Busca no Blog

6 de janeiro de 2014

FESTA DA EPIFANIA.

A imortalidade da alma

Jesus havia nascido em Belém, numa gruta abandonada, deitado numa manjedoura de animais.

Ele esconde a sua majestade e abaixa a sua grandeza, enquanto os anjos o aclamaram e uma estrela resplandecente convida os Reis Magos a irem adorar este Rei recém-nascido.

Os Reis do Oriente, tendo encontrado este Rei misterioso, cujo trono é uma manjedoura e cuja púrpura são uns paninhos de pobres, prostram-se, adoram-No e Lhe oferecem os seus presentes: ouro, incenso e mirra.

O ouro exalta a realeza do Menino.
O incenso proclama a sua imortalidade.
A mirra significa a sua humanidade.

Deus é o grande, o supremo Imortal.

Os homens participam desta prerrogativa, pela sua alma, criada à imagem e semelhança de Deus. Consideremos esta prerrogativa de nossa alma, examinando.

1°. A natureza da imortalidade
2°. As provas desta imortalidade

Estas considerações nos farão compreender melhor a grandeza do homem e a sublimidade de seu destino.

I. A natureza da imortalidade

Chama-se imortalidade da alma a prerrogativa de que é dotada de não morrer.

Tudo o que é material está sujeito à lei da desagregação ou decomposição.

A nossa alma, sendo simples, espiritual, sem nenhuma composição, não pode estar sujeita a esta lei; a sua espiritualidade conduz logicamente à idéia da sua permanência depois da morte natural.

O que chamamos morte, não é o aniquilamento, é uma decomposição ou dissolução, palavras que indicam uma separação de partes.

A alma não tendo partes, não está, pois, sujeita à morte.

Cícero, apesar de pagão, tem a este respeito uma frase, nos Tusculanos, 1. 1. 29.

“A alma”, diz ele, “é necessariamente uma substância muito simples, sem mistura, sem composição, sem elementos diversos. Segue-se daí que não se pode, nem dissolvê-la, nem dividi-la, nem rompê-la, nem quebrá-la. É pois imortal, porque a morte não é mais que a separação das partes que antes estavam ligadas.”

Na própria natureza da alma, encontramos já uma prova da sua imortalidade.

Todos nós experimentamos o desejo de uma felicidade que não podemos alcançar aqui na terra.

Ora, Deus não pode infundir na alma desejos irrealizáveis, senão seria uma oposição em sua própria obra.

É preciso, pois, que na outra vida, na sobrevivência possamos alcançar esta felicidade que não encontramos neste mundo.

O homem está em marcha para o infinito que prossegue sempre, mas que sempre lhe escapa.

Ele concebe, sente este infinito, trá-lo dentro de si: daí provem este instinto de imortalidade, esta esperança universal de uma outra vida, que exprimem todos os cultos, todas as poesias, todas as tradições.

Se assim não fosse, a maior das criaturas seria a mais maltratada: seria até um monstro eterno, pois nunca chegaria à perfeição de seu estado e de suas aspirações.

II. Provas da sua imortalidade

A alma não podendo ser decomposta, podia ser aniquilada. Isto, porém, não é concebível.

Aniquilar e criar são dois atos iguais.

Para aniquilar a alma, Deus deveria exercer um ato positivo da sua divindade.

Ora, na natureza inteira não encontramos um único exemplo de aniquilamento.

Nada é aniquilado, mas simplesmente transformado.

O corpo do homem, o dos animais, mesmo as plantas são simplesmente dissolvidos, transformados, mas não aniquilados.

Aliás, à semelhante aniquilação se opõem a sabedoria, a justiça e a veracidade divinas.

Deus, em sua sabedoria infinita, fez a nossa alma imortal em sua natureza, pois tudo o que é espiritual é eterno. Ele fez esta alma à sua imagem e semelhança, sendo Ele o Imortal.

A alma, sendo superior ao corpo, deve ter um destino que seja superior a este.

Ora, o nosso corpo não será aniquilado: nem um de seus elementos voltará para o nada, mas será apenas separado dos outros elementos.

Ora, se a alma morresse, a sua sorte seria menos nobre que o de seu inferior, o que repugna à sabedoria de Deus.

Deus é infinitamente justo, e esta justiça exige que o mal seja punido e o bem recompensado.

Ora, a alma não encontra neste mundo a sanção do bem que faz, nem do mal que comete.

É preciso, pois, que haja uma outra vida, onde triunfe a justiça divina... e esta outra vida exige a imortalidade da alma.

Deus é verdadeiro, e este Deus não somente nos faz aspirar à imortalidade, mas nos obriga a crer nela. A ressurreição da carne, a vida eterna, são dogmas sagrados da nossa fé.

Logo, tal imortalidade existe, claramente ensinada pelo próprio Deus.

III. Conclusão

As conseqüências práticas da crença na imortalidade da alma são o que mais fortifica e estimula na vida.

Esta crença nos consola no meio dos sofrimentos da vida.

Ela é um estímulo constante na aquisição de méritos e de virtudes.

Ela conserva o homem numa nobre dignidade, inspirando-lhe o respeito a si mesmo.

Com este dogma da imortalidade, a infelicidade é consolada, a virtude excitada, o vício reprimido, a providência justificada, o homem e o mundo moral estão explicados.

Basta deste dogma para formar grandes homens, elevar as grandes virtudes, aceitar grandes sacrifícios para Deus, para a religião e para a sociedade... enquanto que suprimir este dogma, seria suprimir toda a religião, toda virtude, todo dever!

Deus não morre, exclamava Garcia Moreno.

A alma também não morre, devemos ajuntar.

Ambos são imortais, porque a segunda é feita à imagem do primeiro.

EXEMPLOS

1. A lição do tic-tac

Um professor católico de Belfort quis dar a seus alunos uma idéia da imortalidade da alma. Procurou um meio de tornar sensível à inteligência infantil esta verdade: que a morte do corpo não tira a vida da alma.

Tirou o seu relógio da algibeira e chamando os meninos, lhes disse: Escutem como o relógio faz tic-tac e como ele está numa caixa de ouro.

Todos escutaram e admiraram o relógio. Então o professor tirou o mecanismo da caixa e conservando uma das peças em mão diferente, perguntou: Qual dos dois é o relógio?

- É a parte que faz tic-tac, responderam estes.

- Pois bem, estão vendo que a caixa, separada do mecanismo, tornou-se muda, enquanto o relógio continua a andar, embora separado de seu invólucro, a caixa. Assim acontece conosco.

A morte separa a alma do corpo, então o corpo torna-se mudo, a alma, porém, privada de seu invólucro, o corpo, continua a existir e a agir.

A comparação, sem dúvida, é muito imperfeita, mas, os meninos compreenderam assim perfeitamente a verdade de tal modo provada.

2. O martírio do Anamita

Nas últimas perseguições que assolaram a cristandade de Tóquio, um jovem cristão de 17 anos, chamado Moï, excitou a admiração dos próprios pagãos pelo heroísmo da sua constância.

-Pisa este crucifixo e renega a tua religião, bradou-lhe o juiz, e te darei 100$000.
-Excelência, não basta.
-Pois bem, eu te darei 500$.
-Não basta ainda!
-O que?... pois bem, darei 1:000$000.
-É barato demais, Excelência!

O Juiz, estupefato pela calma do cristão, perguntou-lhe nervoso: mas, então, quanto queres?

- Excelência, se quereis que eu perca a minha alma, pisando o crucifixo e renegando a minha religião, dai-me bastante dinheiro para comprar uma outra alma imortal.

E o valente Anamita marchou para o suplício com o sorriso sobre os lábios, deixando juiz e algozes boquiabertos de tanta coragem.

É que o Anamita compreendia o que é uma alma imortal.

(MARIA, P. Júlio. Comentário Apologético do Evangelho Dominical. O Lutador, 1940, p. 60 - 65)

Nenhum comentário:

Postar um comentário