Busca no Blog

6 de maio de 2016

Casamento e Família - Dom Tihamer Toth.

Conferência XII


II - O CRUCIFIXO FAMILIAR


Parte 6/8

O que disse até agora, porém, seria incapaz de garantir a felicidade completa no lar. A mesa familiar é, sem dúvida, um móvel necessário em uma família feliz, mas em si é insuficiente. Uma outra peça de mobília é, pelo menos, necessária: o crucifixo de família.
A - Esta palavra crucifixo, eu a entendo no sentido literal, no sentido físico.
Não posso representar um lar realmente cristão, onde não se encontre, em um lugar de honra, a lembrança perpétua da morte de Nosso Senhor Jesus Cristo: o crucifixo.
O crucifixo, porque ele recorda constantemente os sofrimentos e o sacrifício de Nosso Senhor Jesus Cristo, tornando-se assim um encorajamento e uma consolação ao lar doméstico. Muitas vezes, os esposos constatarão a verdade desta máxima: "A felicidade conjugal se faz com grandes coisas e se desfaz com pequenas". Doenças e desgraças podem provar a família, privações e desentendimentos podem surgir entre milhões de esposos, e quem os ajudará senão a cruz de Cristo?
Muitos esposos verificarão ser o casamento também uma cruz. Mas que consolo, se podem olhar o crucifixo e se lembram das sábias palavras da Imperatriz Maria Teresa à sua filha Maria Cristina: "Não negligencieis nunca vossos deveres de religião; no matrimônio tem-se necessidade, mais que em qualquer outro lugar, da oração e do socorro de Deus".
De fato, divergências de vistas, choques, diferenças de opiniões, são inevitáveis, onde vários levam existência comum; mas se os esposos lançassem então um olhar ao seu crucifixo ouviriam este aviso da Sagrada Escritura: "Carregai os fardos um dos outros e deste modo cumprireis a lei de Cristo" (Gál 6, 2). É, então, que se realizará para eles esta outra palavra dos livros santos: "O Senhor está convosco, quando estiverdes com Ele; se vós O procurardes, achá-l'O-eis, mas se O abandonardes, Ele vos abandonará" (2 Par 15, 2).

Nenhum comentário:

Postar um comentário