Busca no Blog

24 de maio de 2016

Casamento e Família - Dom Tihamer Toth.

Conferência XIII


Parte 4/11


C - Veio, porém, o mundo egoísta atual e transformou radicalmente esta nobre maneira de ver.
a - O mundo não quer ouvir falar senão de comodidades e prazeres, mas não deseja conhecer os sacrifícios que os acompanham. Para o mundo a criança não é mais um "dom de Deus", e sim, "uma catástrofe", um peso do qual se deve libertar por todos os meios, a fim de que não se perturbem os prazeres de duas pessoas grandes.
b - Eis, porém, a Igreja Católica, que não teme afirmar aberta e formalmente que é um pecado contra Deus impedir, de qualquer maneira, o nascimento do filho, aconteça isto por uma intervenção humana ou de qualquer outro modo. É uma profanação e um aviltamento da vida conjugal, uma grave ofensa às leis naturais e aos mandamentos divinos, que o mundo frívolo chama de precaução e "sabedoria", mas a que a Igreja não pode senão aplicar estas palavras de São Tiago: "Uma semelhante sabedoria não vem do alto, é terrestre, é carnal, diabólica" (Tgo 3, 15). Sim, uma sabedoria diabólica, pois Nosso Senhor chama o demônio "homicida desde o princípio" (Jo 8, 44). Se o profeta Isaías vivesse atualmente, ele diria que esses esposos fizeram um pacto com a morte, e uma aliança com o inferno (Is 28, 15). E se o salmista escrevesse hoje, faria ouvir a estes esposos estas terríveis palavras: "Amou a maldição e ela cairá sobre ele; não quis a benção, e ela dele se afastará. Cobriu-se de maldição como de uma veste, e ela entrou como água dentro dele, e como óleo em seus ossos. Seja ela para ele como a veste que o cobre, e como a cintura que o cinge sempre" (Sl 108, 18 - 19).
Quem não conhece famílias sem filhos, onde tudo isto se realizou de maneira terrível? Espíritos vingadores e mudos os terrificam, assim como as doenças do corpo e do espírito, falta de coragem, abatimento, e todos os flagelos de uma consciência inquieta, pois afastar o filho por meios pecaminosos é um pecado contra a ordem formal do próprio Deus Criador.



Nenhum comentário:

Postar um comentário