Busca no Blog

31 de julho de 2015

Catecismo Ilustrado - Parte 47

Os Mandamentos

7º Mandamento de Deus (continuação): Não furtar

1. Este mandamento ordena também a restituição da coisa furtada ou retida injustamente.
2. Está obrigado à restituição: 1º quem furtou ou roubou; 2º o que manda ou persuade o furto; 3º o que consente no furto; 4º o que participa dele; 5º o que devendo impedir o furto, não só o não impede, mas o permite; 6º o que presta auxílio em defesa dos ladrões.
3. Este mandamento impõe também a obrigação de indenizar os danos feitos ou causados por culpa própria.
4. A coisa furtada ou achada de restituir-se ao seu dono, fazendo toda a diligência para descobri-lo. Se não se descobrir, convém consultar um doutor confessor.
5. Se a coisa furtada ou achada já não existir, deve restituir-se o justo valor da mesma coisa. Se não se pode restituir todo o valor, deve restituir-se aquela parte que se pode. No caso de não poder restituir nada, deve-se ter ao menos o desejo de restituir logo que possa.
6. Não se perdoa o pecado sem se restituir o alheio mal adquirido, de modo que é impossível que se salvem aqueles que, podendo, não querem restituir.
7. Os empregados não devem enganar os seus patrões, mesmo nas coisas pequenas. Diz com efeito Jesus: “Portanto, Eu vos digo: Fazei amigos com as riquezas da iniquidade, para que, quando vierdes a precisar, vos recebam nos tabernáculos eternos. Quem é fiel no pouco também é fiel no muito; e quem é injusto no pouco é também injusto no muito. Se, pois, não fostes fiéis nas riquezas iníquas, quem vos confiara as verdadeiras? E se não fostes fiéis no alheio, quem vos dará o que é vosso? Nenhum servo pode servir a dois senhores, porque, ou odiará um e amará o outro, ou se afeiçoará a um e desprezará o outro. Não podeis servir a Deus e ao dinheiro”. (Lucas XVI, 10)
8. Exemplo de restituição. “Tendo entrado em Jericó, atravessava a cidade. Eis que um homem chamado Zaqueu, que era chefe dos publicanos e rico, procurava ver quem era Jesus, mas não podia por causa da multidão, porque era pequeno de estatura. Correndo adiante, subiu a um sicômoro para O ver, porque havia de passar por ali. Quando chegou Jesus àquele lugar, levantou os olhos e disse-lhe: “Zaqueu, desce depressa, porque convém que Eu fique hoje em tua casa”. Ele desceu a toda a pressa, e recebeu-O alegremente. Vendo isto, todos murmuravam, dizendo: “Foi hospedar-Se em casa de um homem pecador. Entretanto, Zaqueu, de pé diante do Senhor, disse-Lhe: “Eis, Senhor, que dou aos pobres metade dos meus bens e, naquilo em que tiver defraudado alguém, restituir-lhe-ei o quádruplo”. Jesus disse-lhe: “Hoje entrou a salvação nesta casa, porque este também é filho de Abraão”.” (Lucas, XIX, 1-10)
9. Os que herdam bens injustamente adquiridos têm também obrigação de os restituir, porque não é permitido reter injustamente o bem alheio.
10. Os administradores e empregados que administram mal os bens do seu patrão, pecam contra o 7º mandamento e têm obrigação de indenizar o prejuízo ou dano que causaram.
11. Evitaremos toda a injustiça respeitando as coisas alheias, como queremos que sejam respeitados os nossos bens.

Explicação da gravura

12. Na parte superior, o Anjo Rafael reclama a Gabelo uma quantia que Tobias outrora lhe emprestara. Gabelo apressou-se a pagar a dívida ao Anjo.
13. Na parte inferior, à direita, vemos um homem poderoso que, querendo expoliar um mais fraco, ameaçou-o de suscitar-lhe demandas injustas e ruinosas, se não consentir nas suas exigências.

14. Na parte inferior esquerda, vê-se um gerente infiel que esbanjou os bens do seu dono.

Nenhum comentário:

Postar um comentário