Busca no Blog

18 de outubro de 2021

Teresa de Los Andes - Deus, Alegria Infinita - Diário e Cartas

NO TRANSE DA MORTE

Sua filhinha sofre com você pela morte tão desoladora do tio André. Asseguro-lhe que produziu em mim , uma impressão horrível.
Como a morte chega de surpresa, quando não se pensa que há uma eternidade depois dela! Contudo, papaizinho, não desconfiemos da misericórdia de Deus que é infinita. Um só gemido de seu coração basta para que seus pecados lhe tenham sido perdoados, ainda que à nossa vista e julgamento pareça o contrário. Confiemos em Deus, porém também não se deve abusar de seu infinito amor. Por isso, o melhor é viver em paz com Nosso Senhor, de modo que, se a morte vier de repente, não nos surpreenda e aterrorize.
Que diferença tão imensa no modo de considerar a morte entre um cristão e alguém que não o é! Este só encontra o vazio, o nada, o frio da tumba. O cristão encontra o fim de seu desterro, de seus sofrimentos, o princípio de seus gozos eternos. Encontra seu Deus que é seu Pai e seu Pai que velou sobre ela em cada passo dado no caminho do bem e da dor. Ali está seu Pai com os braços estendidos para recebê-lo e dar-lhe sua coroa. Que paz nos dá esta certeza num transe tão horrível como é o da destruição de nosso ser (agosto de 1919).

CHAMA-TE LA DO SACRÁRIO

Como quisera que cada uma de minhas cartas te levasse uma pequena centelha de amor divino! Que feliz seria se eu pudesse enamorar-te de meu Jesus! Ele te chama do sacrário e um Deus que não tem necessidade de ti e, contudo, morre de amor por ti, minha Gordita, e tu não irás tirá-lo de sua prisão onde ele por ti se aprisionou? (22-6-19 19) .
Por que não te aproximas e comungas diariamente? Tu mesma já viste que quando comungam és melhor. Se não sentes fervor, cada comunhão o irá aumentando. Como me entristece pensar que há tão poucas almas que sabem apreciar o que é comungar!
Creia-me, quando comungo sinto-me tão feliz que me parece não estar na terra, mas no céu. Eu e Jesus nos amamos. Ele, infinitamente; eu, com todas as forças de minha alma, e não posso dizer outra coisa senão que o amo, estreitando seu coração de Deus junto ao meu miserável. Depois de alimentar-se com essa carne divina, que desfalecimento pode sentir nossa alma no caminho do dever? (17-8-1919).

Nenhum comentário:

Postar um comentário