Busca no Blog

26 de outubro de 2016

Columba Marmion - Jesus Cristo nos seus mistérios.

I V
«  . . .  E O VERBO SE FEZ CARNE . . . »

«A  PRINCÍPIO  era  o Verbo  e o Verbo era Deus ...E o Verbo se fez carne e habitou entre nós».
Jesus Cristo é o Verbo lncarnado. A Revelação ensina-nos que a segunda pessoa da Santíssima
Trindade, o Verbo, o Filho, tomou uma natureza humana para a unir a Si pessoalmente: é o mistério da Incarnação.
Consideremo-s por uns instantes este dogma, ao mesmo tempo inaudito e enternecedor, dum Homem-Deus.  É  o mistério fundamental em que assentam todos  os  mistérios de Jesus. A beleza, o esplendor, a virtude, a força e o valor deles estão nesta inefável união da Humanidade com a Divindade.
Não os compreenderemos bem, se não considerarmos primeiro o mistério da lncarnação em si mesmo e nas consequências gerais dela resultantes. Jesus é Deus
e homem ; se quisermos conhecer a Sua pessoa e participar dos Seus estados, devemos procurar compreender, não  só que Ele é o Verbo, mas ainda que este Verbo se fez carne ; se quisermos honrá-Lo condignamente, temos, não só de reconhecer a realidade da Sua natureza humana, mas também de adorar a Divindade  a  que esta natureza está unida.
Segundo a fé, o que há em Jesus Cristo?
Duas naturezas: a natureza humana e a natureza divina ; Jesus Cristo é ao mesmo tempo Deus perfeito e homem perfeito. - Além disso, estas  duas naturezas estão tão estreitamente unidas que há uma só e única pessoa, a do Verbo divino, em quem subsiste a Humanidade. Desta união inefável, resulta o valor infinito dos atos de Jesus, dos Seus estados e mistérios.
Contemplemos estas verdades ; desta contemplação, feita com humildade e amor brotarão muito naturalmente  os  sentimentos que em face destes mistérios nos devem animar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário