Busca no Blog

4 de março de 2015

Confessai-vos Bem - Padre Luiz Chiavarino.

Confiança no confessor

D. — Padre, como deve ser a confiança no confessor?
M. — Deve ser ingênua, sem inquietação ou duplicidade. Em outras palavras,
devemos, abrir-lhe o nosso íntimo sem reserva alguma, devemos agir justamente como as
crianças que sentem a necessidade de dizer tudo aos que procuram a sua felicidade.
D. — O que significa abrir-lhe o nosso íntimo?
M. — Significa que devemos contar-lhe tudo, os pecados, os defeitos e as más
inclinações, quando prejudicam a consciência, seja quanto ao passado, seja quanto ao
presente.O demônio, diz santo Inácio, age com os incautos como os jovens dissolutos com as
moças tolas que querem seduzir. Temem que as infelizes contem aos pais as palavras, as
confidências, os dizeres argutos que usam. Assim o demônio emprega toda a astúcia possível
para que não demos a conhecer ao confessor as suas artimanhas e os seus enganos..
D. — O demônio teme essa nossa confiança, por que ela corta todos os seus laços e
descobre todos os seus enganos: não é verdade, Padre?
M. — Justamente! e para sufocá-la ou diminuí-la enche as almas de dúvidas,
temores, suspeitas, desconfianças contra o próprio confessor. É preciso, portanto, ter
coragem e mostrar ao padre até essas insídias e tentações da nossa alma.
D. — Mas o confessor não se aborrecerá com essas misérias?
M. — Cada um tem o direito de manifestar o que interessa à própria consciência e
por isso a confiança deve ser ilimitada sem reservas salvaguardando sempre duas coisas: a
caridade para com o próximo e o respeito pelo confessor.
D. — Padre, os tais que deixam de confessar-se, ou então se confessam de quando
em quando, porque têm medo de não saber dizer tudo e bem, como desejariam, fazem mal?
M. — Fazem muito mal! E nas mesmas condições estão os que querem lembrar-se de
tudo, querem compreender tudo, saber explicar tudo, e, por não serem capazes ficam
inquietos e angustiados. Quando fazemos tudo o que está ao nosso alcance. Deus pensará no
resto.
D. — E o confessor também, não é?
M. — Certamente! Nós nos apresentamos a um Pai, o qual saberá interpretar e até
mesmo adivinhar o que não estamos em condição de bem lembrar, compreender e explicar.
Ele saberá interrogar-nos convenientemente e nos ajudará do melhor modo.
D. — Quê diremos, Padre, dos que não gostam de ser interrogados?
M. — É preciso dizer que sabem que estão doentes e não desejam ser curados, por
conseguinte nunca poderão sarar.
D. — O que significa sem inquietação ou duplicidade?
M. — Significa que a confissão deve ser feita sem artifícios ou rodeios. Faltam a isso
as pobres almas que, impelidas de um lado pela necessidade de manifestarem-se
inteiramente, e do outro pelo medo de falarem demais, procuram um meio termo. Recitam
exórdios estudados, recorrem a expressões gerais, abstratas, vagas, acusam-se e desculpam-se,
dizem e negam, de modo que o pobre confessor acaba não entendendo nada.
D. — Quanta miséria! E para que esses rodeios?
M. — Porque têm medo de sair perdendo, de se desonrarem, nem eu sei como.
Coitados, não sabem que são justamente a espontaneidade e a sinceridade de se dizerem
culpados que predispõem o coração do Confessor à compaixão e ao perdão, enquanto que os
artifícios obtêm o efeito contrário.
D. — Aqui vem o provérbio: "Quem se acusa, Deus desculpa; quem se desculpa
Deus acusa", não é mesmo, Padre?
M. — Justamente! Um dia um homem chegou para se confessar com D. Bosco,
justamente por timidez, em lugar de acusar os próprios pecados tratava de desculpá-los. O
servo de Deus que como Santo, lia na fronte e na alma de seus penitentes, o ouviu algum
tempo, mas depois, interrogando-o, perguntou amavelmente.
— Desculpe-me, mas o senhor veio para se acusar ou para se desculpar?
— Oh, Padre, para me acusar!
— Então acuse-se e diga sem mais: eu pensei assim e assim... fiz assim e assim...
aconteceu isto, isso, aquilo.
E assim dizendo, expôs todas as suas misérias; depois acrescentou:
— Queira desculpar-me; se adivinho é porque não quero que cometa um sacrilégio e
vá para o inferno, desde que "a quem se acusa Deus desculpa e a quem se desculpa Deus
acusa".
O coitado, muito confundido, mas mais do que satisfeito por se ver livre de tamanho
peso, não acabava mais de beijar a mão de D. Bosco, e de agradecer-lhe por tê-lo tirado de
tão grande atrapalhação.
D. — Mas nem todos são como D. Bosco, nem todos podem ler no pensamento e no
coração. M. — Justamente por isso é necessário confessar-se sempre claramente, sem rodeios
nem desculpas, para que o Confessor possa compreender e perdoar... e, sobretudo, para que
não seja enganado.
Conta-se que o Papa Gregório XVI, tendo ido visitar a penitenciária de
"Civitavecchia", perguntava a cada um dos condenados o motivo pelo qual se achava ali.
Todos, naturalmente, respondiam:
— Por nada, Santidade... Foi uma injustiça... nós estamos inocentes! Finalmente
encontrou um que, todo choroso e muito humildemente, respondeu:
— Ah! Santidade... Eu sou um miserável... culpado de crimes infames... justamente
condenado... O Papa, então voltando-se para o diretor da penitenciária, disse:
— O lugar deste bandido não é no meio de tantos inocentes. Tire-o daqui e mande-o
para casa.
D. — Ótimo! Viva a sinceridade! E agora, Padre, diga-me, eu ouvi dizer que a
confissão deve ser breve, em que consiste essa brevidade?
M. — Consiste em começar sem mais nada pelas coisas importantes; depois, sem
temor de que o confessor conheça ou compreenda demais, devemos passar pouco a pouco
para as coisas menores, sem hesitação ou interrupção.
D. — Nesse caso, enganam-se os que medem o valor da confissão pela duração da
mesma, e acreditam que, tanto maior o tempo passado no confessionário, tanto mais bem
feita a confissão?
M. — Enganam-se, porque há confissões ótimas apesar de muito breves e há
confissões de pouquíssimo valor apesar de durarem muito. É sempre breve a confissão em
que não se diz nada de inútil; e é sempre muito longa aquela em que se diz mesmo uma única
palavra inútil ou inoportuna. Assim dizem os Santos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário