17 de setembro de 2017

As Mais Belas Histórias do Cristianismo - Parte 1

1. A PRIMITIVA IGREJA

A época mais sublime da história de 20 séculos de cristianismo é sem dúvida a Igreja dos Primeiros Tempos, a história dos três primeiros séculos cristãos. Fundada por Nosso Senhor Jesus Cristo, a Igreja desde a sua origem demonstrou a sua divindade.
Cristãos pela graça de Deus, membros do Corpo Místico de Cristo, que é a Igreja, nos orgulhamos de nossos antepassados que foram os primeiros cristãos, e na Igreja Primitiva vamos buscar os mais
belos exemplos que nos inspiram uma verdadeira vivência do cristianismo.
O quadro que nos apresenta a Igreja nos primeiros dias de sua existência é um programa para todos os tempos.
Os primeiros cristão, os convertidos dos primeiros dias, nos contam os Atos dos Apóstolos, "perseveravam na doutrina dos Apóstolos, na comum fração do pão e nas orações" (Atos, II, 42). As instruções dos Apóstolos constituem o fundamento da jovem comunidade: é a pregação da fé, o magistério, a fé na Igreja docente, na Igreja Apostólica.
Assim é a Igreja ainda hoje, com os fiéis submissos ao Santo Padre, Pontífice Romano, na pessoa de quem Pedro permanece vivo na chefia da Igreja. É a Igreja "Una", que surge aos nossos olhos, em gérmen, pequena semente que se tornou a gigantesca e frondosa árvore da Igreja Católica.
A fração do pão e as orações demonstram a Igreja "Santa", a que santifica os seus membros em seus ofícios divinos, e em sua vida diária, especialmente pela celebração da Eucaristia, o sacrifício da Nova Aliança, que fortalece os fiéis para quem a Eucaristia é o centro da vida de comunidade.
A solicitude cordial animava a comunidade, manifestando um amor fraterno, o mais autêntico. "E todos os que criam estavam unidos, e tinham tudo em comum" (Atos, II, 44) .
Esta vida da primitiva comunidade era devida à plenitude do Espírito Santo, que descera pouco antes sobre os Apóstolos, infundindo, na Igreja um alento de vida.
A alegria reinava em todos os corações, os milagres e prodígios marcavam a presença de Cristo na vida da primitiva Igreja. Humildes e firmes em sua fé, os cristãos eram por todos admirados, como
homens interiormente transformados, distintos dos demais.
Assim, Cristo comunicava á jovem Igreja extraordinária força de expansão e conquista, e cada vez maior era o número dos cristãos.
Com as perseguições iniciadas em Jerusalém, as comunidades começaram a se espalhar e o Evangelho de Cristo penetrava por toda parte.
Roma, a capital do Império Romano, foi escolhida para ser também a capital do cristianismo. Mas a Igreja, antes da conquista definitiva da Urbs e do Império, teve que travar tremenda luta contra o paganismo, acabando por renovar a sociedade pagã,
tornando-a cristã. Não foi uma luta qualquer e de duração curta, mas uma batalha de três séculos, cuja vitória engrandeceu o heroísmo e a fé dos cristãos, que derramaram o seu sangue na mais autêntica revolução que o mundo já presenciou e que culminou com a vitória da Cruz que dobrou a espada dos tiranos e cruéis perseguidores.
Milhares e milhares de mártires se imolaram por Cristo no testamento de sangue que confirmava o testemunho de suas palavras e de sua fé, numa série consagradora que teve no Diácono Estêvão o primeiro nome, protomártir do cristianismo.
Passadas as opressões e perseguições, o cristianismo conheceu a sua vitória, quando o Imperador Constantino colocou a Cruz como brasão de glória do exército romano.
Novas lutas surgiram, mas a Igreja estava definitivamente implantada no coração da humanidade, cuja conquista o mundo reconheceu, e solidamente fortalecida na fé e constância dos primeiros séculos.
É a Igreja dos Mártires que foram dignos e de seu fundador, o Rei dos Mártires; a Igreja dos Santos que demonstram a vitalidade de sua doutrina e moral; a Igreja dos Sábios, cujas páginas belíssimas formaram a notável Literatura Cristã de todos os tempos, fonte inesgotável de saber e inteligência em sua origem.
É a Igreja instituída por Jesus Cristo, e que desde a sua origem demonstrou não ser obra humana, mas de Deus, que se assentou sobre a rocha inabalável que é Pedro, na sucessão ininterrupta dos Papas que a conduzem com sabedoria e santidade, traçando-lhe os luminosos caminhos de salvação.
O estudo e meditação da vida da primitiva comunidade nos inspirem autêntica vida cristã para os tempos de hoje, para que o mundo cristão de nosso século se volte ao espírito da Igreja Primitiva, ao espírito que logrou a vitória sobre o mundo, à fé e heroísmo daqueles dias, se volte para Cristo, Senhor da Igreja, ontem como hoje, e por toda a eternidade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário