Busca no Blog

27 de novembro de 2018

Retratos de Nossa Senhora, Juan Rey, S. J.,

RETRATOS DE NOSSA SENHORA

O Vestido da Virgem Santíssima


Parte 4/5

A modéstia tem sido também uma virtude característica da mulher da Península, uma das suas virtudes raciais.
Mesmo agora, apesar da imodéstia que se propaga rapidamente na Península, uma pessoa estrangeira ilustre disse que o melhor da Península eram as suas mulheres pela sua dignidade e modéstia.
Mas este último baluarte da modéstia cristã há anos que é duramente combatido. É ordem dada pelas sociedades secretas e publicada na sua revista internacional: matar o pudor da mulher fomentando para isso a imodéstia no vestir.
Até que ponto? eis a meta: o nudismo completo. 
Há anos esta pretensão parecer-nos-ia absurda; hoje, depois de vermos o avanço da ofensiva, chegamos a crer que em alguns casos se alcançou o objetivo previsto como se alcançou já nalgumas nações.
Também se determinou a tática que se deve seguir: para se evitar a oposição será necessário proceder metodicamente. E a tática está-se a seguir.
Lança-se uma moda atrevida. Apresentam-na pela primeira vez mulheres desvergonhadas e mesmo de má nota. As mulheres mundanas, as que estão sempre de ouvido alerta para recolher o último grito da moda, aceitam-na sem vacilar; as mais piedosas admiram-se, protestam. Esses profetas são refutados por um argumento de valor: é a moda. Ante essa razão guarda-se silêncio. Pouco a pouco as outras vão aceitando a moda. Restam umas poucas que são tidas por extravagantes e antiquadas.
No ano seguinte mais um passo, o mesmo processo, os mesmos protestos, a mesma razão: é a moda. E a moda do ano anterior torna-se já extravagante e antiquada.
E avançando, avançando, até chegar à meta. Quais serão os efeitos desta imodéstia no vestir?
Desastrosos: a corrupção dos costumes e, como consequência, o aniquilamento da fé.
Primeiro, a corrupção dos costumes. A mulher, à medida que vai perdendo a modéstia, perde o pudor, que é a muralha defensiva da pureza; e perde a estima pela mesma pureza; e o que se não estima não se defende. Por outro lado, a nudez excita as paixões do homem. O resultado da imoralidade é a perda da fé; porque as apostasias na fé são precedidas da corrupção do coração.
Por isso Heine, o Voltaire do século XIX, disse: para matar a Igreja é preciso apoderar-se a gente da criança e corromper a mulher.
E o famoso apologista Lacordaire, que subia à cátedra sagrada mais elevada de França no ano de 1844, sob as abóbadas de Notre Dame, que abrigavam milhares de jovens e cavalheiros que atravessavam a mesma crise religiosa por que havia passado o orador, disse estas palavras memoráveis: "o último século não viu perecer a religião em França até que não viu perecer o pudor". A experiência dizia ao zeloso apologista que o pudor tinha sido a última trincheira defensiva da fé.
Se isto é assim, e a imodéstia vai crescendo dum modo alarmante na nossa pátria, dar-se-á o caso tristíssimo de que esta fé da Península, que por espaço de vinte séculos tem resistido aos ataques de todos os hereges e exércitos poderosos, sucumba destruída pela imodéstia das mesmas mulheres peninsulares?
Mulheres, medi a vossa responsabilidade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário