Busca no Blog

16 de novembro de 2014

A Paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo - 65ª Parte

MEDITAÇÃO PARA A SEGUNDA-FEIRA

Do suor de sangue e agonia de Jesus no horto

1. Nosso amante Redentor, aproximando-se a hora da morte, dirigiu-se ao horto de Getsêmani, onde ele mesmo iniciou a sua doloríssima paixão, permitindo ao temor, ao tédio e à tristeza que viessem atormentá-lo (Mc 14,33; Mt 26,37). Começou, pois, a sentir um grande pavor e tédio da morte e dos sofrimentos que deviam acompanhá-la. Com toda a vivacidade apresentaram-se-lhe à mente os flagelos, os espinhos, os cravos, a cruz e não em separado, mas tudo de uma só vez veio afligi-lo e de modo especial o atormentou a
vista da morte que devia sofrer abandonado de todo o auxílio humano e divino. Aterrorizado com a vista horrenda de tantos maus tratos e ignomínias, pediu ao Padre eterno que lhe poupasse esses tormentos: “Pai, se for possível, passe de mim este cálice” (Mt 26,39).
Mas como? Não foi Jesus que tanto desejara sofrer e morrer pelos homens, quando dizia: “Devo ser batizado com um batismo e em que ansiedade me sinto eu até que ele se cumpra” (Lc 12,50). Como, pois, teme assim essas penas e essa morte? Ah, ele bem desejava morrer por nós, mas para que não pensássemos que ele morreria sem dores em virtude de sua divindade, fez aquele pedido ao Pai, para que ficássemos cientes de que não só morria por nosso amor, mas também sujeito a uma morte tão dolorosa, que lhe causava grande pavor.
2. Além disso, uma grande tristeza se apodera do aflito Senhor, chegando ele a dizer que ela só bastaria para lhe dar a morte. “Minha alma está triste até à morte” (Mt 26,38). Mas, Senhor, está em vossas mãos livrar-nos da morte que vos preparam os homens: por que, pois, vos afligis? Ah, não foram tanto os tormentos da paixão como os nossos pecados que mais afligiram o coração de nosso amante Salvador.
Viera à terra para destruir o pecado; vendo, porém, que, apesar de toda a sua paixão, se continuaria a cometer tantos crimes no mundo, essa vista fê-lo sofrer o tormento da morte antes de morrer, e suar sangue em tanta abundância, que banhou a terra em redor dele: “E seu suor se fez como gotas de sangue, correndo sobre a terra”(Lc 22,44). Sim, isso sucedeu unicamente porque Jesus se viu em presença de todos os pecados que os homens haveriam de cometer depois de sua morte, todos os ódios, desonestidades, furtos, blasfêmias, sacrilégios e assim cada culpa vinha por sua vez dilacerar-lhe o coração com sua malícia como uma fera cruel. Dizia então consigo: é esta, pois, a vossa gratidão, ó homens, ao meu amor? Se eu vos soubesse gratos, com que alegria não morreria por vós! Mas ver, depois de tantos sofrimentos, tantos pecados, depois de um amor tão grande, tanta ingratidão, é isso o que me faz suar sangue.
Logo, meu amado Jesus, foram os meus pecados que então tanto vos afligiram. Se eu tivesse pecado menos, teríeis sofrido menos. Quanto maior foi o prazer que me procurei, ofendendo-vos, tanto mais vos afligi então. E como não morro de dor, pensando que eu paguei o vosso amor aumentando a vossa pena e tristeza. Eu afligi, pois, esse coração que tanto me amou. Às criaturas tenho-me mostrado mui grato, só convosco tenho sido ingrato. Perdoai-me, meu Jesus, eu me arrependo de todo o meu coração.
3. Vendo-se Jesus carregado com os nossos pecados, prostrou-se com a face por terra(Mt 26,39), como envergonhado de levantar os olhos para o céu, e posto em agonia rezava com maior instância (Lc 22,43). Nessa hora, Senhor, vós suplicastes ao Padre eterno que me perdoasse, oferecendo-vos a morrer em satisfação de minhas culpas.
Minha alma, como não te rendes a tão grande amor? Contudo, acreditando nisso, podes amar alguém fora de Jesus? Eia, pois, lança-te aos pés de teu Senhor agonizante e dize-lhe: Meu caro Redentor, como pudestes amar a quem tanto vos ofendeu? Como pudestes sofrer a morte por mim, vendo a minha ingratidão? Fazei-me participante da dor que sentistes no horto. Eu detesto todos os meus pecados e uno este meu arrependimento à aversão que deles sentistes em Getsêmani. Ó amor de meu Jesus, tu és o meu amor. Senhor, eu vos amo e por vosso amor eu me ofereço a padecer toda espécie de pena e de morte. Pelos merecimentos da agonia que sofrestes no horto, dai-me a santa perseverança. Maria, minha esperança, rogai a Jesus por mim. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário