Busca no Blog

8 de outubro de 2019

A ALMA DE TODO APOSTOLADO
J. B. Chautard

Parte 2/2
Com frequência ordena-se ao neurastênico que se abstenha, e as vezes por largo período de tempo, de todos os trabalhos. Remédio para ele insuportável, porque a sua doença o lança precisamente em excitação febril, que, tornada como segunda natureza, o impele a procurar incessantemente novo dispêndio de forças e comoções que lhe agravam o mal.
Assim sucede quase sempre ao homem de obras, com relação à vida interior. Tanto mais a desdenha, que digo? tanto maior repugnância sente por ela, quanto somente na sua prática se encontra o remédio para o seu estado mórbido. Procurando de preferência atordoar-se cada vez mais sob a avalanche de trabalhos crescentes e mal dirigidos, vai dessa sorte afastando toda a possibilidade de cura.
O navio desliza a todo vapor. E enquanto aquele que o dirige admira a velocidade da marcha, Deus julga que esse navio, por falta de piloto prudente, corre à ventura e com perigo de soçobrar. Adoradores em espirito e em verdade, eis o que Nosso Senhor exige antes de mais nada. Ilude-se o "americanismo", pensando que contribui para a maior glória de Deus, visando principalmente aos resultados exteriores.
Este estado de espirito explica bem o fato contemporâneo de se apreciarem ainda as escolas, os dispensários, as missões, os hospitais e de se compreender, ao contrário, cada vez menos a dedicação na sua forma íntima, pela penitência e pela oração. Não tendo já forças para acreditar na virtude da imolação oculta, muitos não se contentam apenas com tratar de cobardes e de iluminados os que a ela se consagram na solidão do claustro, sem ficarem inferiores no zelo ardente pela salvação das almas aos mais infatigáveis missionários; metem ainda a ridicularizar as pessoas de obras que julgam indispensável roubar alguns instantes às ocupações mais úteis, para irem purificar e inflamar seu zelo junto do sacrário, e obter do Hóspede divino maiores e melhores resultados para seus trabalhos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário