Busca no Blog

5 de julho de 2019

Não ter Medo da Ternura - Santa Teresinha

Quando chegou a hora combinada para estarmos juntas, a pobre irmãzinha, olhando para mim, logo percebeu que já não era mais a mesma. Ruborizada, sentou-se ao meu lado, enquanto eu, apoiando sua cabeça contra meu coração, com lágrimas na voz, disse-lhe tudo o que pensava dela, mas em termos tão delicados e testemunhando-lhe tanta afeição, que suas lágrimas logo se misturaram com as minhas. Reconheceu com muita humildade, que  tudo quanto eu dizia era verdade, prometeu-me começar uma vida nova, pedindo-me, como uma graça, que sempre a advertisse de suas faltas. Afinal, no momento de separar-nos, nossa afeição se tornara toda espiritual sem nada mais de humano. Realizava-se em nós a passagem da Escritura: "O irmão que é ajudado pelo irmão é como uma cidade fortificada".

Nenhum comentário:

Postar um comentário