Busca no Blog

1 de outubro de 2021

Teresa de Los Andes - Deus, Alegria Infinita - Diário e Cartas

SINTO-ME FELIZ

Já estou em meu conventinho. Não imagina minha felicidade.
Encontrei, por fim o céu na terra.
Se ontem separei-me dos meus com o coração despedaçado, hoje gozo de uma paz inalterável. Não imagina, paizinho, o carinho e solicitude verdadeiramente maternal de nossa Madre; digo o mesmo
de cada irmãzinha. Parece que sempre me encontrei aqui.
Agora escrevo-lhe de minha celinha que, embora seja bastante pobre, não a trocaria por nenhum aposento dos mais ricos do mundo.
Sinto-me feliz no meio de tanta pobreza, porque tenho a Deus, e ele só me basta.
Não imaginam todos os erros que cometo a cada passo, e minha irmãzinha noviça tem a grande caridade de guiar-me. Passo apuros colossais para andar com tamancos. Tenho tentações de riso vendo-me tão desajeitada.
Não tenho como agradecer a você, mãezinha linda, tudo que sofreu por mim. Adeus, paizinho lindo. Console-se com a separação porque sempre terá um ser que rogue a Nosso Senhor por você, já que lhe proporcionou o objeto de sua felicidade. Nunca terei como pagar-lhe (8-5-1919) .

CRISTO, ESSE LOUCO DE AMOR

Que felicidade! Como me sinto ditosa em sacrificar tudo por Deus! Tudo é nada em comparação com o que Nosso Senhor se sacrificou por nós desde o nascimento até a cruz; desde a cruz até aniquilar-se inteiramente sob a forma de pão. Amor que não é conhecido, amor não correspondido pela maioria dos homens.
Lucho querido, como quisera fazer-te ver o horizonte infinito, formosíssimo, incriado que vivo contemplando. Ele se revela e se descobre cada vez mais à alma que o busca sinceramente e que deseja conhecê-lo para amá-lo.
Tu me dizes que serás bom por minha causa. Isto não o permito.
Por uma criatura miserável jamais devemos agir. Ama e faze o bem para possuir eternamente o Bem imutável, o Bem infinito, o único que pode saciar e satisfazer tua vontade.
Quando alguém ama não pode deixar de falar do objeto amado.
Que será quando o objeto amado reúne em si todas as perfeições possíveis? Não sei como posso fazer outra coisa senão contemplá-lo e amá-lo. Que queres, se Jesus Cristo, esse Louco de amor, tornou-me louca? É martírio, Lucho, o que padeço ao ver que corações nobres e bem-nascidos, corações capazes de amar o bem, não amam o Bem infinito e imutável; que corações gratos com as criaturas não o sejam com aquele que os sustenta, que lhes dá a vida e a mantém; que lhes dá e deu tudo, até dar-se a si mesmo.
Lucho, faz oração. Depois das aulas vai a uma igreja onde Jesus solitário te fale ao coração em místico silêncio (11-5-1919).

Nenhum comentário:

Postar um comentário