Busca no Blog

18 de setembro de 2018

Retratos de Nossa Senhora, Juan Rey, S. J.,

RETRATOS DE NOSSA SENHORA

O Coração da Santíssima Virgem

Parte 6/9


Na basílica de Alba de Tormes há um relicário precioso que encerra um coração incorrupto.
Um coração dos maiores, dos mais belos que existiram no mundo. É o coração de Santa Teresa de Jesus. Este coração está atravessado por uma ferida profunda, que lhe abriu o dardo de um serafim. Ao coração de Jesus abriu-lhe uma ferida o amor pelos homens. A Santa Teresa abriu-lhe outra ferida o amor a Deus,
Era um coração sensível e a bondade que via nos homens comovia-o profundamente.
Amou com ardor a seu pai; ao vê-lo morrer, diz ela mesma: "Parecia que se me despedaçava a alma, ao ver como se acabava, porque o amava muito."
Este amor santo, ainda que um pouco excessivo, não a teria impedido de se orientar para Deus. Porém amou outras pessoas, embora sempre com amor honesto: amou um seu primo de excelentes qualidades antes de se fazer religiosa. E sendo-o já, amou com a mesma veemência outras pessoas amigas que tinha no mundo, e encerrada no convento da Encarnação, voava à grade do locutório porque ali a levava o coração. Esse coração não acabava de orientar-se para Deus, e Deus queria-o para si. Quanto trabalho custou a Deus para conseguir que aquele coração se despegasse dos homens!
O próprio Jesus aparece-lhe atado à coluna enquanto Teresa está a falar no locutório; e ela não faz caso. Tratou de convencer-se de que tinha sido uma ilusão. Outra vez apareceu-lhe no locutório uma sevandija grande que, segundo ela disse, não podia ser senão o demônio; e também não fez caso.
Que difícil é afastar o coração do que ele ama! Quantas razões aparentes procura para defender a sua atitude!
Até que um dia Jesus Cristo encontra-se a sós com aquela alma no retiro do oratório e falou-lhe ao coração. Era um "Ecce Homo", com as costas feridas pelos açoites, com a fronte rasgada pelos espinhos, com o rosto regado por fios de sangue. Teresa viu-o e exclamou: "Ninguém merece o meu coração mais do que tu; porque ninguém fez por mim o que tu fizeste".
Desde então o coração de Teresa orientou-se definitivamente para Deus, e seria somente para Ele. Só Deus basta, nos dirá ela mesma.
Bastava o nome de Deus ou de Jesus Cristo para a arrebatar e pô-la fora de si. O seu amor a Deus era tão vivo que acendia fogueiras por onde passava. Acendeu tantas fogueiras, como conventos reformou. Era tão forte que lhe tirou a vida.
A história de Teresa de Jesus é a história de um coração, apegado primeiro aos homens, ainda que com amor honesto, e consumido depois no amor a Deus.
A história de Maria Madalena é a mesma, embora mais triste. Madalena tinha um coração ardente e esse coração apegou-se aos homens com amor menos puro que o de Teresa. Depois orientou-se para Deus. Muito tinha pecado, e muito havia que se lhe perdoar. E foi perdoado porque muito amou a Deus. A história de todas as jovens é a história do seu coração. Umas, a menor parte, amaram sempre a Deus, parecem-se com a Santíssima Virgem. Outras a maior parte, desde os primeiros anos encaminharam o seu coração para os homens e o amor a Deus foi incapaz de afastá-las do que amavam. Outras ainda parecem-se com Madalena ou com Teresa de Jesus, amaram primeiro os homens, porém por fim voltaram-se para Deus.

Nenhum comentário:

Postar um comentário