Busca no Blog

21 de outubro de 2018

Retratos de Nossa Senhora, Juan Rey, S. J.,

RETRATOS DE NOSSA SENHORA

O Pudor, Esplendor da Beleza Corporal


Parte 7/8

Pudor mais ou menos sensível concede-o Deus a todos os homens; e mais delicado ainda na mulher, porque esta necessita mais defesa. Mas esse pudor natural pode afinar-se com uma educação esmerada e pode também embotar-se e perder quase toda a sua sensibilidade.
Pais e mães, desejais que os vossos filhos ostentem no seu rosto esse brilho de dignidade, de moderação, de delicadeza; numa palavra, de pudor? Desejais que ao chegar a idade da luta, essa idade crítica em que a maioria dos jovens sucumbem, vossos filhos saiam incólumes do perigo e que as pessoas sensatas apontando-os com o dedo digam: esse é um jovem modelo; uma jovem sem mancha; se os meus filhos fossem assim! Desejais isto, não é verdade? Pois podeis consegui-lo em parte.
Educai o pudor de vossos filhos. E como o educareis?
Vigiando as suas ações, quando pequenos: olhares, conversas, companhias, leituras, espetáculos, coibindo a sua curiosidade de ver e de saber, corrigindo todo o gesto, toda a posição indecorosa, sem exageros, mas com seriedade e constância.
Mas sobretudo educai esse instinto do pudor pelo exemplo: porque sem ele todos os outros meios serão ineficazes.
A criança desde os primeiros anos procura imitar os gestos, as palavras, dos que a rodeiam: pais, irmãos, amigos e até criados.
A criança dificilmente compreende as instruções e os conselhos teóricos, mas tem uma tendência para reproduzir o que vê; isso imita e isso aprende.
Copia pouco a pouco o comportamento exterior dos que a rodeiam e simultaneamente vão despertando os sentimentos da alma correspondentes a esse comportamento, pois os gestos exteriores criam na alma os afetos correspondentes a essas manifestações externas.
Imitando os gestos duma pessoa encolerizada desperta-se na alma o sentimento de ira. Reproduzindo a expressão externa da modéstia, criam-se na alma os sentimentos do pudor; e pelo contrário; adotando atitudes descompostas, vão-se perdendo esses sentimentos.
São leis psicológicas confirmadas pela experiência de todos os dias.
Quereis que os vossos filhos tenham pudor? Pois cuidai que todo o seu comportamento exterior seja recatado. Educa-se também o seu pudor apresentando-lhes crianças modelos que possam imitar.
Ponde-lhes nas mãos as vidas dos santos jovens que foram exemplos de pureza: São Estanislau Kostka, São Luis Gonzaga, Santa Teresa do Menino Jesus.
Apresentai-lhes a pessoa de Jesus Menino e de sua Santíssima Mãe, a mais modesta das criaturas.
E sobretudo ponde-vos vós mesmo diante deles, com tal moderação e recato em toda a vossa conduta exterior, que a vão copiando insensivelmente. Esse é o meio eficaz.

Nenhum comentário:

Postar um comentário