14 de novembro de 2018

Retratos de Nossa Senhora, Juan Rey, S. J.,

RETRATOS DE NOSSA SENHORA

O Vestido da Virgem Santíssima


Parte 1/5

O retrato da Virgem Santíssima ficaria incompleto, se não disséssemos alguma coisa sobre o seu vestir. O vestido, ainda que acidental, completa o retrato duma pessoa. Completa o retrato do corpo que se apresenta coberto com o vestido. Por isso, quando ides tirar o retrato escolheis bem o vestido. Por isso, os pintores estudam muito os vestidos que hão de usar as personagens dos seus retratos.
Mas o vestido também completa o retrato da alma. Se a alma transparece no rosto e nas atitudes do corpo, também transparece no vestido; e por ele podemos deduzir alguma coisa do que é uma pessoa interiormente.
Vestido elegante e modesto ao mesmo tempo, alma pura, judiciosa, equilibrada.
Vestido extravagante, ridículo, alma singular, excêntrica, desequilibrada.
Vestido provocante, alma frívola, leviana e talvez sensual.
Isto é tão verdade, que o vestir de algumas pessoas passou a história como qualquer coisa de peculiar e característico da sua personalidade.
Esta influência da alma no vestido é evidente; por isso a virtude da modéstia, essa virtude que modera todo o exterior do homem, não é uma virtude superficial, como poderia parecer à primeira vista. É uma planta que esconde as suas raízes no mais intimo da alma e que brota para o exterior e desdobra a beleza das suas pétalas à vista dos homens.
Santo Agostinho define-a acertadamente: "modus animi", a moderação da alma, que se traduz em "modus corporis", na moderação dos atos exteriores do corpo.
Por isso diz também Santo Ambrósio, que os atos exteriores do corpo são "vox quaedam animi"; são como que a linguagem que tem a alma para nos dizer o que é.
A modéstia no vestir tem as suas raízes na alma e no coração, mas nem todas as almas, nem todos os corações são terra adequada para produzirem essa planta; são unicamente as almas puras, os corações puros.
Quando virdes que a virtude da modéstia mostra todo o esplendor da sua beleza, podeis deduzir: que alma tão pura a desta jovem!
Quando virdes que a planta da modéstia não aparece no exterior, podeis temer que as raízes donde devia brotar tenham secado.
Que complicado e que difícil é vestir-se uma mulher! Complicado e difícil procurar o corte do vestido. Mais complicado ainda escolher as cores de todas as peças de vestuário, para que digam bem umas com as outras e com a cor do rosto, do cabelo e dos olhos.
Mesmo que não o pretendas, o teu modo de vestir estará sempre de acordo com o teu coração e com a tua alma.
Pelo que foi dito deduzireis que o modo de vestir de uma pessoa forma parte do seu retrato, do retrato do seu corpo e mais ainda do retrato da sua alma.
E se queremos fazer um retrato completo da Virgem Santíssima temos necessariamente de fixar-nos no seu vestido. 

Um comentário: