Busca no Blog

19 de agosto de 2015

Catecismo Ilustrado - Parte 53

Os Mandamentos da Igreja

1º Mandamento da Igreja: Ouvir Missa inteira nos domingos e dias de guarda

1. Sendo a Igreja uma sociedade perfeita, recebeu do seu divino fundador Jesus Cristo, o poder de fazer leis.
2. Todos os cristãos estão obrigados a obedecer à Igreja, porque Jesus Cristo declarou que desobedecer à Igreja é desobedecer a Ele mesmo.
3. A Igreja nos impõe mandamentos para nos dirigir na observância dos mandamentos de Deus, e tornar-nos mais fácil a prática do Evangelho.
4. Os principais mandamentos da Igreja são: 1º ouvir Missa inteira nos domingos e dias santos; 2º confessar-se ao menos uma vez a cada ano; 3º comungar pela Páscoa da Ressurreição; 4º obrigação de jejuar nos dias prescritos (quarta-feira das cinzas e sexta-feira Santa). É aconselhado jejuar outros dias durante a Quaresma, nas quatro Têmporas e nas vigílias de algumas festas; 5º fazer um sacrifício ou não comer carne nas sextas-feiras e nos sábados.
5. Disse que eram cinco os mandamentos principais da Igreja, porque há outros que não são gerais para todos os fiéis, ou que se acham suprimidos ou comutados, tal como o de pagar dízimos e primícias. Não se achando hoje em vigor este preceito, devemos em consciência pagar o que a lei nos prescreve para a manutenção do culto e sustentação dos ministros do altar.
6. Cumpre-se este mandamento (ouvir Missa) assistindo ao Santo Sacrifício da Missa com modéstia de corpo, com atenção do espírito e com devoção do coração.
7. A Igreja deseja que os fiéis assistam à Missa paroquial ou conventual: 1º porque os membros da freguesia unem-se todos para orarem juntos com o pároco; 2º porque participam mais abundantemente daquele sacrifício que por eles principalmente se oferece; 3º porque ouvem as máximas do Evangelho, que os párocos devem então explicar; 4º porque ficam sabendo as ordens particulares da Igreja que nessa Missa se publicam, assim como as pastorais e circulares dos prelados diocesanos.
8. A Igreja manda ouvir Missa nos domingos e dias santos, porque, ao ouvir Missa, se exerce o ato mais excelso da nossa Religião, sendo a Missa o Sacrifício do Corpo e do Sangue de Jesus Cristo oferecido sobre os nossos altares sob as espécies de pão e vinho, em memória do Sacrifício da cruz que nela se renova e continua. O Sacrifício da Missa difere porém do Sacrifício da Cruz somente em que na Cruz o Sacrifício  foi cruento isto é, derramando sangue, e na Missa não, porque é incruento; na Cruz Jesus Cristo morreu realmente, e na Missa só misticamente.
9. A vítima do Sacrifício da Missa é o mesmo Jesus Cristo que foi a vítima do Sacrifício da Cruz; o sacerdote principal é Jesus Cristo, o mesmo que também foi o sacerdote no Sacrifício da Cruz. O sacerdote que celebra a Missa é também em certo modo o sacerdote, mas é porque fala em nome de Jesus Cristo e fazendo a sua figura.
10. Jesus Cristo, na Missa, está realmente no altar, desde a consagração até à comunhão, como a vítima e como sacerdote, oferecendo aquele Sacrifício pela sua Igreja, e pedindo pelos que ouvem aquela Missa, oferecendo ao Pai toda a sua vida, morte e merecimentos.
11. Além dos domingos, os dias de festa de obrigação são atualmente, em todo o Portugal, os dias: 1º feriados: do Natal, Circuncisão (1º de Janeiro), Corpo de Deus, Assunção (15 de Agosto), de Todos os Santos (1º de Novembro), Imaculada Conceição de Nossa Senhora (8 de Dezembro). 2º transferidos: dos Reis, da Ascensão.
12. Há outras festas de santos que são padroeiros duma Diocese ou região como o dia de São Vicente no Patriarcado e no Algarve, e o dia de Santo Antônio no Patriarcado, mas não são festas de preceito.
13. Antigas festas de guarda são: festas do Coração de Jesus, Purificação (2 de Fevereiro), Anunciação (25 de Março), São João Batista (24 de Junho), São Pedro e São Paulo (29 de Junho).

Explicação da gravura


14. Representa a gravura o Sacrifício da Missa, as festas principais do ano, a devoção particular nos dias da semana. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário