Busca no Blog

21 de setembro de 2014

Do diabólico delírio dos mórmons - Pe. Leslie Rumble, M.S.C. (15/20)

Os Mórmons
ou
"Santos dos Últimos Dias"

Padre Leslie Rumble, M.S.C.
Doutor em Teologia  
Missionarii Sacratissimi Cordis
"Missionários do Sagrado Coração"

A IGREJA MÓRMON
Igualmente pasmosa é a doutrina Mórmon sobre a Igreja. É-nos dito que Cristo fundou a sua Igreja na Palestina, escolhendo ali doze apóstolos, mas que a Igreja fracassou. Aparentemente prevenindo o fracasso foi para a América após a sua ressurreição e escolheu outros doze apóstolos de entre os Nefitas, fundando a sua Igreja em solo americano. Mas essa Igreja também fracassou. A única coisa a fazer era esperar pela chegada de Joseph Smith ao cenário do mundo nos últimos dias, e obter que ele fundasse outra Igreja por Ele. Por isto o último dos profetas Nefitas, Mórmon, deixou plenas instruções em benefício do dito Joseph Smith. Em 1830, agindo sob os mandamentos divinos, Joseph Smith reconstruiu a Igreja Cristã, dando-lhe a mesma organização — assim proclamava ele — que a possuída pela Igreja primitiva. E a Igreja que ele estabeleceu, a Igreja Mórmon, é a única Igreja verdadeira no mundo hoje em dia!
Constitucionalmente, a nova Igreja tinha "apóstolos, profetas, pastores, mestres e evangelistas". Havia dois sacerdócios, o de Melquisedec para as coisas espirituais, e o de Aarão para as coisas temporais. Todos os membros deviam herdar os milagrosos dons de línguas, de profecia, de revelação, de visões, etc, que ocasionalmente apareceram na Igreja primitiva.
Mas sobre a Igreja inteira a autoridade mais alta está investida num Presidente e em dois Conselheiros. Quando o Presidente morre, a "Primeira Presidência" é dissolvida, e a autoridade fica com os doze apóstolos, que devem eleger um sucessor. 
Para o seu Presidente os Mórmons reclamam uma infalibilidade muito maior do que a infalibilidade jamais reclamada por qualquer Papa na Igreja Católica. Escrevendo na "Encyclopaedia Britannica" sobre o "Mormonismo", Reed Smoot, ex-Senador por Utah, diz: "Só há um único homem na terra de cada vez... que possa receber revelação para a direção da Igreja, e esse homem é o Presidente da Igreja, Profeta de Deus, Vidente e Revelador e interlocutor. A sua palavra oficial, quando falando em nome do Senhor, a Igreja deve recebê-la como da própria boca de Deus".
Comparada com esta, quão mais moderada é a pretensão católica de que o Papa deve contar, não com qualquer revelação divina, nem mesmo com inspiração divina, mas somente com a assistência divina para salvaguardá-lo de erro quando ele define doutrina cristã para a proteção da fé apostólica contra interpretações heréticas!
Tal é, pois, a Igreja que os Mórmons sustentam ser a única Igreja do Deus Vivo, sendo todas as outras umas abominações amaldiçoadas.
No tocante aos Sacramentos, os Mórmons seguem a usual tradição protestante de dois, o Batismo e a Ceia do Senhor. Dos Batistas eles tiraram a doutrina de que o Batismo deve ser por imersão (coisa para a qual não há garantia na Escritura), e ensinam que o rito é absolutamente necessário para a salvação. Uma vez que também ensinam que todos os batismos administrados desde a morte do último dos Apóstolos até o advento da Igreja deles foram nulos e inválidos, eles sentiram que tinham de achar algum meio de evitar uma condenação assim em grosso de todas as precedentes gerações de cristãos. Por isto introduziram proxi-batismos para os mortos.
Mórmons caridosos podem tomar nos lábios os nomes de pessoas mortas e ser batizados em favor delas! Se, tomando isto a sério, todos os Mórmons fossem gente totalmente desinteressada e levassem a vida inteira, desde a infância até a extrema velhice, sem fazer outra coisa senão receber proxi-batismo pelos mortos, a custo eles fariam uma apreciável impressão sobre o vasto número de cristãos anteriores que viveram e morreram durante os dois mil anos passados! Mas todos os proxi-batismos no mundo não podem adiantar para aqueles que já sofreram o seu julgamento por Deus. A doutrina é completamente não-escriturística à parte o seu absurdo.
Adotando a condenação "Adventista do Sétimo Dia" ao álcool em todas as suas formas, os Mórmons celebram até mesmo a Ceia do Senhor com água em vez de com vinho. E, além do uso privado de álcool, o uso de chá, café e fumo também é fortemente combatido.

Nenhum comentário:

Postar um comentário