Busca no Blog

9 de dezembro de 2017

Retratos de Nossa Senhora, Juan Rey, S. J.,

RETRATOS DE NOSSA SENHORA

Nossa Senhora Desposada


Parte 6/8

Depois do consentimento matrimonial, que constitui e essência do matrimônio, a Igreja ajuntou algumas cerimônias símbolos de realidades. Uma dessas cerimônias é a bênção das arras. Treze moedas que o sacerdote benze e entrega ao esposo para que ele por sua vez as deposite nas mãos da esposa. A entrega dessas moedas é símbolo do dinheiro, fruto do seu trabalho, que o marido dará depois à esposa para ajudar à administração da casa. É simbolo também da união dos bens materiais que há de existir entre os esposos. Depois benzem-se as alianças. O sacerdote põe-na ao esposo, e o esposo põe-na na esposa.
As alianças simbolizam as uniões dos corações. A aliança é o sinal exterior e público, que diz a todos: Esta pessoa é casada, e portanto não pode dispor de si livremente, pois pertence a outro. Diz isto em primeiro lugar ao próprio que a traz.
Quando chega a tentação, o anel com o seu fulgor grita: "Não entregues o teu coração, não sejas traidor, não sejas perjuro". 
O anel também é um escudo defensor. Está a dizer ao tentador: "Vai procurar outra, esta pessoa é casada".
O mal de hoje é que nem os tentadores nem as tentadoras se detêm perante os fulgores de um anel nupcial. O mal é que os esposos não se importam de ostentar o anel enquanto ele flerta com uma e ela faz o mesmo com outro. Os que abafam a voz da consciência mais facilmente abafam a do anel.
O sacerdote toma pela mão os esposos e leva-os até ao altar. Pelo caminho entoa um salmo, que se pode chamar o hino dos esposos. 
"Tua esposa será como a videira fecunda ao lado da tua casa.
Teus filhos como rebentos de oliveira à volta da tua mesa.
Assim será abençoado o homem que teme o Senhor".
Para certos matrimônios, estas orações são um sarcasmo.
Os filhos, uma bênção de Deus ...
Alguns dirão em seu coração: "cala-te, sacerdote, cala-te; não queremos semelhantes bênçãos".


Nenhum comentário:

Postar um comentário