeiro comentário e a direção que você está pretendendo dar ao assunto, ao desviar o enfoque original, que foi o de o dirigente do convento (porque o convento não pode tomar atitude) ter dado “asilo” a um assassino, no caso Lutero. Como se vê eu não disse que o prior cometeu o mesmo pecado de Lutero (assassinato), mas, sim, que ele cometeu outro, que foi o de acoitar o agente de um crime, no caso, o pecador.
    Portanto, meu caro anônimo, no caso aqui, você está pretendendo “encobrir o sol com a peneira”, ao dizer “Como é que você vai cooperar no futuro com alguma coisa que aconteceu no passado???” Por que digo isso? Simplesmente porque os pecados são dois: o cometido pelo assassino, no caso, Lutero, e o outro pelo prior, pelo fato de acoitar o assassino; ou não foi isso o que aconteceu? Só falta você dizer: mas isso é outra coisa...
    Continua...

    ResponderExcluir
  39. Referente à mensagem de 19 de outubro de 2011 22:16
    ...continuação
    Portanto, meu caro GG, apresente outros argumentos, pois os aqui trazidos não foram suficientes.
    Finalmente, quanto à parte final das suas considerações, reservo-me o direito de expender qualquer comentário, já que não estou aqui para analisar a fé de quem quer que seja, pois respeito a liberdade de culto de todo cidadão, desde que não sejam cometidos ataques infundados, ou haja demonstração de atitudes hipócritas.
    Abraços. Frazão

    Contra fatos não há argumentos, sr. Frazão. Toda pessoa que mata um homem é, por definição, um homicida, esse é o significado da palavra, não há discussão quanto a isso. Lutero matou um homem, logo é homicida. Parece-me que você quer dizer que matar uma pessoa em duelo não é pecado. Uma consciência moral dessas não é para qualquer um. É bem de acordo com a de Lutero, diga-se de passagem...

    Quanto a essa tua colocação você está querendo, mais uma vez, desviar o enfoque, que é o de o convento ter sido usado como asilo de um assassino, pois eu jamais neguei que o fato de matar não seja um assassinato, mas, sim, tentei demonstrar que o duelo, naquela época, era um instrumento do homem defender a sua honra.
    Agora, pergunto: se em uma tentativa de estupro contra tua filha, você reage e mata o agressor, você deixou de matar alguém, ou seja, de cometer um assassinato? Você possivelmente responderá que sim,mas, mais do que depressa, você também complementará que esse assassinato mesmo sendo um crime, não é punível como tal, pois foi em legítima defesa da honra dela, com o que todos nós concordamos, porque a lei do homem assim o diz.
    Entretanto, a lei de Deus apenas diz: não matarás! Veja que não há qualquer ressalva para se pretender dizer que alguns assassinatos são, ou não, pecados; simplesmente a palavra de Deus diz: não matarás! (Ex 20,13); e, no meu exemplo, você terá assassinado ou não, ainda que em legítima defesa da honra da filha?
    É contra esse tipo de atitude hipócrita que eu me insurjo, pois, qualquer desculpa no sentido de explicar o acoitamento dado a Lutero, ainda que sob o nome pomposo de asilo, terá, sempre, a conotação de tentativa de justificar a ocorrência de um fato, o que me fez lembrar de uma expressão usada pelo capitão comandante de minha esquadrilha, na FAB: Explica, mas não justifica...
    Abraços. Frazão

    ResponderExcluir
  40. Sei que não vai ser publicado; mas, vai que passa...
    Uai, que site é esse que demora tanto a publicar os comentários postados, como os meus de 20-10-2011 às 23:15 e 23:16, contestando os de 19 de outubro de 2011 às 22:15 e às 22:16, e quando o faz já vem com a resposta pronta? Por que, não os publica de imediato, se sabe que os vai publicar, em função da contestação feita pelo site?
    Será que é por medo de que os leitores tirem conclusões e firmem uma opinião antes que o site apresente a sua sobre algum comentário, contestando os contrários ao ponto de vista exposto no artigo?
    Se for assim (pelo menos é o que tudo indica), lembrem-se da ética e identifiquem os autores dos comentários, pois os dois últimos publicados, embora tenham sido divulgados como de autoria de um “anônimo”, tenho quase certeza de que são de gente do próprio site, em virtude da postura adotada pelo autor deles.
    Abraços. Frazão

    ResponderExcluir
  41. Caro sr. Frazão

    As respostas foram minhas. Antes os meus comentários já saíam identificados, mas agora parou, não sei se por problemas do site ou daqui.

    Comentários dos leitores só são permitidos para a edificação de todos. Por isso não publicamos comentários sem o respectivo esclarescimento das questões que aquele levantou, pois o intuito do site não é, de forma alguma, gerar dúvidas para os leitores.

    Suas últimas postagens só choveram no molhado. Você nos acusa de desviar-nos do tema central, que é a admissão de Lutero no convento, entretanto o tema central é o homicídio perpetrado pelo heresiarca, o sr. é que desviou do tema, filtrando aquele mosquito e deixando passar o camelo do homicídio, e acusando-nos de enganadores quando apontamos para o camelo, enquanto nós é que estamos voltando constantemente ao assunto principal, e insistindo que as suas ponderações fixam-se em fatos meramente acidentais.

    Seus comentários serão publicados e respondidos quando eu tiver tempo, o que não será tão logo, pois tanta confusão carecerá de uma resposta gigantesca, então não espere para tão logo. Enquanto isso, por favor me envie um e-mail: giuliogequelim@hotmail.com, para que, à medida que o tempo o permitir, nós discutamos os pontos separadamente, se é que o interesse do sr. é discutir de maneira útil e honesta, e não de apenas criar polêmica (que é o que parece, quando o sr. se fixa nas vírgulas dos meus comentários, enquanto parece que o conteúdo principal deles não mudou nada o seu pensamento).

    Giulio Gequelim

    ResponderExcluir
  42. Não será melhor, mais honesto e ético substituir o texto da advertência por: não serão aceitos comentários contrários aos pontos de vista expostos nos nossos artigos?
    Abraços. Frazão

    ResponderExcluir
  43. Meu caro Giulio.
    Se você tiver o cuidado de reler o meu comentário de 17 de outubro de 2011 10:23, verá que nele só me pronunciei sobre a incongruência do artigo escrito pelo dom Licínio Rangel, incongruência essa decorrente do fato dele ter dito que Lutero cometeu um crime e, no mesmo parágrafo, ter informado que foi concedido asilo a ele, asilo esse que considerei como um acoitamento, que é uma atitude considerada como pecado, por desobedecer ao “não matarás”; os demais só foram feitos para responder a algumas colocações em que você sofisma, ao dizer que o convento não poderia pecar, mas, sim, só uma pessoa, tentando desviar o foco do meu comentário; portanto, meu caro Giulio, se você me tivesse respondido sobre o porquê da concessão do asilo, não teria feito os outros comentários, em relação aos quais você afirma que eu me fixei nas vírgulas quando, na verdade, quem se fixou nelas foi você, ao tentar afirmar que “convento não pode pecar, mas, sim, uma pessoa”.
    Logo, meu caro, responda-me sobre a incongruência primeira, que não precisa responder aos meus demais comentários; simples, não?
    Abraços. Frazão

    ResponderExcluir
  44. Bom dia Sr. Frazão
    Desculpe pela demora em publicar os seus "preciosos" comentários.
    Como todo "bom protestante", notei que você continua esperneando e protestando.
    Já não bastou a quantidade de almas que lutero ajudou a enviar para o inferno. Lembre-se o Céu é Católico!
    Saliento que a publicação do texto sobre o tal lutero, serve para as almas honestas, que buscam a verdade. Infelizmente no seu caso não ajudou muito, pois você prefere defender lutero, a reforma, o protestantismo e os seus maus frutos.
    Qual entre as 40.000 (quarenta mil) denominações protestantes você pertence?
    Vamos fazer o seguinte, leia de novo o texto, procure entender, busque conhecer a verdade de Cristo e depois converta-se para a Única Igreja de Cristo, onde fora não há nenhuma possibilidade de Salvação, ou seja a Igreja Católica Apostólica Romana.
    Salve Maria
    Jesuan Godke

    ResponderExcluir
  45. Caro JG.
    É duro tratar com pessoas que julgam uma situação sem analisar as circunstâncias e os fatos, e não reparam o que dizem.
    Veja que você, tentando depreciar meus comentários, apelidando-os de “preciosos”, e pedindo desculpas pela demora em respondê-los, está demonstrando justamente o contrário, pois, se fossem tão fáceis em responder, não haveria essa demora toda, até para pedir desculpas pela demora nas respostas; não é verdade?
    Veja também que você se declarou protestante, ao pretender dizer que eu é que o sou.
    É só ler a sua segunda frase, que diz: “Como todo “bom protestante”, notei que você continua esperneando e protestando.”, quando o correto, seguindo o raciocínio que você quis dizer que é que sou o protestante, deveria ter escrito assim: “Notei que você, como todo bom protestante, continua esperneando e protestando”. Não foi isso que você pretendeu dizer?! Ora, se você não sabe expor o que pretende dizer, como pode querer entender os comentários dos outros para contestar o que neles está escrito?
    Agora entendi porque você e o Giulio não estão entendendo o que eu disse sobre o acoitamento dado ao "homicida" Lutero, após ele ter assassinado um desafeto em um duelo.
    Assim, na esperança de que agora vocês entendam, vou repetir, só que desta vez em caixa alta, ao que disse ao Giulio: “Se você tiver o cuidado de reler o meu comentário de 17 de outubro de 2011 10:23, verá que só me pronunciei sobre A INCONGRUÊNCIA DO ARTIGO ESCRITO PELO DOM LICÍNIO RANGEL, INCONGRUÊNCIA ESSA DECORRENTE DO FATO DELE TER DITO QUE LUTERO COMETEU UM CRIME E, NO MESMO PARÁGRAFO, TER INFORMADO QUE FOI CONCEDIDO ASILO A ELE, ASILO ESSE QUE CONSIDEREI COMO UM ACOITAMENTO, QUE É UMA ATITUDE CONSIDERADA COMO PECADO, POR DESOBEDECER AO “NÃO MATARÁS”; os demais só foram feitos para responder a algumas colocações em que você sofisma ao dizer que o convento não poderia pecar, mas, sim, só uma pessoa, tentando desviar o foco do meu comentário; portanto, meu caro JG, se me tivessem respondido sobre o porquê da concessão do asilo, não teria feito os outros comentários, em relação aos quais o Giulio afirma que eu me fixei nas vírgulas quando, na verdade, quem se fixou nelas foi ele, ao tentar afirmar que “convento não pode pecar, mas, sim, uma pessoa”.
    Quanto às almas que Lutero ajudou a mandar para o inferno, acho que não cabe a ninguém julgar, pois não se sabe quais as que se arrependeram antes da morte.
    Já quanto a exclusividade de que o Céu é Católico, gostaria de saber onde e quando Deus concedeu essa exclusividade à “santa” Madre... Não é muita pretensão?!
    Finalmente, mais uma vez vou repetir: o meu objetivo não é defender “A” ou “B”, mas mostrar a incongruência do artigo ao chamar Lutero de homicida e, ao mesmo tempo informar que foi dado asilo a esse homicida em um convento pertencente à dona do Céu, conforme as tuas próprias palavras.
    Abraços. Frazão

    ResponderExcluir
  46. Sr. Frazão,
    Você escreve, "se me tivessem respondido sobre o porquê da concessão do asilo, não teria feito os outros comentários".
    Eu respondo: O Convento dos Eremitas de Santo Agostinho gozava do direito civil de asilo, que o colocava ao abrigo da justiça. O próprio lutero afirmava que a Ordem se ocupava dele, isto é, os superiores do Convento o protegiam.

    Obs: Qual a razão dos superiores estarem protegendo o tal lutero, após mais de 400 anos, não é tarefa fácil. Talvez no dia do juízo final Nosso Senhor nos revele a verdade.

    Agora que respondi sua dúvida cruel, não precisa mais postar comentários no Blog, a não ser que você queira conhecer a verdadeira doutrina de Nosso Senhor Jesus Cristo.

    Que Nossa Senhora interceda pela sua conversão.

    Passe bem!

    Jesuan

    ResponderExcluir
  47. Caro JG.
    Você acaba de confirmar o que eu disse desde o início, isto é, que realmente os superiores do convento protegiam Lutero, sob o manto do “direito civil de asilo”; é só ler o meu primeiro comentário.
    Assim, eles protegeram um homicida. Ora, meu caro, o simples fato de o convento gozar do “direito civil de asilo”, que é lei dos homens, não elimina o acoitamento de um criminoso, perante a lei de Deus, já que você mesmo fala em “direito CIVIL de asilo”, ou seja, é semelhante à história da moeda, em que Jesus disse a Cesar o que é de Cesar e a Deus o que é de Deus, isto é, a lei civil de asilo é uma coisa e a lei de Deus, que manda não matar, é outra.
    Portanto, como o asilo foi concedido com base na lei civil, só teve validade para efeitos civis, o que não elimina a guarida dada a um homicida perante a lei de Deus, isto é, ao proteger o criminoso, os responsáveis pelo convento foram coniventes com o pecador.
    Veja que você mesmo confessa que os responsáveis pelo convento deram guarida a um criminoso, só apresentando como desculpa a impossibilidade de, 400 anos após, saber-se o verdadeiro motivo dessa guarida; talvez pretendendo justificar o fato do Dom Licínio ter considerado Lutero como homicida; mas que foi dada guarida, ah, isso foi! Não há como se negar...
    Daí eu ter feito a analogia desse fato (dar guarida a um jovem e quatrocentos anos depois chamá-lo de criminoso), à atitude de uma mulher que conviveu com um homem durante anos, sabendo dos crimes que ele cometia e só denunciá-lo às autoridades, após ela ter sido abandonada por ele e, em meu comentário, em resposta ao do GG de 24 de outubro de 2011 13:30, não publicado, eu ter dito:
    “A impressão que tiro dessa atitude do autor é a de que, se Lutero tivesse continuado dentro da hierarquia da “santa madre”, ainda que divulgando uma nova teologia, a exemplo do ex-padre Leonardo Boff, este artigo sob comentário não teria sido escrito e a desculpa para justificar a concessão do asilo seria a de que foi tomada em defesa de um “pobre pecador”, que agiu em legítima defesa de sua honra em um duelo, e que o seu arrependimento tanto foi aceito por Deus que o acolheu no seio da Sua igreja como monge.”
    Portanto, meu caro, a tua resposta veio confirmar que eu estou certo na minha afirmação de que a igreja, através de um seu convento, acoitou um criminoso (pecador) perante a lei de Deus, ao dar guarida a um homicida, e o autor do artigo foi incongruente ao afirmar que Lutero cometeu um assassinato e, ao mesmo tempo, dizer que lhe foi dado asilo por um convento pertencente à Igreja Católica. Ou ele não foi incongruente?!
    Não entendi essa de minha “dúvida cruel”, já que você confirmou todas as minhas suspeitas de que o Dom Licínio foi incongruente (desculpe-me pela repetição dessa palavra), não por chamar Lutero de homicida, mas, sim, por mostrar que foi dada guarida a ele, mesmo sendo ele um homicida, mesmo que se apresentem possíveis justificativas para a ocorrência do duelo, onde se deu a morte do seu desafeto.
    Quanto ao fato de não precisar mais postar comentários, isso vai depender, única e exclusivamente, de vocês, seja não os publicando, seja não cometendo incongruências como a deste artigo, pois, como se diz no jargão dos escoteiros, estarei “sempre alerta”.
    Que Jesus nos abençoe e nos inspire a não falarmos mal dos outros, passando a praticarmos mais o seu evangelho.
    Abraços. Frazão

    ResponderExcluir
  48. Sr. Frazão,
    Você não precisava escrever tanto em seus comentários, uma vez que a resposta que eu apresentei, já encontrava-se no artigo de Dom Licínio. Você leu, mas não prestou atenção no que estava lendo. Os protestantes/evangêlicos já estão acostumados a ler e não entender.
    Fato 1 - lutero é homicida.
    Fato 2 - O convento deu asilo ao herege lutero.
    Fato 3 - Alguns religiosos do convento, infelizmente, protegeram ao seu pai espiritual e de todos os protestantes.
    Fato 4 - A Igreja é Santa, pois é Divina, no entanto os homens que fazem parte dela são pecadores.
    Fato 5 - Os pecados dos seus integrantes, não podem ser atribuídos para a Igreja.
    Fato 6 - lutero abandonou a Igreja apenas para continuar em seus vícios.
    Fato 7 - Saiba que a fé é um dom de Deus, o qual recebemos de várias maneiras. Você recebeu quando encontrou nosso Blog, pois o mesmo divulga a verdade Católica, que é a verdade de Cristo. Leia todo o conteúdo do Blog e converta-se rapidamente, pois quem está fora da Igreja, está colocando em risco sua alma.
    Fato 8 - Os seus comentários são apenas opiniões pessoais, não tem importância para nós. Respondemos os seus comentários por educação e para sua conversão.
    Fato 9 - Para obter a salvação é necessário ser batizado e Católico, desta forma o Céu é Cátólico.
    Nossa Senhora Auxiliadora - Rogai por nós
    Jesuan Godke

    ResponderExcluir
  49. Meu caro JG.
    Você não me respondeu onde e quando Deus concedeu exclusividade à “santa” Madre sobre o Céu.
    Já quando você diz: “Fato 9 - Para obter a salvação é necessário ser batizado e Católico, desta forma o Céu é Cátólico.”, pergunto: e como fica o Céu em relação aos protestantes se, também, em relação a todos os seus seguimentos, há o batismo? Nesse caso, como você diz que é necessário ser batizado, bastou ter o batismo como fazendo parte do seu ritual para que o seguimento religioso tenha parte no Céu.
    Agora, me restou uma dúvida: como ficam os pobres dos católicos e protestantes que se converteram ao espiritismo e foram batizados em suas respectivas religiões? Será que se eles se juntarem, formando uma igreja (reunião de fiéis, independentemente do credo), será que eles terão uma partezinha no Céu? E existe uma com o nome de ICEU, cujo site é http://www.iceu.org/
    Fico aguardando uma resposta, confiando na tua educação e querendo ter um esclarecimento para ver se me converto ao seu credo...
    Abraços. Frazão

    ResponderExcluir
  50. Parte 1
    Sr. Frasão, Os ensinamentos que estamos publicando a seguir, tem o objetivo de alcançar o coração das pessoas honestas, que buscam incessantemente a verdade de Cristo.
    Nono artigo do “Credo”
    Da Igreja em geral
    O nono artigo do Credo ensina-nos que Jesus Cristo fundou sobre a terra uma sociedade visível, a qual se chama Igreja Católica, e que todas as pessoas que fazem parte desta Igreja estão em comunhão entre si.
    Depois do artigo que trata do Espírito Santo, fala-se imediatamente da Igreja Católica, para indicar que toda a santidade da mesma Igreja procede do Espírito Santo, que é o autor de toda a santidade.
    A palavra Igreja quer dizer convocação ou reunião de muitas pessoas.
    Nós fomos chamados para a Igreja de Jesus Cristo por uma graça particular de Deus, a fim de que, com a luz da fé e pela observância da lei divina, Lhe prestemos o culto devido, e cheguemos à vida eterna.
    Os membros da Igreja encontram-se parte no Céu, e formam a Igreja triunfante; parte no Purgatório, e formam a Igreja padecente; parte na terra, e formam a Igreja militante.
    Sim, estas diversas partes (da Igreja constituem uma só Igreja e um só corpo, porque têm a mesma cabeça que é Jesus Cristo, o mesmo espírito que as anima e as une, e o mesmo fim que é a felicidade eterna, que uns já estão gozando e que outros esperam.
    Este nono artigo do Credo refere-se principalmente à Igreja militante, que é a Igreja na qual estamos atualmente.
    A Igreja Católica é a sociedade ou reunião de todas as pessoas batizadas que, vivendo na terra, professam a mesma fé e a mesma lei de Cristo, participam dos mesmos Sacramentos, e obedecem aos legítimos Pastores, principalmente ao Romano Pontífice.
    Para alguém ser membro da Igreja, é necessário estar batizado, crer e professar a doutrina de Jesus Cristo, participar dos mesmos Sacramentos, reconhecer o Papa e os outros legítimos Pastores da Igreja.
    Os legítimos Pastores da Igreja são o Pontífice Romano, isto é, o Papa, que é o Pastor universal, e os Bispos. Além disso, sob a dependência dos Bispos e do Papa, têm parte no oficio de Pastores os outros Sacerdotes e especialmente os párocos.
    Porque Jesus Cristo disse a São Pedro, primeiro Papa: “Tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja, e dar-te-ei as chaves ao reino dos Céus, e tudo o que ligares na terra, será ligado no Céu; e tudo o que desligares na terra, será desligado também no Céu”. E disse-lhe mais: “Apascenta os meus cordeiros, apascenta as minhas ovelhas”.
    Todos os que não reconhecem o Romano Pontífice por seu chefe, não pertencem à Igreja de Jesus Cristo.
    Pode-se distinguir a verdadeira Igreja de Jesus Cristo, de tantas sociedades ou seitas fundadas pelos homens e que se dizem cristãs, por quatro notas características.Ela é Una, Santa, Católica e Apostólica.
    Digo que a verdadeira Igreja é Una, porque os seus filhos, de qualquer tempo ou lugar, estão unidos entre si na mesma fé, no mesmo culto, na mesma lei e na participação dos mesmos Sacramentos, sob o mesmo chefe visível, o Romano Pontífice.
    Não pode haver mais de uma Igreja, porque, assim como há um só Deus, uma só Fé e um só Batismo, assim também não há nem pode haver senão uma só Igreja verdadeira.

    ResponderExcluir
  51. Parte 2
    Chamam-se igrejas também o conjunto dos fiéis de uma nação ou de uma diocese, mas são sempre porções da Igreja universal, e formam com ela uma só Igreja.
    Chamo a verdadeira Igreja de Santa, porque Jesus Cristo, a sua cabeça invisível, é Santo, santos são muitos dos seus membros, santas são a sua Fé e a sua Lei, santos os seus Sacramentos, e fora d'Ela não há nem pode haver verdadeira santidade.
    Chamo a verdadeira Igreja de Católica, que quer dizer universal, porque abrange os fiéis de todos os tempos, de todos os lugares, de todas as idades e condições, e todos os homens do mundo são chamados a fazer parte d'Ela.
    A verdadeira Igreja chama-se também Apostólica, porque remonta sem interrupção até aos Apóstolos; porque crê e ensina tudo o que creram e ensinaram os Apóstolos; e porque é guiada e governada pelos legítimos sucessores dos Apóstolos.
    A verdadeira Igreja chama-se também Romana, porque os quatro caracteres da unidade, santidade, catolicidade e apostolicidade se encontram só na Igreja que tem por chefe o Bispo de Roma, sucessor de São Pedro.
    A Igreja de Jesus Cristo é constituída como uma sociedade verdadeira e perfeita. E n'Ela, como numa pessoa moral, podemos distinguir um corpo e uma alma.
    A alma da Igreja consiste no que Ela tem de interior e de espiritual, isto é, a Fé, a Esperança, a Caridade, os dons da graça e do Espírito Santo, e todos os tesouros celestes que lhe provieram dos merecimentos de Cristo Redentor e dos Santos.
    O corpo da Igreja consiste no que Ela tem de visível e de externo, quer na associação dos seus membros, quer no seu culto e no seu ministério de ensino, quer no seu governo e ordem externa.
    Não basta para nos salvarmos o sermos de qualquer maneira membros da Igreja Católica, mas é preciso que sejamos seus membros vivos.
    Os membros vivos da Igreja são todos os justos e só eles, isto é, aqueles que estão atualmente em graça de Deus.
    Membros mortos da Igreja são os fiéis que estão em pecado mortal.
    Fora da Igreja Católica, Apostólica, Romana, ninguém pode salvar-se, como ninguém pôde salvar-se do dilúvio fora da arca de Noé, que era figura desta Igreja.
    Todos os justos do Antigo Testamento se salvaram em virtude da fé que tinham em Cristo que havia de vir, por meio da qual eles já pertenciam espiritualmente a esta Igreja.
    Quem, encontrando-se sem culpa sua - quer dizer, em boa fé - fora da Igreja, tivesse recebido o batismo, ou tivesse desejo, ao menos implícito, de o receber e além disso procurasse sinceramente a verdade, e cumprisse a vontade de Deus o melhor que pudesse, ainda que separado do corpo da Igreja, estaria unido à alma d'Ela, e portanto no caminho da salvação.
    Quem, sendo muito embora membro da Igreja Católica, não pusesse em prática os seus ensinamentos, seria membro morto, e portanto não se salvaria, porque para a salvação de um adulto requer-se não só o Batismo e a fé, mas também as obras conformes à fé.
    Somos obrigados a acreditar todas as verdades que a Igreja nos ensina, e Jesus Cristo declarou que quem não crê, já está condenado.
    Somos obrigados a fazer tudo o que a Igreja manda, porque Jesus Cristo disse aos Pastores da Igreja: “Quem vos ouve, a Mim ouve, e quem vos despreza, a Mim despreza”.

    ResponderExcluir
  52. Parte 3
    Nas coisas que nos propõe para crer, a Igreja não pode enganar-Se, porque, segundo a promessa de Jesus Cristo, é sempre assistida pelo Espírito Santo.
    A Igreja Católica é infalível. Por isso aqueles que rejeitam as suas definições, perdem a fé, e fazem-se hereges.
    A Igreja Católica pode ser perseguida, mas não pode ser destruída nem perecer. Ela há de durar até ao fim do mundo, porque até ao fim do mundo Jesus Cristo estará com Ela, como prometeu.
    A Igreja Católica é tão perseguida, porque assim foi também perseguido o seu Divino Fundador, e porque reprova os vícios, combate as paixões e condena todas as injustiças e todos os erros.
    Todo e qualquer cristão deve ter para com a Igreja um amor ilimitado, considerar-se feliz e infinitamente honrado por pertencer a Ela, e empenhar-se pela glória e aumento d'Ela por todos os meios ao seu alcance.

    ResponderExcluir
  53. Parte 4
    Do Batismo
    Natureza e efeitos do Batismo
    O Batismo é o Sacramento pelo qual renascemos para a graça de Deus, e nos tornamos cristãos.
    O Sacramento do Batismo confere a primeira graça santificante, que apaga o pecado original e também o atual, se o há; perdoa toda a pena por eles devida; imprime o caráter de cristão; faz-nos filhos de Deus, membros da Igreja e herdeiros do Paraíso, e torna-nos capazes de receber os outros Sacramentos.
    A matéria do Batismo é a água natural, que se derrama sobre a cabeça do que é batizado, de maneira que escorra.
    A forma do Batismo é esta: Eu te batizo em nome do Padre e do Filho e do Espírito Santo.
    Batizar compete por direito aos Bispos e aos párocos; mas, em caso de necessidade, qualquer pessoa pode batizar, seja homem ou seja mulher, e até um herege ou um infiel, contanto que realize o rito do Batismo e tenha intenção de fazer o que faz a Igreja.
    Se houver necessidade de batizar alguém em perigo de morte, e estiverem muitas pessoas presentes, deverá batizá-lo o Sacerdote, se lá estiver; na sua falta, um eclesiástico de ordem inferior, e na falta deste, o leigo homem de preferência à mulher, a não ser que a perícia maior da mulher ou a decência exijam o contrário.
    Quem batiza deve ter a intenção de fazer o que faz a Santa Igreja ao batizar.
    Batiza-se derramando água sobre a cabeça do batizando, ou, não podendo ser sobre a cabeça, sobre qualquer outra parte principal do corpo, e dizendo ao mesmo tempo: Eu te batizo em nome do Padre e do Filho e do Espírito Santo.
    Se alguém derramasse a água, e outro proferisse as palavras, a pessoa não ficaria batizada; é necessário que seja a mesma pessoa que derrame a água e pronuncie as palavras.
    Quando não se tem certeza de que uma pessoa está viva ou morta, deve-se batizá-la sob condição, dizendo: Se estás vivo, eu te batizo em nome do Padre e do Filho e do Espírito Santo.
    As crianças devem ser levadas à Igreja para serem batizadas, o mais cedo possível.
    Deve-se ter suma solicitude em levar a batizar as crianças, porque elas pela sua tenra idade estão expostas a muitos perigos de morrer, e não podem salvar-se sem o Batismo.
    Os pais e as mães, que pela sua negligência deixam morrer os filhos sem Batismo, pecam gravemente, porque os privam da vida eterna; e pecam também gravemente, demorando muito tempo o Batismo, porque os expõem ao perigo de morrer sem o terem recebido.
    O adulto que se batiza deve ter, além da fé, a dor, pelo menos imperfeita, dos pecados mortais que tivesse cometido.
    Se um adulto se batizasse em pecado mortal, sem esta dor, receberia o caráter do Batismo, mas não a remissão dos pecados, nem a graça santificante; e estes efeitos ficariam suspensos, enquanto não fosse removido o impedimento pela dor perfeita dos pecados ou pelo Sacramento da Penitência.
    O Batismo é absolutamente necessário para a salvação, porque o Senhor disse expressamente: Quem não renascer na água e no Espírito Santo, não poderá entrar no reino dos céus

    ResponderExcluir
  54. Parte 5
    A falta do Batismo pode supri-la o martírio, que se chama Batismo de sangue, ou um ato de amor perfeito de Deus, ou de contrição, junto com o desejo, ao menos implícito, do Batismo, e este ato chama-se Batismo de desejo.
    Quem recebe o Batismo, fica obrigado a professar sempre a fé e a observar a lei de Jesus Cristo e da sua Igreja.
    Ao receber o santo Batismo renuncia-se para sempre ao demônio, às suas obras e às suas pompas.
    Por obras e pompas do demônio, entendem-se os pecados e as máximas do mundo, contrárias às máximas do Santo Evangelho.

    ===============================================

    Conforme o ensinamento da Santa Igreja, fica claro a dependência para salvação, do batismo e da profissão de fé Católica, respondendo sobre a questão do protestante que é batizado de forma válida.

    Você fala de forma correta, "pobres católicos", infelizmente estão colocando em risco a sua salvação. Quanto a questão proposta por V.Sa., no fato dos mesmos serem batizados, já havia respondido ao tratar da Igreja, no entanto repito a seguir:

    "Não pode haver mais de uma Igreja, porque, assim como há um só Deus, uma só Fé e um só Batismo, assim também não há nem pode haver senão uma só Igreja verdadeira".
    "Fora da Igreja Católica, Apostólica, Romana, ninguém pode salvar-se, como ninguém pôde salvar-se do dilúvio fora da arca de Noé, que era figura desta Igreja".
    "Somos obrigados a acreditar todas as verdades que a Igreja nos ensina, e Jesus Cristo declarou que quem não crê, já está condenado.
    Somos obrigados a fazer tudo o que a Igreja manda, porque Jesus Cristo disse aos Pastores da Igreja: “Quem vos ouve, a Mim ouve, e quem vos despreza, a Mim despreza
    Que Nossa Senhora interceda junto a Deus, para que você receba as graças necessárias para conhecer a verdade e converter-se o mais breve possível.

    Jesuan

    ResponderExcluir
  55. Meu caro JG.
    Com relação a esses cinco comentários, não pense você que vou entrar nessa de começar a dispersar a discussão, fugindo do ponto principal do meu comentário de 7 de novembro de 2011, 00:51, em que pedi que você me informasse onde, e quando, Deus concedeu exclusividade do Céu à “santa” Madre, e que você não me respondeu em nenhum deles.
    Além disso, você não respondeu a minha dúvida quanto a situação dos pobres católicos e protestantes que se converteram ao espiritismo e foram batizados em suas respectivas religiões e constituíram uma igreja (reunião de fiéis, independentemente do credo); para que você não alegasse que não responderia sobre hipótese, tive o cuidado de citar o nome de uma igreja de nome ICEU, cujo site é http://www.iceu.org.
    Portanto, meu caro, se você pretende que eu me converta, a primeira providência que você deve tomar é responder às minhas dúvidas, o que não está acontecendo, pois, toda vez que faço alguma indagação específica, você foge dela.
    E não é má vontade minha, já que a minha pretensão é procurar a verdade, pois só esta nos libertará. (Jo 8,32)
    Logo, meu caro JG, se você não tira minhas dúvidas, repito, não posso, nem quem quer que seja, ter a oportunidade de conversão, por falta de esclarecimentos; não por não querer entender, mas por falta dos teus esclarecimentos às dúvidas por mim apresentadas.
    Já com relação ao “Credo”, gostaria de ser informado em que parte ele se encontra na Bíblia, para poder cumpri-lo, pois só devemos cumprir aquilo que Deus, por intermédio do seu filho, nos manda observar.
    Finalmente, esclareço que só vou-me pronunciar com relação aos seus próximos comentários se neles você responder às dúvidas por mim levantadas.
    Abraços. Frazão

    ResponderExcluir
  56. Parte 1
    Eu já havia respondido suas questões, as quais estão inseridas nos comentários publicados anteriormente. Eu afirmei que o Céu é Católico!
    Para obter a salvação é necessário o batismo e a crença nos ensinamentos de Nosso Senhor transmitidas pela Igreja Católica.
    Então fica claro que um depende do outro, desta forma a pessoa precisa ser batizada e professar a fé Católica.
    Os textos a seguir, visam esclarecer o que é o batismo e sua necessidade para salvação, assim como a necessidade da Igreja Católica para a salvação, pois fora dela não há possibilidade nenhuma de ir para o Céu que é Católico.
    O que é o batismo?
    Deveras, é o batismo o primeiro e o principal sacramento da Igreja, uma vez que ele é o sacramento da adoção divina.
    O que isto significa? Todos nós temos uma vida natural que nos foi dada pelos nossos pais. Porém, por esta vida somos filhos de Adão e, por isso mesmo, somos marcados, desde nossa concepção, com o pecado original. Esta vida natural, cuja raiz mergulha no pecado, é estéril para o céu.
    Todavia, Deus, em sua suma bondade, quis dar a nós a participação em sua vida divina, "foi em Cristo que Deus nos escolheu ainda antes da criação do mundo, para sermos santos e imaculados diante d'Ele; predestinou-nos no seu amor, segundo o beneplácito da sua vontade, para sermos seus filhos adotivos, por Jesus Cristo, em louvor da magnificência da sua graça, pela qual nos tornou agradáveis a seus olhos, em seu amado Filho" (Efes. 1, 4-6).
    Ora, o meio regular, instituído por Cristo, para nascer para esta vida sobrenatural é o Batismo.
    "Em verdade, em verdade vos digo, que não pode entrar no Reino de Deus aquele que não renascer da água e do Espírito Santo." (S. João, 3 v. 4-8).
    Renascer da água e do Espírito Santo, porque sendo o homem composto de duas substâncias, corpo e alma, deve a água, que é visível, aplicar-se para a limpeza do corpo visível; e o Espírito, que é invisível, para a purificação da alma, que é invisível.
    Daí vem o significado da palavra "batismo", que quer dizer lavar. Porque quando o Padre derrama a água batismal sobre a pessoa dizendo as palavras sacramentais: "Eu te batizo em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo" são apagados, "lavados", todos os pecados da alma - seja o pecado original, seja o pecado atual. Deus, então, passa a habitar nossa alma, pela graça santificante.
    O Batismo é, pois este renascimento para a vida da graça. Ele é ministrado em nome da Santíssima Trindade – Pai, Filho e Espírito Santo – porque assim como o homem foi criado por Ela, "façamos o homem a nossa imagem e semelhança" (Gen. 1,26), assim também é obra das três pessoas da SS. Trindade este renascimento espiritual.
    A necessidade do Batismo é, pois, absoluta. Tanto como 'meio' quanto 'preceito'. É necessário como 'meio', pois sem o mesmo é impossível salvar-se. O batismo é necessário como 'preceito', pois o mesmo não pode ser omitido voluntariamente sem pecado.
    Cinco são os efeitos do Batismo:
    1º) Remissão de todos os pecados: Original e Atual O Batismo apaga todos os pecados. O pecado original devido pela culpa de nossos primeiros pais. Os pecados atuais devidos por nossas próprias culpas.
    "Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo para a remissão dos pecados" (Atos 2:38).

    ResponderExcluir
  57. Parte 2
    2º) Remissão da culpa temporal O Batismo não só apaga os pecados, mas redime também a culpa devida por eles. De tal forma, que não há necessidade de satisfação pelas culpas passadas. Se o batizado morrer antes de cometer algum pecado ele irá diretamente para o céu (ex: negar a necessidade da Igreja para sua salvação).
    3º) Infusão da graça sobrenatural, dos dons do Espírito Santo e das Virtudes O Batismo, possui outro efeito, ele infunde em nossa alma a graça santificante que nos torna filhos adotivos de Deus e nos confere o direito da glória do Céu. Infunde também os dons do Espírito Santo e todas as virtudes.
    4º) Confere o direito á graças especiais. Para os adultos, o Batismo confere graças especiais a cada um em particular, para que se possa cumprir os deveres de estado.
    5º) Impressão do Caráter na alma. Finalmente, o Batismo, uma vez validamente conferido, não mais poderá ser repetido. O Batismo grava em nossa alma uma marca como um sinal indelével que nos diferenciará para sempre de todos quantos não são batizados.
    Tal ação simboliza eficazmente duas verdades:
    1) a morte ao pecado, ou seja, a tudo quanto contraria a Deus, significa a renúncia ao pecado, a Satanás, a suas obras e pompas;
    2) a vida para Deus marcada pela fé na Igreja de N. Senhor, e pela prática de uma vida virtuosa. Diz S.Paulo: "Fomos sepultados com Cristo pelo Batismo em união com sua morte, a fim de que, assim como Cristo ressuscitou de entre os mortos pelo poder glorioso do seu Pai, assim também nós caminhemos agora numa vida nova" (Rom. VI-3-13).

    Profissão de fé na Igreja Católica
    Para responder sua pergunta, ressalto em primeiro lugar o que é dogma: "Fora da Igreja não há salvação", conforme proclamaram o IV Concílio de Latrão e o Syllabus de Pio IX, este último tratando do liberalismo e sua esperança de que qualquer religião poderia salvar, especialmente o protestantismo que se diz cristão. Pio IX declarou errada a tese de que "Pelo menos deve-se ter fundadas esperanças sobre a eterna salvação de todos aqueles que não se acham de modo algum na verdadeira Igreja de Cristo" (Pio IX, Syllabus).
    Portanto, normalmente, deve-se crer que eles não se salvarão.
    E o mesmo deve-se pensar de todos os que não pertencem à Igreja.
    Entretanto, é preciso notar, isso não quer dizer que uma pessoa não católica esteja fatalmente votada à perdição.
    E por que não?
    Porque alguém que não pertence ao corpo da Igreja, pode entretanto pertencer à sua alma.
    Tomemos o caso de um índio aqui do Brasil, antes da chegada dos portugueses. Como poderia ele se salvar sem conhecer Cristo? São Paulo nos diz que aqueles que não conheceram a salvação por impossibilidade absoluta – é o caso desse índio – serão julgados por Deus de acordo apenas com a Lei natural, que está impressa na natureza de todo ser humano.
    Você sabe bem que a Lei Eterna é a própria vontade de Deus, que jamais muda.
    A lei natural é essa mesma vontade de Deus, mas enquanto governa a natureza. Ora, como a vontade de Deus nunca muda, nem pode mudar, as leis naturais jamais mudam.

    ResponderExcluir
  58. Parte 3
    Da Lei natural é que decorre - ou deve decorrer - toda lei positiva, divina ou humana, eclesiástica ou civil, costumeira ou escrita.
    Tome, por exemplo, uma lei de trânsito que proíba duas mãos de direção numa rua, porque ela é muito estreita. O que a lei de trânsito fez foi apenas aplicar a um caso concreto uma lei natural maior: dois corpos não podem ocupar, ao mesmo tempo, o mesmo lugar no espaço.
    Quando uma lei positiva vai contra uma lei natural, ela é inválida e não pode ser obedecida. Por isso, nunca uma lei permitindo o aborto é válida, já que viola a lei natural.
    O selvagem, qualquer que ele seja, conhece a lei natural, de que os dez mandamentos são uma mera expressão.
    A Moral natural tem certos princípios que são conhecidos por todos os homens. Assim, o princípio generalíssimo da Moral é: "O bem deve ser feito, e o mal deve ser evitado".
    Com esse princípio generalíssimo, todos concordam. A discordância começa quando se pergunta o que é o bem e o que é o mal moral.
    Desse princípio generalíssimo, decorrem três princípios gerais da Moral
    1º.Princípio Geral da Moral: A vida física é um bem e deve ser preservada
    Esse princípio também é conhecido de todos os homens, pelo instinto de conservação. Qualquer homem, tendo ameaçada sua vida, se defende instintivamente. Por isso todo homem sabe que a vida humana é um bem que deve ser preservado.
    Em razão disso, todo índio, sendo aprisionado, esperneia, porque não quer morrer. Se ele captura um inimigo e tenta matá-lo, o inimigo também esperneia, porque não quer morrer. Ele sabe que a vida do outro lhe é preciosa, tanto quanto a sua. Por isso, se ele mata alguém, ele sabe que agiu mal. Assim, todo selvagem conhece o quinto mandamento.
    Dessa noção ele retira também a compreensão de que não se deve roubar o alimento de outrem, porque isso, a longo termo, o matará. Daí todo selvagem lutar por seu território de caça, ou por suas plantações. Todo selvagem conhece, portanto, o 7. mandamento: Não roubar
    2o. Princípio Geral da Moral: A vida da espécie é um bem e deve ser preservada
    Não só a vida pessoal é um bem, mas qualquer homem compreende que a vida da humanidade é um bem ainda maior. Por isso, todo homem, naturalmente, deseja propagar a espécie, tendo filhos. Isso todo o mundo conhece através do instinto de reprodução sexual.
    Por essa razão, todo homem quer defender seus filhos e sua esposa. Daí o adultério revoltar qualquer esposo ou esposa.
    Como conseqüência do conhecimento de que a perpetuação da espécie é um bem, todo homem sabe:
    - que deve honrar os pais, porque deram vida aos filhos pela união conjugal (quando o ato sexual é realizado fora do matrimônio e não visa dar vida, é sempre desonroso. Noutra carta, posso explicar-lhe melhor o "Honrar"). O honrar inclui serviço, obediência, auxílio e assistência. Em todos os povos, por mais selvagens, o respeitar os pais sempre foi lei conhecida.
    - Não cometer adultério.
    - Não agir sexualmente de modo errado.
    Daí, todo homem conhecer o 4., o 6. e o 9. Mandamentos.

    ResponderExcluir
  59. Parte 4
    3o. Princípio Geral da Moral: A vida intelectual é um bem e deve ser preservada e desenvolvida
    Toda homem quer saber o que as coisas são. Todo homem quer saber a verdade. Isso não decorre de um instinto — como os dois princípios anteriores – e sim da tendência do homem para saber, porque Deus fez o homem para conhecê-Lo.
    Dessa tendência natural do espírito humano decorre a condenação da mentira e o amor à verdade, e portanto o amor a Deus, Verdade absoluta.
    Dessa tendência para a verdade, que nos leva a Deus, decorrem os mandamentos 1., 2., 3. e 8.
    Como exemplo, resumo para você os 42 pecados que o Livro dos Mortos dos pagãos enumerava, e que a alma devia negar ter praticado diante de Osiris. Eu os colocarei em outra ordem, para facilitar a sua compreensão:
    1 – Adorei os deuses.
    2 - Cumpri minhas promessa aos deuses.
    3 - Freqüentei os templos.
    4 - Não fiz minha mãe chorar.
    5 - Não matei.
    6 - Fui puro. Fui puro. Fui puro.
    7 - Não mudei a cerca de lugar (Não fui do MST...)
    8 - Não caluniei.
    9 - Não cometi adultério. (O 10. mandamento era decorrência do 7.)
    Isso mostra como esses pagãos conheciam a lei natural.
    Se um pagão que não tivesse oportunidade de conhecer a revelação – era o caso de nossos índios antes da descoberta do Brasil – obedecesse a Lei natural, ele se salvava, porque, embora não pertencesse ao corpo da Igreja, pertencia à sua alma. Ele tinha o que a Igreja chama de batismo de desejo. Se ele obedecia a lei natural, era claro que, se conhecesse a revelação, ele a aceitaria.
    O caso que você põe (do protestante) é bem mais complicado.
    Suponhamos um protestante que não tivesse meio algum de conhecer a religião Católica. Esse protestante teria que ser uma criança educada no protestantismo, sem instrução histórica e sem contato com católicos. Se ele for sincero e buscar a Deus, ele terá que ler a Bíblia e estudar a origem do protestantismo.
    Lendo a Sagrada Escritura, se for sincero, encontrará lá muitas coisas que condenam o protestantismo tal qual ele é ensinado. Por exemplo, ele terá que ter devoção a Nossa Senhora, porque em São Lucas lerá que ela foi bendita entre todas as mulheres, e em São João lerá que Jesus deixou-nos Maria por mãe, etc. Ele lerá em São Mateus que Cristo fundou a Igreja sobre Pedro. Lerá que não adianta ler a Bíblia apenas (Atos cap. VIII).
    Ele, sendo sincero, ficará católico de alma. E, se tiver a oportunidade de conhecer um católico, se converterá.
    Também pelo estudo da história da religião protestante – que ele tem obrigação de conhecer – ele chegará facilmente à conclusão que a Igreja Católica é a verdadeira.

    ResponderExcluir
  60. Final
    Um amigo meu teve a visita de um pastor de uma igrejola qualquer. Perguntou-lhe: "Há quantos anos existe sua seita? "O pastor respondeu: "Há dezessete anos".
    Contestei-lhe: "Então ela é mais nova que minha sobrinha."
    Como é possível que Cristo tivesse esperado 2.000 anos para fundar sua igreja?
    Como pode alguém, sendo sincero, permanecer protestante, se o protestantismo afirma: "Cada homem tem o direito de interpretar a Escritura como quiser, pois é sempre inspirado pelo Espírito Santo". Se fosse assim, todas as interpretações da Bíblia seriam verdadeiras. Entretanto, para eles, a interpretação dos católicos é falsa.
    Caso, então, o tal protestante seja sincero, ele ficará facilmente católico, porque Deus não abandona ninguém, e dará graças para este protestante sincero encontrar a verdadeira religião.
    Logo, se houver um protestante sincero – o que é bem difícil, ou quase impossível, excetuando o caso de crianças – ele pertencerá à alma da Igreja e poderia se salvar. Mas, normalmente, não se pode esperar bem da salvação de nenhum herege, porque "Fora da Igreja não há salvação".
    É preciso lembrar que Deus não condena ninguém sem culpa.

    Obs: Agradeço ao Site Montfort pela contribuição sempre disponível para defender a Doutrina da Santa Igreja Católica.

    ResponderExcluir
  61. Meu caro JG.
    Que você afirmou que o Céu é católico, eu e todos os que estão nos acompanhando sabemos; e foi por isso que eu, em resposta ao teu comentário do dia 06/11/2011, às 11:13, perguntei no meu comentário de 07/11/2011, às 00:51, onde, e quando, Deus concedeu exclusividade à “santa madre” sobre o Céu, a fim de que você o considere como de uso exclusivo dos fiéis da igreja católica, pergunta até hoje não respondida, mas que você procura tergiversar, falando sobre a necessidade do batismo católico e outras evasivas, pensando que eu vou cair nessa de me pronunciar sobre essas novas colocações e sair do foco da discussão, do qual o Giulio foi jogado para escanteio e entrou você na jogada, na tentativa de alterar o rumo da discussão; mas te lembro que centrei a bússola nele e liguei o piloto automático, o que não vai me permitir perder o destino que é o de conseguir uma resposta sobre a tal da exclusividade dada à “santa madre” sobre o céu, em detrimento de todos os demais seguimentos religiosos.
    Como você está continuando com a mesma lengalenga, do céu católico e da salvação pelo batismo, sem me responder sobre a concessão do céu à igreja católica, esclareço que, a cada vez que você vier com repetições de que o céu é católico, continuarei a cobrar a resposta sobre o local e data da concessão do céu à igreja; desculpe-me pela repetição, mas não me sentirei constrangido em repetir essas cobranças, pois só estarei devolvendo as tuas repetitivas evasivas.
    Logo meu caro, como o meu nome é João, e se você conhece a piada do Joãozinho sobre o dá logo, peço que me responda logo, ainda que pela negativa de existência da declaração de concessão de exclusividade do Céu à religião católica, pois não descansarei enquanto não a receber; a não ser que você bloqueie meus comentários, o que representará uma confissão de que essa exclusividade não existe.
    Abraços e boa noite, porque já se faz tarde. Frazão

    ResponderExcluir
  62. Repetindo, por não ter sido publicado nem respondido:
    “Meu caro JG.
    Ainda em relação ao teu comentário de 9 de novembro de 2011 22:49.
    Você é quem não está querendo me entender, pois, desde o início, eu digo que Lutero cometeu o crime de homicídio, mas que, em decorrência desse homicídio, o prior cometeu o acoitamento ao dar guarida a um homicida, conforme o próprio “Dom” Licínio informa isso no artigo.
    Agora, não entendo a disparidade entre o teu entendimento e o do GG com relação ao fato de que o GG entende que o convento não podia pecar (dar asilo), mas, sim, o seu prior, enquanto você me vem com essa de que o convento é que deu asilo; e com a desculpa de que os pecados dos seus integrantes não podem ser atribuídos a ela!...
    Ora, meu caro JG, mostre-me uma entidade que tome uma atitude sem ser por intermédio de pessoas que agem em nome dela!... Consequentemente, se uma pessoa, que faz parte da estrutura hierárquica de uma entidade, toma uma atitude em seu nome, essa entidade é quem assume as responsabilidades dela decorrentes. É só ver as polpudas indenizações pagas pela “santa” Madre nos Estados Unidos, por danos morais causados às vítimas de pedofilia praticada por padres pertencentes à sua estrutura hierárquica; ou você desconhece esses fatos?
    Veja que o asilo dado ao então estudante Lutero foi concedido em decorrência de algum tratado entre a entidade Igreja e o Estado que, na época, detinha jurisdição sobre o território onde hoje se encontra a Alemanha; senão o asilo não teria validade; não é?!
    Portanto, meu caro, não me venha com mais esse sofisma, de que quem peca são os seus membros; isso porque, a Igreja não pode ter vontade própria, por ser uma pessoa jurídica (e não divina), hipótese em que os atos jurídicos por ela praticados sempre serão decorrentes da vontade de uma pessoa física que a represente. Você esqueceu que até o papa, que é o seu representante máximo, é eleito por vontade de pessoas físicas pertencentes aos seus quadros hierárquicos...
    E mais: se você não critica os pecados cometidos pelos representantes da “santa” Madre, como pode você querer julgar uma pessoa que não pertence aos quadros da entidade a que você diz seguir, sem que você faça parte de sua estrutura hierárquica?
    Ou você é mais um instrumento que a igreja está se utilizando para dizer as coisas e ficar isenta de críticas, na hipótese de se aventar que ela está julgando uma pessoa que não é seu fiel?...
    E não me venha dizer que sou eu quem está sofismando...
    E mais: não tente desviar o assunto principal, que é o problema do homicídio praticado por Lutero e a guarida a ele dada no convento, sob a forma de “asilo”, com base em um acordo entre a Igreja e um Estado laico, pois, desde o início, o que estou contestando é o fato de chamá-lo de homicida e, ao mesmo tempo, conceder-lhe asilo, fato esse que me levou a comparar tal atitude à de uma mulher que conviveu com um homem durante anos, sabendo dos crimes que ele cometia e só denunciá-lo às autoridades, após ela ter sido abandonada por ele.”
    Abraços. Frazão

    ResponderExcluir
  63. Frazão, Salve Maria!
    Primeiro vou rezar uma ave-maria por sua alma.
    1) Publiquei o seu comentário
    2) O tempo que levamos para publicar os comentários é um problema exclusivamente nosso e não preciso lhe dar satisfação
    3) A nossas respostas são prontas, como você diz, pois apenas repetimos os ensinamentos da Santa Igreja nos últimos 2.000 anos, diferente do Frazão que a cada dia muda de opinião (coisa de protestante)
    4) Diferente do Frazão, não escrevemos opiniões pessoais e sim verdades, não as nossas, mas de Nosso Senhor
    5) O artigo de Dom Licínio (já falecido) não apresenta ponto de vista e sim um fato histórico
    6) Leia com atenção os comentários e provavelmente conseguirá identificar os autores, pois os mesmos estão assinados
    Antes de morrer, Pedro Jorge Frassati, que contava somente com vinte e quatro anos de idade, fez a seguinte profissão de fé:
    - Cada dia compreendo melhor a graça de ser Católico. Pobres, infelizes os que não tem fé. Viver sem a fé, sem uma herança que se possa defender, sem uma verdade que se possa sustentar por um combate contínuo, não é viver, é vegetar. Não devemos vegetar, devemos viver; porque, apesar de todas as decepções, devemos lembrar-nos sempre que somos os únicos a possuir a verdade. Temos a fé que defender, e a esperança de chegar à nossa pátria. Para o alto os corações e avante sempre pelo triunfo do reinado de Cristo na sociedade.
    Uso as palavras de Jorge Frassati como se fossem as minhas.
    Jesuan

    ResponderExcluir
  64. Repetindo, o Céu é Católico, mesmo que o Frazão continue a espernear.
    1) A lógica do Frazão: Um médico matou sua mulher e a Associação médica foi condenada pelo crime do médico
    2) Onde você encontrou no artigo, que a atitude de alguns superiores do convento, foi autorizada pela Santa Igreja. Chego a conclusão que você tem dificuldade para entender as coisas ou é mal intencionado
    3)Com o livro escrito no comentário atual, voltamos a estaca zero. Estranho que em um comentário anterior você já estava cantando vitória e satisfeito com minha resposta, mas o Frazão é como o vento nunca se sabe para que lado irá soprar
    4) Vou publicar o seu comentário para os nossos leitores, terem a oportunidade de ver na prática o que significa chover no molhado.
    5) Quando eu tiver tempo respondo o outro comentário.
    Passe muito bem

    Que Nossa Senhora te proteja
    Jesuan

    ResponderExcluir
  65. Caro JG.
    Refere-se ao seu comentário de 17 de novembro de 2011 23:17
    Primeiramente, agradeço tua ave-maria por minha alma, se realmente for de coração, coisa que me diz que não, face à tua atitude prepotente ao dizer, logo em seguida: “e não preciso lhe dar satisfação”.
    Mas vamos ao que interessa.
    Quando você diz que tuas respostas são prontas, porque vocês repetem “os ensinamentos da Santa Igreja nos últimos 2.000 anos, diferente do Frazão que a cada dia muda de opinião (coisa de protestante)”, você, JG, está demonstrando, claramente, que não tem opinião própria sobre o fato; por isso é que te alerto no sentido de que tome cuidado, pois é nesses casos que as “ovelhas” são induzidas por pastores (quando digo pastores, estou falando no sentido de dirigente e não da função) a dizerem o que eles querem, sem que eles apareçam, como, suponho, no caso presente, onde você, possivelmente, está sendo utilizado no embate direto comigo, sem que apareça o verdadeiro autor; ou seja, ele só fica manipulando os barbantes como nos teatros de mamulengos.
    Não é querendo criar dissensão entres vocês e seus eventuais superiores, mas apenas alertando para esse fato, pois, no caso de vocês “ganharem” a contenda, eles ganharão os méritos perante vocês, enquanto vocês, se não “vencerem”, ficarão com a pecha de incompetentes perante a opinião pública, mas, como eles dirão, com o “consolo” de que vocês devem sentir orgulho de receberem o escárnio, a exemplo do que aconteceu com o Cristo, Jesus.
    Quanto ao fato de “Dom” Licínio estar ou não falecido não altera a situação, pois se trata de uma opinião baseada em uma informação de outra pessoa (que ele considerou como verdade), a exemplo do que considero verossímil qualquer uma das duas versões biográficas a seguir citadas, já que contam o mesmo fato de forma semelhante:
    Em http://www.monergismo.com/textos/biografias/lutero_storms.htm lemos:
    “Aos 18 anos de idade, ele entrou na Universidade de Erfurt e recebeu seu Bacharel em Artes em 1502 e seu Mestre em Artes em 1505. Seguindo os desejos de seu pai, ele se preparou para a carreira em Direito. Contudo, dois eventos mudaram o curso de sua vida. Primeiro, ELE FOI ABALADO PELA MORTE SÚBITA DE UM AMIGO ÍNTIMO. Segundo, logo após isto, em 2 de Julho de 1505, ele foi pego numa violenta tempestade com trovões perto de Erfurt, e ficou tão aterrorizado que ele caiu no chão e gritou: “SANTA ANA, AJUDE-ME E ME TORNAREI MONGE!” (Ana era a santa padroeira dos mineiros e das pessoas em perigos nas tempestades com trovões). Ele imediatamente se uniu ao convento Agostiniano em Erfurt, para completa consternação de seu pai.”(grifei)
    Já em http://www.monergismo.com/textos/historia/historia_vida_lutero_fox.htm consta:
    “Em 1501, foi enviado à Universidade de Erfurt, onde passou pelos costumeiros cursos de lógica e filosofia. Aos vinte anos de idade, recebeu o título de licenciado, e passou logo a ensinar a física de Aristóteles, ética e outros assuntos ligados à filosofia. Posteriormente, por indicação de seus pais, dedicou-se à lei civil, a fim de trabalhar como advogado; porém, foi separado desta atividade devido ao incidente relatado a seguir.
    Ao andar certo dia pelos campos, foi lançado ao solo por um raio, enquanto um amigo morreu ao seu lado. Este fato afetou-o de tal modo que, sem comunicar o seu propósito a algum de seus amigos, retirou-se do mundo e enclausurou-se junto à ordem dos eremitas de Santo Agostinho.”
    Continua... postado aproximadamente às 18:15 de 18-11-2011, hora de Brasília

    ResponderExcluir
  66. ...Continuação refere-se ao poste 17 de novembro de 2011 23:17
    No entanto, diversamente é dito neste artigo:
    “O Dr. Dietrich Emme, em seu livro: "Martinho Lutero - sua juventude e os seus anos de estudos, entre 1483 e 1505", Bonn, 1983, afirma que Lutero entrou no Convento só para não ser submetido à justiça criminal, cujo resultado teria sido, provavelmente, a pena de morte, por ter matado em duelo um seu colega de estudos chamado Jerônimo Buntz. Daí o seu "medo da morte" ao qual se referia freqüentemente. Então um amigo o aconselhou a se refugiar no Convento dos Eremitas de Santo Agostinho, que então gozava do direito civil de asilo, que o colocava ao abrigo da justiça. Foi aí que se tornou monge e padre agostiniano.”
    Como você e o leitor poderão notar, são três versões para o mesmo fato (motivo da ida de Lutero para o convento):
    a) a primeira diz que ele perdeu um amigo por morte súbita e em seguida ele foi pego em uma violenta tempestade com trovões, ficando tão aterrorizado que caiu no chão e gritou: “Santa Ana, ajude-me e me tornarei monge!”;
    b) segunda diz que na tempestade ele foi lançado ao solo por um raio, enquanto um amigo morreu ao seu lado;
    c) já a deste artigo declara que Lutero matou em duelo um seu colega de estudos.
    Como se vê, as duas primeiras citam uma violenta tempestade, sendo que a primeira menciona só trovões, enquanto a segunda menciona raios e que um desses raios veio a matar um amigo seu.
    Como são três versões distintas, embora duas semelhantes, por mencionarem uma tempestade e a do artigo escrito pelo “Dom” Licínio, dizendo que Lutero foi quem matou o seu colega de estudos, faço a seguinte indagação:
    Qual das três é a versão verdadeira, e em que documentos elas (biografias) se basearam como prova?
    Será que os ensinamentos da Santa Igreja nos últimos 2.000 anos têm alguma resposta?

    Quanto a tua citação relativamente ao jovem Pedro Frassati, esclareço que um filho meu, sem religião definida, porque acredito no livre arbítrio dado por Deus, faleceu em um acidente de automóvel, aos 23 anos e tenho certeza de que ele está perto do Mestre, pois transmiti a ele os ensinamentos do Mestre Jesus e tenho plena convicção de que ele os absorveu, independentemente de credo religioso, já que Deus não faz acepção de pessoas, conforme sustentam as três pilastras do Cristianismo (Tiago, Paulo e Pedro).
    Se você duvida do que eles disseram, sugiro conferir na tua Bíblia, que deve ter mais palavras do que a dos protestantes.
    Só espero que você publique este comentário, postado aproximadamente às 18:17hs, horário de Brasília, deste dia 18 de novembro de 2011, antes de tua resposta pronta, para que os leitores tenham noção de quanto tempo uma resposta pronta, referente ao comentário proposto, demora para ser publicada.
    Abraços. Frazão

    ResponderExcluir
  67. seu ao post 17-11-2011 23:47
    Meu caro JG.
    Você disse: Repetindo, o Céu é Católico, mesmo que o Frazão continue a espernear.
    Diz o Frazão: não estou esperneando nem mais discutindo se o Céu é ou não católico, pois sei que você não tem provas convincentes para responder afirmativamente; o que estou pedindo é que você me responda onde, e quando, Deus concedeu a exclusividade do Céu à “SANTA MADRE IGREJA CATÓLICA APOSTÓLICA ROMANA”; não sei se não fui claro, ou se é você que não está querendo demonstrar que entendeu, por não ter condições de encontrar a “DECLARAÇÃO DE CONCESSÃO DE EXCLUSIVIDADE DO CÉU À IGREJA CATÓLICA...
    Mas vamos aos demais pontos, item a item:
    1) A lógica do Frazão: Um médico matou sua mulher e a Associação médica foi condenada pelo crime do médico
    Frazão: essa é a sua lógica, pois a minha é a de que, usando o seu exemplo, a Associação médica foi condenada porque um dos seus dirigentes, componente da sua estrutura administrativa, como o prior do convento, tomou uma atitude contrária ao seu código de ética, e não um dos seus associados, a exemplo de um fiel, em relação à igreja; a não ser que você entenda que o acoitamento de um criminoso não fira a ética da igreja; nesse caso, desculpe-me pelo jogo de palavras, posso entender que, mesmo se declarando um bom cristão, nesse caso, para você, a ética é apenas uma questão de ótica (embora uma ótica caolha).
    2) Onde você encontrou no artigo, que a atitude de alguns superiores do convento, foi autorizada pela Santa Igreja.
    Frazão: quando me referi à atitude do acoitamento, não foi no sentido jurídico de considerar o Estado do Vaticano perante o poder político da região onde se encontrava o convento, mas à atitude (do convento ou do prior) sob o aspecto da moral religiosa; isso porque, sob o aspecto político, o Vaticano age como um Estado soberano, enquanto que, sob o aspecto ético/moral, é a instituição religiosa igreja que age; não sei se você captou o sentido da coisa; se não, peço desculpa pela minha incapacidade de te transmitir o meu pensamento; mesmo assim, peço compreensão de tua parte, sugerindo que você leve esse meu entendimento a algum componente do site, que tenha estudado sobre a diferença entre a estrutura política do Vaticano, como Estado soberano, e a da igreja, como instituição religiosa. Aí, quem sabe, você possa entender o que estou dizendo; a não ser que o interesse sobrepuje a ética, no sentido de não ser demonstrada a incongruência de chamar uma pessoa de homicida, ao mesmo tempo em que foi concedida guarida a esse criminoso, ainda que sob a denominação político/diplomática de asilo.
    Continua... Postado aproximadamente às 18:58, de 18-11-2011

    ResponderExcluir
  68. ...Continuação refere-se ao seu ao post 17-11-2011 23:47
    3) Com o livro escrito no comentário atual, voltamos a estaca zero. Estranho que em um comentário anterior você já estava cantando vitória e satisfeito com minha resposta, mas o Frazão é como o vento nunca se sabe para que lado irá soprar
    Frazão: onde, meu caro, eu cantei vitória, se apenas eu pedi a você, durante todo esse tempo, informação sobre a DECLARAÇÃO DE EXCLUSIVIDADE DO CÉU, dada à igreja? Se foi por isso, até agora estou ganhando, pois você ainda não me informou onde, e quando, ela foi assinada por Deus, nem onde ela consta na Bíblia. Portanto, até que me seja fornecida a informação sobre data e local, continuarei acreditando que você ainda não conseguiu ganhar essa; consequentemente...
    4) Vou publicar o seu comentário para os nossos leitores, terem a oportunidade de ver na prática o que significa chover no molhado.
    Frazão: se chover no molhado é pedir insistentemente uma resposta a uma pergunta porque, persistentemente, ela não está sendo respondida por quem deveria respondê-la (sendo, a cada cobrança, apresentada uma nova esquiva para não responder), garanto que vou continuar chovendo no molhado; mas com a certeza: não haverá encharcamento, já que a mente de alguns fiéis está devidamente compactada pela contínua sedimentação das mentiras recebidas e da prepotência hipócrita a eles transmitida através dos séculos.
    5) Quando eu tiver tempo respondo o outro comentário.
    Passe muito bem
    Que Nossa Senhora te proteja
    Jesuan
    Pelo que está dito por você nessa parte final passo ter a certeza de que não pratiquei nenhuma atitude agressiva contra você quando falei prepotência hipócrita no item anterior.
    Só espero que você cumpra o prometido e publique esse meu comentário para, realmente, ficar caracterizado que chovi no molhado. Postado próximo às 19:00, de 18-11-2011
    Abraços. Frazão

    ResponderExcluir
  69. Frazão, Salve Maria a mãe de Meu Senhor!
    Deus é um só. Ele é infinitamente bom e quer que tenhamos felicidade eterna com Ele no céu. Para isso, Ele exige que creiamos no que Ele revelou e obedeçamos a lei que estabeleceu: os dez amandamentos.
    Para nos ensinar o caminho de nossa salvação, a religião pela qual somos salvos, ele fundou uma só Igreja. Esta Igreja tem que ser aberta a todos (judeus e não judeus, ricos e pobres, nobres e plebeus, sábios e ignorantes, etc). Sendo a religião ensinada pela única Igreja aberta a todos, ela é universalmente aberta a todos. Por isso ela é Católica (Universal, para todos). E já santo Agostinho a Chamava assim na obra Cidade de Deus.
    Essa única religião Cristo determinou que seus Apóstolos a ensinassem a todos. Por isso essa única Religião é Apostólica, isto é, tem que vir de Jesus Cristo através de São Pedro e dos demais Apóstolos e de seus sucessores, o Papa e os Bispos que seguem o Papa sucessor de São Pedro.
    São Pedro foi o Apóstolo a quem Jesus deu as chaves do reinos dos céus e sobre Pedro Ele disse que fundaria a sua Igreja. E como São Pedro se estabeleceu como Bispo em Roma e morreu em Roma confessando a Cristo como Deus, a Igreja Católica e Apostólica é também chamada de Romana, pois reconhece São Pedro como o chefe supremo da Igreja que ensina a única religião de Cristo Deus.
    E para fazer parte da Igreja Católica é absolutamente necessário o batismo, onde concluímos que para ser salvo e necessário o batismo e a catolicidade. Portanto apenas os Católicos podem salvar suas almas. Desta forma o Céu é Católico.
    Jesuan

    ResponderExcluir
  70. Frazão Salve Maria!
    Mostre-me a assinatura de Deus nas Sagradas Escrituras (Bíblia). Como você não encontrará a assinatura de Deus, não posso usar a mesma como base para minha argumentação, pois o Frazão apenas aceita provas assinadas por Deus, com data e local da assinatura.
    Eu não estou interessado em vencer, mas tenho certeza que a Verdade Católica já venceu.
    Você choveu no molhado.
    Jesuan

    ResponderExcluir
  71. Frazão,
    Diferente dos protestantes que acreditam em uma salvação sem méritos e fogem da cruz (sofrimenteo), nós Católicos não temos a certeza de nossa salvação, mas temos a esperança da salvação de nossos entes queridos.
    Jesuan

    ResponderExcluir
  72. Salve Maria!
    Frazão, já está melhorando, você aceitou minha ave-maria. Tenha a certeza absoluta que minha oração foi do fundo do coração, pois sempre desejo o Bem Absoluto que é Deus para todas as pessoas.
    Quanto a opinião própria, você acertou, não tenho opinião própria em relação a fé, pois a minha opinião é falível, igual a sua. No entanto eu defendo as Verdades e Ensinamentos de Cristo, pois sou Católico Apostólico Romano, Verdades e Ensinamentos contidos nas Sagradas Escrituras, na Tradição da Igreja e no seu Magistério Infalível.
    Eu sou obediente aos meus superiores (Papa, Bispos, Párocos e meu Pai), enquanto ensinam e professam a fé Católica.

    Lutero, com base nas anotações de seus seguidores.

    Lutero disse muitas blasfêmias sobre Cristo. Em suas "Conversas à Mesa" [Tischreden, em alemão] -- que eram anotadas por seus admiradores e que foram editadas em forma de livro, Lutero dizia as piores coisas sobre Deus e Cristo.

    Texto de Lutero tal qual foi publicado no livro dele "Conversas à Mesa" (perdoe-me citar essa blasfêmia, mas é para que se conheça quem foi Lutero):
    "Cristo Adúltero. Cristo cometeu adultério pela primeira vez com a mulher da fonte [do poço de Jacó] de que nos fala São João. Não se murmurava em torno dele: "Que fez, então, com ela? " Depois, com Madalena, depois, com a mulher adútera, que ele absolveu tão levianamente. Assim, Cristo, tão piedoso, também teve que fornicar, antes de morrer" (Lutero, Tischredden, Conversas à Mesa, N* 1472, edição de Weimar, Vol. II, p. 107, apud Franz Funck Brentano, Martim Lutero, Ed Vecchi Rio de Janeiro 1956, p. 15).
    Noutra ocasião, Lutero balsfemou contra Deus, ao dizer que Deus age como louco ou como muito tolo:
    "Deus est stultissimus" (Lutero, Conversas à Mesa, ed Weimar, N* 963, Vol. I , p. 487. Apud Franz Funck Brentano op. cit. p. 147).
    Doutra vez, ao falar Lutero do destino, ele culpava Deus por todos os crimes , e dizia que Judas não podia deixar de trair Cristo, nem Adão tinha liberdade para não pecar. Considerando que era Deus que determinava os pecadores a pecar, Lutero concluia dizendo "Deus age sempre como um louco" (Franz Funck Brentano, Martim Lutero, p. 111).
    Recentemente foram descobertos os cadernos pessoais de Lutero. Eles foram estudados pelo Padre Theobald Beer que publicou um livro sobre eles.
    Nesse cadernos, Lutero afirma que Cristo é, ao mesmo tempo, Deus e o diabo, o bem e o mal. Ora, isso caracteriza Lutero tipicamente como dualista gnóstico, e explica todas as suas doutrinas mais delirantes.
    Pergunto como os protestantes seguem Lutero, apesar dessas loucuras e balsfêmias?.
    Respondo que em geral, os protestantes comuns desconhecem os escritos de Lutero. Os poucos Pastores que se dão ao trabalho de ler os escritos do heresiarca fundador do protestantismo procuram ocultar tais frases do seu primeiro mestre.
    Desta forma é meu dever, quando conheço algum protestante, recomendar que ele leia o que escreveu Lutero. Isso muitas vezes faz com que eles abram os olhos sobre a maldade do fundador do protestantismo.

    Jesuan

    ResponderExcluir
  73. Frazão, mais algumas verdades de Lutero.
    Dizia o heresiarca Lutero:
    "Dormi mais vezes com o diabo do que com minha mulher Catarina" (a ex freira Catarina de Bora).
    "Crê firmemente, e peca muitas vezes".
    Em carta a Jerônimo Weller, Lutero escreveu: "Se o demônio te tentar com bebedeira, bebe, e bebe em nome de Cristo".
    Lutero defendia a tese da santidade do pecado: quanto mais pecado se cometesse mais santo se seria. Ele insultava Cristo dizendo que Jesus era adúltero e bêbado. Está no livro sobre Lutero, Tischeredden = Conversas à Mesa, n* 1472, edição de Weimar, volume II, p. 107, apud Franz Funck Brentano, Martim Lutero, editora Vecchi, Rio de Janeiro, 1956, p.151.
    Lutero jamais quis reformar os vícios do clero corrupto, do qual ele era um exemplar bem típico. O que Lutero queria reformar era a lei de Deus, para permitir os pecados, como ele o permitiu com a sua doutrina da santidade do pecado, com o seu "Crê firmemente e peca muitas vezes".
    Lutero foi um homem íntegro?
    ele foi um homem integralmente corrompido e corruptor. Qualquer livro de História sério comprova isso.

    Jesuan

    ResponderExcluir
  74. O protestantismo não se sustenta por sí próprio. Eles dizem "Só a Bíblia" e pela Bíblia não conseguem provar Lutero ou o protestantismo. Nós católicos dizemos: "A Igreja coluna e sustentácula da verdade(Timóteo)" e assim não estamos obrigados a provar nada pela Bíblia. Foram eles que se obrigaram ao "Só a Bíblia". Eles não conseguem provar suas testes pelo critério que desejam impor aos demais. São justamente os defensores do "Só a Bíblia" que ignoram a Biblia que proíbe a interpretação privada(Pedro) e que destaca a Igreja como coluna e sustentáculo da verdade. Por isto mesmo e por causa do vírus dissiminado por Lutero e que lhe foi vomitado no coração pelo inferno é que temos milhares de denominações protestantes, todas divergentes entre si e todas dizendo-se portadoras da verdade e inspiradas pelo Espírito Santo. Todos apologistas de suas próprias doutrinas. Doutrinas meramente humanas. Todos considerando-se salvos e considerando hereges e condenados os demais. A Babel protestante é marcada pelas divisões, brigas e contendas. Assim são os filhos de Lutero. Brigam entre si. Basta um filho de Lutero discordar de outro filho de Lutero que já surge o embrião de uma nova seita. Ora, os filhos de Lutero fazem as obras de seu pai. E que obras são estas ?
    Brigas, contendas, blasfêmias, heresias, adoração da biblia, adoração aos dízimos e idolatria aos pastores. Nada que já não tivesse sido previsto. Por que o espanto ?

    ResponderExcluir
  75. Os adoradores da Bíblia não se conformam com o pai que tiveram. Eles escolheram Lutero e agora se recusam a aceitar as blasfêmias que seu pai proferiu. O que podemos dizer de alguém que classifica a Cristo como adúltero e bêbado ?
    Quem é este Lutero se não fiho do diabo para mercer tanto crédito entre os protestantes ?
    Pode por acaso uma árvome má que é Lutero produzir bons frutos ?
    Tampouco podem os seus filhos.
    Por tudo isto os filhos de Lutero fazem as obras da carne e elegeram o dinheiro como seu DEUS.

    ResponderExcluir
  76. Meu caro JG.
    Como teu post de 19 de novembro de 2011 10:57 , não trata de assunto relacionado à exclusividade do céu à “santa” madre, nem sobre o acoitamento dado a Lutero, dispenso-me de qualquer comentário, para não sair dos dois focos da nossa discussão, que são a exclusividade católica sobre o Céu e, evidentemente, o acoitamento dado a Lutero, que é o ponto originário da discussão.
    Faço isso porque conheço esse tipo de tática dispersiva, desde os bancos de faculdade. Portanto, para que eu não chova no molhado, repisando que o assunto é a exclusividade do Céu dada à igreja católica e o acoitamento dado a Lutero, peço, mais uma vez, que me responda sobre este e onde está escrito que Deus concedeu o Céu à igreja católica, ou onde a declaração consta na Bíblia.
    Postado aproximadamente às 23:57, de 19-11-2011
    Abraços. Frazão

    ResponderExcluir
  77. Caro JG. Teu post de 19 de novembro de 2011 11:08.
    Suponho que esse post refere-se ao item sob nº 3, mencionado no meu comentário de 18 de novembro de 2011 19:02.
    Se essa minha suposição estiver correta, esclareço que jamais duvidei de alguns ensinamentos contidos na Bíblia, por ela não ter sido assinada por Deus, já que aceito determinados ensinamentos como de inspiração divina; portanto, não cabe essa de que não aceito a Bíblia por não conter a assinatura de Deus; e isso qualquer um pode deduzir do trecho extraído desse referido comentário a seguir transcrito: “Se foi por isso, até agora estou ganhando, pois você ainda não me informou onde, e quando, ela [declaração] foi assinada por Deus, nem onde ela consta na Bíblia.”. Ora, meu caro, se eu não acreditasse nela, sem a assinatura de Deus, como iria pedir que me informasse onde consta na Bíblia essa declaração dando exclusividade do Céu à “santa” madre?
    Esclareço que também não estou interessado em vencer, mas, apenas, em saber a verdade, independentemente desta ser católica, protestante, budista ou de onde ela provenha.
    Postada aproximadamente às 00:10 de 20-11-2011
    Abraços. Frazão

    ResponderExcluir
  78. Caro JG.
    Mais uma vez vou repetir: Não vou me pronunciar sobre comentários que não se refiram ao acoitamento dado a Lutero ou sobre a declaração de exclusividade do Céu concedida à igreja; já estou abrindo mão da assinatura de Deus, mas exigindo que, pelo menos, conste da versão católica da Bíblia.
    Portanto, como seus posts de 11:19. 11:48 e 11:58, de 19 de novembro de 2011, não tratam desses assuntos, não me pronunciarei sobre eles, conforme escrevi em meu post de 16 de novembro de 2011 23:29
    Postado aproximadamente às 00:39 de 20-11-2011.
    Abraços, boa noite e durma com os anjinhos; católicos, claro. Frazão

    ResponderExcluir
  79. Frazão,
    Eu já respondi nos comentários anteriores, mas você insiste em não ler e aceitar.
    Jesuan

    ResponderExcluir
  80. Frazão,
    A verdade está sendo apresentada em nosso blog e nos meus comentários, então simplesmente deixe de lado o orgulho protestante, seja humilde e aceite.

    Jesuan

    ResponderExcluir
  81. Frazão,
    Como encontrar a assinatura de Deus?
    Como saber que livros são inspirados por Deus -- e portanto, são infalíveis -- e quais os livros que são falsos.
    Nenhum livro pode, por si mesmo, dar garantia de ter inspiração divina, pois diz a própria Bíblia que ninguém pode dar testemunho de si mesmo. Sem a Tradição e sem a Igreja, a Bíblia não se sustenta.
    Para aceitar a Sagrada Escritura, é preciso antes, ter as provas de que Deus existe, e que Ele nos revelou a verdade. Depois é preciso provar que Jesus é Deus, e que Ele fundou uma só Igreja, à qual confiou a interpretação infalível da Escritura, assim como o poder de ligar e de desligar, de aprovar e de condenar, infalivelmente. Sem aceitar Deus, Cristo e a Igreja, nada fica de pé.
    A seguir, pode-se fazer uma análise interna dos livros que se dizem revelados. Havendo neles qualquer contradição dos textos ou qualquer negação da realidade, esses livros devem ser tidos como espúrios e feitos para confundir as pessoas. É o caso de todos os apócrifos, que são livros cheios de erros graves e de doutrinas absurdas.
    Aqui acaba a lição!

    Sim, eu dormirei com os anjinhos Católicos, os quais estão no céu, pois os "anjinhos" de lutero estão no inferno, foram expulsos do céu por São Miguel Arcanjo por desobediência.

    Jesuan

    ResponderExcluir
  82. Caro JG.
    Refiro-me ao teu comentário de 20 de novembro de 2011 14:31, em que você diz que a verdade está sendo apresentada no blog e nos teus comentários, sem mencionar a respeito de que é essa verdade a que você se refere.
    Como as minhas dúvidas são sobre o acoitamento dado a Lutero e a exclusividade do Céu concedida à igreja, gostaria de saber sobre qual dessas dúvidas você está apresentando a verdade, embora só tenha lido você escrever sobre batismo e sobre outros aspectos da doutrina católica sobre os quais não levantei qualquer dúvida, já que não me cabe interferir em matéria de fé do indivíduo, pois acredito na inviolabilidade do direito à liberdade de consciência e de crença, nos termos do que assegura o inciso VI do artigo 5º da Constituição do Brasil, como também acho que o meu também seja respeitado, principalmente quanto ao preconceito em relação a religião protestante.
    Logo, meu caro, limite-se a responder sobre as duas dúvidas por mim levantadas, se você tiver condições para tal. Caso contrário, aceito o teu silêncio como uma forma de não darmos sequência a uma discussão estéril, que não leva a coisa nenhuma.
    Evidentemente, se publicado esse meu comentário na íntegra. Postado aproximadamente às 20:33 do dia 20-11-2011
    Abraços. Frazão

    ResponderExcluir
  83. Caro JG. Retificando.
    Refiro-me ao teu comentário de 20 de novembro de 2011 14:37, em que você diz que a verdade está sendo apresentada no blog e nos teus comentários, sem mencionar a respeito de que é essa verdade a que você se refere.
    Como as minhas dúvidas são sobre o acoitamento dado a Lutero e a exclusividade do Céu concedida à igreja, gostaria de saber sobre qual dessas dúvidas você está apresentando a verdade, embora só tenha lido você escrever sobre batismo e sobre outros aspectos da doutrina católica sobre os quais não levantei qualquer dúvida, já que não me cabe interferir em matéria de fé do indivíduo, pois acredito na inviolabilidade do direito à liberdade de consciência e de crença, nos termos do que assegura o inciso VI do artigo 5º da Constituição do Brasil, como também acho que o meu também seja respeitado, principalmente quanto ao preconceito em relação a religião protestante.
    Logo, meu caro, limite-se a responder sobre as duas dúvidas por mim levantadas, se você tiver condições para tal. Caso contrário, aceito o teu silêncio como uma forma de não darmos sequência a uma discussão estéril, que não leva a coisa nenhuma.
    Evidentemente, se publicado esse meu comentário na íntegra. Postado aproximadamente às 20:39 do dia 20-11-2011
    Abraços. Frazão

    ResponderExcluir
  84. Caro JG.
    No teu comentário de 20 de novembro de 2011 14:31 você diz: “Eu já respondi nos comentários anteriores, mas você insiste em não aceitar.”, sem indicar, pelo menos um comentário de tua autoria, ou do GG, onde houve resposta sobre o acoitamento, ou sobre a concessão de exclusividade do Céu à “santa” madre. Quanto ao fato de eu insistir “em não ler e aceitar” a tua resposta, esclareço que continuo lendo todos os comentários, só que não estou conseguindo ver as respostas justificando, em termos éticos, o acoitamento, e a informação de onde está na Bíblia a declaração de que Deus concedeu exclusividade do Céu à igreja.
    Agora, por favor, não me venha com algumas palavras se referindo ao fato sem que tenha alguma correlação com o assunto, como você falou sobre o batismo, para tentar justificar a exclusividade católica sobre o Céu, sem apresentar qualquer passagem bíblica mencionando essa exclusividade.
    E depois você me vem com a de chover no molhado, quando a minha insistência na pergunta decorre do fato de você, o tempo todo, usar de evasivas, sempre apresentando uma hipótese nova, ou como esta última em que você diz: “respondi nos comentários anteriores”, embora não cite umzinho sequer.
    Logo, meu caro, continuo aguardando tua resposta, ainda que você retorne com o chavão “chover no molhado”.
    Postado aproximadamente às 20:52 de 20-11-2011
    Abraços. Frazão

    ResponderExcluir
  85. Meu caro JG. Refere-se ao teu comentário de 20 de novembro de 2011 14:45.
    Eu não pretendia me pronunciar sobre assuntos não ligados ao acoitamento e à declaração de exclusividade do Céu à “santa” madre, mas não resisti à tentação, em virtude da incongruência contida nele, com relação ao que você diz: “Nenhum livro pode, por si mesmo, dar garantia de ter inspiração divina, pois diz a própria Bíblia que ninguém pode dar testemunho de si mesmo.” querendo, possivelmente, contraditar o que eu disse a respeito da inspiração divina em meu comentário de 20 de novembro de 2011 00:08, complementando você com a seguinte expressão: “Sem a Tradição e sem a Igreja, a Bíblia não se sustenta.”
    Ora, meu caro JG, quer incongruência maior do que essa ao afirmar que a Bíblia não se sustenta sem a tradição e sem a igreja, quando é justamente o contrário? Seria a mesma coisa dizer-se que Jesus não existiria se não existisse a Bíblia, pois ninguém via conhecer os seus ensinamentos se ela não tivesse sido escrita, ou não houvesse a transmissão oral que resultou no que nela está escrito.
    Portanto, meu caro, é justamente o contrário o que acontece, pois se não existisse a Bíblia não existiria a igreja, como não existiria o Judaísmo se não existisse a Torá, nem o Cristianismo se não existisse o Judaísmo, assim como, da mesma forma, não existiria o Protestantismo se, e principalmente, não tivessem existido os erros do Catolicismo.
    Vou ficar por aqui, para não provocar mais discussão fora do acoitamento e da declaração de concessão do Céu à “santa” madre.
    Postado aproximadamente às 22:00 horas de 20-11-2011
    Abraços. Frazão

    ResponderExcluir
  86. Salve São Miguel príncipe dos exércitos celestes. Adorador do Altíssimo DEUS, pai de Nosso Senhor Jesus Cristo !
    Salve a Virgem Maria que exterminará todas as heresias protestantes !
    Salve a Virgem Maria que pisará na cabeça de Satanás !
    Salve a Santa Igreja Católica indestrutível, imperecível, invencivel.
    Louvado seja o Nosso Senhor Jesus Cristo, o bom pastor que me tirou das garras do protestantismo.
    Como eu era cego e como o Senhor apiedou-se de mim.
    Salve o Papa !
    Salve a sã doutrina !
    Salve a Igreja triunfante !
    Salve a igreja militante !
    Salve a igreja padecente !
    Salve a Santa Igreja, esposa do nosso Senhor Jesus Cristo, inerrante, casta, mestra de todas as ciências, conhecedora de todos os mistérios.
    O meu Senhor Jesus Cristo não se ajunta com uma adúltera. Ele só tem uma única esposa que é sua amada Igreja Católica Apostólica Romana.
    Assim como ninguém que ficou fora da Arca de Noé escapou ao dilúvio, ninguém que fica fora da Santa Igreja escapará da condenação.
    Quem és tu Napoleão para afrontar a Santa Igreja ? Onde estás ?
    Onde estás Hitler ?
    Onde estás Stalin ?
    Onde estás comunista União Soviética ?
    Onde estás Lutero que chamou o meu senhor de bêbado e adúltero ?
    Salve a Santa Igreja Católica construtora da civilização.
    Salve a Santa Igreja que nos deu a Bíblia.
    Salve a Santa Igreja que nos trás os sacramentos.
    Salve a Igreja de 2000 anos contra a qual as portas do inferno jamais prevalecerão.
    Permaneçam os irmãos de Pedro fazendo as obras dos apóstolos.
    Permaneçam os filhos de Lutero fazendo as obras de seu pai que são contendas, divisões, brigas, intrigas, calúnias, heresias de toda ordem e adoração ao dinheiro.

    ResponderExcluir
  87. Frazão,
    Como já foi escrito diversas vezes, a Verdade que eu falo é a Verdade de Cristo, a Verdade ensinada e transmitida pela única Igreja de Cristo, a Igreja Católica Apostólica Romana.
    Já respondi suas questões, no entanto você faz de conta que não entendeu.
    Que bom que você mesmo chegou a conclusão que a sua discussão é estéril, pois desta forma você não chegará em nenhum lugar.

    ResponderExcluir
  88. Caros leitores,
    Publiquei os outros comentários do Sr. Frazão, visando demonstrar a confusão que o protestantismo faz na cabeça das pessoas. É um tal de mudar de assunto e depois dizer que eu mudei de assunto, escrever que eu não respondo as suas questões, quando sou obrigado a repetir o que já havia escrito anteriormente.
    Que Deus tenha piedade de sua alma Sr. Frazão e pedimos a intercessão de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro para obter as graças necessárias para sua conversão ao Catolicismo.

    ResponderExcluir
  89. Caro JG.
    No teu comentário de 22 de novembro de 2011 22:53 você diz: “Que bom que você mesmo chegou a conclusão que a sua discussão é estéril, pois desta forma você não chegará em nenhum lugar.”.
    Primeiro cabe um esclarecimento; discussão não é ato de uma pessoa só, mas, pelo menos de duas; caso contrário, deixa de ser um diálogo para ser monólogo, que é o que você está dando a entender com essa tua atitude de não responder as perguntas feitas, apresentando outras situações (dentre elas a de que o Céu é católico), para desviar do foco principal, que é o acoitamento dado a Lutero.
    Entretanto, se você for aos meus comentários de 20 de novembro de 2011, de 20:31 e 20:38, você verá que eu disse:
    “Logo, meu caro, limite-se a responder sobre as duas dúvidas por mim levantadas, se você tiver condições para tal. Caso contrário, aceito o teu silêncio como uma forma de não darmos sequência a uma discussão estéril, que não leva a coisa nenhuma.”
    Assim, nesse teu comentário você está distorcendo as minhas palavras, pretendendo dar a impressão aos leitores de que eu é que digo que a minha “discussão é estéril”, quando, na verdade, eu disse que você é quem está tornando a discussão estéril, pelo fato de eu estar insistindo nas tuas respostas sobre o acoitamento dado a Lutero e a declaração de concessão da exclusividade do Céu à igreja, que você persiste em não respondê-las, e, depois, dizer que eu estou chovendo no molhado.
    Portanto, não menospreze a capacidade de entendimento dos leitores, ao dizer coisas desse tipo, pois eles não são tão “ovelhas” quanto você pensa, pois os comentários estão aí para eles lerem e tirarem suas próprias conclusões; é só você publicar este comentário para eles lerem este alerta de que você está distorcendo os fatos, mais uma vez.
    Finalmente, peço que você leia e procure aplicar o que Jesus diz em Mateus 5,37: “Seja, porém, o vosso falar: Sim, sim; Não, não; porque o que passa disto é de procedência maligna.”; ou seja, falar a verdade, verdadeira, e não essa que você diz que é a tua verdade, dizendo que é a ensinada pela igreja católica e se negando a responder as duas perguntas formuladas desde o início das minhas intervenções aqui.
    Postado em 23 de novembro de 2011 às 13:26, aproximadamente
    Abraços. Frazão

    ResponderExcluir
  90. Meu caro JG.
    Aqui, mais uma vez, você está distorcendo, não as minhas palavras, mas, os fatos, pois, ao você dizer: “É um tal de mudar de assunto e depois dizer que eu mudei de assunto, escrever que eu não respondo as suas questões, quando sou obrigado a repetir o que já havia escrito anteriormente.”
    Com isso, você está pretendendo induzir o leitor a acreditar que sou eu quem está mudando de assunto a toda hora, quando, na realidade, quem está mudando é você e os demais membros deste site.
    Leia meu post de 19 de outubro de 2011 23:58 e verá que, desde o início, o meu questionamento ao GG estava sendo sobre o acoitamento dado a Lutero, até que no dia o dia 06/11/2011, quando o Giulio (GG) foi jogado para escanteio e você entrou em cena, incluindo um novo tema, ao informar que o céu é católico, conforme teu post de 6 de novembro de 2011 11:13.
    Como também questionei sobre essa exclusividade concedida a igreja, e você não tendo resposta para nenhum dos dois questionamentos, você começou a tentar desviar o foco da discussão, mas eu não caí no engodo e comecei a repisar o pedido de resposta sobre os dois que, diga-se de passagem, não foram respondidos até agora, em relação aos quais, pela minha insistência sobre uma resposta a eles, você me acusou de chover no molhado; essa a real descrição dos fatos; é só conferir nos respectivos posts, para conhecer a realidade dos fatos.
    Espero que, a exemplo dos anteriores, esse comentário também seja publicado, para que os leitores possam ser informados sobre a verdade dos fatos, vista de outro ângulo.
    Postado em 23 de novembro de 2011 às 13:30, aproximadamente
    Abraços, e que o teu anjo da guarda te inspire a não mais distorcer os fatos. Frazão

    ResponderExcluir
  91. O protestante nunca está atrás da verdade, pois ele pensa que já a possui. Contestam a autoridade do papa, mas julgam seu entedimento pessoal superior ao entendimento até mesmo de seus pares. Por isto fundam novas denominações a cada dia. Basta um protestante discordar do outro. Não se debate com protestante. O vírus que foi espalhado por Lutero, vomitado pelo inferno, é vírus da auto-suficência. E quando não podem mais contestar ficam com aqueles risinhos debochados. Eu o que estou dizendo. Fui protestante or 20 anos. Recusava todo e qualquer tipo de instrução. Até que um dia me perguntei ? Como posso ter certeza de que estou certo se discordo dos demais protestantes e se muitos deles discordam de mim ?
    Mas foi Maria Santíssima que trouxe de volta ao catolicismo. Qual foi o meu mérito ? Fui tudo mérito de Jesus. A única coisa boa que fiz foi orar pedindo a DEUS que mostrasse o caminho certo. Basciamente dizia eu: "Senhor não quero estar certo, quero ser salvo. Mostre-me o que há de certo na Igreja Católica, mostre-me o que há de certo em Maria. Não me importo em retroceder, pedir perdão ou perder amigos. Quero fazer o que de fato é certo e salvar a mim e a minha família. Tenha misericórdia de mim Sernhor. Eu te peço em nome de Jesus."
    DEUS jamais abandona um coração sincero, mesmo que seja protestante.
    Mas auto suficiência e soberba são abatidas quando se menos espera.

    ResponderExcluir
  92. Sérgio Lemos:

    Meu amigo blogueiro, nunca perca tempo com protestantes em discussões. Eles herdaram a soberba de Lutero. Nunca respondem uma pergunta. E mesmo quando utilizamos a Bíblia eles dão um jeito de formularem outras perguntas para fugirem do assunto. Já estive com eles e sei disto. Com 6 meses de Bíblia julgava-me superior a todos. Achava conhecer mais de teologia do que a Igreja com 2000 anos e todos seus papas e santos. Só a oração funciona para a conversão dos hereges. Graças as orações de minha mãe retornei a sã doutrina. Os católicos devem fazer diariamente o terço para a conversão dos hereges. A Virgem Maria pisará na cabeça de Satanás conforme a Bíblia nos ensina e exterminará todas as heresias. E não adianta provar. Os milagres reconhecidos pela ciência são ignorados. Não adianta mostrar declarações de cientistas ateus ou protestantes. Nada faz um filho de Lutero retroceder. Só aqueles que desejam estudar realmente é que se convertem. É o caso dos milhares de luteranos e anglicanos que estão se convertendo na Europa e nos EUA. Se Jesus voltasse ainda hoje o protestante logo diria: "onde está na Bíblia que Jesus voltaria hoje ?"
    Por outro lado, ainda que seus profetas errem suas "profecias" continuam gozando do mesmo prestígio, se não ainda maior. Uma tal de Valnice disse Jesus voltaria em 2007. Ele não voltou e ela continua sendo "irmã em Cristo" e uma "benção" entre os protestantes. Uma seita conhecida disse que João Paulo II era a besta do apocalipse. Ele não era e esta seita continua sendo referência entre os protestantes. Recentemente um grupo de protestantes disse que João Paulo II iria ressuscitar no dia de sua beatificação. Tal não ocorreu e este grupo continua pregando suas heresias com toda a força. O protestante é filho de Lutero e mesmo este é seguido apenas em parte. O protestante pega o texto que deseja seguir da Bíblia, pega um pouco de Lutero, pega um pouco de Calvino, pega um pouco de cada pregador herético e consolida suas prórpias crenças. Assim, ele se torna apologista de sua própria doutrina que naturalmente é "superior" a qualquer entendimento alheio. Por esta razão, basta um protestante discordar do outro, e isto acontece a todo o momento, já surge uma nova denominação. Veja esta tal de Ana Paula Valadão. Tudo mundo sabe que é uma herege. Só prega baboseiras, mas todos os crentes lhe prestam reverências. O protestante não aceita qualquer tipo de instrução ou correção. Se contrariado, faz beicinho, muda de seita ou funda a sua própria organização. Os doutrinadores tratam de retirar o crente do convívo da família e dos amigos. Desta forma ele deixa de raciocinar e receber informações consistentes. Atribui-lhe títulos como "obreiro" e este crente vaiodoso acredita que está fazendo a obra de DEUS. Mas está fazendo a obra do pastor. Logo ele aprende aquele famoso jargão: "não devemos nos por a mesa com os escarnecedores". Não prestam solidariedade e assistência a ninguém. Tudo é pela seita. Dízimos, ofertas, carnês, campanhas, etc... Estive lá dentro e sei como funciona o sistema de doutrinação. É essencial que tenham aversão ao catolicismo. Isto é logo a primeira coisa que é ensinada ao protestante. Não percam tempo com os filhos de Lutero. Pode árvore má produzir bons frutos ?
    Pois os filhos de Lutero fazem as obras de seu pai que são contendas, brigas, calúnias, difamações, divisões, blasfêmias, soberba, orgulho e principalmente engordar o próprio ventre.

    ResponderExcluir
  93. Meus caros.
    Eu não abordei, em um só de meus comentários, algo relacionado a doutrina ou religião; apenas levantei dúvidas sobre dois fatos concretos: o acoitamento dado pelo prior do convento a Lutero e a exclusividade do Céu concedida à “santa” madre. E até agora não recebi resposta; só isso e nada mais.
    São vocês que estão abordando o aspecto religioso, mostrando uma intolerância absurda, o que é proibido pela nossa Constituição, caracterizando desrespeito à liberdade de expressão e de crença, como nos remotos tempos da “santa” (mas cruel) inquisição.
    Deixando isso de lado, informo que ainda continuo aguardando respostas, ou críticas; mas de pessoas devidamente identificadas, como eu, que não fiquem atrás do biombo do anonimato.
    Postado em 23 de novembro de 2011, às 23:32, aproximadamente.
    Abraços. Frazão

    ResponderExcluir
  94. Raul Lobato disse:

    Sem dúvida !
    É impossível confronta-los. Eles não querem escutar. Mesmo que você prove ele parte para outro tema. Um palestrante honesto não passa para um outro tema sem esgotar o primeiro. Mas não é o caso dos protestantes. Já fiz inúmeras tentativas. Eles simplesmente não respondem e fingem ignorar o que lhes foi mostrado. Eles não tem interesse na verdade, mas apenas trazer outros para suas seitas. Isto é lavagem cerebral. A desprogramação não pode ser feita de um dia para o outro.

    ResponderExcluir
  95. Meu caro Sérgio Lemos.
    Você disse:
    “Meu amigo blogueiro, nunca perca tempo com protestantes em discussões. Eles herdaram a soberba de Lutero. Nunca respondem uma pergunta.”
    Não esqueça que eu é que fiz a pergunta sobre o acoitamento dado a Lutero, após ele ter assassinado de um colega, conforme está no artigo, cujo teor transcrevo:
    “LUTERO HOMICIDA
    O Dr. Dietrich Emme, em seu livro: "Martinho Lutero - sua juventude e os seus anos de estudos, entre 1483 e 1505", Bonn, 1983, afirma que Lutero entrou no Convento só para não ser submetido à justiça criminal, cujo resultado teria sido, provavelmente, a pena de morte, por ter matado em duelo um seu colega de estudos chamado Jerônimo Buntz. Daí o seu "medo da morte" ao qual se referia freqüentemente. Então um amigo o aconselhou a se refugiar no Convento dos Eremitas de Santo Agostinho, que então gozava do direito civil de asilo, que o colocava ao abrigo da justiça. Foi aí que se tornou monge e padre agostiniano.”
    Veja você, que, com base nesse parágrafo, eu, desde o início (meu comentário de 17 de outubro de 2011, 10:23), estou questionando o acoitamento dado ao homicida Lutero, justamente, repito, pelo fato dele ter assassinado um seu colega de estudo, segundo consta do artigo, contrariando o “não matarás.”
    Assim, meu caro, não sou eu que não quero responder, mas, sim, que estou protestando por uma resposta; se isso é ser protestante, concordo com os componentes deste site ou blog, pois desde o início, repito, protesto pela resposta ao meu questionamento.
    Como se vê, vocês é que não respondem e, como sempre, pretendem jogar a culpa nos outros.
    Aguardo resposta.
    Abraços. Frazão

    ResponderExcluir
  96. Meu caro Raul Lobato.
    Acho que você entrou agora no acompanhamento do assunto e deve ter escrito esse teu comentário a pedido de alguém do site, ou está de má-fé, ao dizer que eu passo de um tema para outro sem esgotar o anterior.
    Isso porque, vou repetir pela enésima vez, inicialmente eu só questionei sobre o fato de o “Dom” Licínio ter se baseado em uma biografia que diz ser Lutero um homicida, e ao mesmo tempo informar que foi dado asilo a ele, Lutero.
    O outro questionamento só fiz após o JG ter dito que o Céu é católico, oportunidade em que pedi que ele me apresentasse uma declaração assinada por Deus, ou que me mostrasse onde essa declaração de exclusividade do Céu à igreja constava na bíblia.
    Foi a partir daí que eu passei a cobrar resposta sobre os dois questionamentos, sem que tenha conseguido sucesso até o presente momento, mas só informação de que tinham sido respondidos.
    Portanto, meu caro, não sou eu que não estou respondendo, mas, sim, o pessoal do site, ou blog.
    É só você dar uma lidinha nos meus comentários; para não ter dificuldade em localizá-los, clique em editar na barra de ferramentas e, após, em localizar, escreva a palavra Frazão e vá clicando para lê-los.
    Aí, sim, você verá quem está dizendo a verdade sobre os fatos aqui expostos.
    Abraços. Frazão

    ResponderExcluir
  97. Sr. Frazão,
    Não acredito que você concordará com minhas respostas, pois caso aconteça você deixou de ser protestante e será Católico, o que seria um grande passo para ter os meios e a esperança da salvação eterna.
    Não vou responder sobre o "acoitamento", pois o Giulio já respondeu de forma formidável, não deixando nenhuma dúvida para os bons entendores.
    A Igreja tem como dogma que fora dela não há salvação (IV Concílio de Latrão). Quem não conhece a Igreja Católica pode salvar-se?
    A resposta nos é dada por São Paulo, quando diz que aqueles que não conheceram a revelação de Cristo serão julgados pela lei natural, que Deus imprimiu no coração de cada homem.
    A lei natural é a própria vontade de Deus governando a natureza. Quem pertence a uma religião falsa, se sua ignorância for vencível, isto é, se for a ele possível conhecer a religião verdadeira, ele deve aderir a ela. Se não lhe for possível, na medida em que ele praticar algo que uma religião falsa manda contra a natureza, nessa medida ele vai se perder.
    A Sagrada Escritura diz:"São vaidosos todos os homens nos quais não se encontra a ciência de Deus, e que pelos bens visíveis não chegaram a conhecer Aquele que é, nem considerando as suas obras reconheceram quem era o Artífice; mas tomaram por deuses governadores do mundo o fogo, o vento, o ar sutil, ou o giro das estrelas, ou a imensidade das águas, ou o sol e a lua. Se eles, encantados com a beleza de tais coisas, as julgaram deuses, reconheçam quanto é mais formoso do que elas o que é seu Senhor; porque foi o autor da formosura que criou todas estas coisas. Ou se eles se maravilharam do seu poder e das suas inflluências, entendam por elas, que Aquele que as fez é mais forte do que elas; porque pela grandeza e formosura da criatura, se pode visivelmente chegar ao conhecimento do Criador. Todavia esses homens são menos repreensíveis, porque, se caem no erro, é talvez buscando a Deus e desejando encontrá-lo. Porquanto eles buscam pelo exame das suas obras, e são seduzidos pela beleza das coisas que vêem. Mas, por outra parte, nem estes merecem perdão, porque se chegaram a ter luz bastante para poderem fazer uma idéia do universo, como não descobriram mais facilmente o Senhor dele?" (Sab. XIII, 1-9).
    Deve-se lembrar que só Deus sabe quem, em concreto, se salva, e que Deus onipotente e infinitamente misericordioso, pode salvar uma pessoa de modos que não conhecemos.
    Nosso Senhor fundou uma Igreja, pois há um só Senhor, uma só fé, um só batismo. Nela há também um só que dirige e governa. Invisivelmente, é Cristo a quem o Eterno Pai
    constituiu cabeça de toda a Igreja, que é o seu corpo e visivelmente, é aquele que ocupa a cátedra de Roma, como legítimo sucessor de São Pedro.
    A Igreja é Santa, por ser consagrada e dedicada a Deus. A Igreja é ainda santa, porque está unida como corpo a uma cabeça santa, a Cristo Nosso Senhor, fonte de toda a Santidade,
    e da qual dimanam os dons do Espírito Santo e as riquezas da bondade divina. continua...

    ResponderExcluir
  98. Continuação ...
    Ela é Católica, que quer dizer universal, dilatando-se desde o Oriente até ao Ocidente. A Igreja não se circunscreve aos limites de um só país, nem a uma só raça determinada. Abrange
    todos os homens no regaço de seu amor, sejam bárbaros ou citas, livres ou escravos, homens ou mulheres. A Igreja chama-se também universal, porquanto os que desejam a salvação eterna,
    devem todos professá-la e prestar-lhe obediência, assim como os que deviam entrar na Arca, para não perecerem nas águas do Dilúvio.
    A verdadeira Igreja, também a conhecemos pela sua origem, que a raça da Revelação faz remontar até aos Apóstolos. Com efeito, a doutrina da Igreja não é recente, nem aparece como novidade,
    mas é a mesma que os Apóstolos já pregavam outrora, e que se espalhou como um germe por toda a superfície da terra.
    Com os caracteres citados anteriormente é possível encontrar a verdadeira Igreja de Cristo.
    Nosso Senhor declarou que quem não renascer da água e do Espírito Santo, não pode entrar no Reino de Deus.
    Não basta apenas ser batizado, mas deve professar uma só fé.
    Conclui-se que o Céu é Católico.

    Jesuan

    ResponderExcluir
  99. Meu caro JG.
    Não me venha com essa de que eu não concordarei com tuas respostas, para se eximir de dá-las às minhas perguntas, uma relativa à exclusividade do Céu, concedida à igreja católica e a outra ao “acoitamento” dado a Lutero, em que você diz, com relação a esta do acoitamento, “que o Giulio já respondeu de forma formidável não deixando nenhuma dúvida para os bons entendedores.”
    Com relação a isso peço que me informe, e aos leitores, em qual, ou em quais, ele respondeu sobre o acoitamento; isso porque, em 30 de novembro de 2011, eu escrevi um comentário em que digo: “portanto, meu caro Giulio, se você me tivesse respondido sobre o porquê da concessão do asilo, não teria feito os outros comentários, em relação aos quais você afirma que eu me fixei nas vírgulas quando, na verdade, quem se fixou nelas foi você, ao tentar afirmar que “convento não pode pecar, mas, sim, uma pessoa”. Logo, meu caro, responda-me sobre a incongruência primeira, que não precisa responder aos meus demais comentários; simples, não?”
    Em resposta a esse meu comentário você mesmo “entrou em campo”, tirando Giulio da jogada, ao apresentar teu comentário de 6 de novembro de 2011 11:13, em que você diz:
    “Vamos fazer o seguinte, leia de novo o texto, procure entender, busque conhecer a verdade de Cristo e depois converta-se para a Única Igreja de Cristo, onde fora não há nenhuma possibilidade de Salvação, ou seja a Igreja Católica Apostólica Romana.”
    Já em 07 de novembro de 2011 21:23, em resposta ao meu de mesma data, você diz:
    “Eu respondo: O Convento dos Eremitas de Santo Agostinho gozava do direito civil de asilo, que o colocava ao abrigo da justiça. O próprio lutero afirmava que a Ordem se ocupava dele, isto é, OS SUPERIORES DO CONVENTO O PROTEGIAM. (grifei)
    Obs: Qual a razão dos superiores estarem protegendo o tal lutero, após mais de 400 anos, não é tarefa fácil. Talvez no dia do juízo final Nosso Senhor nos revele a verdade.”
    Ora, meu caro, como o Giulio saiu de cena, e você entrou na tentativa de responder a minha pergunta, como, agora, você pretende considerar que o Giulio “respondeu de forma formidável”? Será que para responder uma incongruência têm que ser cometidas outras, como a divergência entre a tua resposta e a do Giulio sobre o acoitamento?
    Já com relação ao fato de que o Céu é católico, continuo insistindo que você me responda onde consta, na palavra de Deus, que o Céu é católico, já que qualquer pessoa, que tenha uma opinião formada, pode concluir qualquer coisa, baseada em qualquer “justificativa”, como você fez nesse teu comentário, em que você parte do princípio de que, só por ter a igreja o adjetivo católico em seu nome, a transforma em dona do Céu.
    Para justificar o motivo de eu não acreditar nessa tua conclusão, porque não baseada em prova, cito com justificativa uma simples exigência da própria igreja, em relação à realização de um casamento em uma paróquia em que um dos nubentes não pertença ao seu território, tem que ter uma declaração da sua paróquia de origem para poder ser efetuado o seu casamento na outra paróquia.
    Ora, meu caro, se a igreja não aceita uma declaração de um seu fiel, como quer que um fiel de outra corrente religiosa tenha que aceitar uma declaração de um seu fiel, sem qualquer função na sua hierarquia? Seja sincero; você aceitaria?...
    Respondo por você, que não; não é?!
    Então, como você quer que eu aceite a tua?
    Poupe-me!
    Abraços. Frazão

    ResponderExcluir
  100. Frazão,
    Responda uma pergunta simples, você era Católico?
    Jesuan

    ResponderExcluir
  101. Caro JG.
    Por que você pergunta se eu fui católico?
    Será que ainda continuo e estou discutindo o "acoitamento" de Lutero apenas para mostrar que não se deve julgar as pessoas apenas porque não se concorda com as suas opiniões?
    Você acreditará no que estou dizendo? Se sim, nota dez para você; caso contrário, aprendamos a respeitar a crença dos outros, da mesma forma que nós queremos que os outros respeitem a nossa.
    Agora, não esqueça que você não publicou nem respondeu o meu de 28 de novembro de 2011, postado aproximadamente às 22:15., do seguinte teor:
    “Meu caro JG.
    Não me venha com essa de que eu não concordarei com tuas respostas, para se eximir de dá-las às minhas perguntas, uma relativa à exclusividade do Céu, concedida à igreja católica e a outra ao “acoitamento” dado a Lutero, em que você diz, com relação a esta do acoitamento, “que o Giulio já respondeu de forma formidável não deixando nenhuma dúvida para os bons entendedores.”
    Com relação a isso peço que me informe, e aos leitores, em qual, ou em quais, ele respondeu sobre o acoitamento; isso porque, em 30 de novembro de 2011, eu escrevi um comentário em que digo: “portanto, meu caro Giulio, se você me tivesse respondido sobre o porquê da concessão do asilo, não teria feito os outros comentários, em relação aos quais você afirma que eu me fixei nas vírgulas quando, na verdade, quem se fixou nelas foi você, ao tentar afirmar que “convento não pode pecar, mas, sim, uma pessoa”. Logo, meu caro, responda-me sobre a incongruência primeira, que não precisa responder aos meus demais comentários; simples, não?”
    Em resposta a esse meu comentário você mesmo “entrou em campo”, tirando Giulio da jogada, ao apresentar teu comentário de 6 de novembro de 2011 11:13, em que você diz:
    “Vamos fazer o seguinte, leia de novo o texto, procure entender, busque conhecer a verdade de Cristo e depois converta-se para a Única Igreja de Cristo, onde fora não há nenhuma possibilidade de Salvação, ou seja a Igreja Católica Apostólica Romana.”
    Já em 07 de novembro de 2011 21:23, em resposta ao meu de mesma data, você diz:
    “Eu respondo: O Convento dos Eremitas de Santo Agostinho gozava do direito civil de asilo, que o colocava ao abrigo da justiça. O próprio lutero afirmava que a Ordem se ocupava dele, isto é, OS SUPERIORES DO CONVENTO O PROTEGIAM. (grifei)
    Obs: Qual a razão dos superiores estarem protegendo o tal lutero, após mais de 400 anos, não é tarefa fácil. Talvez no dia do juízo final Nosso Senhor nos revele a verdade.”
    Ora, meu caro, como o Giulio saiu de cena, e você entrou na tentativa de responder a minha pergunta, como, agora, você pretende considerar que o Giulio “respondeu de forma formidável”? Será que para responder uma incongruência têm que ser cometidas outras, como a divergência entre a tua resposta e a do Giulio sobre o acoitamento?
    Já com relação ao fato de que o Céu é católico, continuo insistindo que você me responda onde consta, na palavra de Deus, que o Céu é católico, já que qualquer pessoa, que tenha uma opinião formada, pode concluir qualquer coisa, baseada em qualquer “justificativa”, como você fez nesse teu comentário, em que você parte do princípio de que, só por ter a igreja o adjetivo católico em seu nome, a transforma em dona do Céu.
    Para justificar o motivo de eu não acreditar nessa tua conclusão, porque não baseada em prova, cito com justificativa uma simples exigência da própria igreja, em relação à realização de um casamento em uma paróquia em que um dos nubentes não pertença ao seu território, tem que ter uma declaração da sua paróquia de origem para poder ser efetuado o seu casamento na outra paróquia.
    Ora, meu caro, se a igreja não aceita uma declaração de um seu fiel, como quer que um fiel de outra corrente religiosa tenha que aceitar uma declaração de um seu fiel, sem qualquer função na sua hierarquia? Seja sincero; você aceitaria?...
    Respondo por você, que não; não é?!
    Então, como você quer que eu aceite a tua?
    Poupe-me!”
    Abraços. Frazão

    ResponderExcluir
  102. Sr. Frazão,
    Quando uma pessoa não busca a verdade, tem o péssimo costume de fazer voltas, andar em círculos, correr atrás do rabo, etc.
    Tentei mostrar um pouco da Verdade ensinada por Nosso Senhor Jesus Cristo através do evangelho, da Tradição e do Magistério da Igreja, mas Nosso Senhor nos ensina também que não devemos jogar pérolas aos porcos.
    Pensei, erradamente, que você seria o tal protestante honesto, o qual busca incessantemente a verdade e não fica escondendo-se através de suas opiniões. Você é mais um daqueles que não percebem as suas contradições, mas tentam de todas as maneiras encontrar contradições no que os outros escrevem, apenas com o propósito de dar a última resposta, mesmo que o argumento que você use seja contra a razão e a inteligência. Você venceu, pois nunca vou encontrar uma declaração "assinada por Deus", pois apenas assim você acreditaria na Verdade Católica.
    Não vou mais postar comentários sobre o assunto em questão, pois os seus questionamentos foram devidamente respondidos.
    Caso você queira aprender a Verdade ensinada por Nosso Senhor, eu e os demais componentes do blog, estaremos a sua disposição.
    Caso contrário, estou poupando você.
    Que Nossa Senhora interceda junto ao bom Deus, que um dia você encontre o único caminho que pode levar você para o céu, ou seja a Santa Igreja Católica Apostólica Romana.
    Obs: Mais uma coisa, o meu nome não é JG e sim Jesuan, pois sempre assinei os meus comentários.

    ResponderExcluir
  103. Richard disse:
    Dizem que a maior idolatria evangélica é a idolatria que eles fazem a Bíblia. Discordo parcialmente. Depois do dinheiro, para mim a maior idolatria evangélica é feita pelo crente a si mesmo. Explico. Uma das contestações de Lutero seria a infalibilidade papal. Ou seja, o papa não deve ser tido como infalível na interpretação da Bíblia. O que ocorre com o evangélico ? Ele interpreta a Bíblia por conta própria e faz de si mestre de si mesmo. Tão logo contrariado a partir da leitura que fez, deixa uma denominação por outra. Por vezes funda uma nova denominação. Por isso se dividem, pois não há um evangélico que leia a Bíblia que admita opinião alheia. Ele que não aceita a infalibilidade do papa, torna-se um Super Papa, admitindo apenas a sua interpretação e fazendo-se sábio aos seus próprios olhos torna-se “infalível” em matéria de fé e doutrina. Uns atacam os outros de hereges, pois todos pensam ter condições de intepretar as escrituras por si sós. A Bíblia não é adorada, mas apenas usada para que cada crente firme suas convicções pessoais. A adoração se faz a si próprio. É comum ouvir de um crente a expressão: “falta conhecimento bíblico ao fulano.” Ou seja, só ele é que tem conhecimento bíblico para julgar todas as coisas. O crente é idolo de si mesmo. E na prática seria salvo quem melhor interpretar a Bíblia. A Bíblia é usada para escolha de denominações, pastores e doutrinas que se pretende seguir. Na prática, o crente é salvo por méritos próprios. Tudo depende dele e não mais de Jesus. Tudo depende da leitura que ele faz da Bíblia. Jesus morreu na cruz, sofreu, padeceu e depois nos deixou por conta própria. E o interessante é que a Biblia não fala de si como a única fonte de revelação. Paulo manda que guardemos as tradições. A Bíblia proíbe ainda a interpretação privada(Pedro) e destaca a Igreja como coluna e sustentáculo da verdade(Timóteo). O crente faz tudo diferente do que a Bíblia ensina e ainda tem coragem de se dizer defensor da palavra de DEUS. Mas e o Espírito Santo ? Se o Espírito Santo auxiliasse de fato o crente na sua interpretação privada estaria contrariando o ensinamento da Bíblia a interpretação pessoal. E não teríamos milhares de doutrinas e denominações diferentes. Todos interpretariam de um mesmo jeito. Mesmo que o papa ou um pastor qualquer tivesse a maldade de interpretar propositalmente a Bíblia de forma errada para enganar o povo ou para proveito próprio, tão logo o cristão lesse a Bíblia contando com o auxílio do Espírito Santo, estaria isento de cometer erros e poderia perceber o engano. Por que Jesus instituiu a Igreja ? Por amor. Conhecendo o coração humano que é dúbio, vacilante, enganoso, vaidoso e orgulhoso, não pretendeu nos deixar por conta própria. E há uma enorme vantagem nisto. Se fosse possível a Igreja enganar-se, ainda poderíamos argumentar com Jesus que o erro não é nosso. Mas o que diremos a Jesus se recusarmos a Igreja e optarmos por nossa Interpretação privada que sistematicamente será equivocada ? Se assumimos a condição de intérpretes já não somos inocentes. Somos culpados pelos erros que cometemos e até mesmo pelas conversões que produzimos. Não entramos no reino e acabamos não deixando que outros entrem.

    ResponderExcluir
  104. Caro Jesuan.
    Teu comentário de 29 de novembro de 2011 23:28.
    Quando uma pessoa procura a verdade é lógico que ela siga vários caminhos, o que implica fazer voltas em sua procura, até achá-la, sem que isso queira dizer que a pessoa esteja fugindo da verdade. Agora, dar voltas quando se pretende dizer que uma coisa é verdade, só é aceitável quando é para dar notícia ruim, com o fim de amenizá-la, que não é o caso aqui, pois apenas pedi uma explicação sobre o fato de Lutero ter sido chamado de homicida e, no mesmo parágrafo, ter sido informado que um convento dos agostinianos concedeu asilo a ele, asilo esse que considerei como um “acoitamento”, já que se trata do fato de ter sido dada guarida a um criminoso, ainda que sob a designação pomposa de asilo.
    Cabe esclarecer que quem começou a dar voltas foi o Giulio Gequelim, voltas essas que continuaram com você, ao tirar o Giulio de campo e ter passado a tentar mudar o foco da discussão para não me responder, ou seja, para não reconhecer o fato do acoitamento dado a Lutero, tendo você incluído um novo assunto, que foi a declaração de que o Céu é católico, declaração essa em relação à qual pedi para você me informar onde e quando Deus a assinou; como você respondeu que Deus não poderia assinar declaração, resposta que achei razoável, pois Deus não é humano, então pedi que você, pelo menos, me informasse onde constava essa declaração na Bíblia, após o que, a partir de 7 de novembro de 2011, às 21:23, você passou a dar voltas, embora nesse referido comentário você reconheça o fato, quando você diz: “O Convento dos Eremitas de Santo Agostinho gozava do direito civil de asilo, que o colocava ao abrigo da justiça. O próprio lutero afirmava que a Ordem se ocupava dele, isto é, os superiores do Convento o protegiam.”, acrescendo a seguinte observação debochada: “Obs: Qual a razão dos superiores estarem protegendo o tal lutero, após mais de 400 anos, não é tarefa fácil. Talvez no dia do juízo final Nosso Senhor nos revele a verdade.”
    Como aqui você veio com essa de que não é tarefa fácil de saber qual a razão dos superiores do convento terem protegido Lutero após 400 anos, pergunto: e por que só após esses mesmos 400 anos o “Dom” Licínio Rangel trouxe a público esse homicídio? Daí eu ter estranhado tal fato, a ponto de eu ter comparado a atitude do “dom” àquela da mulher que conviveu com o marido durante anos, sabendo dos seus crimes, só o denunciando após ter sido abandonada por ele, conforme já tive oportunidade de te mostrar no meu comentário de 8 de novembro de 2011 08:09.
    E você ainda tem coragem de dizer que sou eu que tenho o péssimo costume de fazer voltas, andar em círculos, correr atrás do rabo etc?! Entretanto, não esqueça que para se correr atrás do próprio rabo é necessário que não se o perca o objetivo, atitude essa que tomei ao insistir com a pergunta sobre o acoitamento e, após a tua tentativa de desviar o objetivo da discussão, com a inclusão do Céu como sendo de exclusividade católica, também passei a insistir no pedido de informação sobre a data e local de assinatura da declaração de concessão da exclusividade do Céu à igreja católica, embora eu tenha dito que aceitaria uma resposta que dissesse onde consta na Bíblia essa declaração de exclusividade, no que não fui atendido até agora...
    Postado em 2 de dezembro de 2011 18:05, aproximadamente
    Continua...

    ResponderExcluir
  105. ...Continuação
    Portanto, meu caro Jesuan, não sou eu que estou dando voltas para obter resposta a dois pedidos por mim formulados, mas você é quem está dando voltas para fornecer informações às minhas solicitações, o que demonstra que você é quem está fazendo aquilo que você atribui aos outros, atitude essa que me faz dizer: Macaco olha teu rabo! Digo isso apenas em retribuição ao fato de você ter baixado o nível da discussão, como sinal de quem está vendo que não está conseguindo “explicar o inexplicável.”
    Lembro, ainda, que se eu estivesse dando voltas, como você afirma no comentário sob resposta, garanto que vocês teriam dito isso desde o início e eu não teria sido acusado de chover no molhado, desde o tempo do Giulio, por insistir nas mesmas perguntas. Portanto, meu caro Jesuan, não acuse uma pessoa de agir de uma forma quando, hipocritamente, é você que está agindo da forma que você a acusa, pois, assim, você estará descumprindo o famoso sim, sim; não, não, constante de Mateus 5,37, porque “Tudo o que passa além disto vem do Maligno.”
    Quanto ao fato de você pensar erradamente que eu não seria um protestante honesto, estranho esse teu pensamento, pois desde o início você e os demais participantes vêm demonstrando justamente o contrário ao me criticarem, só pelo simples fato de vocês acharem que eu sou protestante; e agora você me vem com essa de protestante honesto?! Isso é hipocrisia ou é para dar uma de vítima, deixando a entender que foi enganado, quando, na realidade, você é que está tentando arranjar uma desculpa para seus leitores, por ter ficado sem resposta?!
    Isso é feio para quem diz ser fiel da única religião representante de Deus na Terra; não é?!
    Com relação ao fato de você dizer que meu argumento é “contra a razão e a inteligência”, gostaria que você demonstrasse essa tua afirmação, com base em fatos e não simplesmente porque você acha isso...
    Já com referência ao fato de você dizer que eu venci, porque você não é capaz de encontrar uma declaração “assinada por Deus”, esclareço que aqui, também, você está tentando dar uma de vítima, pois substituí a assinatura por uma simples informação onde essa declaração de exclusividade do Céu concedida à igreja é mencionada na Bíblia, informação essa que você também não ainda não me forneceu...
    Finalmente, meu caro Jesuan, pergunto: Como você quer que eu acredite no que você diz sobre “a Verdade ensinada por Nosso Senhor”, se você não é capaz de comprovar tuas próprias verdades?...
    Abraços. Frazão
    Postado no dia 2 de dezembro 2011, aproximadamente às 18:06

    ResponderExcluir
  106. Sr. Frazão
    Boa noite!
    Apenas posso rezar por você, pois sinceramente eu não sou o instrumento adequado para sua conversão.
    Salve Maria Santíssima, a mãe de Deus.

    Passe bem!
    Jesuan

    ResponderExcluir
  107. Caro Richard.
    Você notou que vocês estão mudando o foco do assunto, que é o dito homicídio praticado por Lutero em um duelo, além da “declaração” do Jesuan sobre a exclusividade do Céu concedida à igreja católica?
    Já que vocês realmente estão dispostos a mudar totalmente o rumo da discussão, vou repetir uma pergunta feita por meu filho, em atendimento a um seu colega de faculdade: onde está escrito na Bíblia que Deus criou os planetas? Em resposta eu disse a ele que, como Deus criou tudo que existe no universo, Ele criou, também, os planetas; mas o meu filho, sentindo que meu argumento não foi tão convincente, porque apenas baseado em uma dedução, embora essa minha dedução tenha sido lógica, ele me disse que queria saber onde “está escrito textualmente na Bíblia que Deus criou os planetas”, pois, se a Bíblia, na expressão dele, meu filho, é a “palavra de Deus”, a criação dos planetas deveria estar escrita nela.
    Então, chamei-o para ler a Bíblia comigo, porque sempre tinha ouvido dos pregadores que Deus criou tudo no Universo, conforme está na palavra de Deus, e nunca tinha atentado para tal detalhe, por aceitar essa informação como verdade; e realmente fiquei surpreso quando vi que só os dois luzeiros (Sol e Lua) e as estrelas tinham sido criados, conforme consta em Gênesis 1,14-18.
    Para me consolar, com aquele ar de “peguei o velho na curva”, ele bateu carinhosamente nas minhas costas e, com um sorriso, me disse: pai, fique tranquilo que, mesmo assim, continuo acreditando em Deus e Jesus.
    Agora, chegou a minha vez de passar à frente a pergunta que ele me fez...
    Alguém daqui do site pode me responder? Faço esse pedido para ver se posso aceitar o que vocês dizem como sendo verdades, principalmente porque afirmam que são transmitidas pelo nosso Senhor Jesus.
    Abraços. Frazão
    Postado em 3 de dezembro de 2911, aproximadamente 11:07

    ResponderExcluir
  108. Caro Jesuan.
    Agradeço, de coração, tuas rezas, mas seria melhor, em vez de palavras, você procurar me converter mediante o exemplo, coisa que parece você não ter condições de dar, face a sua atitude de prepotência e intolerância religiosas.
    Abraços. Frazão
    Postado em 3 de dezembro de 2011, às 11:34, aproximadamente

    ResponderExcluir
  109. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  110. Frazão,
    Chame em sua defesa a constituição federal e brade aos quatro cantos do mundo que o autor das frases abaixo não respeita as outras religiões e é intolerante!

    Minha casa será chamada uma casa de oração e vós fizestes dela um covil de ladrões (Mt XXI, 13)
    Raça de víboras, quem vos ensinou a fugir da cólera de Deus? (Mt III, 7)
    Ái de vós, escribas e fariseus hipócritas (Mt XXIII)
    serpentes e raça de víboras (Mt XXIII, 33)
    sepulcros caiados (Mt. XXIII, 27)
    Vós sois filhos do demônio e quereis fazer a vontade de vosso pai (Jo VII,44)
    Porque há ainda muitos desobedientes, vãos faladores e sedutores, principalmente entre os da circuncisão, aos quais é necessário fechar a boca (Ep. A Tito, I, 10-11) (palavras dos apóstolos)
    Increpa-os duramente (Ep. Tito, I, 13) (palavras dos apóstolos)

    Jesuan

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro Jesuan.
      Por que meus comentários, respondendo a este teu, não foram publicados.
      Será que, se eu mandá-los, agora, com a nova configuração do blog, vão ser?
      Abraços. Frazão

      Excluir
  111. Sr. Frazão,
    Com a reformulação do blog, não estaremos debatendo através dos comentários, pois não é o lugar mais adequado.
    A partir de 2012, o blog São Pio V, será um blog exclusivo de divulgação da doutrina da Igreja Católica Romana e escritos dos Santos da igreja, onde fora não há salvação.
    Jesuan

    ResponderExcluir
  112. " DEUS não habita em tendas, nem em templos, feitos por mãos humanas "
    Puro e verdadeiro é Cristo e o evangelho... no mais calem-se e vão buscar o aperfeiçoamento na Verdade que é Jesus Cristo.

    ResponderExcluir
  113. Sou católico sei do lado negro da história desse Martin Lutero, mas convenhamos que a Igreja Católica estava corrompida na Idade Média né? A Santa Inquisição e as vendas de Indulgencias são a prova disso. Acho que Lutero teve seus motivos pra se separar da Igreja sim. O problema é que muitos protestantes que ouvem falar dele assim sem se aprofundar na história desse pobre homem pensa que ele um grande herói e a Igreja católica sempre fica como vilã... Enfim, tanto nós católicos como protestantes tem sujeira do passado, mas vamos esquecer isso e tentar nos tolerar. Sei que é dificil porque eles sempre ficam falando que agente tem idolatria pelas imagens e não entende que as imagens são apenas como se fossem fotos e que nós enxergamos que nenhum santo, nem mesmo Maria, tenha algum poder pra fazer milagres. O milagre só vem de Deus.

    ResponderExcluir
  114. Prezado Daniel Amaral, Salve Maria!
    Você se diz católico e depois ataca a Santa Igreja com inverdades.
    Você realmente conhece a idade média?
    Você entende o que foi a Santa Inquisição?
    E sobre as indulgências, qual o seu conhecimento?
    Não responda para o blog as questões acima, procure encontrar as respostas para o seu bem e da sua alma.
    Quanto as questões relacionadas com as sujeiras católica e protestantes, elas não tem nenhuma relação com a Igreja e sim com seus fiéis, os quais serão julgados por Deus no dia de sua morte.
    Recomendo que estude a doutrina católica, o catecismo e leia sobre a verdadeira história da Igreja, pois você não pode amar aquilo que não conhece.
    Os inimigos da Igreja costumam falar aquilo que ouviram dizer da Igreja e não o que realmente é a Igreja.
    Em Cristo Nosso Senhor

    ResponderExcluir
  115. Ao prezado Anônimo,
    Os católicos adoram apenas um Deus em três pessoas, o Deus de Abraão, Isaac, Jacó, Isaías, São Pedro, São Paulo, Maria Santíssima (mãe de Deus), São Pio V, São Pio X, São Francisco, São Francisco Xavier, Santo Inácio de Loiola e poderia ficar aqui horas e horas enumerando os verdadeiros adoradores. Pois, os católicos adoram ao verdadeiro Deus presente em corpo, alma e divindade na Eucaristia.
    Em Cristo Nosso Senhor

    ResponderExcluir
  116. Prezado Anônimo,
    Você está redondamente enganado, pois Deus está presente em todos os sacrários das igrejas Católicas nas sagradas espécies em corpo, alma e divindade.
    Você quer que os católicos fiquem calados, no entanto você continua gritando asneiras e ofendendo a Santa Igreja Católica onde fora não há salvação e nem verdadeira santidade.
    A tolerância protestante tão conhecida na história.
    Em Cristo Nosso Senhor e no coração de Maria Santíssima

    ResponderExcluir
  117. Sou Evangélica, já fui católica muito tempo e sei que me ensinaram na igreja a adorar santos, Hj sim Adoro ao Deus verdadeiro e tenho pena de quem fala um monte de Asneiras contra uma pessoa como Lutero. Acredito que Deus está sim em Todas as Igrejas, mas não na vida de todas as pessoas que vão em uma igreja e quando saem de lá se acham superior as outras. Acredito que deve haver respeito e tolerância entre todos, pois só assim Jesus pode operar milagres em nossas vidas. Ah proposito quem escreveu essa materia deveria ler mais sobre Lutero. E a meu irmão Jesuan, cuidado pra vc não ficar sem salvação julgando a todos e afirmando que só em sua igreja há salvação. Pois as escrituras sagradas afirmam: Julga-te a Ti mesmo, para não serdes julgados. (Corintios)

    ResponderExcluir
  118. Prezada Anônima, Salve Maria a Mão do meu Senhor!
    Fico muito triste por você ter abandonado a Santa Igreja Católica Romana para seguir as heresias de Lutero.
    Você poderia apresentar alguma documento da Igreja Católica ensinando os seus fiéis adorar os Santos. Quando algum lunático tentou me convencer que os Católicos adoram os Santos, ao contrário de você que abandonou a Igreja, eu fui conhecer a fundo a doutrina Católica. Qual foi o resultado fiquei mais Católico e agora defendo a Santa Igreja dos ataques de seus inimigos, pois é minha obrigação.
    Você fala em um monte de asneira sobre Lutero, mas você realmente conhece quem foi Lutero ou acredita naquilo que ouviu sobre o mesmo. Para começar procure ler o livro Conversas à Mesa" (Tischreden, em alemão). O livro são anotações dos admiradores de Lutero e que foram mais tarde editadas em forma de livro.
    É uma loucura achar que Deus está em todas as Igrejas, que Deus seria esse que fala uma coisa para uma igreja e depois nega para outra. Em uma igreja você pode fazer imagens, na outra não pode. Em uma o pão e o vinho são o corpo e sangue de Cristo e na outra é apenas uma memória. Em uma deve-se batizar as crianças em outra apenas os adultos.
    Nosso Senhor fundou sim uma Igreja é ela deve apresentar 4 notas essenciais.
    1 - Deve ser UNA. Deus é um e sua Igreja deve ser una. Una na Fé, ter uma só doutrina. Ter um só Batismo. Um só chefe: o Papa.
    O protestantismo não é uno. Ele tem milhares de diferenças doutrinárias. Na realidade, cada protestante tem, cada um, a sua religião particular, na qual cada um é papa, bispo e padre, ao mesmo tempo. Isto é, cada protestante pretende ser e quer ser tudo, e não é nada.
    2 - Deve ser Santa A Igreja de Jesus Cristo deve ser santa e santificar seus membros através da graça e dos sacramentos.
    As seitas protestantes negam, em geral os sacramentos, recusam os santos e não produzem santos. Só a Igreja Católica pode gerar santos.
    3 - Deve ser Católica Católica quer dizer universal, porque Cristo mandou ensinar e batizar a todos: ricos e pobres, judeus e gentios, de todas as raças, e de todas as condições.
    4- A Igreja deve ser Apostólica As autoridades da Igreja devem derivar do próprio Jesus Cristo, como sucessoras de Pedro e dos Apóstolos. Jesus Cristo fundou sua única Igreja sobre Pedro a quem disse; "Tu és Pedro, e sobre essa pedra edificarei a minha Igreja" (Mt XVI, 16-20).
    E Jesus disse a seus Apóstolos: "Quem vos ouve, a Mim ouve".

    ResponderExcluir
  119. Continuação...

    Atualmente você não deve me chamar de Irmão, pois você não faz a vontade do Pai. Caso você fizesse a vontade do Pai seria Católica. "Disse-lhe alguém: Tua mãe e teus irmãos estão aí fora, e querem falar-te. Jesus respondeu-lhe: Quem é minha mãe e quem são meus irmãos? E, apontando com a mão para os seus discípulos, acrescentou: Eis aqui minha mãe e meus irmãos. Todo aquele que faz a vontade de meu Pai que está nos céus, esse é meu irmão, minha irmã e minha mãe. " (S. Mateus, 12, 47-50).
    Vou deixar Santo Agostinho explicar para você a passagem das Sagradas Escrituras citadas acima:
    "O Senhor indica assim, o parentesco espiritual que o liga ao povo por ele redimido. Conta como irmão e irmã a todos os homens e a todas as mulheres que se tornam santos, por serem seus co-herdeiros na herança celestial. Sua mãe é a Igreja inteira, pois, pela graça de Deus, ela dá à luz os seus membros que são os fiéis. Além do mais, sua mãe é ainda toda alma piedosa que cumpre a vontade de seu Pai e cuja fecundíssima caridade manifesta-se naqueles que ela gera para ele, até que o próprio Cristo seja neles formado. (Gl 4,19). Portanto, Maria ao fazer a vontade de Deus é, corporalmente, só a mãe de Cristo; mas, espiritualmente, é também a sua mãe e irmã." e ainda: “Logo, isso acontece com Maria, visto que ela sempre está a fazer a vontade do Pai.(...)”(A virgindade consagrada V,5, Agostinho, Santo, A Virgem Maria - Cem textos Marianos com comentários, Paulus, 3a. ed., Pág. 54)
    Quanto a Igreja ser o único caminho da Salvação, não é o Jesuan que fala e sim a Santa Madre Igreja. Eu apenas repito os ensinamentos dos últimos 2.000 anos da Santa Igreja.
    Quanto a minha salvação, posso perder em função dos meus pecados, mas não em relação a fé que professo.
    Você sabia que corrigir os que erram é obra de misericórdia espiritual.
    Mas, para corrigir, é preciso antes julgar.
    Portanto, nem todo juízo é errado. Pode-se julgar mal ou julgar bem. Toda mãe recomenda: "Tenha juízo, minha filha". Será que a senhora sua mãe nunca lhe disse isso? Creio que ela o disse.
    Devemos julgar retamente, para poder ajudar os outros.
    Foi isso que Nosso Senhor nos mandou fazer: "Não julgueis segundo a aparência, mas julgai segundo a reta justiça" (Jo VII, 24).
    E é o que procuramos fazer em nosso blog na seção comentários.
    Entretanto, isso não é o que você fez conosco.
    Como você condena todo julgamento e, depois, nos julgou dizendo que agimos mal?
    Minha cara, julgo com reto juízo, que você está em contradição. E onde há contradição, Cristo está ausente.
    Tomara que você compreenda sua contradição, que é de caráter sentimental e protestante, e mude de atitude.
    Em Cristo Nosso Senhor
    Jesuan

    ResponderExcluir
  120. Prezada Anônimo, Salve Maria a Mãe do meu Senhor!
    Você fala em mentiras sobre Lutero, mas você realmente conhece quem foi Lutero ou acredita naquilo que ouviu sobre o mesmo. Para começar procure ler o livro Conversas à Mesa" (Tischreden, em alemão). O livro são anotações dos admiradores de Lutero e que foram mais tarde editadas em forma de livro.
    Após você realmente ter conhecimento de quem foi Lutero, pode voltar a fazer comentários em nosso blog.

    ResponderExcluir
  121. Prezado Anônimo do ministério vida livre, Salve Maria!
    "cheia de graça" (S. Lucas I-28)
    "mãe de meu Senhor" (S. Lucas I-43)
    "bendita entre as mulheres (S. Lucas I-42)
    "em quem fez grandes coisas Aquele que é poderoso" (S. Lucas I-49)
    "e a quem proclamam bem-aventurada todas as gerações" (S. Lucas I-28)

    Não consegui entender o seu comentário, mas vou aproveitar o mesmo para falar de Maria Santíssima a Mãe do meu Senhor, espero que faça bom proveito.
    A Bíblia ensina que toda honra e glória se deve a Cristo Nosso Senhor, mas ensina também que honrar a mãe de Cristo, sua criatura mais perfeita, não diminui, mas aumenta a glória do mesmo Cristo, pois elogiar e reconhecer a obra é elogiar e reconhecer o autor da obra. Ainda mais o obra-prima da criação - Maria Santíssima.
    Santa Isabel disse: "A que me deve a HONRA de vir a mim a Mãe de MEU SENHOR". Ora se ela fosse apenas uma mãe terrena, porque Isabel (cheia do Espírito Santo) diria ser uma honra Maria visitá-la?
    Justamente por ser Mãe de SEU SENHOR. Mais ainda, ela se julga indigna de tanta honra, este é o sentido da frase. Não mudaria em nada o sentido se ela dissesse: "Como posso ter a honra...". Se Maria fosse uma mãe qualquer, porque toda essa exaltação e homenagem de Isabel? Até se fosse mãe como qualquer uma, já mereceria mais respeito!
    Santa Isabel, já em idade avançada, esperando um filho, recebe a visita da prima, Maria, que ao chegar na casa de Zacharias, saúda Isabel. São Lucas conta então o que ocorreu: "Aconteceu que, ouvindo Isabel a saudação de Maria, logo estremeceu de alegria a criança que tinha em seu seio." E o evangelista nos fala que Isabel ficou cheia do Espirito Santo.
    Que notável acontecimento: Maria fala, o menino - no ventre - estremece de alegria, e Isabel fica cheia do Espírito Santo! São Lucas é claro: "ouvindo Isabel a saudação de Maria". Maria fala, o milagre se produz. Maria está no meio, entre Aquele que produz o milagre - Cristo - e aqueles em que se dá o milagre - S. João Batista e Sta Isabel.
    Maria é portanto a mediadora. S. Lucas, I, 41.
    Continua o Evangelista: "e exclamou em altas vozes (Sta Isabel):Bendita és tu entre as mulheres, e bendito é o fruto do teu ventre. Mas donde me vem esta honra de ser visitada pela MÃE DE MEU SENHOR?"
    Isabel fala: "a MÃE DE MEU SENHOR"; quem é o SENHOR? Tenho certeza que você me dirá que é Deus, não vá me decepcionar... Se o SENHOR é DEUS, Maria, que é mãe do Senhor, é MÃE DE DEUS.
    Sta Isabel diz: "...bendito é o fruto de teu ventre." Qual é o fruto do ventre de Maria? A própria Isabel responde: "meu Senhor"! (de quem Maria é mãe); aqui então Isabel reconhece a dupla natureza de Cristo, a humana - fruto do teu ventre - e a divina - meu Senhor - porém na mesma PESSOA: o filho de Maria. Isabel reconhece em Cristo o Salvador, antes mesmo do seu nascimento! Isabel não viu, mas acreditou. E quantos foram os que viram e não creram...
    Se Isabel ignora de onde vem a honra, é porque ela julga não ter. Se ela julga não ter a honra, julga não ser digna. Se julga não ser digna, julga-se indigna. Logo, Isabel se julga indigna. Nenhum acréscimo às Escrituras, só a conclusão da passagem.
    O protestante usa ainda várias vezes o verbo adorar, para Maria; adorar é reconhecer Deus como Soberano e Criador de todas as coisas; Mostre-me um lugar sequer, e então pode dizer que adoramos uma criatura. Maria é criatura, não pode ser adorada, e sim venerada.
    Prosseguindo com São Lucas: "Porque logo que a voz da tua saudação chegou aos meus ouvidos, o menino exultou de alegria no meu ventre. E BEM-AVENTURADA TU, QUE CRESTE, porque se hão de cumprir as coisas que da parte do Senhor te foram ditas."

    ResponderExcluir
  122. Prezado Raul Thomé, Salve Maria!
    Ninguém está denegrindo a imagem de ninguém, o próprio Lutero através de sua péssima vida denegriu a sua imagem. Os seus seguidores fizeram as anotações do seu péssimo comportamento. Lutero não tinha a intenção de reformar a Igreja e sim de sustentar os seus vícios, desta forma deturpou a doutrina para atender a sua loucura.
    Deus não abandona sua Igreja, mas permite que a mesma passe por provações e perseguições, mesmo por parte de pessoas que se dizem católicas. Dentro da Igreja sempre existirá Judas.
    Procure conhecer a verdadeira vida de Lutero.
    Procure conhecer a verdadeira doutrina Católica e a história da Igreja.

    ResponderExcluir
  123. Prezado Anônimo, Salve Maria!
    Obrigado por sua ofensa.
    Vou rezar uma ave-maria por sua alma, pois fora da Igreja Católica não há nenhuma possibilidade salvação e nem verdadeira santidade.
    Vou rezar mais uma ave-maria por minha alma, pois devemos combater o bom combate até o último momento de nossa vida.
    Você acabou de demonstrar a grande diferença do ensinamento católico em relação as fantasias protestantes, uma vez que eu aprendi rezar pelos meu inimigos e você aprendeu a ofender os seus inimigos.

    ResponderExcluir
  124. Uma arvre ma não pode dar bons frutos... Ele não pode ter sido de Deus

    ResponderExcluir
  125. Na realidade, assim como fizeram com Jesus mentindo dizendo que ele era pecador procurando achar culpa nele até o matarem e disseram que o corpo foi roubado assim também fizeram com Lutero mentindo sobre a vida dele.
    Oque vejo é o seguinte! Que a igreja católica é a primeira igreja não discuto porém, oque ela faz é fora da bíblia ex: foi Jesus que morreu na cruz pra nos salvar e para ser intercessor entre Deus e o homem; Hoje porém vejo que existem outros intercessores criados pela igreja católica como Aparecida, São Jorge, etc só que o único que morreu na cruz foi Jesus e o único intercessor é Jesus e ele esta sendo deixado de lado por imagens de escultura papai noel e outros. Então como não ser protestante? A verdade é a igreja católica abandonou Jesus faz muito tempo. Alias quem foi que deu direito a quem quer que seja para canonizar uma pessoa? Fala sério não sei como as pessoas não veem isso, falta de ler a bíblia.

    ResponderExcluir
  126. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezado Vanderlei Santos, Salve Maria a mãe do meu Senhor!
      Impressionante a loucura protestante, os mesmos são capazes de comparar lutero com Nosso Senhor. Você deveria primeiro conhecer a verdadeira face do seu pai na fé e somente depois tecer alguma comentário.
      Pelo menos uma verdade você falou, a Igreja Católica é a primeira igreja, já é um começo.
      Nossa! Encontrei mais uma verdade em suas palavras, que Nosso Senhor morreu na cruz para nos salvar.
      Quanto a questão dos santos e de imagens, o assunto já foi tantas vezes refutado pelos católicos, desta forma não vou perder o meu tempo.
      O que o papai noel tem a ver com o texto publicado?
      Como que a Igreja abandonou Jesus ,se a Igreja é o seu corpo místico.
      Pesquise um pouco sobre o que é canonização para não voltar a falar besteira.
      Graças a Deus que não são todas as pessoas que seguem as ilusões protestantes, criadas por lutero e seus seguidores.
      Passe muito bem!

      Excluir
  127. Ei mané,por acado seguimos Lutero?não.e sim Jesus Cristo.Ainda bem q Deus levantou Lutero para nos alertar sobre o paganismo do Catolicismo.Só Jesus salva.Deus usou um Jumento...vou adorar o Jumento ou venera-lo so pq Deus o usou?Deixem de serem bestas seus catolicos hipocritas.é por isso q o Papa vive quebrando a cabeça pq a Igreja Católica está perdendo numero de fies para os evangelicos...seguimos a Cristo q é a pedra angular.te faço uma pergunta:Pedro nao errou tbm não?o que é ser salvo seu idiota raça de víbora?o céu é para quem?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezado Fabio, Salve Maria!
      “Se o mundo vos odeia, sabei que primeiro odiou a mim. Se fôsseis do mundo, o mundo vos amaria como ama o que é seu; mas, porque não sois do mundo, e porque eu vos escolhi do meio do mundo, por isso o mundo vos odeia. Recordai-vos daquilo que eu vos disse: ‘O servo não é maior do que o seu senhor’. Se me perseguiram, perseguirão a vós também. E se guardaram a minha palavra, guardarão também a vossa. Eles farão tudo isso por causa do meu nome, porque não conhecem aquele que me enviou.”
      Toda vez que recebemos uma ofensa, lembramos das palavras de Nosso Senhor. Ficaria muito obrigado se pessoas como você estivessem nos agradecendo pelo que publicamos no blog.
      Quanto ao seu comentário, se você segue lutero eu não sei, mas que pensa como ele, tive certeza absoluta ao ler suas palavras tão caridosas.
      Você acredita mesmo que o Deus de amor, misericórdia e justiça deixaria o sua igreja por mais de 1500 anos no erro. Acreditar nisso seria a mesma coisa que acreditar em papai noel, coelhinho da páscoa e et's.
      Quando você fala só Jesus salva, digo "ufa", em pelo menos uma coisa nós concordamos.
      Quanto ao jumento, não consegui entender o seu raciocínio.
      Quanto a perder fiéis, mostre-me um discurso do Papa preocupado em perder fiéis para uma igrejola de porta de garagem.
      Quanto aos erros de Pedro, provavelmente ele cometeu muitos, más após receber as chaves do céu, diretamente de Cristo, tanto Pedro quanto seus sucessores nunca erraram em matéria de fé e moral.
      Você pergunta o que é ser salvo e eu lhe respondo, salvar-se é morrer na graça de Deus, sem pecado mortal, e ganhar como prêmio a vida eterna face-a-face com Deus.
      Saliento que o céu é para os católicos, pois fora da Igreja Católica Apostólica Romana não há salvação e nem verdadeira santidade.
      Que Deus lhe perdoe

      Excluir
  128. amigos, que fonte é essa?
    WAW, 29, 50, 18 ?

    muito bom o artigo, parabéns.

    Pedro.

    ResponderExcluir
  129. Prezado Pedro, Salve Maria!
    O texto publicado no blog foi publicado pelo Movimento da Juventude Católica do Brasil. O mesmo foi escrito por Dom Licínio Rangel, já falecido, e não conseguimos precisar a fonte WAW. Talvez entrando em contato com Movimento da Juventude Católica do Brasil você consiga tal informação.


    Read more: http://www.saopiov.org/2009/08/martinho-lutero-homicida-e-suicida.html#ixzz2bZ61bs8v

    ResponderExcluir
  130. Que tal os que dizem que o papa é infalível seguirem a frase do papa Francisco, que diz:
    “Não há necessidade de consultar um psicólogo para saber que quando você denigre o outro é porque você mesmo não consegue crescer e precisa que o outro seja rebaixado para você se sentir alguém.”?
    Alguém já atentou para o alcance dela?
    Isso quer dizer que os católicos devem, realmente praticar a verdadeira APOLOGIA, que é o de defender a sua religião, mostrando as suas qualidades, em lugar de denegrir as outras religiões e seus respectivos líderes, como aconteceu aqui, em relação a Lutero.
    Abraços. Frazão

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezado Frazão, Salve maria a Mãe do meu Senhor!
      O Papa é infalível quando trata de fé e moral e não quando fala de psicologia.
      Denegrir ou julgar a imagem de alguém sem conhecimento de causa é condenado por Nosso Senhor, no entanto apresentar fatos históricos (que é o que fazemos) não caracteriza-se como julgamento temerário.
      Nós católicos praticamos a verdadeira apologética (é a disciplina teológica própria de uma certa religião que se propõe a demonstrar a verdade da própria doutrina, defendendo-a de teses contrárias), pois sempre refutamos as heresias protestantes defendidas pelos seus seguidores, os quais não conseguindo mais defender seus erros, costumam fazer acusações sem fundamento. Saliento que os católicos não mostram as qualidades do catolicismo, apenas apresentamos os seus frutos.
      Saiba Frazão, que não se opor ao erro é o mesmo que aprová-lo, e não defender a verdade é o mesmo que suprimi-la. (Papa S. Felix III)
      O Catolicismo vai continuar a defender a verdade e se opor ao erro.

      Excluir
    2. Caro Jesuan.
      Teu comentário de 11 de agosto de 2013 20:39.
      Quando alguém fala mal do outro está julgando esse alguém; ou não está? Se eu disser que alguém aqui é desonesto, além de estar ofendendo moralmente, eu estarei julgando esse alguém; logo, meu caro Jesuan, quando o papa falou em denegrir ele falou em termos morais, o que torna que aí ele está agindo dentro do princípio da infalibilidade papal, nos termos do que você mesmo argumentou.
      Não sei se você acompanhou os seus pronunciamentos durante a JMJ, aqui no Brasil, para ver que ele pregou a união entre as religiões, sob a alegação que somos filhos do mesmo Pai; a não ser que essa parte não interessou aos teus objetivos “apologéticos” e foi esquecida.
      Além do mais, não esqueça de que o papa, ao proferir essa frase, simplesmente está atendendo ao que Jesus diz em Mateus 7,1: “não julgueis, para que não sejais julgados”; ou “Embainha tua espada, porque todos aqueles que usarem da espada, pela espada morrerão.” (Mt26,52)
      Agora, uma pergunta: se nós não pertencemos ao catolicismo, o que o catolicismo tem a ver com quem não pertence a seu credo? Por acaso estamos falando mal de alguma personalidade dela? Ao contrário, você foi quem publicou esse artigo, mostrando uma baita de uma incongruência, em que chama Lutero de assassino e, ao mesmo tempo, como que dando uma de magnanimidade da igreja, vem com essa de que foi dado asilo a ele, como que evitando que ele fosse condenado pela Justiça dos homens.
      Portanto, meu caro, religião não é um produto comercial, para que você venha com essa de tentar denegrir o “proprietário” do mesmo tipo de produto concorrente, visando desvalorizar o produto da outra “marca”, na tentativa de elevar as qualidades do teu (sem mostrá-las), como se fora uma mercadoria posta a venda.
      Quanto a vocês praticarem a “verdadeira” apologética, não duvido que seja essa a intenção; entretanto, da intenção à execução vai uma grande distância, pois o que se vê hoje é o ataque desbragado de uma a outra religião, principalmente as nossas, tidas como cristãs; já as outras, coitadas, o máximo que fazem é se defenderem, como, por exemplo, as de origem africana, que o catolicismo e o protestantismo fazem questão de chamá-las de fetichistas; entretanto, em algumas localidades, alguns setores católicos menos radicais denominam a sua prática, eufemisticamente, de sincretismo, aceitando seus rituais, como uma das maneiras de não entrar em choque com grupos de pessoas formadoras de opinião, como artistas e intelectuais badalados para não perder fiéis dizimistas, como acontece com a lavagem das escadarias da Igreja do Senhor do Bom Fim, em Salvador, que foi incorporada aos eventos turístico-religiosos, à guisa de tradição; ou é mentira o que estou dizendo?!
      Finalmente, meu caro, entenda que o direito à liberdade de expressão, embora seja uma forma de você poder dizer o que quer, ele esbarra no direito do outro; e, no caso, o direito do outro é o de liberdade de crença; e é isto o que fez o autor da matéria postada, e vocês continuam mantendo a chama que, graças ao bom Deus, não é mais a da “santa” inquisição.
      Portanto, caro Jesuan, para com esse negócio de atacar a crença dos outros e procure mostrar as virtudes do ramo católico do Cristianismo, sem precisar atacar os demais ramos da mesma árvore, pois o próprio Jesus disse que toda casa dividida não subsistirá (Mt 12,25); ou você acha que todos nós não pertencemos à mesma casa? Para mim, só não estamos no mesmo cômodo, como, no caso da árvore, não estamos no mesmo ramo; mas, tanto a árvore como a casa, são as mesmas.
      Abraços, e fiquemos com Deus e Jesus nosso Mestre. Frazão

      Excluir
    3. como é media a fé do papa? como vc sabe que a dele é maior que de outros?
      que moral? a história esta cheia de papas assassinos a idade média é a medida da moral infalível?
      ajude-me a compreender essa infalibilidade.

      Excluir
    4. Prezado Anônimo, Salve Maria!
      Não sei como se mede a fé do Papa, você sabe?
      Também não sei se a fé do Papa é maior que a dos outros, você sabe?
      Você pergunta que moral? Moral é a parte da Filosofia que estuda os atos humanos livres. Infelizmente hoje em dia, se procura distinguir, indevidamente, ética de Moral, atribuindo à Moral o estudo das ações humanas enquanto obedientes ou violadoras da lei de Deus, enquanto se atribui à Ética um sentido puramente laico de conjunto de ações convencionadas como corretas no exercício de uma atividade.
      A Lei moral universal e natural é de origem divina, à qual todos os homens devem obediência. Portanto quando o Papa fala em moral, ele está justamente falando da lei moral de origem divina.
      Quanto a infalibilidade vou publicar em outro comentário e espero que você esteja sendo honesto quando diz que quer compreender essa infalibilidade.

      Excluir
    5. Prezado, Salve Maria!

      Estou apresentando resumidamente o que se entende como infalibilidade papal, mas acredito que seja suficiente para um início de entendimento
      A infalibilidade papal é exercida quando o Papa se pronuncia "ex- cathedra", isto é, oficialmente como sucessor de Pedro em sua cátedra, como Bispo de Roma e soberano da Igreja Católica.
      As condições para o exercício do carisma da infalibilidade, de acordo com o dogma estabelecido pelo Concílio Vaticano I, em 1870, são quatro:
      1 - Que o Soberano Pontífice se pronuncie como sucessor de Pedro, usando os poderes das chaves, concedidas ao Apóstolo pelo próprio Cristo;
      2 - Que se pronuncie sobre Fé e Moral;
      3 - Que queira ensinar à Igreja inteira;
      4 - Que defina uma questão, declarando o que é certo, e proibindo, com anátema, que se ensine a tese oposta.
      Para exercer um ato infalivelmente, em qualquer documento ou forma de pronunciamento - seja numa encíclica ou num decreto especial, bula, constituição apostólica etc. - o Papa precisa deixar claro que o faz nessas quatro condições acima citadas.
      Assim, por exemplo, o discurso de Paulo VI na ONU , no qual ele declara que lá se pronunciava como doutor em humanidades, não é infalível, porque ele não se pronunciou como Papa.
      Na encíclica Fides et Ratio, João Paulo II diz que fará "considerações filosóficas". Isso, a nosso ver e salvo melhor juízo, não torna o documento citado infalível, pois, de novo, ele só se pronuncia como mestre de filosofia.
      Pelo contrário, na encíclica Veritatis Splendor, quando João Paulo II declarou que o núcleo da encíclica ele o ensinou, usando o poder de Pedro, e que doravante ninguém poderia dizer o oposto e continuar a se dizer católico, esse núcleo da encíclica foi ensinado (salvo melhor juízo do que o nosso, que não somos nem juristas nem teólogos), infalivelmente.
      Nos concílios ecumênicos, só é infalível a decisão que o Papa declarar tal, estabelecendo um anátema contra quem defenda a tese oposta. No chamado "latrocínio de Éfeso", em 449, concílio presidido por São Flaviano, nenhuma das decisões conciliares foi aprovada pelo papa, a não ser o chamado Tomo a Flaviano, carta enviada pelo papa São Leão Magno ao presidente do concílio, São Flaviano, condenando as heresias de Nestório e de Eutiques.
      São Flaviano foi assassinado durante a assembléia ecumênica que, por isso é chamada o conciliábulo de Éfeso ou o Latrocínio de Éfeso.
      Todos os Concílios ecumênicos que foram declarados dogmáticos pelo Papa e concluíram lançando anátemas definidores de teses dogmáticas, são infalíveis nas decisões aprovadas como infalíveis pelo Papa.
      Obs: Agradecemos ao site Montfort pela contribuição ao nosso blog.

      Excluir
    6. A questão sobre julgar com reta razão já foi suficientemente comentada.
      Já publiquei o que se entende como infalibilidade papal, apenas uma pessoa que não busca de forma sincera a verdade tem dificuldades de entender. Para uma pessoa que acredita nenhuma explicação é necessária. Para uma pessoa que não acredita nenhuma explicação é suficiente.
      Quanto a união entre as religiões, apenas posso dizer o seguinte, existe uma Igreja fundada por Cristo, ou seja a Igreja Católica Apostólica Romana, não há como misturar água e azeite. Não me consta que o Papa tenha falado sobre união entre as religiões, pois as seitas para unir-se a Santa Igreja teriam que abondonar as suas heresias.
      Não me consta que a Igreja tenha dado asilo para o assassino lutero, o mesmo aproveitou-se da Igreja para não ser preso por seus crimes
      Quanto a questão do produto comercial, este é um assunto que a Igreja não tem experiência, ao contrário das seitas protestantes.
      Quem aceita o tal sincretismo religioso são péssimos Padres ou Bispos, pois a doutrina Católica rejeita rituais africanos dentro de nossas igrejas, em suas celebrações e a participação de católicos.
      Nosso Senhor e a Santa Igreja são contra a liberdade de expressão, pois é um dever de caridade corrigir e criticar os que encontram-se no erro e desejando-lhes o Bem Absoluto que é Deus. Também devemos odiar as heresias.
      Quanto aos ramos, eles estão desligados da árvore (Santa Igreja), desta forma devem secar e após lançadas ao fogo.

      Excluir
  131. Só mesmo em torno de religião se reúne tanta besteira. Dizem crer na mesma Escritura mas estão uns contra os outros e denegrindo pessoas com "embasamentos" mirabolantes. Se concordam que Cristo está certo, falem dele, Deus cuidará de Lutero, dos Papas e das Mamas!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezado wsbarreto, Salve Maria!
      Não consegui entender o seu comentário, o mesmo parece muito mais uma sopa de letrinhas.
      1) Qual religião reúne tanta besteiras?
      2) Quem está contra quem?
      3) Quais são os embasamentos mirabolantes?
      4) É óbvio que Deus está certo e sempre falamos Dele. Leia o nosso blog e terá a constatação do que escrevo.

      Excluir
  132. Como foi publicado esse comentário, e considerando que o sentido da frase do papa Francisco alcança todo e qualquer seguimento religioso, será bom que este blog absorva o sentido dessa frase e passe a aplicá-lo a partir de agora, mostrando as virtudes da sua religião, sem ter necessidade de atacar a dos outros; espero que também os meus irmãos protestantes passem a fazer o mesmo, já que o nosso Deus é o mesmo.
    Abraços. Frazão

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caros leitores do blog,
      Quando respondi o comentário acima, não me dei conta do autor do mesmo, o Sr. Frazão. O mesmo já foi muitas vezes refutado no blog por outros integrantes do grupo, assim como por leitores. O Frazão costuma fazer salada em suas respostas, pois quando refutamos os seus comentários, ele apresenta outro ponto para discussão, sendo que quando refutamos o último, ele costuma voltar para o primeiro. Para conhecimento de todos, o Sr. Frazão deixou mais dois comentários de muitas linhas, fazendo a mesma coisa que fez no passado.
      Pesquisando os comentários anteriores, cada um poderá tirar a sua conclusão quanto a forma de agir do Sr. Frazão.
      Desta forma, como o mesmo não busca a verdade de forma honesta, querendo apenas mostrar a sua habilidade de escrever, não estaremos publicando os comentários do mesmo.

      Excluir
    2. Caro Jesuan.
      Teu comentário de 12 de agosto de 2013 23:41
      Por que, então, não publica minhas respostas já dadas e diz que daqui para a frente não mais vai publicar meus comentários?
      Tens medo que os outros vejam que você ficou sem respostas?
      Assim, é bom dar a entender que os outros disseram bobagens e os demais participantes não verificarem que você fez isso porque ficou sem respostas...
      E depois vem dar uma de sabichão, mesmo sabendo que está agindo contra Mt 5,37, que diz: “Dizei somente: Sim, se é sim; não, se é não. Tudo o que passa além disto vem do Maligno.”
      É como disse uma vez o pastor presbiteriano Nehemias Marien: “Fariseus sempre existiram, existem e existirão, enquanto o homem não evoluir moralmente”.
      Pense nisso, meu caro, que você possivelmente irá melhorar teu modo de agir; mas, para isso, terá que se arrepender do que fez até o momento. Sem farisaísmo de minha parte.
      Abraços. Frazão

      Excluir
    3. Caro Jesuan.
      Deixe de ser cara de pau e assuma que você não acreditou que não haveria reação de minha parte, em relação ao teu sofisma sobre que o papa havia falado em termos de “psicologia”...
      Agora você me vem com essa de que fui contestado por “integrantes do grupo”, quando esses integrantes foram o Giulio Gequelim e você; somente!...
      Tenha hombridade e assuma que você não teve condições de contestar os meus argumentos, e reconheça perante os demais participantes que o artigo do Dom Licínio é faccioso, para não dizer mentiroso e incongruente, que fica melhor para uma pessoa que se diz cristã.
      Era só isso o que desejaria dizer, visando mostrar a hipocrisia ainda reinante dentro da “santa” madre, o que me faz deduzir que o Lutero, apesar dos defeitos que a ele atribuem, agiu corretamente ao tentar a reforma.
      Abraços e fiquemos com Deus que, embora Ele não ame o pecado (hipocrisia), Ele nos ama, como pecadores. Frazão

      Excluir
    4. Estou publicando as suas respostas e dizendo que não vou responder mais os seus comentários, enquanto os mesmos tiverem a característica de um cachorro tentando morder o próprio rabo, ou seja não sai do lugar.
      Meu caro eu tenho medo apenas de morrer sem a amizade de Deus e perder minha alma.
      O católico não fica sem resposta, pois está com a verdade. O católico apenas cansa de repetir várias vezes e o outro não fazer um esforço honesto para entender.
      Dizei somente, sim, se é sim e não, se é não. Tudo o que passa além disto vem do Maligno. Um belo mandamento católico.
      Todos os dias luto para melhorar o meu comportamento, pois sou pecador. Rezo pela intercessão de Maria Santíssima para conhecer os meus pecados e ter um sincero arrependimento.

      Excluir
    5. Prezado, Salve Maria!
      Um grande amigo meu, quando recebia cartas com comentários parecidos ao seu, mandava as mesmas para o Quadro de Honra de seu site.
      Não temos um quadro de honra, mas vou publicar o seu comentário para que todos conheçam como um inimigo da Igreja costuma pensar e berrar. Também mostrar a incoerência dos seus comentários, pois você estava louco para começar a atacar alguém.
      Aqui acaba a lição!

      Read more: http://www.saopiov.org/2009/08/martinho-lutero-homicida-e-suicida.html#ixzz2cT142pg6

      Excluir
  133. Prezado Frazão, Salve maria a Mãe do meu Senhor!
    Favor ler atentamente o nosso comentário publicado em resposta ao seu.
    O Papa é infalível quando trata de fé e moral e não quando fala de psicologia.
    Acredito que você não conhece as publicações de nosso blog. Publicamos a verdadeira doutrina de Cristo e as virtudes dos milhares de santos católicos, pois pelos frutos se conhece a árvore.
    Repito, nós publicamos fatos históricos da vida de lutero, que todos deveriam conhecer. Não consigo entender a razão dos protestantes esconderem a vida de seu líder?
    Se o Deus que nós católicos seguimos é o mesmo deus dos protestantes, então você acredita e segue as sentenças a seguir:
    1) Nosso Senhor fundou apenas uma religião que é a Católica;
    2) Nossa Senhora deve ser proclamada com bem aventurada por todas as gerações;
    3) Nossa Senhora é a mãe de Deus;
    4) Nossa Senhora teve apenas um filho, Nosso Senhor Jesus Cristo, concebido pelo Espírito Santo;
    5) Nossa Senhora foi concebida sem o pecado original (Imaculada Conceição);
    6) Nossa Senhora é a virgem das virgens, ou seja permaneceu sempre virgem, nunca conheceu um varão.
    7) São Pedro recebeu a chave dos céus;
    8) São Pedro é o vigário de Cristo e o Papa Francisco é o seu sucessor;
    9) vou parar por aqui, pois a lista ficará extensa.

    Não se opor ao erro é o mesmo que aprová-lo, e não defender a verdade é o mesmo que suprimi-la. (Papa S. Felix III)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro Jesuan.
      Teu comentário de 12 de agosto de 2013 09:26.
      Li atentamente teu comentário anterior e já respondi sobre o papa ter dito que não precisa procurar psicólogo para saber que, quando você denigre outra pessoa, é porque você está sentindo que não consegue crescer e, por isso, você tem necessidade de rebaixar o outro para aparecer; não sei se você alcançou o sentido da frase... Entretanto, se o teu problema é palavra por palavra, o papa não falou de psicologia, mas, sim, de procurar um psicólogo, para a pessoa detectar se o procedimento dela está concorde com os postulados cristãos, de amar ao próximo como a si mesma, o que, para mim, implica em não falar mal do outro (denegrir alguém). E o que foi feito pelo dom Licínio com Lutero? Ele falou mal de Lutero, baseado em um livro do Dr. Dietrich Emme, conforme consta do post, apesar de existirem mais duas versões biográficas (ambas mencionando uma tempestade como o motivo da entrada de Lutero para o convento Agostiniano em Erfurt) citadas em meus comentários de 18 de novembro de 2011 18:08 e 18 de novembro de 2011 18:12. Veja que o Dom Licínio nem falou em alguma publicação divergente...
      Quanto às publicações do blog sobre a “verdadeira” doutrina de Cristo e as virtudes dos milhares de santos católicos, pois pelos frutos se conhece a árvore, acho que os lavradores atuais da seara católica não estão sabendo semear a boa semente, ou estão semeando em terreno errado; isso porque os frutos da safra atual não estão sendo lá essas coisas, em termos de doutrina cristã, pois os conhecimentos e a aplicação dos ensinamentos de Jesus estão deixando a desejar; talvez até tenha sido por isso que o Espírito Santo tenha inspirado os Cardeais a elegerem um novo chefe dos semeadores para obtenção de uma messe mais consentânea com o clima religioso atual.
      Já com relação aos fatos históricos da vida de Lutero, que você diz que todos deveríamos conhecer, lembro que quem fala sobre determinado assunto é quem deveria procurar conhecer aquilo sobre o que vai publicar e não publicar somente aquilo que coincide com seus interesses imediatos.
      Quanto aos demais itens por você apresentados sobre Jesus e Sua mãe, esclareço que deixo de me pronunciar sobre eles, já que fogem do assunto abordado no post, que é sobre Lutero.
      Entretanto, se você quiser dar sequência à discussão sobre eles, aborde-os em um novo post que, aí, sim, poderemos discutir sem nos desviarmos do foco do post presente.
      Abraços. Frazão

      Excluir
    2. se a nossa senhora era humana, portanto pecadora, corrupta em razaõ do pecado original, como podes afirmar que a criatura corrupta pode ser a criadora do criador?

      Excluir
    3. "Donde a mim esta dita de que a MÃE DE MEU SENHOR venha ter comigo?" (Luc. I, 43).
      E "Mãe de meu Senhor" quer dizer Mãe de Deus.
      Entendeu, anônimo? Compreendeu que você, ao dizer que Maria "não é Mãe de Deus, porque Deus sempre existiu", ao mesmo tempo que diz uma tolice, afirma algo contra o que está expressamente no Evangelho?
      Você nega o que diz o evangelho de São Lucas sobre Maria "Mãe do Senhor" (Luc. I, 43).
      Inúmeras vezes aparece no Evangelho que Maria é Mãe de Jesus. Ora como Jesus Cristo é Deus, Maria necessariamente é Mãe de Deus.
      Evidentemente, sendo Deus eterno, é claro que Nossa Senhora não pode ter gerado Deus na eternidade. Maria não é mãe do Verbo de Deus quanto à sua origem divina, procedente e gerado pelo Pai desde toda eternidade. Ela é Mãe do Filho de Deus encarnado, no tempo; é Mãe do Filho de Deus feito homem.
      Cristo tinha duas naturezas, mas tinha uma só pessoa, a do Filho de Deus. Dizer que a Virgem Maria foi só a Mãe de Jesus, mas não a Mãe de Deus, é atribuir duas pessoas a Cristo.
      Sua mãe, anônimo, gerou apenas o seu corpo, e não sua alma. Mas ela é mãe do anônimo inteiro. Se alguém lhe dissesse que sua mãe, por não ter gerado sua alma, criada por Deus, não é mãe de anônimo, estaria dizendo uma besteira, porque se ela é mãe da pessoa de anônimo, ela é mãe de anônimo todo.
      Do mesmo modo Maria, tendo sido Mãe de Jesus Cristo, cuja pessoa é a segunda Pessoa da Santíssima Trindade, é Mãe de Deus. Por isso, os santos da Igreja sempre perceberam que quem negava a Maternidade divina de Maria, estava, no fundo, querendo negar a divindade de Cristo.
      Santo Inácio de Antioquia, que conheceu São João e São Paulo, e que morreu em 110, escreveu:
      "A verdade é que o nosso Deus, Jesus, o Ungido, foi concebido de Maria segundo a economia divina; nasceu da estirpe de Daví, mas também do Espírito Santo" (Santo Inácio de Antioquia, Carta aos efésios, PG. 644 ss).
      Santo Efrém que viveu na Síria e morreu no ano 373, escreveu : "A obra prima da Sabedoria de Deus tornou-se a Mãe de Deus".
      Santo Alexandre, morto em 328, Bispo de Alexandria, escreveu que "Jesus Cristo .. teve um corpo gerado, não em aparência, mas verdadeiramente, derivado da Mãe de Deus".
      Santo Atanásio (U386), que foi secretário e sucessor de Santo Alexandre na diocese de Alexandria, afirmou que "o Verbo gerado pelo Pai, nas alturas, de modo inefável, inexplicável, incompreensivelmente e eternamente, foi Ele que nasceu no tempo aqui em baixo, da Virgem Maria, a Mãe de Deus".
      São Gregório de Nyssa (U371) proclamou a virgindade de Maria, referindo-se a ela como "Mãe de Deus".
      Santo Ambrósio (340-397), Bispo de Milão, em seu livro De Virginitate, (II, 65 in PL 16, 282C), empregou a expressão Mãe de Deus (Mater Dei).
      E, para completar, embora o testemunho de demônios não tenha valor, vou citar o que pensavam dois deles, pais de sua heresia: Lutero e Calvino.
      Pois até Lutero, ao comentar o Magnificat, escreveu:
      "Que são todas as mulheres, servos, senhores, príncipes, reis, monarcas da Terra, comparados com a Virgem Maria, que, nascida de descendência real (descendente do Rei Daví) é, além disso, mãe de Deus, a mulher mais sublime da Terra? Ela é na Cristandade inteira, o mais nobre tesouro depois de Cristo, a quem nunca poderemos exaltar bastante (nunca poderemos exaltar o suficiente), a mais nobre imperatriz e rainha, exaltada e bendita acima de toda a nobreza, com sabedoria e santidade" (Martinho Lutero, Comentário ao Magnificat, apud M. Basilea Schlink, - autora protestante - na revista Jesus Vive e é o Senhor).
      E o azedo e luciferino Calvino escreveu: "Não podemos reconhecer as bençãos que nos trouxe Jesus sem reconhecer ao mesmo tempo quão imensamente Deus honrou e enriqueceu Maria, ao escolhê-la para Mãe de Deus" (João Calvino, Sur L’Harmon. Évangélique"20).
      Obs: Agradeço ao site Montfort pela colaboração ao nosso comentário

      Excluir
    4. Não consegui alcançar o sentido da sua frase, pois a mesma parece vazia, sem propósito e leviana.
      Me desculpe, eu não preciso de psicólogo. Quando tenho algum problema de consciência, procuro um sacerdote para confessar-me e resgatar a amizade de Deus.
      Para quem não conhece nada da Santa Igreja, apenas ouviu falar, com certeza terá dificuldades de ver os frutos da mesma, em virtude de sua cegueira espiritual.
      Está ficando difícil defender lutero, pois o mesmo desmente você, basta ler os escritos do mesmo e dos seus seguidores.
      Que ótimo como você não entrará em outros assuntos, pois já estou cansado de responder tanta incoerência.

      Excluir
  134. POR CERTO MARTINHO TINHA SUAS FALHAS... MAS ACERTOU NA SUA DECISÃO DE REFORMADOR... AMIGO COMENTE TAMBÉM SOBRE A NOITE DE SAO BARTOLOMEU, EU ACHO QUE NAO FOI O LUTERO QUE MANDOU ASSASSINAR PESSOAS, SENAO ME ENGANO FORAM O PAPA E SEU SÉQUITO... FALE SOBRE ISSO TAMBEM POR FAVOR...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezado Anônimo, assunto solicitado, assunto publicado.
      A Noite de São Bartolomeu foi um episódio político e não religioso, a casa real da França foi a grande responsável pela perseguição e pelo massacre dos Huguenotes.
      Os Huguenotes eram um grupo de protestantes Calvinistas que se tornaram centro de disputas políticas na França nos Séc. XVI e XVII.
      Durante o Reinado de Henrique II (1547-1559), esses protestantes tornaram-se um grupo político bastante influente na França e na medida em que cresciam essa influência mais aumentava as hostilidades com o governo Francês.
      Algumas ações dos Huguenotes de fato despertavam a “raiva” dos Católicos, pois estes protestantes radicais invadiam Igrejas, destruíam imagens e relíquias dos Santos.
      Mas os grandes responsáveis por todo o episódio foram a Rainha Catarina de Médicis e seu filho Carlos IX que foi quem deu a ordem do massacre.
      Depois da morte de Francisco II e da coroação de Carlos IX, a rainha-mãe, Catarina de Médici, passou a controlar a França. Durante algum tempo ela defendeu os huguenotes como uma forma de contrabalançar a influência dos Guises. Entretanto, o acirramento dos ânimos de ambas as partes aumentou, a ponto de provocar uma guerra civil. Catarina temia que o almirante Coligny estivesse influenciando demasiadamente seu filho e aliou-se ao duque de Guise.
      Catarina convenceu o rei Carlos de que os huguenotes atacariam o palácio e poderiam matá-lo. Carlos, então, ordenou a morte dos principais huguenotes. Henrique de Guise chefiou o grupo que assassinou Coligny na Noite de São Bartolomeu. Outros conhecidos huguenotes foram mortos em Paris. As multidões, em seguida, mataram milhares de huguenotes em toda a França.
      Vejamos a explicação de um Jesuíta:
      Que responsabilidade cabe a Igreja no morticínio de São Bartolomeu?
      “ É vezo dos inimigos da Igreja menos instruídos o assacarem-lhe este horroroso sucesso de S. Bartolomeu, o apresentarem-no como uma das provas mais características da sua intolerância, como um crime premeditado e ordenado por ela. Teve muita parte na vulgarização desta lenda a celebre opera dos Huguenotes, em que aparece o cardeal de Lorena, que nesta ocasião estava em Roma, a abençoar em Paris os punhais destinados ao morticínio dos huguenotes.
      Vamos provar que a corte de Roma não foi conivente com tal crime e que os sinais de publico regozijo manifestados por Gregorio XIII, ao ter noticia do sucesso, não têm o sentido que se lhes atribuiu.
      E primeiramente é um fato historicamente certo e admitido pelos próprios protestantes, que a mortandade de S. Bartolomeu não era uma coisa de antemão planejada. Proveio só do malogro das tentativas de Catharina de Medicis contra Coligny, que deram ocasião súbita aqueles extremos.

      Excluir
    2. Continuação...
      Mas, objetar-se-á, não é verdade que S. Pio V, alguns meses antes falecido, convidara por vezes Carlos IX a exterminar os hereges do seu reino?
      É coisa certa que S. Pio V por vezes exortou a corte de França a, com rigor, aplicar contra os hereges as leis existentes (suppliciis afficiantur quae legibus statuta sunt), leis que se estendiam até á pena de morte; mas é coisa não menos certa que ele sempre formalmente reprovou qualquer tentativa de assassinato ou de morticínio. A 10 de maio de 1567 escrevia o embaixador espanhol em Roma para a sua corte: ‘Os senhores da França, disse-me o Papa Pio V, premeditam qualquer coisa que eu não posso aconselhar nem aprovar e que a minha consciência reprova; querem empregar meios para acabar com o príncipe de Condé e o almirante de Coligny.’ É, observa Vacandard, reprovar de antemão o morticínio de S. Bartholomeu.
      Ficou, pois, a corte romana completamente estranha aos horrendos atentados de 24 de agosto. Foi, entretanto, Gregorio XIII informado pelo embaixador francês de que o rei e a rainha mãe tinham escapado a uma trama dos huguenotes e de que estes tinham sido justamente castigados e em grande parte exterminados; pelo que mandou aquele Papa os parabéns a Paris, e ordenou que se fizesse em Roma uma solene procissão em ação de graças, com um solene Te Deum, e encarregou alem disto o pintor Vasari de representar nas paredes do Vaticano as principais cenas daquele dia, mandando também cunhar uma medalha comemorativa.
      Mas qual é a verdadeira explicação destes procedimentos do Papa?
      As congratulações enviadas á corte de Paris faziam parte, a mais ordinária, das relações diplomáticas. E por outra parte o Papa não dispunha de outras fontes de informação senão das relações do embaixador francês em Roma e das do seu núncio em Paris. Apresentavam elas os fatos, como oficialmente corriam, isto é, como uma conjuração tramada pelos huguenotes contra a vida do rei, conjuração, de que o rei só pudera salvar-se por meio de uma geral carnificina. Que diz com efeito o núncio residente em Paris e de ordinário bem informado? No seu despacho com data do próprio dia da carnificina, depois de narrar os fatos, acrescenta que ‘a Majestade divina tomou sob a sua proteção o rei e a rainha mãe’; o que parece confirmar a idéia, que corria, de ter realmente existido a tal conspiração.
      ‘A própria noticia em si, prescindindo do modo como ela se realizara, não poder deixar de ser, observa Vacandard, muito agradável a Gregorio XIII.’ Estando, pois, o Papa mal informado sobre o modo com as coisas se tinham passado, e estando convencido de que o rei se achava no caso de uma legitima defesa, houve naturalmente de alegrar-se ao ver que os protestantes tinham caído no laço e que os seus principais cabeças se achavam fora de combate.
      Em Paris mesmo foi muita a gente que se enganou; e o próprio Parlamento condenou retrospectivamente o almirante Coligny a ser queimado em effigie por causa do criminoso atentado. Estava, portanto, o Papa com muito boa companhia, no juízo que fazia sobre aqueles acontecimentos trágicos.

      Excluir
    3. Continuação...
      A conclusão, que disto se tira, é que o S. Bartholomeu foi uma questão meramente política, originada do ódio de Catharina contra Coligny, das rivalidades entre as casas de Guise e de Condé, e ocasionada pela exasperação da rainha, ante o malogro da sua cruel tentativa de 22 de agosto. Bastantemente se explicam assim os lastimosos sucessos do S. Batholomeu; e esta explicação está de acordo com os documentos daquela época. A religião nem sequer serviu de pretexto para aquela carnificina, porque as informações dadas ao Papa apenas se referiam a uma conjuração política. Catharina de Medicis, a principal culpada nesta catástrofe, tinha sobretudo em vista abater o partido protestantes mais do que a seita dos protestantes.”
      Fonte: DEVIVIER, Pe. W., SJ. Curso de Apologetica Christã, 3ª ed., São Paulo: Melhoramentos, 1925, pp. 426-429:
      http://www.veritatis.com.br/article/2818.
      O que é possível afirmar segundo a história verídica e imparcial é que o clero católico, durante as matanças, cumpriu o dever sagrado de seu ministério. Aí se enquadra, por exemplo, a nobre conduta de Hennuyer, bispo de Lisieux, que salvou, por sua firmeza, todos os huguenotes de sua diocese. O Martirológio dos protestantes – insuspeito em querer elogiar os católicos- cita vários fatos desse gênero: “Em Toulouse” – diz – “os conventos serviram de asilo aos calvinistas; em Bourges, alguns católicos pacíficos ocultaram vários [huguenotes]; em Romans, de sessenta [huguenotes] presos, quarenta foram libertados e dos vinte restantes, não morreram mais que sete; em Troyes, em Bordeaux, muitos foram igualmente salvos pelos sacerdotes”. Em Paris, os huguenotes perseguidos encontraram igualmente protetores entre os católicos; e em Nimes, esquecendo os vexames perpetrados pelos protestantes [no dia] de São Miguel, surgiram corações bastante generosos para defender os calvinistas de uma matança autorizada pelo exemplo [de Paris], mas de nenhuma maneira aprovada pela Religião [católica].
      http://www.veritatis.com.br/article/4262
      De fato fica demonstrado aqui que o “Massacre de S. Bartolomeu” foi nada mais que um episódio desecandeado pela casa real da França contra os protestantes que também visavam interesses políticos no País.
      Essa visão de que foi tudo premeditado pela Igreja nada mais é que uma ficção criada pela Les Huguenots (ou Os Huguenotes) uma ópera francesa de Giacomo Meyerbeer.
      A Noite de São Bartolomeu foi uma guerra civil onde um grande número de protestantes foram mortos e onde também católicos morreram no confronto. Baseado na mesma lógica nós poderíamos acusar os calvinistas pelas vidas católicas que ali pereceram. Portanto acusar a Igreja do massacre dos Huguenotes é novamente distorcer a verdadeira história com o único objetivo de difamar a Santa Igreja Católica que é a coluna e sustentáculo da verdade. (1Timóteo 3,15).
      Contribuição de Jefferson Nóbrega

      Excluir
  135. KAKAKA CENSURA... SE IDENTIFICO CORRO RISCO DE SER QUEIMADO NA FOGUEIRA... PIADA ESSE ESPAÇO...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezado Anônimo, Salve Maria!
      Um grade amigo meu, quando recebia cartas com textos parecidos ao seu comentário, mandava as mesmas para o Quadro de Honra de seu site.
      Não temos um quadro de honra, mas vou publicar o seu comentário para que todos conheçam como um inimigo da Igreja costuma pensar e berrar.

      Excluir
  136. Prezados,

    Agradeço os protestantes que comentaram, especialmente o Sr. Frazão, pelos seus comentários, pois que deixam eles patente a desonestidade com que agem e vivem, preferindo permanecer em um conto de fadas, à aceitar a verdade histórica. Todo historiador sério (incluindo não-católicos) reconhece a podridão da vida desse demônio que foi Lutero, pois não somente ele próprio a contou em seus livros (como ele mesmo ousa contar que sua deforma foi proposta pelo demônio, e nasceu da privada), mas seus discípulos a transmitiram (peque muito e crê mais fortemente). Sr. Jesuan, não se desanime com esses fanáticos pelo erro, pois para qualquer um que busque seriamente a verdade seus comentários insanos somente dão crédito maior à ela.

    Felipe

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro Felipe.
      Teu comentário de 13 de agosto de 2013 21:08.
      Desonestidade não é defender uma pessoa, baseada em fatos discordantes, como no caso do que o Dom Licínio Rangel disse sobre o possível assassinato praticado por Lutero, enquanto outras biografias mencionam uma tempestade e o susto pelo qual ele passou em decorrência dela, conforme demonstrei em meus comentários de 18 de novembro de 2011 18:08 e 18 de novembro de 2011 18:12, em resposta ao do Jesuan de 17 de novembro de 2011 23:47; desonestidade é não publicar respostas dadas sobre comentários proferidos pelos demais participantes dos debates, principalmente quando os comentários contrários provam que o coordenador (“dono”) do blog agiu com prepotência, pois não deu satisfação do porquê dos referidos comentários não terem sido publicados, visando dar a entender que o outro ficou sem resposta; e, o que é pior, desobedecendo o ensinamento do Mestre contido em Mateus 5,37, o famoso “Dizei somente: Sim, se é sim; não, se é não. Tudo o que passa além disto vem do Maligno”.
      E você ainda tem, o descaramento de dizer que os protestantes são desonestos?! Poupe-me!
      Abraços. Frazão

      Excluir
    2. Prezado,
      Para não gastar muito o meu tempo, estou fazendo um copiar colar da resposta publicada no final de semana aos apressados de plantão.
      Apenas para não ficar sem resposta.
      Eu não sou escravo do blog!
      Eu tenho família e preciso sustentar a mesma, desta forma preciso trabalhar. O meu tempo eu tenho que dividir com o trabalho, minha família e minhas orações, pois já dizia Santo Afonso Maria de Ligório, quem reza se salva, quem não reza se condena.
      O blog tem como primeiro objetivo publicar novos textos, a questão de responder os comentário é secundária.
      Tem pessoas que tem o dia todo para estar na internet, o que não é o meu caso.
      Portanto, respondo os comentários quando tenho meu tempo livre.

      Excluir
  137. Gostaria que os irmãos defensores da única e santa igreja católica romana, que se submete às decisões dos concílios e do papa e declaram que estas são infalíveis, comentassem as atitudes do eloquente monge dominicano, enviado pelo arcebispo de Mogúncia para vender as indulgências emitidas pelo infalível papa Leão X,sendo que este grande monge Tetzel declarava em alta voz ao chegar nos povoados: "Assim que uma moeda tilinta no cofre, uma alma sai do purgatório". Por favor comentem este fato, deem a vossa opinião. Muito obrigado.
    Ass. Diego Ernesto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezado Diego Ernesto, Salve Maria Santíssima!
      Para rebater sua ironia, apresento a origem da farsa apresentada, a qual você engoliu e até agora não terminou a digestão, pois o alimento que comeu está estragado.

      A fonte da mentira acima, “O Papa e o Concílio”, faz parte de um compêndio alemão de calúnias que ganhou fama no Brasil, por ter sido traduzido pelo então jovem, Rui Barbosa. O livro “O Papa e o Concílio”, foi forjado na Alemanha em 1870, pelo apostata Döllinger, sob o pseudônimo de Janus, por encomenda do tirano Bismarck, para irresponsavelmente atacar a Igreja, tendo sido esquecida depois por ser um trabalho sujo. Traduziu-a Rui Barbosa, em sua juventude, e depois arrependeu-se, pelas calúnias e pelo ataque apaixonado que o livro faz contra a Igreja Católica, não permitindo mais sua reimpressão enquanto vivo. Após a sua morte, sarcasticamente reimprimiram a obra, rejeitando porém um prefácio que explicava o arrependimento de Rui Barbosa. Bismarck foi um tirano alemão, que tentou resolver os problemas da Alemanha com “sangue e aço”, e também calúnias contra a Igreja. (Enciclopédia Encarta 99) e www.montfort.org.br

      Veja na página nº 6, da Academia de Letras, a repulsa de Rui Barbosa pelo livro: http://www.academia.org.br/abl/media/celebracao12.pdf

      Ao fim de sua vida, disse o já experiente e ainda mais católico Rui Barbosa: “Estudei todas as religiões do mundo e cheguei a seguinte conclusão: religião, ou a Católica ou nenhuma.” (Livro Oriente, de Carlos Mariano M. Santos (1998-2004) – Art 5).
      Obs: Agradeço ao blog Cai a farsa fonte da base de nosso comentário.

      Excluir
    2. AS fontes utilizadas para o comentário que postei são históricas baseadas nos relatos de renomados historiadores os quais cito: Robert Hastings Nichols, Wiliston Walker, Justo Gonzales e Earle E. Cairns. Não consigo ver uma forma de como estes renomados historiadores podem ter sido influenciados por Rui Barbosa. Sem contar os relatos do próprio Lutero à respeito do comércio das indulgências, cabe aqui um comentário, a princípio Lutero ainda preso às suas raízes romanas, não era contrário a doutrina das indulgências, mas sua oposição que o motivou a escrever as 95 teses foi o comércio destas indulgências sob o aval do infalível papa Leão X e levadas a efeito pelo digníssimo monge João Tetzel para que a dívida adquirida por Alberto de Hohenzollern(você como bom católico deve conhecer a fama)para a compra dos cargos eclesiásticos de Arcebispo de Mainz, e de Magdeburgo e a administração do bispado de Halberstadt pudesse ser quitada junto ao infalível vendedor de cargos eclesiásticos papa Leão X. Fundamentei meu comentário em relatos históricos não em senso comum. Uma pergunta que surge: O papa pode realmente ser infalível quanto a moral comercializando a saída de almas do purgatório?
      Obrigado pela resposta.
      Diego Ernesto.

      Excluir
    3. Prezado Diego Ernesto, Salve Maria a Mãe do meu Senhor!
      Como todo protestante você lê apenas o que interessa na resposta e volta a usar a famosa metralhadora giratória. A origem da farsa não está na publicação (tradução) de Rui Barbosa e sim no compêndio alemão “O Papa e o Concílio”. A farsa foi criada na Alemanha pelo apostata Dollinger, a qual foi encomendada por Bismarck, sendo que a obra em questão é desprezada até no seu país de origem por sua falsidade.
      Como o seu comentário está pautado em uma mentira, já refutada nos meios católicos, não vou ficar discutindo com você.
      Procure ser mais honesto em seus comentários, buscando a verdade e não repetindo os clichês baratos criados pelos filhos de Lutero e inimigos da Santa Igreja e de Deus. Sim, quem é inimigo da Igreja Católica está contra Deus.

      Excluir
    4. Como um comentário baseado em fatos e documentos históricos escritos cerca de 300 anos antes da suposta obra de Dollinger pode ser desonesto? Simplesmente declarar que algo histórico é mentiroso é relativizar a própria história. Isso na verdade não é catolicismo e sim fundamentalismo.
      Obrigado pela resposta.
      Diego Ernesto.

      Excluir
    5. Prezado Diego Ernesto,
      Em nenhum momento eu escrevi que Rui Barbosa influenciou os tais historiadores renomados. No entanto, como é possível um historiador ser renomado e utilizar como base informações falsas, forjadas apenas para atingir a Igreja Católica.
      Por volta de 1515, Um monge alemão, chamado Lutero, irou-se contra outro monge na Alemanha, que em desobediência ao Papa (em Roma), andava cobrando pelas indulgências apostólicas numa pequena cidade alemã.
      Em 31 de Outubro de 1517, a tese de Lutero nº 91 descreve: “Se, portanto, as indulgências fossem pregadas em conformidade com o espírito e a opinião do Papa, todas essas objeções poderiam ser facilmente respondidas e nem mesmo teriam surgido”.
      Veja que, o que o mercenário monge Tetzel fazia, não era a opinião do Papa. Na verdade, a cólera de Lutero, foi contra o ato deste dominicano mercenário, chamado Johann Tetzel. Como prova disso, dizia Lutero em sua tese nº 50: “Deve-se ensinar aos cristãos que, se o Papa soubesse das exações dos pregadores de indulgências, preferiria reduzir a cinzas a Basílica de S. Pedro a edificá-la com a pele, a carne e os ossos de suas ovelhas”.
      Mas, os protestantes não ensinaram nada disso. Desonestamente ensinam até hoje que foi o Papa que vendia as indulgências, até caluniam que Tetzel vendia bula papal, pura calúnia odiosa.
      Lutero não era contra as indulgências apostólicas, e escreveu em sua tese 71: “Seja excomungado e amaldiçoado quem falar contra a verdade das indulgências apostólicas.” E sim, contra a venda delas por inescrupulosos que faziam isso sem o conhecimento do Papa”, coisa que os protestantes maliciosamente resolveram distorcer para diabolicamente rapinar na ignorância.
      Até os slogans sujos atribuídos ao mercenário Tetzel, eles transferiram para a boca do Papa. Deus tenha misericórdia destes “artistas da oratória” (1Cor 1,17).
      Os malandros produtores do filme “Lutero”, usaram até uma falsa lenda, atribuindo a Tetzel uma frase terrível e inverídica. Veja a farsa:
      “(…) o filme atribui o rumor escandaloso, aludido por Lutero, de que Tetzel afirmava que absolveria com sua indulgência mesmo aquele que (per impossibile) “violasse a mãe de Deus,” apesar de Tetzel negar isso de forma indignada e ter testemunhas oculares para respaldar essa declaração.” (Greydanus): http://www.decentfilms.com/commentary/luther.html
      O próprio Lutero alertava contra esses caluniadores que visavam diminuir o poder papal de perdoar, em sua tese 77: “A afirmação de que nem mesmo São Pedro, caso fosse o Papa atualmente, poderia conceder maiores graças é blasfêmia contra São Pedro e o Papa” .Como vemos, um mar de mentiras engoliu os protestantes de hoje. Vivem uma fantasia odiosa virtual, onde só o dinheiro de seu “dízimo” é real ($).
      E continua na tese 78: “Dizemos contra isto que qualquer Papa, mesmo São Pedro, tem maiores graças que essas, a saber, o Evangelho, as virtudes, as graças da administração (ou da cura), etc., como está escrito em I. Coríntios XII”.
      A Igreja Católica nunca vendeu indulgência, Lutero rebelou-se incitado por príncipes devassos alemães. O Papa levou dois anos o convidando amigavelmente a comparecer a Roma para reconciliar-se.
      Escreveu-lhe o Papa: “… volte e se afaste de seus erros. Nós o receberemos bondosamente como ao filho pródigo retornando ao abraço da Igreja.” (Bula: Exsurge Domine, Leão X – 15/6/1520). Lutero recusou, fazia arruaças queimando as bulas, até ser excomungado.
      Em 25 de novembro de 1521 escreveu o confuso Lutero, aos agostinianos de Wittenberg: “Com tamanha dor e trabalho eu devo justificar a minha consciência de que eu sozinho devo acusar o Papa de anticristo e aos bispos de seus apóstolos. Quantas vezes meu coração não me abordou e me puniu com este forte argumento: ‘Isto é correto? Poderiam todos estarem errados e terem errado por todos os séculos? O que há de acontecer se tu errares e liderar uma multidão à condenação eterna?’” (De Wette, 2. 107, citado em O’Hare, p. 195).

      Excluir
    6. Continuação...
      No final da vida, admitindo seu erro, escrevia Lutero arrependido: “Se o mundo durar mais tempo, será necessário receber de novo os decretos dos concílios (católicos) a fim de conservar a unidade da fé contra as diversas interpretações da Escritura que por aí correm.” (Carta de Lutero à Zwinglio In Bougard, Le Christianisme et les temps presents, tomo IV (7), p. 289). Ele morreu e sua multidão de seguidores foi entregue a “condenação eterna”.
      Assegurou Gottfried Fitzer, no livro Was Luther wirklich sagte: nunca houve a propalada exposição pública das “noventa e cinco teses” de Lutero. É UMA FARSA, também confirmada por dois historiadores, Erwin Iserloh e KIemens Houselmann. Do relato de Johannes Schneider, um criado de Lutero, é que se extraiu de maneira errada e fantasiosa, a notícia da afixação das teses.
      Não encontramos, em seu manuscrito, nenhuma referência a este fato, escreveu apenas: “No ano de 1517, Lutero apresentou em Wittenberg, sobre o EIba, segundo a antiga tradição da universidade, certas sentenças para discussão, porém modestamente e sem haver desejado insultar ou ofender alguém” . Foi tudo uma farsa que engana os protestantes até hoje. Sabe-se que esta lenda da afixação das teses, foi inventada mais tarde, após a morte de Lutero, pelo alemão Melanchthon, em 1546. Provou-se que ele, Melanchthon, em 1517, estava na cidade de Tünbigen, e não em Wittenberg.
      Sábio conselho é o de Jesus nas Escrituras: O diabo é o pai da mentira (Jo 8,44).
      Retirado do documentário:
      RESPOSTA AO FALSO DOCUMENTARIO O ESTADO DO VATICANO, que tem como autor Fernando Nascimento.

      Excluir
    7. Sr Jesuan,

      Excelente resposta. Deveria ser colocada como postagem, se muito não for me intrometer no blog...

      Acaso o sr. é historiador também?

      Em união de orações,
      Felipe.

      Excluir
    8. Prezado Felipe, Salve Maria!
      Os créditos da postagens devem ser dirigidas ao Sr. Fernando Nascimento e ao site Cai a Farsa. Inclusive o último tem feito um trabalho excelente, refutando todas as acusações infundadas dos inimigos da Santa Igreja.
      No entanto, muito obrigado pelo comentário e reze para que possamos continuar com nosso trabalho de divulgação da sã doutrina Católica.
      Um grande abraço em Cristo Nosso Senhor
      Blog São Pio V

      Excluir
  138. Estimado Jesuan, o relato em que me baseei, e baseou também a pesquisa dos historiadores, são as obras do próprio Lutero, escritas por volta de 1518. Portanto nem eu e nem os historiadores fomos influenciados pela suposta obra de Dollinger. Me parece contraditório o seu post, pois em sua primeira resposta você apresenta como mentira o relato de Tetzel, algo que agora, em sua última resposta, confirma("Veja que, o que o mercenário monge Tetzel fazia, não era a opinião do Papa"). Eu não sei a que tipo de protestante você se refere ao afirma:"Mas, os protestantes não ensinaram nada disso. Desonestamente ensinam até hoje que foi o Papa que vendia as indulgências...", pois quanto a mim sou Cristão não Católico Romano, conheço as raízes teológico-históricas nas quais baseia-se a minha igreja e afirmei na resposta que: "Lutero ainda preso às suas raízes romanas, não era contrário a doutrina das indulgências, mas, a sua oposição que o motivou a escrever as 95 teses foi o comércio destas...", algo que você concordou em sua resposta:"Lutero não era contra as indulgências apostólicas...". Porém como bom Católico, conhecedor da doutrina de sua denominação,deves saber que toda e qualquer citação é contextual, Lutero ao se dizer favorável às indulgências ainda estava no início em sua caminhada teológico-reformatória, algo(as indulgências) que posteriormente, mais maduro em seu pensamento doutrinário ele refuta(por volta de 1521). Pois bem, dentro desta perspectiva contextual é que as citações, pinçadas de seu contexto, de que Lutero havia se arrependido do que havia admitido seu erro, denotam um comentário: Lutero em momento algum defendeu a separação da igreja, muito pelo contrário, defendia que só existe uma Igreja Cristã, porém esta havia se corrompido através dos mandos e desmandos da hierarquia romana encabeçada pelo papa. Lutero foi apenas mais um, dentre muitos, que criticaram a estrutura e os abusos da igreja Católica Romana, como bom católico você deve conhecer os movimentos reformatórios internos de sua igreja, cito aqui alguns: As ordens Franciscana, Valdense, Espiritual, Beneditinos, de Cluny dentre outras. Portanto cabem aqui perguntas? Por que este desejo de reforma? Por que as ordens iniciaram a partir do séc. XII estes movimentos reformatórios? Que atitudes do papa levaram estes católicos fervorosos à revoltarem-se com a sua igreja, mesmo sob a ameaça da fogueira? Sem contar o contexto político-econômico, encabeçado pela igreja Católica, vivido pela Europa neste período(porém este não cabe aqui, neste momento abordar).
    Estes questionamentos são para lhe mostrar que o que Lutero desencadeou não era algo novo em sua denominação. Será que todos estes católicos estavam errados? Pense um pouco. Atente para alguns destes fatos.
    Por que então Lutero foi excomungado e as ordens não foram extintas? Simples porque Lutero mexeu com algo que feriu profundamente o seu papa e a estrutura hierárquica de sua denominação: o dinheiro. Sim, pois a teologia inicial de Lutero estava fortemente baseada no arrependimento(veja a primeira tese) e Lutero achou um absurdo o comércio das indulgências, pois quando os fiéis chegavam para tomar a Comunhão, ao invés de se confessarem e pagarem suas penitências(contritio cordis, confessio oris, satisfactio operis...etc.)
    apresentavam as cartas de indulgências assinadas e chanceladas pelo papa Leão X. Ora será que o papa realmente não tinha conhecimento desta venda? E se realmente não tinha por que permitiu que Tetzel continuasse o comércio? E a dívida adquirida pelo papa Leão X junto ao banco Judeu da família Fugart? Reflita como cristão racional que acredito que sejas.
    Portanto ainda uma pergunta segue sem resposta: O papa pode realmente ser infalível quanto a moral compactuando com o comércio das indulgências celestiais?
    Muito obrigado pela resposta.
    Diego Ernesto.



    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezado Diego Ernesto,
      Você e os tais historiadores protestantes do século XX, podem não ter sido influenciados pelo compêndio traduzido por Rui Barbosa, no entanto vocês seguem a mesma lógica protestante, acusar e mentir, pois poucos irão contestar. Acredito que os meus comentários que tratam sobre a venda de indulgências já rebateram de sobra as mentiras protestantes, inclusive o próprio Lutero rebateu as acusações feitas contra o Papa e a Santa Igreja, portanto empatamos, pois a nossa fonte também foi Lutero.
      Em nenhum momento falei que era mentira o relato em relação a Tetzel, pois o próprio Lutero confirma. O que escrevi em meu comentário é que o compêndio “O Papa e o Concílio” está cheio de calúnias infundadas, afirmando que a Igreja e o Santo Padre estariam concordando com tal procedimento do monge. Quem foi o desonesto?
      Quando você fala que é um cristão não católico romano, lembro de São Paciano de Barcelona (morto no ano 392), o qual escreveu na epístola a Simprônio: Entrando por acaso hoje numa cidade populosa e encontrando marcionistas, apolinarianos, catafrígios, novacianos e outros deste gênero, que se chamam cristãos, com que sobrenome eu reconheceria a congregação de meu povo, se não se chamasse CATÓLICA?” (Epístola a Simprônio nº 3). E mais adiante, na mesma epístola: “Cristão é o meu nome; CATÓLICO, o sobrenome”. Foi bom você lembrar a diferença entre nós cristãos católicos e vocês os ditos “cristãos”.
      Você fala em citação contextual e consegue, como uma mágica, afirmar o que lutero nunca falou, que o mesmo estava no início de sua caminhada teológico reformatório. Então a partir de sua citação contextual a publicação das teses, deixaram de ser os motivos de lutero para reformar a igreja e que ele ainda estava preso as suas raízes romanas. Meu caro o que você escreve é hilário. Interessante, que você conseguiu mais de 500 anos depois mudar a intenção de lutero quando defendeu tais teses.Uma coisa eu tenho que admitir os protestantes tem uma criatividade para criar mentiras e novas heresias.
      Obrigado por escrever em seu comentário, “você como um bom católico”, dou graças ao bom e misericordioso Deus.
      Quanto a movimentos reformatórios dentro da igreja, busquei um texto publicado no site oriente, que diz o seguinte:
      “A grande crise religiosa do século XVI, conhecida por protestantismo, foi um dos movimentos que mais tipicamente definiu a insubordinação dentro de setores da Igreja. Inegável que existia a ignorância e a corrupção, incrustada em diversos setores e membros do clero. Entretanto, na época de São Francisco de Assis não foi diferente, mas sua atitude de fidelidade ao Papa e à Igreja, fizeram que seu nome fosse respeitado e venerado no mundo inteiro. Sua personalidade empolga, ainda hoje, todas as camadas da sociedade. Ele é o consolo dos fiéis, a alegria da Itália e o orgulho da Igreja.
      Já a insurreição movida por Martinho Lutero, deixa clara a sua intenção orgulhosa em afrontar a hierarquia da Igreja. A propagação de suas idéias acarretaram uma grande cisão religiosa e conseqüentemente numa verdadeira avalanche política na Europa. A contestação dos dogmas e o ataque à organização da Igreja, repousavam no desprestígio do papado diante da crescente influência dos soberanos europeus que, por questões meramente políticas, influíam nas decisões regionais do clero, tendo a corrupção moral tomado conta de diversos setores do clero. Além disto, tornou-se difícil a interferência direta do Papa em tais questões, principalmente, por causa das distâncias. Como nos fins da Idade Média o espírito de independência desenvolveu-se em vários países, onde o nacionalismo crescente se ressentia de qualquer influência exterior, notadamente do Papa, os príncipes e monarcas interessados em aumentar seu poder, tinham a intenção de colocar a Igreja numa posição dependente”.
      Impressionante a diferença de um santo (São Francisco) para um demônio (Lutero)

      Excluir
    2. continuação ...
      A reforma desejada pelos “reformadores” como São Francisco era relacionada ao mau comportamento do clero e a corrupção existente por parte do clero, mas nunca em relação a doutrina da Igreja. Quando alguém procura estudar honestamente a história da Santa Igreja, chegará a conclusão que os atos dos fiéis não condenam a Igreja Católica, pois como a Igreja, que é o Corpo Místico de Nosso Senhor poderia errar e mudar ao sabor do vento?. Nosso Senhor é Deus e Deus não muda, nós simples fiéis e que devemos mudar nosso comportamento adequando-se aos ensinamentos de Nosso Senhor, mantidos fielmente no Catolicismo.
      Os católicos fervorosos em busca de praticar a moral e os bons costumes, continuaram dentro da Igreja, ao contrário daqueles que usaram uma falsa intenção de reformar a Igreja para simplesmente satisfazer seus desejos mundanos (leia a vida de lutero).
      Meu caro, eu não fico pensando, eu estudo a doutrina católica, a sua história e constato os frutos produzidos. Os frutos católicos são bons, enquanto os frutos de lutero e do protestantismo são podres, pois os últimos levam a revolta e desobediência. A desobediência é a mãe de todos os pecados.
      Finalmente você reduz toda a sua argumentação simplesmente ao dinheiro. No final do seu comentário, como um “bom” protestante, você agarra-se de novo as mentiras já refutadas para voltar a atacar a Igreja e mergulhar na insanidade protestante.
      Quanto a questão da infalibilidade papal, já abordei a mesma em comentários anteriores no blog.
      Quando alguém toma uma decisão tão radical sem saber direito o que está fazendo é no mínimo imprudente e não pode sustentar a sua decisão. Os desdobramentos da vida de Lutero, fácil observar lendo as memórias do mesmo escritas por seus seguidores, mostra um Lutero com ódio, raiva, impenitente, desesperado, louco. Será que é possível aproveitar algo escrito por alguém com as características apresentadas, não sendo possível distinguir quando o mesmo fazia uso de sua razão ou estava aceitando os conselhos do diabo, pois o mesmo Lutero afirma que tinha altos diálogos com o mesmo.
      Quanto ao seu desafio de uma pergunta sem resposta, já refutamos as mentiras, portanto não iremos repetir as mesmas respostas.
      Damos por encerrado as refutações das acusações apresentadas.

      Excluir
  139. Aguardando postagem do comentário em resposta ao post do Jesuan no dia 15/08 21:51.
    Obrigado.
    Diego Ernesto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Diego Ernesto,
      Apenas para não ficar sem resposta.
      Eu não sou escravo do blog!
      Eu tenho família e preciso sustentar a mesma, desta forma preciso trabalhar. O meu tempo eu tenho que dividir com o trabalho, minha família e minhas orações, pois já dizia Santo Afonso Maria de Ligório, quem reza se salva, quem não reza se condena.
      O blog tem como primeiro objetivo publicar novos textos, a questão de responder os comentário é secundária.
      Tem pessoas que tem o dia todo para estar na internet, o que não é o meu caso.
      Portanto, respondo os comentários quando tenho meu tempo livre.

      Excluir
  140. É uma pena que instrumentos de discussão como os blogs sejam administrados por pessoas unilateralistas. Bom, eu deveria ter percebido a falta de seriedade dos responsáveis na primeira vez que postei, pois aguardar o post ser aprovado só demonstra a intenção dos administradores que é publicar aquilo que convém. Minha intenção nunca foi atacar ninguém, muito menos convencer alguém de alguma coisa, tenho muito respeito pelo catolicismo por vim de uma família católica, por parte de minha mãe. Realmente é uma pena. Espero que eu tenha pelo menos feito você pensar ou repensar aquilo que crê. O nome do blog deveria ser mudado. Deixo como sugestão: "Fiéis Católico-fundamentalistas de Curitiba." Vocês estão atrasados, o verdadeiro espírito do catolicismo atual é essencialmente ecumênico aberto a discussões e diálogo pois pode-se manter-se firme nas doutrinas ouvindo os outros e declarando aquilo que se crê a outros sem deixar de ser doutrinário. É uma questão de identidade. "Lex orandi, lex credendi"
    Um abraço. Em Cristo. Diego Ernesto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezado, Salve Maria!
      Por favor leia a advertência existente para os comentários. A moderação dos comentários existe em respeito aos nossos leitores, pois muitos comentário deixados no blog contém palavrões e textos incongruentes com o objetivo do mesmo.
      Um grande amigo meu, quando recebia cartas com textos parecidos ao seu comentário, mandava as mesmas para o Quadro de Honra de seu site.
      Não temos um quadro de honra, mas vou publicar o seu comentário para que todos conheçam como um inimigo da Igreja costuma pensar e berrar. Também mostrar a incoerência dos seus comentários, pois você diz que a sua intenção nunca foi atacar ninguém, mas duas linha após você começa as acusações e ofensas. Sinceramente não entendi.
      Aqui acaba a lição!

      Excluir
  141. Em Jó 14,4. Fica claro que Jesus não nasceu de uma mulher igual as outras. Pra quem baseia-se mais no A.T. que no N.T.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ôôô João 6,61.
      Seguindo o que é dito em Jó 14,4 (4. Quem fará sair o puro do impuro? Ninguém.). Maria teria que ter nascido pura, isto é, pelo menos ter sido gerada pelo Espírito Santo, para não ter vindo com a mancha do pecado original; além disso, não consta da bíblia que ela não tenha sido gerada por um homem e uma mulher; portanto, é de se supor que ela nasceu com a mácula do pecado original, o que nos obriga a deduzir que esse teu entendimento, com base em Jó 14,4, está furado, pois, repita-se, para ela ter sido pura (para conceber um ser puro, como Jesus) também teria que ter sido concebida sem pecado, a exemplo do seu primogênito, Jesus.
      E onde está isso na bíblia?...
      Abraços. Frazão

      Excluir
    2. Prezados Leitores, Salve Maria, Cheia de Graça!
      Muitas e grandiosas são as glórias de Maria Santíssima, pelas quais não cessam de propagar e cantar seus louvores todos os seus servos. Não apenas os anjos e santos nos céus, mas também nós os pecadores glorificamos com confiança todos os dias a tão excelsa mãe. Não podia portanto, a Palavra de Deus, a Bíblia Sagrada, calar-se a respeito da mais sublime de suas criaturas. Apresentaremos um pequeno resumo de como as Sagradas Escrituras exaltam e testemunham as glórias de Nossa Senhora.
      "Entrando o anjo disse-lhe: ‘Ave, cheia de graça, o Senhor é contigo’" (Lc 1, 28)
      Eis aqui, proclamado pelo próprio anjo Gabriel o privilégio extraordinário da Imaculada Conceição de Maria e sua santidade perene. Quando a Igreja chama Maria de "Imaculada Conceição" quer dizer que a mesma, desde o momento de sua concepção foi isenta - por graça divina - do pecado original. Se Maria Santíssima tivesse sido gerada com o pecado herdado de Adão ou tivesse qualquer pecado pessoal, o Arcanjo Gabriel teria mentido chamando-a de "cheia de graça". Pois, onde existe esta "graça transbordante" não pode coexistir o pecado. Por isso, esta boa Mãe é também chamada pelos seus servos de "Santíssima Virgem". Os santos ensinaram que não convinha a Jesus Cristo, o Santíssimo, ser gerado e nascer de uma criatura imperfeita. Como podia o Santíssimo Deus, Jesus Cristo ser depositado num receptáculo que não fosse digno dEle? Pois ele mesmo testemunha no Evangelho, que não se coloca vinho novo e bom em odres velhos e defeituosos (conf. Lc 5, 37). Eis porque o Criador elevou Maria, este "Vaso Insigne de Devoção" a tão grande santidade.
      O anjo disse a Maria: "Deus te salve, ó cheia de graça". Essa expressão "cheia de graça", é um vocativo. É como um nome que o anjo deu a ela.
      A palavra que expressa isso, em grego, é kekaretome, palavra que significa ser que foi desde sempre, que é ainda agora, e que continua sendo cheia de graça, isto é Imaculada, sem pecado original.
      Conclusão: Portanto, Maria Santíssima não precisava ser gerada pelo Espírito Santo para não ter vindo com a mancha do pecado original, Nossa Senhora foi concebida sem o pecado original, pois foi uma graça especial e única, a qual nunca será repetida.

      Excluir
    3. Continuação...
      Toda a nossa resposta encontra-se na bíblia, mas vou aproveitar para refutar o que normalmente os protestantes costumam gritar, “Onde está na bíblia?”.
      Ora, essa tese é refutada pelo próprio Evangelho.
      No final do Evangelho de São João nos foi dito:
      " Muitas outras coisas, porém, há ainda, que fez Jesus, as quais se se escrevessem uma por uma, creio que nem no mundo todo poderiam caber os livros que delas se houvessem de escrever" (Jo XXI, 25).

      Nem tudo o que Deus revelou foi posto na Bíblia! Se o que Cristo fez, e não foi posto na Bíblia, não deve ser acreditado, então não se tem Fé em Cristo, mas só na Bíblia: colocou-se um livro no lugar de Cristo. Transformou-se a Bíblia em ídolo.
      E Nosso Senhor Jesus Cristo anunciou que o Espírito Santo completaria a instrução dos Apóstolos:
      "Tenho ainda muitas coisas a dizer-vos, mas vós não as podeis compreender agora. Quando vier, porém, o Espírito de verdade, ele vos guiará no caminho da verdade integral, porque não falará de si mesmo, mas dirá tudo o que tiver ouvido e anunciar-vos-á as coisas que estão para vir" (Jo. XVI, 12-113).
      E o que Cristo ensinou e fez nos foi transmitido pela Tradição Apostólica.
      Por isso, duas são as fontes da Revelação: a Sagrada Escritura e a Tradição.
      Também os Atos dos Apóstolos nos dizem que Cristo ensinou outras coisas mais que não foram postas nos livros sagrados, mas guardadas pela Tradição:
      "Na primeira narração, ó Teófilo, falei de todas as coisas que Jesus começou a fazer e a ensinar até o dia em que, tendo dado as suas instruções por meio do Espírito Santo, foi arrebatado ao (céu); aos quais também se manifestou vivo, depois de sua paixão, com muitas provas, aparecendo-lhes por quarenta dias e falando do reino de Deus". (Atos I, 1-3)
      Será que aquilo que Jesus fez e ensinou nesses quarenta dias não tem valor? Falou, ensinou e fez Ele coisas inúteis?
      E as Instruções que Ele deu, e o que Ele falou então aos Apóstolos sobre o Reino de Deus - a Igreja - não teriam nenhum valor?
      É evidente que essas instruções e ensinamentos têm valor sim, porque provém de Deus, apesar de não terem sido registradas na Sagrada Escritura. Elas nos foram guardadas pela Tradição.
      Ora, em São Paulo foi escrito o contrário:
      "Permanecei, pois constantes, irmãos, e conservai as tradições que aprendesses, ou por nossas palavras ou por nossa carta" (II Tess. II, 14).
      Portanto, a tese protestante de que se deve crer só no que está na Bíblia é negada pela própria Bíblia.
      E há muitas coisas que os Apóstolos praticaram e ensinaram que não foram registradas antes na Bíblia. Assim, por exemplo, a "imposição de mãos". Dela não se acha menção nos Evangelhos, e, entretanto, os Apóstolos a praticaram. Teriam eles inventado da própria cabeça tal costume? Claro que não! Cristo deve tê-los instruído a fazer a "imposição de mãos" (Atos, VIII, 14-17; e Heb VI, 1-2).
      São Tiago - embora os protestantes, seguindo Lutero, recusem essa epístola, nos fala da unção sobre os enfermos: "Está entre vós algum enfermo? Chame os presbíteros da Igreja, e [esses] façam oração sobre ele, ungindo-o com óleo em nome do Senhor; a oração da Fé salvará o enfermo e o Senhor o aliviará; se estiver com pecados, ser-lhe-ão perdoados" (S. Tiago, V, 15). E também essa unção dos enfermos não aparece nos evangelhos.
      Ora, nem a imposição de mãos (Sacramento da Confirmação), nem a unção dos enfermos (Sacramento da Extrema Unção) poderiam transmitir a graça, se não tivessem sido instituídos pelo próprio Cristo.
      Cristo legou aos Apóstolos um conjunto de verdades reveladas e de sacramentos instituídos por Ele mesmo que formam o "Depósito da Fé" que deveria ser guardado:
      "Ó Timóteo, guarda o depósito (da Fé), evitando as novidades profanas de palavras e as contradições de uma ciência de falso nome, professando a qual alguns se desviaram da Fé"(I Tim . VI, 20)
      Concluindo: a Bíblia não é a única fonte da Revelação.
      Fonte: Site Montfort

      Excluir
    4. Imaculada Conceição_ A Tradição Cristã desenvolvida e indicada pela Bíblia: (Gn 3,15) (Lc 1,28) ("cheia de graça" interpretamos, em chão linguístico, significa "sem pecado"); Maria representando a Arca da Aliança (Lc 1,35),(Ex 40,34-8),(Lc 1,44),(2 Sm 6,14-16),(Lc 1,43),(2 Sm 6,9). A Presença de Divina requer santidade extraordinária, pois Deus não habitaria no meio do pecado.

      Excluir
    5. Fiquei com uma dúvida, agora você crê em pecado original, quando é para atacar a santidade, daquela para quem um anjo apareceu e esperou seu SIM, você defende a existência do pecado original, daqui a pouco você vai afirmar que bebe não tem pecado, que é a quantidade de água de dá a vida nova em Cristo, imersão, e não a ação do Espirito Santo,no poder do nome da Santíssima Trindade, etc., Segundo seu raciocínio então deve-se batizar um bebe? Como a doutrina católica prega a 2000 anos?

      Excluir
    6. Caro Jesuan. Não esqueça que o personagem principal dos evangelhos chama-se Jesus e que os demais são coadjuvantes, como em toda e qualquer história; principalmente em se considerando que ninguém nasce se não houver um pai e uma mãe, que são essenciais para o ato de obtenção do corpo físico de um ser, no caso Jesus.
      Portanto, segundo o que disse o João 6,61, o espírito e o corpo que receberam o espírito e o corpo de Jesus teriam que ser puros como Jesus; e foi sobre a maneira em que Maria foi gerada para ser pura como Jesus o foi, que eu pedi para me informar onde consta na bíblia como Maria foi gerada; você apenas tergiversou e não disse a maneira como ela foi gerada, mas, sim, que ela foi considerada pelo anjo Gabriel como tendo o privilégio extraordinário da imaculada conceição.
      Ora, meu caro, se ela foi gerada em decorrência de uma relação sexual normal entre um casal, em função do dogma do pecado original ela jamais poderia ter a mesma pureza de Jesus, pois, segundo a bíblia, Jesus foi gerado pelo Espírito Santo, como se espírito, por mais santo que seja, pudesse manter uma relação (sexual ou não), com uma mulher, a fim de gerar um ser humano de carne e ossos. E não me venha com a de que se trata de um mistério, pois mistério maior do que a geração de Jesus seria o de Maria ter a mesma pureza de Jesus, sem ter sido gerada pelo Espírito Santo.
      Além disso, considerar Maria como a “mais sublime das criaturas”, para justificar o seu papel da mãe do Messias, vai uma grande distância, pois seria relegar seu filho a um plano secundário, quando Ele é o personagem central da religião chamada de Cristianismo; será que foi por essa atitude que surgiu o termo “mariolatria”, inclusive para o “fiel” pedir a ela (e não diretamente a Jesus) alguma “graça” (evidentemente paga em forma de “promessa”), sob a desculpa de que o filho não vai negar o pedido feito pela mãe?
      E eu digo isso com base nos templos construídos (principalmente os santuários), que sempre recebem o nome de uma nossa senhora, ou de um santo qualquer; dificilmente se ouve falar em algum que tenha recebido o nome do nosso senhor, que é o único a que se deve adorar. Ou estou errado?... A não ser que o catolicismo tenha criado o seu próprio cristianismo, após tornar-se religião oficial do Império Romano, sobrepujando a doutrina cristã, a ponto de subordiná-la aos dogmas instituídos pelo catolicismo; exemplo: o de que Maria foi elevada ao céu em corpo e alma, contrariando o que Jesus diz em Jo 6,63 “O espírito é que vivifica, a carne de nada serve. As palavras que vos tenho dito são espírito e vida.” Ora, caro Jesuan, como Maria pode ter sido elevada ao céu em corpo, se a carne de nada serve? O mesmo se diga com relação a ela ter permanecido virgem, como se ela não tivesse tido mais filhos, o que contraria o que diz a “palavra” de Deus, já que nela está escrito que Jesus teve mais irmãos; vide Mt 12,46-47; 13.55-56; Mc 3,31-32; 6.3; Lc 8,19-20; Jo 2,12; 7.3,5; At 1.14; 1Co 9.5; como se vê, todos os quatro evangelhos mencionam que Jesus teve irmãos; não bastasse isso, Paulo também menciona esse fato, em At 1,14, chegando a mencionar em 1Co 9,5 que os apóstolos, irmãos do Senhor e Pedro levavam suas mulheres nas suas viagens. Veja que a expressão “irmãos do Senhor,” não deixa dúvidas que são irmãos de Jesus; logo, não há que se falar que Maria tenha permanecido virgem, a não ser os outros irmãos de Jesus também tenham sido gerados pelo Espírito Santo, fato esse não contemplado na bíblia.
      Fico por aqui, para não me alongar mais; espero que seja publicado.
      Abraços. Frazão
      Postado dia 20 de agosto de 2013 às 19 e 59 min, aproximadamente.

      Excluir
    7. Nossa!, muito obrigado por me avisar que Nosso Senhor é o personagem principal de toda a história da redenção. No entanto, para seu desespero existem muitos outros personagens com grande importância, sendo Maria Santíssima a primeira entre todas as outras.
      "Entrando o anjo disse-lhe: ‘Ave, cheia de graça, o Senhor é contigo’" (Lc 1, 28). Eis aqui, proclamado pelo próprio anjo Gabriel o privilégio extraordinário da Imaculada Conceição de Maria e sua santidade perene. Quando a Igreja chama Maria de "Imaculada Conceição" quer dizer que a mesma, desde o momento de sua concepção foi isenta - por graça divina - do pecado original. Apenas você não encontrou na bíblia como Maria Santíssima foi gerada.
      Você é uma pessoa que limita a ação de Deus apenas pelo que está na Bíblia, até parece que Deus teria que obedecer apenas o que está na bíblia.
      Não vou perder tempo com você, refutando todas as loucuras protestantes. Acesse o link a seguir, pois você terá todas as respostas que procura, depois basta apenas arrepender-se como Saulo e seguir a única e verdadeira Igreja de Cristo, a Igreja Católica Apostólica Romana.. Um presente para você: http://caiafarsa.wordpress.com/
      Frazão, ao invés de ficar lendo comentários e fazendo comentários, leia o conteúdo publicado no blog. Publicamos bons catecismos, que podem auxiliar você para fugir de tantas heresias que atormentam a sua cabeça.
      Aviso: Estarei respondendo os seus comentários, apenas nos casos em que não exista refutação no site citado anteriormente.

      Excluir