Busca no Blog

18 de agosto de 2021

Teresa de Los Andes - Deus, Alegria Infinita - Diário e Cartas

1917

Fiel ao propósito de fazer diariamente oração e de comungar sempre que possa, Juanita aprofundou-se no amor de Deus e foi conquistada plenamente por ele. E, como ama a Jesus, necessita imperiosamente assemelhar-se a ele, "fundir-se nele" de tal modo que, quando o Eterno Pai a contemple, encontre nela uma boa cópia de seu Filho. Tal é sua aspiração, que exige dela que viva não fazendo a sua vontade, mas sim a de Deus: e abrindo-se aos demais em atitude de serviço.
Nesta escola do amor a Cristo - melhor que na de certos guias espirituais amigos de complicar a vida cristã regulamentando-a excessivamente - Juanita aprende que este é o sacrifício e a cruz que agrada ao Senhor e nos santifica: viver configurando-nos com Cristo. Quer dizer, viver amando ao Pai e os homens, nossos irmãos.

E este amor é exigentíssimo. Obriga-nos a sair de nós mesmos para entrar nos planos de Deus, tão diferentes dos nossos. Impõe o controle de nossas tendências desordenadas que - desumanizando-nos - destruiriam a imagem de Deus que devemos ser. Exige o sacrifício de nossa comodidade e de nossos gostos para promover a felicidade alheia. Amor comprometedor, porém, que nos leva à plena realização, à maturidade humana e cristã, à liberdade dos filhos de Deus, superando o egoísmo e o temor servil. Por isso, seu único ideal é colaborar com Cristo na salvação dos homens; e não a assustam nem o juízo, nem o inferno, nem a morte. Como o amor vence o inferno, a morte é a porta para embriagar-se eternamente de amor divino. (Ver "o amor é céu", à p. 53.)

PERÍODO DE PROVAS

Ao fim do ano, Juanita confessa que se sente fria, árida, insensível, presa de uma tristeza interior intensa Fala-nos de abandono, de trevas espessas. E que após o prelúdio dos sofrimentos físicos - debilidade, fadigas, dores de cabeça e nas costas, entrou de cheio na purificação espiritual que os místicos chamam de "noite escura da alma". Algo assim como o purgatório em vida. Exigência também do amor, que no crisol de seu fogo elimina dolorosamente tudo o que impede a total configuração da alma com Cristo.

MIL VIDAS OFERECEREI

1º de janeiro. Um ano a mais a caminho da pátria. Quantos benefícios recebidos e quantas graças desperdiçadas no ano que passou.
2 de janeiro. Sofro. Sangra-me o coração. Ah! mil vidas, se eu pudesse, ofereceria por ele! Todos os sofrimentos, meu Deus, enviai-me e dai-me graças para suportá-los, contanto que ele se converta.
Todos os dias faço minha meditação e vejo quão grande ajuda é para alguém santificar-se. É o espelho da alma. Quanto se conhece nela a si mesma! A dificuldade para mim é o respeito humano: que me vejam meditando e me chamem de beata.
25 de janeiro. Hoje prometi a Jesus cumprir sua vontade divina, aceitando com alegria o que ele mandar. A esposa há de unir sua vontade à do esposo e submeter-se a ele. Com quanto mais razão, eu, que sou sua escrava e que por grande favor ele me fez filha, irmã e esposa. Quão má e pecadora me vejo!"

Nenhum comentário:

Postar um comentário