Busca no Blog

7 de maio de 2020

A ALMA DE TODO APOSTOLADO

J. B. Chautard

Parte 3/7

b - A vida interior restaura as forças do apóstolo.
Só o santo, já o dissemos, em meio da confusão dos negócios e malgrado o contato habitual com o mundo, logra salvaguardar o seu espírito interior e dirigir sempre os seus pensamentos e as suas intenções unicamente para Deus. Qualquer dispêndio de atividade exterior nele se encontra de tal maneira sobrenaturalizado e abrasado em caridade que, longe de vingar  diminuir as suas forças, antes necessariamente lhe granjeia aumento de graça.
Nas outras pessoas, embora fervorosas, ao cabo de certo tempo, mais ou menos dilatado, consagrado às ocupações exteriores, a vida sobrenatural parece sofrer alguma perda. Preocupadíssimo com o bem a fazer ao próximo, sobremaneira absorvido numa compaixão insuficientemente sobrenatural pelas misérias a aliviar, o seu coração imperfeito parece dirigir para Deus chamas menos puras, escurentadas pelo fumo de numerosas imperfeições.
Deus não punirá essa fraqueza pela diminuição da graça e não tratará com rigor esses desfalecimentos, se vir que se fazem esforços sérios de vigilância e de oração durante a ação e que a alma esta disposta a voltar para junto dele, acabado o trabalho, a fim de repousar e reparar as próprias forças. Esta perpétua renovação de propósitos, causada pelo enlace da vida ativa e da vida interior, alegra-lhe o coração paternal.
De mais a mais, naqueles que lutam, vão-se tornando cada dia menos frequentes e profundas essas imperfeições, à medida que a alma vai aprendendo a recorrer infatigavelmente a Jesus, que sempre se encontra pronto a dizer-lhe: "Volve para mim, pobre servo ofegante, sequioso pelo comprimento da jornada. Vem encontrar nas águas vivas o segredo de nova agilidade para novas carreiras. Aparta-te um instante da multidão, que não logrará ministrar-te o alimento de que carecem as tuas forças esgotadas: Venite seorsum et requíescite pusillun. No sossego, na paz que junto de mim desfrutarás, hás de reencontrar a breve trecho o teu primeiro vigor e hás de aprender ainda o meio de fazer mais com menor dispêndio de forças. Elias, fatigado, desanimado, viu as suas energias instantaneamente reanimadas por um pão misterioso. De igual sorte procederei contigo, ó meu apóstolo, nessa invejável tarefa que me aprouve impor-te, não só com a minha palavra que é toda vida, senão também com a minha graça, isto é, com meu sangue, hei de procurar orientar de novo teu espírito para os horizontes eternos e renovar entre o teu e o meu coração um pacto de intimidade. Vem, que eu te consolarei das tristezas e das decepções da viagem. E, no crisol do meu amor, retemperarás então o aço das tuas resoluções: Venite ad me omnes qui laboratis et onerati estis et ego refíciam vos".

Nenhum comentário:

Postar um comentário