Busca no Blog

24 de novembro de 2018

Tesouro de Exemplos - Parte 552

UMA VERDADEIRA MÃE

Em Florença, numa bela manhã de primavera, três moços saíram de um café, onde haviam passado toda a noite a jogar. Um deles era príncipe. Quando chegaram à porta do palácio, despediram-se, e o príncipe subiu aos seus aposentos, fazendo o possível para não ser ouvido por ninguém. Mas, ao passar junto a capela, viu sua mãe que durante toda a noite ali estivera orando e esperando pelo filho. Ao vê-lo, enxugou as lágrimas que ainda lhe corriam dos olhos e, indo ao encontro do príncipe, disse-lhe com muita doçura:
— Meu filho! Em vão te esperei; mas demos graças a Deus que te preservou de desgraças. Tu também dá-lhe graças e vai logo deitar.-te.
O filho não conseguiu dizer outra palavra senão esta:
— Tens razão, mamãe; sou um miserável!
Ambos se retiraram. O jovem, prostrando-se por terra, chorou copiosamente. Em seguida, despojando-se de toda insígnia principesca, dirigiu-se a igreja dos carmelitas e, aos pés do altar da Santíssima Virgem, refúgio dos pecadores, rezava: “Maria, refugio dos pecadores, ajudai-me e salvai-me!”
Acercou-se, dele um religioso, que, ao reconhecê-lo, exclamou:
— Príncipe, vós por aqui? Que aconteceu?
— O senhor não me chame de príncipe, pois sou indigno de todo principado; sou um grande pecador. Dizei a minha mãe que renuncio a tudo e não voltarei para casa enquanto não tiver a promessa de ser recebido no número dos religiosos deste convento.
E realmente, com as lágrimas e as bênçãos daquela heroica mãe, o príncipe fez-se carmelita, foi mais tarde bispo de Fiésole e distinguiu-se por suas obras de penitência e de caridade chegando a uma insigne santidade. E’ Santo André Corsino (f 1373).

Nenhum comentário:

Postar um comentário