Busca no Blog

4 de julho de 2018

Tesouro de Exemplos - Parte 527

PADRE, PADRE, A MIM TAMBÉM!

No tempo da famosa peste de Milão, verificou-se uma cena comovente.
Os magistrados da cidade haviam ordenado que os cadáveres das vítimas fossem imediatamente transportados em carros e depositados atrás do lazareto para, todas as tardes, serem sepultados todos juntos numa vala comum.
Mas, como durante a noite iam chegando outros mortos, ao romper do dia o montão de cadáveres era considerável.
Ora, aconteceu que, certa madrugada, o padre encarregado da cura dos asilados no lazareto saiu da capela de S. José, que ficava no pátio, para levar o Viático aos moribundos. Um melancólico pugilo de devotos o acompanhava, levando uns a umbela e os círios, recitando outros salmos ou orando.
Ao passarem por detrás do lazareto, deram com o montão de cadáveres, levados durante a noite e atirados ali a granel uns por cima dos outros, seminus, salpicados de manchas lívidas, cobertos de vermes... A tal vista, o padre e seus companheiros sentem apertar-se-lhes os corações, suspiram e, recitando em voz mais alta as suas orações, apressam os passos.
Mas eis que daquele horrível monte de cadáveres se eleva uma voz rouca, que em tom lastimoso clama:
— Padre, Padre, também a mim... por amor de Deus, também a mim!
Dirigem todos o olhar para aquele lado, e veem no meio daqueles cadáveres um como esqueleto de homem que se ergue apoiando-se sobre os braços descarnados, e põe-se de joelhos. Era um pobre velho que, ferido pela peste e tido por morto, inadvertidamente tinha sido levado com os outros para ser soterrado. Pio e religioso, pedia que não o deixassem morrer sem o divino conforto do Viático.
É desnecessário descrever a comoção dos presentes. O sacerdote aproxima-se dele, dá-lhe a absolvição, administra-lhe a Comunhão e o velho, cruzando as mãos sobre o peito, fecha os olhos e cai morto entre os mortos para não mais se levantar. E foi fazer a sua ação de graças na eternidade. Oh! que comunhão!
S. Carlos, arcebispo daquela cidade, ao saber deste fato, comoveu-se até as lágrimas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário