Busca no Blog

24 de agosto de 2016

Casamento e Família - Dom Tihamer Toth

Conferência XVII


III - QUAIS SÃO OS INTERESSES INERENTES AO REFORÇO DA FAMÍLIA?


Parte 6/9

Quantas opiniões não circulam hoje a respeito da reforma do casamento. No entanto vimo-lo claramente, não há senão um caminho a seguir para esta reforma: recolocar o casamento inteiramente sobre a base de Cristo, salvar a sua indissolubilidade e sua pureza; é disto que depende o futuro da humanidade.
A - Se o Estado não pode passar sem a família, não é menos verdade que o Estado é incapaz, por suas próprias forças, de criar estas bases morais que garantem a força da família. 
a - Não há, com efeito um só Estado no mundo, que veja com alegria a decomposição do casamento de seus súditos. Cada um sabe, pela experiência, quais as consequências do divórcio para os interesses bem compreendidos da nação. Cada Estado gostaria, em seu território, que os santuários da família fossem sólidos... Verificou-se, porém, que sem o auxílio da religião, aos maiores esforços, sucederá o que sucedeu a semelhantes esforços do imperador Augusto.
b - Na época de Augusto, entre os romanos, o número de divórcios elevou-se muito. Ele promulgou, pois,  sobre esta questão duas leis severas: 
Um no ano quarto, a "Lex Iulia", outra no ano nono, a "Lex Papia". Por essas leis instituía ele prêmios para os casamentos, e de outra parte apenas contra os que não se casavam, ou casando-se, não tinham filhos.
E qual o resultado? Nulo. De nada serviu tudo isto. Por que? A história nos responde: O próprio Augusto, que trouxera essas leis severas, era divorciado, dando assim o testemunho berrante de que as leis civis são insuficientes por si mesmas, quando para o seu êxito há necessidade de apelar para a consciência dos cidadãos.
Compreende-se, agora, que trabalho abençoado realizou o cristianismo, elevando o matrimônio à dignidade de sacramento. Na árvore da redenção o primeiro fruto foi a criação do ideal cristão do casamento; e foi este um fato histórico pelo qual o cristianismo sobre as ruínas do mundo antigo lançou as bases do desenvolvimento da civilização cristã.

Nenhum comentário:

Postar um comentário