Busca no Blog

26 de maio de 2016

Casamento e Família - Dom Tihamer Toth.

Conferência XIII


II - UM PECADO CONTRA OS INTERESSES DO FILHO.


Parte 5/11



É igualmente um pecado contra os interesses do filho, da criança.
Não podemos racionalmente duvidar que o filho faz parte da família. Eis por que a maior parte dos esposos que receber um filho das mãos de Deus; mas um só; quando muito, dois. E não mais, por nada do mundo. E não pensam o quanto eles pecam contra o filho único que possuem, não querendo, sob diversos pretextos, outros filhos.
A - Os pais de filho único tem o costume de dizer muitas vezes que não é o número que importa, e sim a qualidade; eles não darão muitos filhos à Pátria, mas somente um, este, porém, será um ilustre personagem.
Infelizmente a vida mostra muitas vezes o contrário. Mostra que os verdadeiros homens ilustres não vem das famílias de filhos únicos, mas, sim, de famílias numerosas. Se buscarmos a causa disto, constataremos que os pais podem educar melhor, e com mais sucesso, vários filhos do que um só.
a - Isto parece contraditório e no entanto é assim na realidade. Onde há vários filhos, a autoridade e o amor dos pais são divididos mais racionalmente, e assim não dificultam à personalidade dos filhos, pelas ordens perpétuas, e nem quebram a força de seu caráter por lisonjas continuas. E a prova é que há mais homens ilustres nas famílias numerosas que nas famílias de filho único,
b - Demais, onde há vários filhos, estes são obrigados a aprender logo cedo a se absterem de muitas coisas. Onde há vários filhos, cada um deles é forçado a se contentar com pouco, e ouvir muitas vezes responder aos seus pedidos: "Não, meu filho! Não, minha filha! É preciso isto também para teus irmãos e tuas irmãs". E isto não é um mal. É mesmo um bom princípio de educação. Porque, assim, eles aprendem melhor a prática da renúncia, e suportarão melhor, na idade adulta, as privações e as dificuldades da existência.

Nenhum comentário:

Postar um comentário